Militares sudaneses violaram mais de 220 mulheres em 36 horas no Darfur

UNAMID / Flickr

-

Mais de 200 mulheres e raparigas foram violadas por militares sudaneses num “ataque organizado” à cidade de Tabit, no norte do Darfur, em outubro de 2014, revelou a Human Rights Watch (HRW) num relatório divulgado esta quarta-feira.

A organização de defesa dos Direitos Humanos com sede em Nova Iorque pediu às Nações Unidas e à União Africana que tomem “medidas urgentes” para proteger os civis da cidade de mais abusos, bem como uma investigação internacional ao que poderá ser considerado “crime contra a humanidade”.

No relatório “Violação em massa no Darfur: Ataques do exército sudanês contra civis em Tabit”, a HRW “documenta ataques do exército sudanês a Tabit durante os quais pelo menos 221 mulheres e raparigas foram violadas num período de 36 horas, com início a 30 de outubro de 2014″, indica um comunicado da organização.

A ONG assinala que “as violações em massa podem ser consideradas crimes contra a Humanidade se for provado que fazem parte de um ataque generalizado e sistemático contra a população civil”.

Segundo a HRW, as forças armadas sudanesas realizaram três ataques naquela cidade do Darfur – província no oeste do Sudão palco de um conflito étnico-cultural desde 2003 – durante os quais saquearam, espancaram e violaram.

“A Human Rights Watch documentou 27 casos de violação e obteve informação credível sobre outros 194 casos“, refere o comunicado, adiantando que dois desertores disseram à organização que “os seus oficiais superiores lhes tinham ordenado para violar mulheres“.

“O ataque deliberado a Tabit e a violação em massa das mulheres e raparigas da cidade constitui um novo recorde no catálogo de atrocidades no Darfur”, disse Daniel Bekele, diretor para África da HRW, citado no comunicado.

A organização acusa ainda o governo sudanês de ter impedido a entrada na cidade de investigadores da ONU para evitar que vítimas e testemunhas falassem sobre os crimes, adiantando que muitas destas disseram ter sido ameaçadas por responsáveis do governo com a prisão ou a morte caso dessem informações sobre os ataques.

“O Sudão fez tudo o que era possível para encobrir os horríveis crimes cometidos pelos seus soldados em Tabit, mas os sobreviventes com coragem escolheram falar”, disse Bekele.

A HRW defende que a ONU e a União Africana pressionem o Sudão para autorizar o acesso de “capacetes azuis” à cidade e que o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos crie uma equipa para investigar os alegados abusos. Insta ainda o Tribunal Penal Internacional (TPI) a investigar.

O TPI tem acusações pendentes contra cinco pessoas, incluindo o presidente sudanês, Omar al-Bashir, alvo de um mandado de prisão desde 2009, por crimes de guerra, contra a humanidade e genocídio no Darfur.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Se tivessem lá qualquer coisa para roubar, os EUA faziam logo uma guerra para libertar o povo oprimido daquele governo tirano e implantar uma democracia…

RESPONDER

Haaland tem cinco namoradas e meio mundo atrás dele (mas pode seguir o caminho da Red Bull)

Apesar do interesse de grandes clubes do futebol mundial, Haaland pode seguir o trilho da Red Bull e transferir-se para do Salzburg para o Leipzig. O norueguês é uma das maiores jovens promessas da atualidade. Erling …

PSD pondera propor fim dos debates quinzenais e torná-los mensais

O PSD está a ponderar apresentar uma proposta para acabar com os debates quinzenais com o primeiro-ministro e torná-los mensais. A proposta passa também pela substituição de um desses "duelos" atuais por um debate temático …

Segunda vítima mortal nos protestos de Hong Kong. Xi Jinping condena manifestações

O quarto dia consecutivo de protestos ficou marcado pela morte de um homem de 70 anos. Esta é a segunda vítima mortal desde o início das manifestações em Hong Kong. De acordo com a imprensa internacional, …

Governo prepara dois novos escalões de IRS para a classe média

O primeiro-ministro afirmou esta quinta-feira que o objetivo do Governo no próximo Orçamento é dar “um primeiro passo” para conferir uma maior progressividade no IRS e diminuir o peso deste imposto sobre os vencimentos da …

Dois procuradores do caso Tancos vão sair do DCIAP

Os procuradores Vítor Magalhães e João Valente, da equipa que investigou o caso Tancos, vão sair do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) no âmbito do movimento de magistrados do Ministério Público (MP), …

Cerca de 40% dos hospitais têm ruturas diárias de medicamentos

Os preços "excessivamente baixos dos medicamentos genéricos" são a causa mais importante identificada pelos hospitais para as ruturas de fornecimento. Quase 40% dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) indicam ter diariamente ruturas no fornecimento …

Secretário de Estado: despenalizações como a que absolveu o Benfica vão terminar. "Será inapelável"

João Paulo Rebelo assegurou que a entrada em vigor da lei de combate à violência no desporto evitará situações como a que levou à recente anulação do castigo imposto ao Benfica. O secretário de Estado da …

Morales quis dialogar. Presidente interina da Bolívia mandou-o calar-se

O ex-Presidente Evo Morales ofereceu-se para regressar à Bolívia para "ajudar a pacificar o país, não para ser candidato", mas Jeanine Añez, que assumiu a presidência interina do país, respondeu que Morales não pode participar …

Cientistas reconstruiram a cara mutilada de uma guerreira Viking

Um esqueleto encontrado num cemitério Viking em Solør, na Noruega, tinha sido identificado como sendo de uma mulher há vários anos, mas os especialistas não tinham a certeza se tinha sido verdadeiramente uma guerreira. Agora, a …

Banco de Portugal vai pagar ao Estado valor recorde em dividendos em 2020

O Banco de Portugal deverá pagar ao Estado cerca de 550 milhões de euros em dividendos em 2020. Este é o montante que está em cima da mesa, mas ainda é prematuro calcular o valor. A remuneração …