Milhares de mulheres em protesto na América Latina contra a violência machista

Bárbara Leiva / Notas.org.ar

Protesto em Buenos Aires, na Argentina, contra a violência machista

Milhares de mulheres manifestaram-se na quarta-feira por toda a América Latina contra a violência de género, num protesto desencadeado pelo recente caso de Lucía Pérez, uma adolescente que foi violada e assassinada na Argentina.

Os protestos registaram-se nas principais cidades da Argentina, Chile, Bolívia, Brasil e México, entre outras.

Dezenas de milhares de mulheres marcharam na principal avenida da capital do Chile, a maioria das quais vestidas de preto, exibindo centenas de cartazes com mensagens como “pena de morte para assassinos e violadores” ou “mulheres sobreviventes, sempre resistentes”, numa mobilização em que também participaram homens.

Segundo o Movimento pelos Direitos Sexuais e Reprodutivos (Miles), a marcha na capital chilena terá contado com 80 mil participantes, não tendo sido divulgado qualquer estimativa por parte das autoridades.

Mario Ruiz / EPA

Protesto em Santiago do Chile contra a violência machista

Protesto em Santiago do Chile contra a violência machista

Idênticos protestos realizaram-se noutros países da América Latina, mas com uma dimensão mais reduzida, como na Bolívia, onde aproximadamente meio milhar de pessoas também percorreu as ruas da capital, La Paz, repudiando a violência machista e pedindo justiça para as vítimas de assassínios.

A Bolívia é o país latino-americano com os mais elevados índices de violência machista e o segundo, a seguir ao Haiti, em violência sexual, segundo dados do programa ONU Mulheres.

O Brasil também foi palco de manifestações similares.

Em São Paulo, a maior cidade da América do Sul, cerca de 80 mulheres saíram para as ruas para se manifestar contra a violência de género e para demonstrar a sua solidariedade após o caso de uma jovem de 16 anos que foi drogada, violada e assassinada na Argentina, no passado dia 8, o qual foi, aliás, o gatilho dos protestos que atravessaram a América Latina.

“Esse ato acontece em solidariedade às mulheres que estão em luta na Argentina denunciando o aumento da violência e do feminicídio. Ele surge após o assassinato de uma jovem de 16 anos que foi drogada, estuprada e empalada e morreu por conta dessa violência. Estamos nas ruas, no Brasil, porque a gente sabe que a nossa realidade não é diferente. Também somos assassinadas, estupradas e violentadas todos os dias“, disse Marcela Azevedo, do movimento Mulheres em Luta.

1.678 feminicídios em 2014

Segundo o Observatório da Igualdade de Género da América Latina e do Caribe da Comissão Económica da América Latina e Caribe (Cepal), pelo menos 1.678 foram assassinadas por razões de género na região em 2014.

Vinte países da América Latina e do Caribe contam atualmente com leis sobre violência contra as mulheres, mas apenas oito consignam recursos específicos no seu orçamento nacional.

Para as participantes do protesto em São Paulo, um dos passos para o fim da violência contra a mulher é a educação e a adoção de políticas públicas de combate a esse crime.

A ativista de direitos humanos argentina Josefina Cicconetti, que vive no Brasil há quatro anos, considera importante dar nomes às vítimas para que os casos não sejam tratados apenas como estatísticas.

“Como são vários casos de violência contra a mulher, esse caso seria mais um caso, mas ela tem um nome, é Lucía. Esse caso é atroz, inacreditável. Foi muita maldade, muita crueldade”, lamenta.

Segundo a ativista, a violência contra a mulher no Brasil e na Argentina são muito semelhantes: “São países que estão muito próximos um do outro e vivem uma situação em comum, que é o machismo. O machismo existe na América do Sul inteira e no mundo inteiro“.

Para Josefina, a educação é a grande política contra a violência contra a mulher. “A educação é primordial. E os exemplos que nós damos. Se partirmos de uma piada ou de um piropo na rua, não se pode dizer ‘tudo bem’ e fazer de conta que não é nada. É com as microações e a micropolítica que fazemos a revolução“.

Bárbara Leiva / Notas.org.ar

Protesto em Buenos Aires, na Argentina, contra a violência machista

Protesto em Buenos Aires, na Argentina, contra a violência machista

AF, ZAP / Lusa / ABr

PARTILHAR

RESPONDER

Sporting 2-1 Santa Clara | Super-Coates volta a ser herói

Arrancado a ferros… à campeão? O Sporting esteve a poucos segundos de registar o terceiro empate em casa, perante um Santa Clara que não foi em nada inferior aos “leões” e até conseguiu ser superior em …

Os gatos demonstram ser menos leais do que os cães (mas pode haver uma razão)

Ainda existe um estereótipo sobre a diferença entre cães e gatos. Normalmente as pessoas associam os cães a animais amorosos e leais, enquanto os gatos são tidos como distantes e indiferentes. Um novo estudo pode …

O mistério do "lago dos esqueletos" na Índia intriga cientistas há décadas

O Roopkund, localizado na parte indiana dos Himalaias, é um lago glacial com centenas de ossos humanos. E ninguém sabe como foram lá parar. Em 1942, um guarda florestal revelou ao mundo a existência deste lago …

A fronteira mais importante da China é imaginária: a Linha Hu

A Linha Hu, também conhecida como linha Heihe-Tengchong, é uma linha imaginária que divida a China em duas partes com áreas quase iguais. Estende-se da cidade de Heihe até Tengchong. Desenhada pela primeira vez em 1935, …

Algumas pessoas moram em aeroportos durante meses (ou até mesmo anos)

Aeroportos não servem de casa apenas para os sem-abrigo. Há pessoas que, involuntariamente ou não, ficam lá durante meses e, em alguns casos, até mesmo anos. Em janeiro, as autoridades de Chicago prenderam um homem de …

Senado da Carolina do Sul aprova fuzilamento como método de execução

Com esta decisão, a Carolina do Sul poderá converter-se no quarto estado do país a incorporar este método de execução de pena de morte, depois do Utah, Oklahoma e Mississípi. De acordo com a agência noticiosa …

"Oxigénio tornou-se ouro". Criminosos lucram com a sua escassez no México

A pandemia de covid-19 deixou a Cidade do México a atravessar uma grande escassez de oxigénio médico. Criminosos estão a aproveitar para lucrar com a situação. A capital mexicana registou um pico de infeções e hospitalizações …

Meteorito do tamanho de um damasco caiu em França (e os astrónomos precisam de ajuda para encontrá-lo)

Os entusiastas do Espaço estão a ser instados a procurar um meteorito do tamanho de um damasco que caiu no fim de semana passado no sudoeste de França.  O meteorito, com peso estimado em 150 gramas, …

Professora pediu a alunos para fingir que eram escravos e escreverem carta para África

Uma professora de uma escola secundária no Mississippi, nos Estados Unidos, está a ser alvo de críticas devido a uma fotografia de um trabalho de casa divulgada nas redes sociais. Foi pedido aos alunos do 8.º …

Obra de Churchill que pertencia a Angelina Jolie vendida por valor recorde

O quadro pintado pelo antigo primeiro-ministro britânico foi vendido por 8,3 milhões de libras. A pintura foi um presente de Winston Churchill para o presidente dos Estados Unidos, Franklin D. Roosevelt, e agora foi leiloada …