O misterioso caso do “exoplaneta desaparecido” foi finalmente resolvido

M. Kornmesser / NASA / ESA

Em 2014, o exoplaneta Fomalhaut b, ou Dagon, desapareceu sem deixar rasto. Agora, uma equipa de astrónomos parecem ter resolvido este mistério. Como uma boa história de detetives, o final é algo inesperado.

O Dagon foi descoberto pelo Telescópio Espacial Hubble em 2004 e 2006 a orbitar uma estrela chamada Fomalhaut a 25 anos-luz de distância e era diretamente detetável à luz visível – algo extremamente raro para exoplanetas, que geralmente são demasiado pequenos e fracos para serem vistos.

O objeto foi anunciado em 2008 e confirmado em 2012. Pensava-se que Dagon seria um gigante gasoso numa órbita altamente elíptica de 1.700 anos em torno da estrela hospedeira.

Porém, ao examinar imagens do Hubble anteriormente inéditas, tiradas em 2014, os astrónomos ficaram chocados. O planeta tinha desaparecido. No seu lugar, não havia nada, levando os astrónomos a chegar à conclusão de aquele objeto nunca foi um exoplaneta.

A. Gáspár and G. Rieke / UArizona / NASA / ESA

 

Na altura, a identificação de Dagon como um exoplaneta teve problemas. Fomalhaut é uma estrela bastante jovem, com cerca de 440 milhões de anos, e ainda cercada por um anel de poeira e gás, os restos de um disco circunstancial.

Isto significa que qualquer planeta que orbite a estrela também deve ser bastante jovens e, portanto, quentes, emitindo radiação infravermelha. Porém, não foi detetada nenhuma radiação infravermelha do Dagon. Além disso, era anormalmente brilhante em comprimentos de onda óticos azuis, o que não é consistente com os modelos de formação de planetas.

Para explicar estas peculiaridades, os astrónomos propuseram que o planeta estivesse envolto por um enorme anel ou nuvem de poeira, como resultado de colisões com outros objetos ou fosse um planeta mais pequeno com um enorme sistema de anéis. Alguns até propuseram que Dagon pudesse ser uma estrela de neutrões. No entanto, nenhuma dessas explicações era conclusiva.

Havia outro problema: a órbita de Dagon parecia atravessar o anel de detritos ao redor da estrela sem perturbá-la gravitacionalmente, como um planeta faria.

Agora, os cientistas acreditam que o ponto brilhante visível nas primeiras imagens do Hubble era uma visão ainda mais rara: o resultado de uma colisão entre dois planetesimais do tamanho de um asteróide.

“Estas colisões são extremamente raras e, portanto, é um grande coisa realmente conseguirmos ver uma”, disse András Gáspár, astrónomo da Universidade do Arizona, em comunicado. “Acreditamos que estávamos no lugar certo e na hora certa para testemunhar um evento tão improvável com o Telescópio Espacial Hubble”.

Quando os astrónomos descobriram a ausência de Dagon nos dados do Hubble de 2014, Gáspár e o seu colega, George Rieke, da Universidade do Arizona, reexaminaram as observações anteriores.

Os cientistas descobriram que o objeto parecia estar a desaparecer ao longo do tempo.

Com base na análise dos dados, Gáspár e Rieke acreditam que a colisão ocorreu pouco antes da primeira imagem do Hubble em 2004. Os dois objetos teriam, cada um, cerca de 200 quilómetros de largura e provavelmente constituídos de rochas e gelo, como os cometas do Sistema Solar.

Os dois objetos uniram-se num colossal esmagamento que foi brevemente visível, mas que se foi expandindo e dissipando ao longo do tempo. Até agora, as partículas serão demasiado pequenas para serem captadas pelo Hubble.

A equipa conseguiu também verificar que Dagon não está a orbitar a estrela – está numa trajetória de fuga, afastando-se de Fomalhaut.

As conclusões deste estudo foram publicadas esta semana na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Tempestade de areia "engoliu" cidade na China

Uma forte tempestade de areia "engoliu" a cidade de Dunhuang, no noroeste da China, no passado domingo. De acordo com o South China Morning Post, a forte tempestade de areia, que provocou nuvens de poeira com …

Raíssa faz bolachas com o lema "Fora Bolsonaro". Já se tornaram virais

Uma brasileira começou a fazer bolachas com o lema "Fora Bolsonaro" em jeito de brincadeira, mas agora já vende centenas todos os dias. Aquilo que começou como uma simples brincadeira, acabou por tornar-se viral. A ideia …

Zara, 19 anos, quer ser a mulher mais nova de sempre a voar sozinha à volta do mundo

Uma jovem, de 19 anos, pôs mãos à obra para levar a cabo um "gap year" (o chamado ano sabático) com um propósito muito fora do comum: tornar-se a mulher mais nova de sempre a …

Francês diz ter usado método matemático para ganhar o Euromilhões

O francês, que não quis revelar a sua fórmula à imprensa, ganhou, no dia 11 de junho, 30 milhões de euros com a combinação com a qual jogava há um mês. A história foi contada, esta …

Mais de metade da população portuguesa já tem a vacinação completa

Mais de metade da população residente em Portugal (52%) já tem a vacinação completa contra a covid-19, revela o relatório semanal de vacinação divulgado esta terça-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último relatório semanal …

Campeão olímpico criou problemas no seu país natal

Richard Carapaz, medalha de ouro no ciclismo, foi direto: "O país nunca acreditou em mim". Presidente do Equador, ministro e Comité Olímpico reagiram. Poucos dias depois de ter subido ao pódio final da Volta a França …

Jovens preocupados com fertilidade e efeitos secundários das vacinas contra a covid-19

Com o avanço das campanhas de vacinação, um grande número de pessoas das faixas etárias baixo dos 30 anos mostra-se relutante em tomar a vacina contra a covid-19. Os jovens falam de preocupações com fertilidade …

Dois gestos de Cla(ri)sse que ficam para a memória olímpica

Clarisse Agbégnénou foi campeã olímpica no judo, pela primeira vez - mas a atitude que demonstrou, mal venceu a final, ficará também nos registos. Campeã mundial cinco vezes, mais duas medalhas de prata. Cinco medalhas em …

Sindicatos avançam com ações legais para travar despedimento coletivo na TAP

Os sindicatos que representam os trabalhadores da TAP vão avançar com ações legais para travar o despedimento coletivo que a empresa iniciou na segunda-feira, que abrange 124 profissionais. "Até agora houve conversa, a partir de agora …

Ginastas alemãs usam fato integral para combater sexualização da modalidade

Ao contrário do que acontece com os ginastas masculinos, que podem optar por calções ou calças, as mulheres competem, desde o início da modalidade, de bodies que expõem grande parte do seu corpo. Quando, no último …