Mergulhador desenvolveu uma técnica para hipnotizar tubarões

d.r. Riccardo Sturla Avogadri

-

Um mergulhador italiano afirma ter descoberto uma técnica simples para conseguir “hipnotizar” tubarões.

Riccardo Sturla Avogadri é o corajoso mergulhador que diz ter encontrado uma forma de colocar os tubarões em “transe”, conta a BBC.

Segundo o italiano, o primeiro passo para imobilizar um tubarão começa por atrai-lo, algo que pode ser feito com recurso a algum barulho, comida ou produtos químicos.

De seguida, quando o tubarão se aproxima, passa-se à tarefa quase impossível de o colocar em modo de relaxamento. Avogadri coloca as mãos numa posição específica que faz com que estes animais pensem que os seus dedos são peixes.

“Faço com que o tubarão tente morder as minhas mãos. Essa é a parte mais difícil e também a mais perigosa, visto que se for muito rápido o tubarão vai embora e se for muito devagar ele morde”, explicou o mergulhador no Outlook, um programa de rádio da estação britânica.

O italiano contou ainda que esta é uma técnica sempre feita com a utilização de um fato de mergulho especial, feito à base de aço, que impossibilita que os dentes do tubarão perfurem a sua pele.

Segundo Avogadri, antes de morder, o animal abre a boca para deixar a água entrar e obter oxigénio através das guelras. É no preciso momento em que o tubarão fecha a boca que o mergulhador ‘ataca’.

“Eu consigo imobilizar o tubarão quando está com a boca fechada. Nesse momento, o animal não está a respirar e, por isso, coloco a mão no nariz e faço uma espécie de massagem”, conta.

É essa massagem que permite mudar o comportamento do tubarão, uma vez que estimula um órgão sensorial chamado de ampola de Lorenzini.

“Os tubarões gostam de sentir os movimentos circulares. (…) Tentam fugir durante uns cinco ou seis segundos, mas quando sentem essa sensação percebem que não há perigo e muitas vezes param”.

Por fim, o mergulhador diz que começa a retirar as parasitas presentes na pele do animal e que esse pode também ser um fator que cria alguma relação de empatia.

“O animal pode ir embora, mas como percebe que fiz uma coisa boa, acaba por voltar – talvez pense que sou uma espécie de ‘estação de limpeza'”, sugere.

O italiano admite que não é possível aplicar esta técnica com todos os tubarões mas garante que, para já, não teve ainda nenhum acidente grave.

“Às vezes estou no meio de um grupo de 20 tubarões e tenho de perceber quais são os mais confiantes. Quando consigo encontrar um bom tubarão, tento atraí-lo”.

Esta tem sido uma boa técnica para impressionar turistas mas o mergulhador acredita que esta é também uma solução para que investigadores e cientistas possam examinar estes animais, sem ser preciso passar por todo o stress provocado por uma captura.

ZAP / BBC

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Tempestade de areia "engoliu" cidade na China

Uma forte tempestade de areia "engoliu" a cidade de Dunhuang, no noroeste da China, no passado domingo. De acordo com o South China Morning Post, a forte tempestade de areia, que provocou nuvens de poeira com …

Raíssa faz bolachas com o lema "Fora Bolsonaro". Já se tornaram virais

Uma brasileira começou a fazer bolachas com o lema "Fora Bolsonaro" em jeito de brincadeira, mas agora já vende centenas todos os dias. Aquilo que começou como uma simples brincadeira, acabou por tornar-se viral. A ideia …

Zara, 19 anos, quer ser a mulher mais nova de sempre a voar sozinha à volta do mundo

Uma jovem, de 19 anos, pôs mãos à obra para levar a cabo um "gap year" (o chamado ano sabático) com um propósito muito fora do comum: tornar-se a mulher mais nova de sempre a …

Francês diz ter usado método matemático para ganhar o Euromilhões

O francês, que não quis revelar a sua fórmula à imprensa, ganhou, no dia 11 de junho, 30 milhões de euros com a combinação com a qual jogava há um mês. A história foi contada, esta …

Mais de metade da população portuguesa já tem a vacinação completa

Mais de metade da população residente em Portugal (52%) já tem a vacinação completa contra a covid-19, revela o relatório semanal de vacinação divulgado esta terça-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último relatório semanal …

Campeão olímpico criou problemas no seu país natal

Richard Carapaz, medalha de ouro no ciclismo, foi direto: "O país nunca acreditou em mim". Presidente do Equador, ministro e Comité Olímpico reagiram. Poucos dias depois de ter subido ao pódio final da Volta a França …

Jovens preocupados com fertilidade e efeitos secundários das vacinas contra a covid-19

Com o avanço das campanhas de vacinação, um grande número de pessoas das faixas etárias baixo dos 30 anos mostra-se relutante em tomar a vacina contra a covid-19. Os jovens falam de preocupações com fertilidade …

Dois gestos de Cla(ri)sse que ficam para a memória olímpica

Clarisse Agbégnénou foi campeã olímpica no judo, pela primeira vez - mas a atitude que demonstrou, mal venceu a final, ficará também nos registos. Campeã mundial cinco vezes, mais duas medalhas de prata. Cinco medalhas em …

Sindicatos avançam com ações legais para travar despedimento coletivo na TAP

Os sindicatos que representam os trabalhadores da TAP vão avançar com ações legais para travar o despedimento coletivo que a empresa iniciou na segunda-feira, que abrange 124 profissionais. "Até agora houve conversa, a partir de agora …

Ginastas alemãs usam fato integral para combater sexualização da modalidade

Ao contrário do que acontece com os ginastas masculinos, que podem optar por calções ou calças, as mulheres competem, desde o início da modalidade, de bodies que expõem grande parte do seu corpo. Quando, no último …