Menina que viveu numa caverna no Brasil tornou-se escritora best-seller na Suécia

(dr) Christina Rickardsson

-

“Christiana, promete-me uma coisa. Aconteça o que acontecer na tua vida, nunca pares de caminhar”, disse-lhe certa vez a mãe, naqueles tempos miseráveis em que  se chamava Christiana Mara Coelho.

A sua primeira casa foi uma caverna no Parque Estadual do Biribiri, reserva natural junto à cidade mineira de Diamantina. A segunda, uma favela em São Paulo. Mas aos oito anos de idade, tudo mudaria: um dos “pássaros de metal” que Mara via voar no céu de São Paulo levou-a para a Suécia, com os pais adoptivos.

Mara passou então a chamar-se Christina Rickardsson.

A história das duas vidas de Christina tornou-se um best-seller na Suécia, com um título dedicado às palavras da mãe: Sluta Aldrig Gå, Nunca Pare de Caminhar, livro de estreia da autora brasileira que já não fala português.

A obra será lançada no Brasil ainda neste semestre pela editora Novo Conceito, com tradução de Fernanda Sarmatz Åkesson.

Além do livro, aos 33 anos Christina Rickardsson realizou também outro sonho: criar uma fundação de assistência a crianças carentes no Brasil, a Coelho Growth Foundation.

Caverna

Era uma manhã chuvosa quando a mãe, Petronilia, a levou para viver numa das cavernas do parque do Biribiri. Christina tinha 15 dias de vida, e essa caverna seria a sua casa até aos cinco anos de idade.

Se chegou a conhecer o pai, não se lembra. Dizem que foi assassinado. “Lembro-me que tinha muita fome”, conta Christina em entrevista à BBC.

“Quando não encontrávamos que comer na floresta, caminhávamos até a cidade e sentavamo-nos na estação de autocarros a pedir esmolas e comida. Às vezes tínhamos sorte, e as pessoas eram gentis. Outros chamavam-nos ratos de rua, e cuspiam em nós.”

À noite, Christina tinha medo – dos escorpiões, das aranhas e das cobras que rondavam a caverna. “Lembro-me de acordar várias vezes a meio da noite”, diz Christina. Mas também se lembra de uma infância amorosa.

“Na caverna, a minha mãe me contava histórias sobre Deus, anjos e muitas outras coisas. Havia muitas cavernas na região, mas não havia outras pessoas a viver ali, como nós vivíamos. Era apenas eu e ela, e sentia que tinha todo o amor e atenção da minha mãe. Sentia-me amada, e isso foi extremamente importante para a minha vida”, diz.

Um dia, chegaram uns homens com cães, e elas foram expulsas da caverna. Petronilia levou então a filha para uma favela de São Paulo, onde Christina passou a viver nas ruas enquanto a mãe procurava trabalho. O irmão, Patriqui, nasceu cerca de um ano depois.

(dr) Christina Rickardsson

Christina Rickardsson e o irmão

Christina Rickardsson foi adoptada com o irmão Patrik

Pouco antes de ser levada pela mãe para um orfanato, que Christina achava que era uma escola, Christina passou por uma situação traumática. Viu a melhor amiga, Camille, ser assassinada por policias à sua frente, quando as duas dormiam na rua.

O seu segundo choque aconteceu no dia em que os pais adoptivos a levaram do orfanato,  com o irmão Patriqui – que também ganhou um nome sueco, Patrik.

“Disseram-me no orfanato que ia ser adoptada, mas ninguém me explicou o que aquilo realmente significava”, conta. “Quando saímos do orfanato de mãos dadas com os meus pais adoptivos, vi que aquilo era real – aquelas pessoas estavam a levar-me embora.”

O medo foi suavizado pela excitação de voar pela primeira vez num daqueles pássaros de metal. E só quando o avião pousou na Suécia, percebeu que tinha deixado o Brasil.

“A minha mãe adoptiva mostrou-me um daqueles globos antigos, e apontou: aqui é a Suécia, ali é o Brasil. Vi aquele imenso oceano no meio, e foi então que percebi que já não estava no meu país.”

‘Não sabia que a neve era fria’

O novo lar de Christina era Vindeln, uma pequena vila de 2500 habitantes no norte da Suécia, junto à cidade de Umeå. Quando o inverno chegou, viu neve pela primeira vez.

“Tinha nevado muito durante a noite, e quando acordei achei que a nossa casa estava cercada por uma imensa nuvem branca. Eu não sabia o que era neve. Saí então de casa, quase sem nenhuma roupa, e atirei-me para aquele tapete branco que cobria o chão”, conta Christina.

“Não sabia que a neve era fria, e comecei a gritar”, recorda. A mãe adoptiva apressou-se a levá-la para um banho quente. Tudo era estranho – o clima, a cultura, a língua.

“O mais difícil era que eu não podia comunicar com ninguém. O meu irmão tinha menos de dois anos de idade. A minha mãe adoptiva andava com um pequeno dicionário de português, mas eu nem conseguia pronunciar as palavras”, diz.

Christina viria a passar por mais uma perda, aos 16 anos, quando um cancro levou Lili-Ann, a sua mãe adoptiva.

Depois de 24 anos na Suécia, em 2015 decidiu voltar ao Brasil para procurar a família, a caverna e o orfanato da infância.

Sobre a busca da mãe biológica, prefere deixar que as respostas sejam encontradas no seu livro. Mas revela que está em contacto com a família brasileira, e que aos poucos vai tentando reaprender português. “Falo só um pouquinho”, diz, com um forte sotaque sueco.

Coelho growth foundation / Facebook

Sluta Aldrig Gå (Nunca Pare de Caminhar), o livro de Christina Rickardsson que se tornou um best-seller na Suécia

Sluta Aldrig Gå (Nunca Pare de Caminhar), o livro de Christina Rickardsson, best-seller na Suécia

Sucesso

Na Suécia, o seu livro teve a tiragem inicial esgotada em apenas uma semana, alcançou o segundo lugar na lista dos mais vendidos e levou Christina Rickardsson aos principais meios de comunicação do país.

“Quando cheguei à Suécia, percebi que os meus amigos suecos tinham condições de vida muito diferentes das que crianças como eu tinham no Brasil. Sempre quis escrever um livro para contar como é crescer num país onde nem todas as crianças têm a oportunidade de ter um futuro”, conta.

“E uma das coisas que a Suécia me ensinou é que, quando alguém dá a uma criança a oportunidade de ter uma vida digna, ela agarra-a“, acrescenta.

A última página do livro de Christina é dedicada ao trabalho desenvolvido pela sua fundação, a Coelho Growth. “Indico no livro o site onde as pessoas interessadas podem fazer doações, para que outras crianças brasileiras também possam ter um futuro”, diz.

A fundação já desenvolve projectos de assistência a crianças numa creche e dois orfanatos de São Paulo – incluindo aquele onde Christina viveu.

A autora conta que também iniciou um projecto de colaboração com as favelas de Heliópolis, em São Paulo, e do Complexo da Maré, no Rio de Janeiro.

Para o lançamento do livro no Brasil, Christina tem um plano: distribuir gratuitamente cerca de mil exemplares para crianças carentes em favelas, e doar cópias a bibliotecas locais.

“Uma das razões que me levaram a essa ideia foi a notícia de que o novo governo do Brasil vai congelar os gastos com educação, assim como no sector de saúde. É muito triste ver o que está a acontecer no Brasil”, diz Christina.

“Quero então levar força e esperança às crianças carentes brasileiras, e dizer-lhes que, mesmo em tempos difíceis, nunca desistam. Nunca deixem de caminhar.”

// BBC

3 COMENTÁRIOS

  1. Um louvor e uma correção:
    O louvor vai para esta menina, que venceu os obstáculos que a vida lhe apresentou. Que seja muito bem sucedida no apoio a outras crianças. É um exemplo para todos.
    A correção é que ela ouviu mal e reproduziu o que foi induzida a acreditar que era verdade. O Brasil não congelou as despesas para educação e saúde. O que o Brasil fez foi congelar nominalmente todo o orçamento que, no ano de 2016, apresentou um déficit de 180 mil milhões de reais, que dá aproximadamente 60 mil milhões de euro. O Brasil fez isso não é porque odeia suas criancinhas, é porque a disciplina orçamentária é o que vai permitir que a sua economia volte a crescer, depois de enfrentar a maior recessão da sua história como herança daqueles que hoje contam mentiras a europeus mal-informados. Com o valor nominal do orçamento congelado, a cada ano o governo terá que redirecionar suas prioridades, de forma a manter o investimento na educação e saúde, e diminuir em gastos com pessoal, publicidade, infra-estrutura e outros investimentos que estariam melhor cobertos se fossem realizados à partir da ininciativa privada. O país não precisa de uma empresa estatal do petróleo, que tem prejuízos bilionários e serve somente para criar um caixa paralelo para atividades menos nobres na política. O Brasil não precisa ser dono de portos, aeroportos, estaleiros, empresas de comunicação, rodovias e outros mamutes estatais que só servem para cooptar e instrumentalizar o Estado a favor de políticos e partidos que nunca fizeram nada pelas criancinhas, quer aquelas que moram em cavernas, quer as outras. É pena que o discurso mentiroso daqueles que ficaram os últimos 13 anos no governo roubando o Brasil tenham encontrado destino nos ouvidos de tão nobre menina.

    • Ah?!
      Mas alguém minimamente informado acredita que algum país vai crescer quando é vendido ao desbarato aos abutres/máfias capitalistas mundiais?!
      Isso é que é roubar os país!!

  2. O Ismael é muito claro, defende que o Brasil seja vendido ao capital, talvez até ao capital estrangeiro, com essas políticas talvez a classe média branca recupere os privilégios que perdeu durante o governo Lula e Dilma mais preocupados com políticas sociais mas seguramente que a maior parte do povo brasileiro, os mais pobres, os negros e os índios não vão beneficiar nada desse capitalismo selvagem. Portugal sabe bem o que são políticas de austeridade, tivemos 4 anos dessa governação que empobreceu os mais desfavorecidos e enriqueceu os mais ricos. Não precisamos que nos venham dar lições de economia política, vivemos esse retrocesso na carne e ficámos todos a sangrar.

RESPONDER

Bacterias Gram-negativas de Legionella pneumophila

Vítimas do surto de Legionella vão processar o Estado

A associação de apoio às vítimas do surto de legionella de Vila Franca de Xira está inconformada com a acusação do Ministério Público e vai requerer a abertura de instrução e avançar com uma ação …

The Big Bend

Nova Iorque vai ter um incrível arranha-céus em forma de U

O horizonte de Nova Iorque está prestes a receber um dos prédios mais inovadores do mundo. Planos para a construção do primeiro arranha-céu em forma de U do mundo foram oficialmente revelados, e serão um …

O Sol, observado pelo Solar Dynamics Observatory, da NASA, nos dias 27 de Fevereiro e 20 de Março

O Sol está há 3 semanas sem manchas solares

O nosso Sol pode parecer um ponto perfeito de luz intensa, mas raras vezes o é... como tem acontecido nas últimas semanas, em que não têm sido visíveis quaisquer manchas solares. A nossa estrela é bastante …

-

Biquínis enfeitiçados: marca cria coleção inspirada nas princesas da Disney

Com o verão a chegar, a Enchanted acaba de lançar uma nova linha de roupa de banho. A nova colecção de biquínis é inspirada nas princesas da Disney.  A loja e marca de roupa de banho …

Marine Le Pen em comício da Frente Nacional durante a campanha para as presidenciais francesas

Marine Le Pen diz que se ganhar as eleições a União Europeia vai morrer

A candidata da extrema-direita francesa Marine Le Pen afirmou este domingo que se for eleita presidente da França a União Europeia (UE) "vai morrer", porque "as pessoas já não a querem". As afirmações da candidata presidencial …

-

Trump não para de mexer em coisas nas reuniões (entre outras desordens mentais)

O estado mental do novo presidente dos Estados Unidos tornou-se um agitado tema de discussão nas redes sociais, nos meios de comunicação - e até no seio da comunidade científica norte-americana. "Eu não sei o que …

-

Bloco quer preparar com urgência o país para a saída do Euro

A coordenadora do Bloco de Esquerda defendeu hoje a urgência de preparar o país para a saída do euro, rejeitando que Portugal fique "no pelotão da frente" de uma Europa que "caminha para o abismo". Em …

O que poderá ser o novo super-carro McLaren BP23, tal como imaginado pela Autocar

Novo McLaren BP23 vai custar 2,3 milhões de euros

Apesar do seu preço exorbitante, todos os 106 unidades que serão produzidas estão já reservadas por clientes que, além de um sinal de cinco dígitos, tem de já ter hoje em casa, pelo menos, um …

-

Tribunal egípcio condena 56 pessoas por naufrágio que vitimou emigrantes

O Tribunal Penal de Rashid, no Egito, condenou hoje 56 pessoas a penas de dois a 13 anos de prisão pelo naufrágio de um barco que provocou a morte de 203 emigrantes em setembro passado, …

-

Físicos provam que é impossível arrefecer um objecto a zero absoluto

Os físicos Lluís Masanes e Jonathan Oppenheim, da Universidade College London, no Reino Unido, derivaram a terceira lei da termodinâmica a partir dos primeiros princípios. Em janeiro, físicos do Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia dos EUA …