/

Medicina em 7 segundos: comprimidos impressos em 3D

University College London

Uma das várias utilizações da impressão 3D é a criação de medicamentos personalizados, nos quais as dosagens e combinações de medicamentos podem ser adaptadas às necessidades de cada indivíduo.

Um novo avanço na área da impressão 3D mostrou como estes tipos de medicamentos podem ser produzidos no local e a pedido, com uma técnica de impressão que os produz em poucos segundos, segundo o New Atlas.

O estudo foi realizado pelos cientistas do University College London (UCL), que utilizaram a técnica de impressão 3D conhecida como fotopolimerização em cuba, e publicaram a investigação na Science Direct, em fevereiro.

No contexto da produção de medicamentos, este método envolve uma resina que contém fármacos dissolvidos e um químico fotorreativo, que pode ser solidificado pela luz durante a impressão, para formar um comprimido.

Como é típico da impressão 3D, a resina é colocada camada por camada para formar o objeto desejado e costuma demora minutos ou até horas, dependendo do tamanho.

Mas a equipa da UCL conseguiu diminuir o tempo para meros segundos, manipulando a luz de uma forma altamente controlada.

A técnica é chamada impressão volumétrica 3D, e em vez de uma abordagem camada por camada, cobre toda a estrutura de resina ao mesmo tempo.

Fá-lo através de imagens de diferentes ângulos do objeto final com a resina, ajustando a intensidade da luz, até que a polimerização ocorra simultaneamente.

Os cientistas utilizaram esta abordagem para fabricar comprimidos impressos em 3D de paracetamol em 17 segundos.

Ao afinar a composição da resina, a equipa podia também afinar as taxas de libertação dos fármacos das pastilhas.

Isto também permitiu que alguns comprimidos fossem impressos ainda mais rápido, em apenas sete segundos.

Embora o paracetamol tenha sido utilizado como medicina modelo nas experiências, os cientistas dizem que é apenas um dos muitos que podem ser criados através do processo inovador.

A equipa acredita que a tecnologia pode ser utilizada em cenários clínicos a ritmo acelerado, onde os pacientes poderiam recorrer a medicamentos adaptados às suas necessidades individuais.

“Os medicamentos personalizados impressos em 3D estão a evoluir a um ritmo rápido e a chegar à clínica”, afirmou o autor principal, Álvaro Goyanes.

“Para corresponder ao ambiente clínico acelerado, desenvolvemos uma impressora em 3D que produz comprimidos em segundos. Esta tecnologia pode ser uma mudança enorme para a indústria farmacêutica”, concluiu Goyanes.

  Alice Carqueja, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.