México usa tortura sexual para obter confissões de mulheres

Amnistia Internacional

Fim à Tortura no México, campanha da Amnistia Internacional Espanha, 2014

O exército, a marinha e a polícia do México recorrem habitualmente a abusos sexuais para obter confissões de mulheres detidas, por forma a aumentar as condenações e a parecer que estão a travar o crime organizado no país.

A denúncia consta de um relatório da Amnistia Internacional divulgado esta terça-feira, intitulado “Sobreviver à morte: Tortura de mulheres por polícia e militares no México”, que resulta de uma investigação sem precedentes realizada em prisões federais mexicanas.

Segundo o relatório da organização de defesa dos direitos humanos, “todas as 100 mulheres entrevistadas testemunharam a ocorrência de tortura e de outros maus-tratos“.

A esmagadora maioria declarou ter sido “alvo de alguma forma de abuso físico ou psicológico durante a detenção e interrogatórios por polícias municipais, estaduais ou federais ou membros do exército ou da marinha”, acrescenta o relatório.

Nos depoimentos prestados à Amnistia Internacional, 72 mulheres afirmaram ter sido submetidas a abusos sexuais quando foram detidas ou nas horas que se seguiram à detenção e 33 relataram ter sido violadas.

Sessenta e seis das mulheres disseram ter denunciado o abuso a um juiz ou outras autoridades, mas só foram abertos inquéritos em 22 casos e a AI não tem conhecimento de quaisquer acusações de crime apresentadas na sequência dessas investigações.

A coberto da generalizada “guerra às drogas” no México, as 100 mulheres detidas cujas histórias a AI documenta referiram “fortes espancamentos, insultos e ameaças de violação das mulheres e respetivas famílias, e quase asfixia”.

As detidas testemunham ter sofrido “choques elétricos nos órgãos genitais, apalpões nos seios e beliscões nos mamilos, violação com objetos, dedos, pénis e armas de fogo“, entre outras formas de violência que lhes foram infligidas para que “confessassem” graves crimes.

No caso da grande maioria das mulheres detidas em prisões federais, é a primeira vez que são acusadas de um crime, quase sempre relacionado com drogas.

Amnistia Internacional

O Relatório da Amnistia Internacional sobre tortura sexual a mulheres no México foi publicado esta terça feira

Das 100 mulheres entrevistas pela AI, todas continuam na prisão, enfrentando graves acusações e tendo recebido poucos ou nenhuns cuidados médicos e assistência psicológica.

Trinta e três foram acusadas de fazer parte de grupos de crime organizado, 23 foram acusadas de crimes de droga, 22 de sequestro e 14 de posse ilegal de armas de fogo. Outras foram acusadas de vários destes crimes.

“Mas os seus torturadores estão em liberdade“, sublinha a AI, acrescentando que é fundamental mudar esta ideia de impunidade que impera nas forças de segurança mexicanas.

No âmbito da estratégia de segurança do México conhecida como “guerra às drogas”, as mulheres são muitas vezes detidas durante operações de detenção de grupos e são acusadas de serem as namoradas de um criminoso e, portanto, cúmplices de atos criminosos.

No entanto, não há provas sólidas para sustentar tais acusações.

As mulheres são encaradas como detenções fáceis para aumentar os números e mostrar à sociedade mexicana que os esforços de segurança do Governo estão a produzir resultados, indica a organização.

“As mulheres de meios marginais são as mais vulneráveis à chamada ‘guerra às drogas’ no México, declarou a diretora da Amnistia Internacional para o continente americano, Erika Guevara-Rosas, em comunicado.

“Habitualmente, são vistas como alvos fáceis pelas autoridades, que estão muitas vezes mais interessadas em mostrar que estão a pôr gente atrás das grades do que em assegurar-se de que estão a prender os verdadeiros criminosos”, acrescentou.

Amnistia Internacional

Mulher detida por funcionários da Polícia no norte do México

Mulher detida por funcionários da Polícia Federal no norte do México

De acordo com a AI, quase dois anos após a publicação do seu relatório de 2014, “Fora de controlo: Tortura e outros maus-tratos no México“, a tortura continua a ser um problema grave no país.

“No relatório de 2015, “Promessas no Papel, Impunidade Diária“, a organização descobriu que as queixas de tortura apresentadas junto das autoridades federais duplicaram entre 2013 e 2014.

Em dezembro de 2015, o Instituto Nacional de Estatística divulgou que “a tortura e outros maus-tratos foram a segunda violação dos direitos humanos mais denunciada às autoridades após detenção arbitrária nos 32 estados do México”, lê-se no documento.

De acordo com a Amnistia, o Estado mexicano já deu um passo na direção certa ao anunciar, recentemente, a criação de um grupo de trabalho sobre violência sexual como forma de tortura, “mas esse mecanismo precisa de um urgente reforço, porque permanece inativo”.

Outra das recomendações da Amnistia é a adoção urgente de uma Lei Geral sobre a Tortura, “para garantir que todas as provas obtidas através de tortura e outros maus-tratos são excluídas dos processos judiciais”.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Grande tempestade de areia pode ter ditado o fim de um império da Mesopotâmia

O Império Acádio da Mesopotâmia entrou em colapso devido a uma enorme tempestade de areia, sugeriu uma nova investigação levada a cabo por cientistas da Universidade de Hokkaido, no Japão. Em comunicado, os especialistas explicam …

Encontrado templo milenar usado em rituais pagãos de veneração da água

O local tem 3.000 anos, onde investigadores encontraram 21 sepulturas, bem como várias peças de cerâmica e anéis de cobre. O templo era usado em rituais pagãos de veneração da água. Uma equipa de arqueólogos encontrou …

Elon Musk diz que inovações da Neuralink vão conseguir curar o autismo

Musk disse que a sua empresa Neuralink iria "solucionar uma série de doenças neurológicas", entre as quais o autismo. Contudo, o autismo não é uma doença relacionada com o cérebro, mas sim uma perturbação do …

"Indivíduos desconhecidos" terão obrigado Marinha a apagar vídeo do incidente do USS Nimitz com um OVNI

Vários membros da Marinha que testemunharam o famoso Incidente do USS Nimitiz, em 2004, disseram que "indivíduos desconhecidos" apareceram depois do acontecimento e obrigaram-nos a apagar as gravações de vídeo. Em novembro de 2004, um porta-aviões …

Coreia do Norte detonou bomba atómica equivalente a 17 "Hiroshimas"

Dados de um satélite japonês revelam que a explosão de um teste nuclear na Coreia do Norte, em 2017, terá sido 17 vezes mais poderosa do que a bomba de Hiroshima. A Coreia do Norte estimou que …

Invenção financiada por Bill Gates pode invisivelmente resolver a malnutrição

Uma invenção financiada por Bill e Melinda Gates pode ser a solução para resolver o problema da malnutrição a nível mundial. O próximo passo é conseguir o apoio dos Governos locais. A malnutrição é um problema …

Com a ajuda de um radar, cientistas revelaram pegadas de mamutes e humanos pré-históricos

Espalhados pelo Monumento Nacional de White Sands, nos Estados Unidos, encontram-se os "rastos fantasma" de mamutes mortos há milhares de anos. Agora, investigadores conseguiram revelar pegadas de humanos. De acordo com o Science Alert, esta descoberta, …

A desertificação está progredir na Índia. Mas a solução pode estar no conhecimento tradicional

Quase 45% da área de Maharashtra está a transformar-se em deserto, assim como uma grande parte da Índia. De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), o ritmo da desertificação no país é agora …

Um dos videojogos mais famosos do mundo é acusado de propaganda anti-Rússia

Call of Duty é uma das franquias de maior sucesso na história dos videojogos, mas atualmente existem pedidos para boicotar o seu último lançamento devido à descrição de conflitos militares do jogo. Call of Duty: Modern …

Nova aplicação rastreia todos os seus passos em troca de descontos

Todas as pessoas gostam de aproveitar descontos, negócios e saldos. A Miles é uma nova aplicação que lhe oferece isso em troca de algo: a sua privacidade. A app rastreia todos os seus movimentos, disponibilizando descontos …