MIT propõe uma “bolha espacial” do tamanho do Brasil para arrefecer a Terra

2

MIT / Senseable

A “bolha espacial” vista do Espaço.

Uma equipa de investigadores do MIT está a estudar um método radical para combater os efeitos das alterações climáticas.

Os investigadores sugerem a utilização de um conjunto de “bolhas espaciais” para refletir a luz solar para longe da Terra, segundo a Interesting Engineering.

Como sabemos, ideias caricatas como estas não estariam sequer sobre a mesa se os humanos tivessem restringido drasticamente o seu uso de combustíveis fósseis há mais tempo — mas aqui estamos nós.

Enquanto alguns cientistas alertam para o facto de a geoengenharia ser uma perigosa distração do trabalho necessário para reduzir emissões, outros dizem que precisamos de avaliar todas as opções. É aí que entram as bolhas espaciais do MIT.

O método da equipa do MIT é uma nova forma de geoengenharia solar, concebida para refletir a luz solar para longe da Terra, de modo a arrefecer o nosso planeta e prevenir os piores efeitos das alterações climáticas.

A técnica de geoengenharia solar mais estudada envolve a injecção de partículas de aerossol refletoras na atmosfera superior.

No entanto, o potencial impacto negativo do método ainda não é totalmente certo, o que significa que está longe de ser visto como uma opção viável.

A abordagem dos cientistas do MIT seria um pouco diferente. Em vez de injetar partículas na atmosfera terrestre, o seu método refletiria o calor do sol do espaço, o que significa que não teriam de ser injetadas partículas possivelmente nocivas na nossa atmosfera.

Os investigadores estão a testar a possibilidade de posicionar um escudo feito de “bolhas espaciais” no ponto Lagrangiano 1, um ponto orbital relativamente estável no espaço, onde a atração gravitacional da Terra e do sol se evapora. O Telescópio Espacial James Webb, por exemplo, é posicionado no Ponto Lagrangiano 1.

O maior obstáculo para este método está, sem dúvida, na logística. Os investigadores do MIT acreditam que o escudo da bolha teria de ser quase do tamanho do Brasil.

No entanto, acreditam que as bolhas poderiam ser fabricadas no espaço, reduzindo quaisquer custos de lançamento. Estão atualmente a fazer experiências no laboratório com “bolhas espaciais” feitas de silício.

Num comunicado de imprensa, explicaram como, em “experiências preliminares”, conseguiram “criar uma bolha de película fina a uma pressão de 0,0028 atm, e mantê-la a cerca de -50°C (para aproximar condições espaciais de pressão zero e temperatura quase nula)”.

Os investigadores do MIT acreditam que a solução seria “totalmente reversível“, o que significa que as bolhas poderiam ser rapidamente rebentadas se descobríssem que estavam a ter um efeito indesejável no nosso planeta.

Tendo em conta que ainda não se sabe qual o possível impacto negativo deste método, bem como a complexidade da própria mudança climática, a segurança de que este método de geoengenharia solar pode ser reversível é algo positivo.

  Alice Carqueja, ZAP //

2 Comments

  1. O “vento solar”, ou seja a força das partículas emitidas pelo Sol e a força da luz rápido acabariam com as bolhas. Não-me parece viável.

  2. Os informáticos conhecem bem isto: Se algo corre mal num programa cria-se uma solução para corrigir esse mal. Essa solução provoca outro mal, cria-se uma solução para isso que por sua vez também corre mal e cria-se mais uma solução, toda esta sequência em vez de se ir à raiz do problema e resolvê-la.

    Não é assim, informáticos?

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.