Memórias de escravo brasileiro que fugiu para Nova Iorque publicadas em português

Bruno Veras

Mahommah Gardo Baquaqua na capa do livro de Samuel Moore

Mahommah Gardo Baquaqua na capa do livro de Samuel Moore

 

A história de um escravo brasileiro que escapou para Nova Iorque e acabou a publicar as suas memórias nos Estados Unidos será publicada 160 anos depois em português no Brasil, pela primeira vez, este ano.

A iniciativa é de um grupo de investigadores e tradutores que conheceu a história de Mahommah Baquaqua nos EUA e que lançará já em agosto uma página na Internet sobre a vida deste homem.

Ao contrário dos EUA, onde milhares de escravos registraram as suas histórias, o percurso deste homem é considerado o único existente no Brasil.

“Ele foi o único escravo africano que escreveu um relato autobiográfico sobre a escravidão no Brasil. Esse ato de escrever sobre a sua vida é muito comum nos EUA, no Canadá, onde existe uma linha literária de relatos de escravos que era usado como propaganda pelos abolicionistas”, explicou um dos académicos envolvidos, Bruno Véras.

O Brasil era o maior mercado de escravos no mundo antes de se tornar o último país das Américas a abolir a escravatura, em 1888.

Em 1854, quando vivia no Canadá, Baquaqua, que acabaria por aprender a falar várias línguas e sabia ler e escrever árabe, contou, usando um inglês perfeito, a sua história ao escritor Samuel Moore.

Segundo o seu relato, Baquaqua vivia na África Ocidental, na zona hoje ocupada pelo Benim, quando foi capturado em 1824 e enviado para uma praia no Recife.

“Fomos arremessados, nus, porão adentro, os homens apinhados de um lado, e as mulheres de outro. O porão era tão baixo que não podíamos ficar de pé, éramos obrigados a agachar ou sentar no chão. Noite e dia eram iguais para nós, o sono nos sendo negado devido ao confinamento de nossos corpos”, lê-se nas memórias.

À chegada foi vendido para um padeiro, que lhe batia, e, mais tarde, no Rio de Janeiro, ao capitão de um cargueiro que viajava para os Estados Unidos.

Em 1847, quando vai a caminho de Nova Iorque, diz que a primeira palavra que aprendeu em inglês foi “free”, que significa livre.

Quando o navio atraca nos EUA, tenta escapar mas acaba preso.

Fugiu da prisão anos mais tarde, com a ajuda de abolicionistas, e escapa para Boston e Haiti.

Depois de publicar o livro, com o título “An interesting narrative. Biography of Mahommah G. Baquaqua”, chegou a ir numa digressão pelo país a promover o livro.

Em 1857, mudou-se para o Reino Unido, com o objetivo de se tornar missionário cristão, e não há certezas sobre o que acontece a partir daí.

Em 2001, pelas mãos dos professores Paul Lovejoy e Robin Law, a história foi recuperada numa versão ampliada, que inclui uma longa introdução e as cartas que Baquaqua trocou com religiosos, missionários e abolicionistas.

Foi através deste edição que os brasileiros Bruno Véras e Nielson Bezerra tomaram conhecimento da história e decidiram partilhá-la com o público brasileiro, usando a editora Civilização Brasileira.

“A história de Baquaqua oferece esta nova possibilidade de as pessoas se identificarem com esta nova personagem”, explica Veras.

Mais de século e meio depois da sua primeira publicação, o livro chega ao Brasil num momento em que o país analisa o seu passado racial.

No início do ano, foi estabelecida uma comissão que vai investigar os 350 anos de escravatura no país.

“Estamos a ver muito interesse do público em conhecer esta história”, disse Bruno Veras.

Além da tradução e da página na Internet, os académicos brasileiros planeiam também o lançamento de um livro para crianças.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"Muito angustiado". Papa diz sofrer com a transformação de Santa Sofia em mesquita

O Papa Francisco afirmou este domingo estar "muito angustiado" com a conversão, decidida pela Turquia, da antiga basílica de Santa Sofia numa mesquita, após a oração dominical do Angelus. “O mar leva o meu pensamento um …

Gestor de ativos norte-americano diz que o ouro é o "verdadeiro bitcoin" (e explica porquê)

Um gestor de ativos norte-americano disse, em entrevista à CNBC, que acredita que o outro é o "verdadeiro bitcoin" - e explicou porquê. O preço do ouro, "investimento-refúgio" racional para investidores em tempos de crise …

Fortuna de Jeff Bezos não pára de engordar. Acabou de atingir um novo recorde

A fortuna do fundador e CEO da Amazon, Jeff Bezzos, acaba de quebrar um novo recorde ao atingir os 182,6 mi milhões de dólares. Os números foram avançados esta semana pela revista Forbes, que detalha que …

Portugal não pode chegar ao inverno com a situação atual, alerta epidemiologista

Portugal corre o risco de não conseguir responder a um ressurgimento de casos de covid-19 no inverno, afirmou este sábado o médico de Saúde Pública Ricardo Mexia, considerando que o país não pode chegar a …

Pela primeira vez, nasceu um raro par de elefantes gémeos no Sri Lanka

Um raro par de elefantes gémeos foi encontrado num parque nacional no Sri Lanka. É a primeira vez que o país regista crias gémeas, que são extremamente raros em elefantes. Os dois animais, que terão entre …

Teste aos forcados e lotação reduzida. Publicadas as novas regras para as touradas

A temporada taurina retoma com praças com lotação de 50%, uma reivindicação do sector que viu este sábado ser publicada pela Inspeção-Geral das Atividades Culturais (IGAC) uma acualização às normas discutidas com a DGS. “O que …

Trump propôs "vender" Porto Rico após a passagem do furacão Maria, revela ex-funcionária

Elaine Duke, ex-secretária adjunta de Segurança Interna do presidente dos EUA disse que Donald Trump propôs "alienar" ou "vender" a Comunidade de Porto Rico depois de a ilha ser atingida pelo furação Maria, em 2017. "As …

Catarina Martins atira-se a Rio. Líder do PSD está a fazer "um favor" a Costa no fim dos debates

A coordenadora do Bloco de Esquerda fez este sábado um duro ataque ao líder do PSD, que acusou de fazer um favor ao primeiro-ministro. Catarina Martins considerou “extraordinário” que o líder do maior partido da oposição …

Fraudes em subsídios europeus atingem 2,3 mil milhões. Dava para salvar a TAP (duas vezes)

Uma investigação levada a cabo pela Polícia Judiciária (PJ) concluiu que os casos de fraude na obtenção e desvio de fundos públicos, nos últimos dez anos, ascendem a cerca de 2,3 mil milhões de euros. Os …

Sem ganho económico e muitas mortes. O que dizem os dados da controversa estratégia sueca

A estratégia relaxada da Suécia contra a covid-19 gerou várias críticas. Os números mostram que tanto a nível sanitário como económico, o país saiu a perder. O Governo sueco não impôs um confinamento à população e, …