Menina que viveu numa caverna no Brasil tornou-se escritora best-seller na Suécia

(dr) Christina Rickardsson

-

“Christiana, promete-me uma coisa. Aconteça o que acontecer na tua vida, nunca pares de caminhar”, disse-lhe certa vez a mãe, naqueles tempos miseráveis em que  se chamava Christiana Mara Coelho.

A sua primeira casa foi uma caverna no Parque Estadual do Biribiri, reserva natural junto à cidade mineira de Diamantina. A segunda, uma favela em São Paulo. Mas aos oito anos de idade, tudo mudaria: um dos “pássaros de metal” que Mara via voar no céu de São Paulo levou-a para a Suécia, com os pais adoptivos.

Mara passou então a chamar-se Christina Rickardsson.

A história das duas vidas de Christina tornou-se um best-seller na Suécia, com um título dedicado às palavras da mãe: Sluta Aldrig Gå, Nunca Pare de Caminhar, livro de estreia da autora brasileira que já não fala português.

A obra será lançada no Brasil ainda neste semestre pela editora Novo Conceito, com tradução de Fernanda Sarmatz Åkesson.

Além do livro, aos 33 anos Christina Rickardsson realizou também outro sonho: criar uma fundação de assistência a crianças carentes no Brasil, a Coelho Growth Foundation.

Caverna

Era uma manhã chuvosa quando a mãe, Petronilia, a levou para viver numa das cavernas do parque do Biribiri. Christina tinha 15 dias de vida, e essa caverna seria a sua casa até aos cinco anos de idade.

Se chegou a conhecer o pai, não se lembra. Dizem que foi assassinado. “Lembro-me que tinha muita fome”, conta Christina em entrevista à BBC.

“Quando não encontrávamos que comer na floresta, caminhávamos até a cidade e sentavamo-nos na estação de autocarros a pedir esmolas e comida. Às vezes tínhamos sorte, e as pessoas eram gentis. Outros chamavam-nos ratos de rua, e cuspiam em nós.”

À noite, Christina tinha medo – dos escorpiões, das aranhas e das cobras que rondavam a caverna. “Lembro-me de acordar várias vezes a meio da noite”, diz Christina. Mas também se lembra de uma infância amorosa.

“Na caverna, a minha mãe me contava histórias sobre Deus, anjos e muitas outras coisas. Havia muitas cavernas na região, mas não havia outras pessoas a viver ali, como nós vivíamos. Era apenas eu e ela, e sentia que tinha todo o amor e atenção da minha mãe. Sentia-me amada, e isso foi extremamente importante para a minha vida”, diz.

Um dia, chegaram uns homens com cães, e elas foram expulsas da caverna. Petronilia levou então a filha para uma favela de São Paulo, onde Christina passou a viver nas ruas enquanto a mãe procurava trabalho. O irmão, Patriqui, nasceu cerca de um ano depois.

(dr) Christina Rickardsson

Christina Rickardsson e o irmão

Christina Rickardsson foi adoptada com o irmão Patrik

Pouco antes de ser levada pela mãe para um orfanato, que Christina achava que era uma escola, Christina passou por uma situação traumática. Viu a melhor amiga, Camille, ser assassinada por policias à sua frente, quando as duas dormiam na rua.

O seu segundo choque aconteceu no dia em que os pais adoptivos a levaram do orfanato,  com o irmão Patriqui – que também ganhou um nome sueco, Patrik.

“Disseram-me no orfanato que ia ser adoptada, mas ninguém me explicou o que aquilo realmente significava”, conta. “Quando saímos do orfanato de mãos dadas com os meus pais adoptivos, vi que aquilo era real – aquelas pessoas estavam a levar-me embora.”

O medo foi suavizado pela excitação de voar pela primeira vez num daqueles pássaros de metal. E só quando o avião pousou na Suécia, percebeu que tinha deixado o Brasil.

“A minha mãe adoptiva mostrou-me um daqueles globos antigos, e apontou: aqui é a Suécia, ali é o Brasil. Vi aquele imenso oceano no meio, e foi então que percebi que já não estava no meu país.”

‘Não sabia que a neve era fria’

O novo lar de Christina era Vindeln, uma pequena vila de 2500 habitantes no norte da Suécia, junto à cidade de Umeå. Quando o inverno chegou, viu neve pela primeira vez.

“Tinha nevado muito durante a noite, e quando acordei achei que a nossa casa estava cercada por uma imensa nuvem branca. Eu não sabia o que era neve. Saí então de casa, quase sem nenhuma roupa, e atirei-me para aquele tapete branco que cobria o chão”, conta Christina.

“Não sabia que a neve era fria, e comecei a gritar”, recorda. A mãe adoptiva apressou-se a levá-la para um banho quente. Tudo era estranho – o clima, a cultura, a língua.

“O mais difícil era que eu não podia comunicar com ninguém. O meu irmão tinha menos de dois anos de idade. A minha mãe adoptiva andava com um pequeno dicionário de português, mas eu nem conseguia pronunciar as palavras”, diz.

Christina viria a passar por mais uma perda, aos 16 anos, quando um cancro levou Lili-Ann, a sua mãe adoptiva.

Depois de 24 anos na Suécia, em 2015 decidiu voltar ao Brasil para procurar a família, a caverna e o orfanato da infância.

Sobre a busca da mãe biológica, prefere deixar que as respostas sejam encontradas no seu livro. Mas revela que está em contacto com a família brasileira, e que aos poucos vai tentando reaprender português. “Falo só um pouquinho”, diz, com um forte sotaque sueco.

Coelho growth foundation / Facebook

Sluta Aldrig Gå (Nunca Pare de Caminhar), o livro de Christina Rickardsson que se tornou um best-seller na Suécia

Sluta Aldrig Gå (Nunca Pare de Caminhar), o livro de Christina Rickardsson, best-seller na Suécia

Sucesso

Na Suécia, o seu livro teve a tiragem inicial esgotada em apenas uma semana, alcançou o segundo lugar na lista dos mais vendidos e levou Christina Rickardsson aos principais meios de comunicação do país.

“Quando cheguei à Suécia, percebi que os meus amigos suecos tinham condições de vida muito diferentes das que crianças como eu tinham no Brasil. Sempre quis escrever um livro para contar como é crescer num país onde nem todas as crianças têm a oportunidade de ter um futuro”, conta.

“E uma das coisas que a Suécia me ensinou é que, quando alguém dá a uma criança a oportunidade de ter uma vida digna, ela agarra-a“, acrescenta.

A última página do livro de Christina é dedicada ao trabalho desenvolvido pela sua fundação, a Coelho Growth. “Indico no livro o site onde as pessoas interessadas podem fazer doações, para que outras crianças brasileiras também possam ter um futuro”, diz.

A fundação já desenvolve projectos de assistência a crianças numa creche e dois orfanatos de São Paulo – incluindo aquele onde Christina viveu.

A autora conta que também iniciou um projecto de colaboração com as favelas de Heliópolis, em São Paulo, e do Complexo da Maré, no Rio de Janeiro.

Para o lançamento do livro no Brasil, Christina tem um plano: distribuir gratuitamente cerca de mil exemplares para crianças carentes em favelas, e doar cópias a bibliotecas locais.

“Uma das razões que me levaram a essa ideia foi a notícia de que o novo governo do Brasil vai congelar os gastos com educação, assim como no sector de saúde. É muito triste ver o que está a acontecer no Brasil”, diz Christina.

“Quero então levar força e esperança às crianças carentes brasileiras, e dizer-lhes que, mesmo em tempos difíceis, nunca desistam. Nunca deixem de caminhar.”

// BBC

3 COMENTÁRIOS

  1. Um louvor e uma correção:
    O louvor vai para esta menina, que venceu os obstáculos que a vida lhe apresentou. Que seja muito bem sucedida no apoio a outras crianças. É um exemplo para todos.
    A correção é que ela ouviu mal e reproduziu o que foi induzida a acreditar que era verdade. O Brasil não congelou as despesas para educação e saúde. O que o Brasil fez foi congelar nominalmente todo o orçamento que, no ano de 2016, apresentou um déficit de 180 mil milhões de reais, que dá aproximadamente 60 mil milhões de euro. O Brasil fez isso não é porque odeia suas criancinhas, é porque a disciplina orçamentária é o que vai permitir que a sua economia volte a crescer, depois de enfrentar a maior recessão da sua história como herança daqueles que hoje contam mentiras a europeus mal-informados. Com o valor nominal do orçamento congelado, a cada ano o governo terá que redirecionar suas prioridades, de forma a manter o investimento na educação e saúde, e diminuir em gastos com pessoal, publicidade, infra-estrutura e outros investimentos que estariam melhor cobertos se fossem realizados à partir da ininciativa privada. O país não precisa de uma empresa estatal do petróleo, que tem prejuízos bilionários e serve somente para criar um caixa paralelo para atividades menos nobres na política. O Brasil não precisa ser dono de portos, aeroportos, estaleiros, empresas de comunicação, rodovias e outros mamutes estatais que só servem para cooptar e instrumentalizar o Estado a favor de políticos e partidos que nunca fizeram nada pelas criancinhas, quer aquelas que moram em cavernas, quer as outras. É pena que o discurso mentiroso daqueles que ficaram os últimos 13 anos no governo roubando o Brasil tenham encontrado destino nos ouvidos de tão nobre menina.

    • Ah?!
      Mas alguém minimamente informado acredita que algum país vai crescer quando é vendido ao desbarato aos abutres/máfias capitalistas mundiais?!
      Isso é que é roubar os país!!

  2. O Ismael é muito claro, defende que o Brasil seja vendido ao capital, talvez até ao capital estrangeiro, com essas políticas talvez a classe média branca recupere os privilégios que perdeu durante o governo Lula e Dilma mais preocupados com políticas sociais mas seguramente que a maior parte do povo brasileiro, os mais pobres, os negros e os índios não vão beneficiar nada desse capitalismo selvagem. Portugal sabe bem o que são políticas de austeridade, tivemos 4 anos dessa governação que empobreceu os mais desfavorecidos e enriqueceu os mais ricos. Não precisamos que nos venham dar lições de economia política, vivemos esse retrocesso na carne e ficámos todos a sangrar.

RESPONDER

Guia de descontos para uma Black Friday em grande

O conceito começou por ser uma referência ao colapso da Bolsa de Valores de Nova Iorque, em 1929. Mas a Black Friday como hoje a conhecemos só surgiu nos anos 60, quando o setor do …

Morreu o actor João Ricardo

O actor e encenador João Ricardo, 53 anos, morreu esta quinta-feira, em Lisboa, disse à Lusa a agência do actor. O actor João Ricardo, conhecido pelo seu trabalho na televisão, no teatro e no cinema, nasceu …

Chegou à Finlândia o pão feito com farinha de grilo

Uma das maiores empresas de produtos alimentares da Finlândia vai começar a vender pão de insetos, no qual grilos comuns são moídos e acrescentados à farinha normal, representando cerca de 3% do peso de cada …

39 anos por um crime que não cometeu. Finalmente livre

Craig Coley, agora com 70 anos, cumpria pena de prisão perpétua pela autoria de dois homicídios em 1978. No entanto, 39 anos depois, a sua inocência foi provada e o norte-americano foi libertado. O governador da …

Neutralidade da Internet em jogo nos EUA. Portugal é mau exemplo

A administração Trump quer reverter o princípio do livre acesso a qualquer tipo de conteúdo na Internet. Jornais internacionais apontam Portugal como exemplo de falta de neutralidade. Os Estados Unidos da América vão votar o fim …

Trabalhadores do privado voltam a receber subsídios de Natal e de férias por inteiro

O pagamento dos subsídios de Natal e de férias no setor privado vai deixar de ser feito parcialmente em duodécimos e voltará a ser feito de uma só vez, em 2018, depois da aprovação de …

O milionário que matou o Gawker quer os restos do cadáver

Os advogados do vingativo milionário Peter Thiel apresentaram, esta semana, uma ação para contestar uma previdência cautelar que o impede de comprar os ativos do já "adormecido" Gawker. Em causa, estão os arquivos de 14 …

Governo quer terrenos privados limpos até 15 de março

Os proprietários privados têm "até 15 de março" para limpar as áreas envolventes às casas isoladas, aldeias e estradas e, se não o fizeram, os municípios terão "até ao final de maio" para proceder a …

Uma explosão, segredos de Estado e rumores, mas ainda não há sinal do submarino

As buscas pelo submarino argentino ARA San Juan, que está desaparecido há oito dias, entraram numa fase crítica, quando as esperanças de encontrar a tripulação viva estão praticamente esgotadas. Sem pistas sobre o submarino, há …

Bancos aumentaram ganhos com as comissões pagas pelos clientes

A banca nacional facturou 1,62 mil milhões de euros em comissões líquidas, pagas pelos clientes, desde Janeiro até Setembro de 2017. Um valor que reflecte uma subida de 5,7% relativamente a 2016. Estes dados são avançados …