Há um “milagre da multiplicação” dos votos que os deputados querem travar

Miguel A. Lopes / Lusa

Todos os partidos concordam: é preciso travar o “milagre da multiplicação” dos votos na Assembleia da República. Estabelecer regras objetivas para o fazer é o mais complicado.

Os deputados começaram esta quarta-feira a discutir como “regrar” o “milagre da multiplicação” de votos no Parlamento, mas ainda não se sabe como o vão fazer, estando, em princípio, afastada hipótese de se limitar o número de iniciativas.

O grupo de trabalho da comissão de Assuntos Constitucionais reuniu-se e fixou um calendário para tentar resolver, até à próxima sexta-feira, a controvérsia em torno da profusão de votos (de congratulação, protesto, condenação, saudação e pesar) que têm ocupado a agenda e que levou o presidente da Assembleia da República a pedir que sejam regrados.

Num só dia, em 12 de dezembro de 2019, os deputados demoraram 43 minutos a votar e discutir 42 votos, de pesar, condenação ou saudação e temas tão diferentes como os elefantes no Camboja ou projéteis da Coreia do Norte. “Isto não pode nem deve continuar assim para bem da Assembleia da República”, insurgiu-se Ferro Rodrigues.

Há projetos de revisão do regimento da Assembleia do PAN, do PCP e do PS e na reunião desta quarta-feira começaram a ser discutidos na parte dos votos, dado que o objetivo é aprovar essa parte quando o parlamentar voltar à agenda normal, após a votação do Orçamento do Estado para 2020, em 6 de fevereiro.

O PCP, explicou o deputado António Filipe, quer distinguir os votos de pesar dos restantes, devendo estes ser votados logo que possível. João Cotrim Figueiredo, da Iniciativa Liberal concordou, genericamente, com a solução sugerida pelos comunistas.

Ou seja, os outros votos, de condenação ou congratulação, os que foram alvo de “chacota política e crítica”, nas palavras de António Filipe, deveriam seguir uma tramitação idêntica aos projetos de resolução – primeiro baixam à comissão respetiva para debate e podem “subir” depois para votação em plenário, se for for essa opção do partido.

Até porque, “em boa verdade, as resoluções e votos tem um efeito pratico muito semelhante”, ou “são recomendações ao Governo ou votos piedosos”, comentou.

Na volta à mesa, Cotrim Figueiredo alinhou argumentos contra os numerus clausus, a limitação do número de votos a submeter à Assembleia, até porque, segundo Pedro Delgado Alves, do PS, essa solução “esbarraria” na liberdade de expressão e na liberdade de cada grupo parlamentar ou deputados únicos.

Pedro Rodrigues, do PSD, também não simpatiza com numerus clausus, mas quanto a limitar o número de votos que “sobem” a plenário esse poderia ser um cenário a analisar – “não seria uma regra diabólica” desde que tivesse “válvulas de escape”. Uma delas, regimental, é aguardar o agendamento no guião de votações, por exemplo.

Já José Manuel Pureza, do Bloco de Esquerda, admitiu que “é muito difícil” uma solução para “o milagre da multiplicação de votos” e recordou que os grupos parlamentares “trivializaram” este tipo de iniciativas para as substituir a projetos de resolução.

Pedro Delgado Alves afirmou que o PS vai também ponderar a apresentação de novas propostas e, em tese, admitiu que se pode discutir um limite de número de votos, por sessão legislativa, que “sobe” a plenário. Sem que isso, argumentou, seja um travão à iniciativa das bancadas e que todos os votos sejam discutidos na comissão parlamentar.

O CDS não esteve representado na reunião e o deputado do PAN, André Silva, questionou “a subjetividade” do conceito de “individualidade” associado a um voto de pesar pela morte de alguém.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Derek Chauvin foi detido, mas os precedentes mostram que o polícia pode sair impune

Derek Chauvin, o polícia responsável pela morte de George Floyd, foi detido e aguarda a sua primeira audiência. No entanto, há precedentes que sugerem que o agente pode sair impune. Derek Chauvin tem a sua primeira …

Cientistas encontram dois fragmentos do meteorito de Barcelona

Cientistas espanhóis encontraram dois pequenos fragmentos do chamado meteorito de Barcelona, que caiu, há mais de 300 anos, no dia de Natal. No dia 25 de dezembro de 1704, um meteorito rasgou os céus e caiu …

"Pressionaram-me para o denunciar". Higuita recorda amizade com Escobar

A relação de amizade entre René Higuita e Pablo Escobar levou a que o ex-futebolista fosse seguido pelas autoridades. A polícia chegou a pressioná-lo para denunciar Escobar. O antigo internacional colombiano René Higuita é provavelmente uma …

George Floyd. Portugal junta-se às manifestações mundiais contra o racismo

Cinco cidades portuguesas juntam-se hoje à campanha de solidariedade mundial contra o racismo, associando-se à luta pela dignidade humana na sequência da morte, a 25 de maio, do afro-americano George Floyd, sob custódia da polícia …

Covid-19. México investiga mercado negro de atestados de óbito falsos

As autoridades da Cidade do México anunciaram que estão a investigar um suposto mercado negro de atestados de óbito relacionado com a covid-19, no dia em que o país registou 625 mortes nas últimas 24 …

Astrónomos descobrem "réplica" do Sol e da Terra a três mil anos-luz

O que diferencia esta descoberta de outros exoplanetas parecidos com a Terra é que a sua estrela tem uma semelhança impressionante com o nosso Sol. Entre os dados da missão Kepler, uma equipa de investigadores identificou …

Sem romarias e festas, milhares de famílias estão a entrar em falência

Milhares de famílias cujo rendimento depende das romarias e festas populares estão a atravessar sérias dificuldades económicas. Os prejuízos ultrapassam os 50 milhões de euros. A suspensão das festas populares e romarias religiosas em todo o …

Corpo de Maria Velho da Costa ficou 11 dias na morgue. Filho critica MP e fala em "massacre psicológico"

Os restos mortais da escritora Maria Velho da Costa, que faleceu a 23 de Maio, ficaram no Instituto de Medicina Legal, em Lisboa, durante 11 dias, sem que a família tivesse conhecimento de que já …

"Vocês são uns ingratos". Vieira arrasa equipa após empate com o Tondela

Luís Filipe Vieira foi ao balneário falar com os jogadores após o empate com o Tondela. O presidente benfiquista mostrou-se irritado e acusou os futebolistas de ingratidão. Depois do empate do SL Benfica com o CD …

Costa tirou o tapete ao seu "super-ministro" (que é cada vez mais candidato a líder do PS)

Pedro Nuno Santos, ministro das Infraestruturas, já foi um peso-pesado do Governo de António Costa, mas o primeiro-ministro desautorizou-o na discussão sobre o futuro da TAP, num claro sinal de que a "lua-de-mel" entre os …