Militares sudaneses violaram mais de 220 mulheres em 36 horas no Darfur

UNAMID / Flickr

-

Mais de 200 mulheres e raparigas foram violadas por militares sudaneses num “ataque organizado” à cidade de Tabit, no norte do Darfur, em outubro de 2014, revelou a Human Rights Watch (HRW) num relatório divulgado esta quarta-feira.

A organização de defesa dos Direitos Humanos com sede em Nova Iorque pediu às Nações Unidas e à União Africana que tomem “medidas urgentes” para proteger os civis da cidade de mais abusos, bem como uma investigação internacional ao que poderá ser considerado “crime contra a humanidade”.

No relatório “Violação em massa no Darfur: Ataques do exército sudanês contra civis em Tabit”, a HRW “documenta ataques do exército sudanês a Tabit durante os quais pelo menos 221 mulheres e raparigas foram violadas num período de 36 horas, com início a 30 de outubro de 2014″, indica um comunicado da organização.

A ONG assinala que “as violações em massa podem ser consideradas crimes contra a Humanidade se for provado que fazem parte de um ataque generalizado e sistemático contra a população civil”.

Segundo a HRW, as forças armadas sudanesas realizaram três ataques naquela cidade do Darfur – província no oeste do Sudão palco de um conflito étnico-cultural desde 2003 – durante os quais saquearam, espancaram e violaram.

“A Human Rights Watch documentou 27 casos de violação e obteve informação credível sobre outros 194 casos“, refere o comunicado, adiantando que dois desertores disseram à organização que “os seus oficiais superiores lhes tinham ordenado para violar mulheres“.

“O ataque deliberado a Tabit e a violação em massa das mulheres e raparigas da cidade constitui um novo recorde no catálogo de atrocidades no Darfur”, disse Daniel Bekele, diretor para África da HRW, citado no comunicado.

A organização acusa ainda o governo sudanês de ter impedido a entrada na cidade de investigadores da ONU para evitar que vítimas e testemunhas falassem sobre os crimes, adiantando que muitas destas disseram ter sido ameaçadas por responsáveis do governo com a prisão ou a morte caso dessem informações sobre os ataques.

“O Sudão fez tudo o que era possível para encobrir os horríveis crimes cometidos pelos seus soldados em Tabit, mas os sobreviventes com coragem escolheram falar”, disse Bekele.

A HRW defende que a ONU e a União Africana pressionem o Sudão para autorizar o acesso de “capacetes azuis” à cidade e que o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos crie uma equipa para investigar os alegados abusos. Insta ainda o Tribunal Penal Internacional (TPI) a investigar.

O TPI tem acusações pendentes contra cinco pessoas, incluindo o presidente sudanês, Omar al-Bashir, alvo de um mandado de prisão desde 2009, por crimes de guerra, contra a humanidade e genocídio no Darfur.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Se tivessem lá qualquer coisa para roubar, os EUA faziam logo uma guerra para libertar o povo oprimido daquele governo tirano e implantar uma democracia…

RESPONDER

O tesouro dos Templários pode estar escondido debaixo de uma casa em Inglaterra

Um historiador inglês alega que um edifício histórico em Burton, em Inglaterra, é onde está escondido o lendário tesouro dos Templários. Existem várias lendas sobre um tesouro que alguns templários conseguiram esconder do rei francês Filipe …

O núcleo interno da Terra está a crescer mais de um lado do que do outro

O núcleo interno da Terra está a crescer mais de um lado do que do outro. No entanto, isto não quer dizer que o nosso planeta esteja a ficar inclinado. Mais de 5.000 quilómetros abaixo de …

Incêndios devastam sul da Europa e obrigam a retirar moradores e turistas

Dezenas de aldeias e hotéis foram este domingo evacuados nas zonas turísticas do sul da Turquia devido a incêndios que começaram há cinco dias e já mataram oito pessoas no país, devastando também regiões da …

Há uma empresa a transformar as cinzas de entes queridos em diamantes

Uma empresa norte-americana transforma cinzas de entes queridos — e animais de estimação — em diamantes, que podem ser colocados em anéis ou colares. Lidar com a morte de um ente querido é sempre uma altura …

Pianista de aeroporto ganhou 60 mil dólares em gorjetas

Tonee "Valentine" Carter, que toca piano num aeroporto norte-americano, ganhou 60 mil dólares (cerca de 50.800 mil euros) depois de um estranho partilhar um vídeo seu a tocar. Tonee "Valentine" Carter, de 66 anos, não é …

Youtubers denunciam campanha de fake news contra vacina da Pfizer

De acordo com a imprensa brasileira, uma agência de marketing terá tentado que influenciadores digitais de todo o mundo partilhassem desinformação sobre as vacinas contra a covid-19. A denúncia foi feita por alguns dos influenciadores …

Na Tailândia, a legalização do aborto enfrenta "resistência espiritual"

Desde fevereiro, qualquer pessoa que procure fazer um aborto na Tailândia consegue fazê-lo legalmente, pelo menos no primeiro trimestre. Ainda assim, muitos médicos e enfermeiros recusam-se a levar a cabo o procedimento. A advogada Supecha Baotip …

Haiti. Viúva do presidente assassinado implica seguranças no crime

Martine Moise, a viúva do presidente haitiano Jovenel Moise — assassinado na sua residência por um comando armado no início de julho — descreveu abertamente o ataque e partilhou as suas suspeitas sobre o crime …

Covid-19. Portugal regista 2.306 novos casos e aumento nos internados

Portugal registou este domingo 2.306 novos casos de infeção por covid-19 e mais oito mortes, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS).  Portugal regista este domingo oito mortes atribuídas à covid-19, 2.306 novos casos …

Birmânia. Líder da junta volta a prometer eleições até 2023, seis meses depois do golpe militar

O líder da junta militar birmanesa, no poder desde o golpe de 1 de fevereiro, comprometeu-se novamente a realizar eleições "até agosto de 2023". “Estamos a trabalhar para estabelecer um sistema multipartidário democrático”, disse, este domingo, …