Micróbios canibais comiam os cadáveres uns dos outros para sobreviver nas profundezas do Mar Morto

No Mar Morto, sufocados pela água mais salgada da Terra, organismos unicelulares chamados Arquea lutavam para realizar funções básicas da vida sem oxigénio, luz ou novas formas de sustento.

De acordo com um novo estudo publicado em 22 de março na revista Geology, a sobrevivência da vida microbiana sob o Mar Morto pode ter até mesmo dependido do ato de comer os mortos.

No seu estudo, investigadores da Suíça e de França analisaram longos núcleos de sedimentos escavados no centro do Mar Morto e encontraram evidências de que a vida microbiana antiga acumulava a energia de que precisava para sobreviver, engolindo pedaços de vizinhos mortos.

De acordo com os investigadores, estes resultados dão luz para a misteriosa e profunda biosfera da Terra – o mundo subterrâneo entre a superfície da Terra e o seu núcleo – onde potencialmente milhões de espécies microbianas desconhecidas prosperam em condições extremamente extremas.

“O ambiente sub-superficial do Mar Morto constitui um dos ecossistemas mais extremos do planeta”, escreveram os autores no artigo. “Estudando um ambiente que leva a vida aos seus limites, vislumbramos os processos que alimentam a vida na sub-superfície profunda.”

O Mar Morto – que não é realmente um mar, mas um lago salgado que abrange as fronteiras de Israel, Jordânia e Palestina – começa a cerca de 430 metros abaixo do nível do mar, tornando-se o único lugar mais baixo em terra. O lago também é dos mais salgados: as águas são quase dez vezes mais salgadas do que os oceanos do mundo.

Para entender melhor a história microbiana deste ecossistema extremo, os autores do estudo investigaram amostras antigas de sedimentos enterradas a até 245 metros abaixo da superfície do lago. Dentro destas profundas fatias de leito de lago, a equipa encontrou vestígios de vida microbiana morta há muito tempo.

Nas camadas mais salgadas do submundo do lago, a equipa encontrou muitos compostos microbianos chamados ésteres de cera – um tipo de molécula de armazenamento de energia que os menores organismos do mundo podem criar quando a sua sobrevivência é levada aos limites. Um organismo precisa de engolir pedaços gordurosos deixados por micróbios mortos que não conseguiram sobreviver.

Já se sabia que as bactérias transformam pedaços dos seus vizinhos mortos em ésteres de cera, mas a arquea não parece ter essa habilidade. Assim, a equipa concluiu que os ésteres de cera encontrados nas profundezas do Mar Morto provavelmente vieram de bactérias que não tinham escolha a não ser alimentar-se dos cadáveres para sobreviver.

Pensava-se que as bactérias eram incapazes de se adaptar ao ecossistema extremo do lago. No entanto, ao “reciclar” pedaços de micróbios, a sobrevivência pode ter sido possível no passado. Isto pode aplicar-se também a outros ambientes severos espalhados pela vasta biosfera subterrânea do planeta.

“Os resultados ilustram a alta adaptabilidade da biosfera sub-superficial e a sua capacidade de usar estratégias variadas para produção e preservação de energia sob condições adversas”, concluíram os autores.

PARTILHAR

RESPONDER

Nona Sinfonia de Beethoven revela novos detalhes sobre o cérebro humano

A Nona Sinfonia de Ludwig van Beethoven, 250 anos após a sua criação, ajudou a demonstrar a existência de células conceituais no cérebro. Quase 200 anos depois da morte de Beethoven, a maior obra do músico …

Governo vai suspender devolução dos manuais escolares

O ministro da Educação informou hoje que o Governo vai suspender a devolução de manuais escolares, em curso desde 26 de junho, cumprindo a decisão do parlamento, que aprovou uma proposta nesse sentido. O plenário da …

Cuba prestes a abrir portas ao turismo (exceto aos cubano-americanos)

Depois de fechar as suas fronteiras para os turistas no final de março por causa da pandemia da covid-19, Cuba prepara-se agora para reabrir várias das suas baías ao turismo - mas há algumas exceções. …

Cidade do México enterrou os rios para prevenir doenças, mas a covid-19 resiste e prospera

Na tentativa de evitar a disseminação de doenças como a malária e a cólera, a Cidade do México enterrou os seus rios. Agora, como consequência, criou inadvertidamente as condições necessárias para a covid-19 prosperar. A Cidade …

Descoberto sistema de túneis da I Guerra onde estarão enterrados dezenas de soldados

A Agência do Património da Bélgica anunciou esta semana a descoberta de um sistema de túneis alemão da I Guerra Mundial, onde estarão, muito provavelmente, dezenas de soldados enterrados. Em comunicado, citado pela Russia Today, …

Cinco funcionários da Tesla dizem ter sido despedidos por terem ficado em casa durante a pandemia

Cinco funcionários da produtora automóvel Tesla dizem ter sido despedidos por terem ficado em casa durante a pandemia, avança o The Washington Post. De acordo com o jornal norte-americano, foram cinco os colaboradores dispensados da …

"Qual o lugar mais seguro?". Costa compara infetados no Reino Unido e Algarve

O primeiro-ministro apresentou hoje uma tabela que mostra o Reino Unido muito acima do Algarve em número de infetados com covid-19 por cem mil habitantes e pergunta qual o lugar mais seguro para umas férias …

Azul anuncia venda de 6% da TAP ao Estado por 10 milhões de euros

A companhia aérea brasileira Azul, de David Neeleman, anunciou hoje a venda de 6% da TAP, no âmbito do acordo anunciado esta quinta-feira entre o Estado e os acionistas privados, que “garante a continuação” da …

NASA cria dispositivo que o avisa para não tocar no rosto (e pode ser reproduzido em casa)

A pensar na pandemia, a NASA desenvolveu o PULSE, um colar vibratório que nos alerta se formos tocar no rosto com as nossas mãos. A pandemia de covid-19 alastrou pelo mundo e, enquanto não chega um …

Há mais 11 mortes e 374 novos casos de infecção (300 são na Grande Lisboa)

Portugal regista hoje mais 11 mortos devido à doença covid-19 do que na quinta-feira e mais 374 infectados, dos quais 300 na Região de Lisboa e Vale do Tejo, segundo o boletim da Direcção-Geral da …