Há 350 anos, um massacre lendário pode ter começado por causa de um jogo de dardos

(dr) University of Aberdeen

Arqueólogos descobriram um massacre de 350 anos no Alaska, que ocorreu durante uma guerra, que pode ter começado com um jogo de dardos.

A descoberta revela as maneiras horríveis como as pessoas numa cidade foram executadas e confirma parte de uma lenda que foi transmitida ao longo dos séculos pelo povo Yup’ik. Uma escavação recente na cidade de Agaligmiut – hoje frequentemente chamada Nunalleq – descobriu os restos de 28 pessoas que morreram durante o massacre e 60 mil artefactos bem preservados.

Agaligmiut tinha um grande complexo interconectado que foi projetado para tornar a defesa mais fácil, disseram Rick Knecht e Charlotta Hillerdal, ambos professores de arqueologia da Universidade de Aberdeen, na Escócia, que lideram a equipa que está a escavar o local. “Descobrimos que havia sido queimado e o topo estava cheio de pontas de flechas”, disse Knecht ao Live Science.

Algumas das 28 pessoas encontradas “foram amarradas com corda de relva e executadas”, disse Knecht, acrescentando que “estavam viradas para baixo e algumas delas tinham buracos na parte de trás dos crânios do que parece uma lança ou uma seta”.

Não é certo quando o massacre ocorreu, embora Knecht tenha dito que o complexo foi construído em algum momento entre 1590 e 1630. Foi destruído por um ataque e incêndio em algum momento entre 1652 e 1677.

O massacre ocorreu durante o que os historiadores chamaram de “guerras do arco e flecha”, uma série de conflitos no Alaska durante o século XVII. De acordo com uma lenda do Yup’ik, o conflito começou durante um jogo de dardos quando um menino acidentalmente acertou no olho de outro com um dardo.

O pai do menino magoado arrancou os dois olhos do menino que causou a lesão, conta a história. Depois, um parente do menino que tinha ambos os olhos arrancados retaliou, o conflito intensificou-se quando outros membros da família dos dois meninos se envolveram. O ataque de dardo terá resultado numa série de guerras.

“Há uma série de histórias diferentes”, disse Knecht, acrescentando que “o que sabemos é que as guerras de arco e flecha foram durante um período de tempo chamado a pequena era do gelo”. O clima mais frio pode ter causado uma escassez de alimentos que poderia ter desencadeado o conflito.

Massacre em Agaligmiut

Histórias passadas ao longo dos séculos contam como o povo de Agaligmiut, liderado por um homem chamado Pillugtuq, montou um grupo de guerra e foi atacar outra aldeia que passou por vários nomes, incluindo Pengurmiut e Qinarmiut. As pessoas da outra aldeia tiveram aviso prévio do grupo de guerra e emboscaram os combatentes, matando ou dispersando todos os guerreiros.

Há várias histórias sobre a emboscada. Numa, as mulheres da outra aldeia vestiram-se para parecer homens e participaram na emboscada, usando arcos e flechas para atacar o grupo de guerra. Outra história diz que, pouco antes de o grupo de guerra deixar Agaligmiut, um xamã avisou Pillugtuq que Agaligmiut seria reduzido a cinzas, um aviso que Pillugtuq ignorou.

Depois da emboscada, guerreiros da outra aldeia seguiram para Agaligmiut, mataram os habitantes e queimaram Agaligmiut. Como a maioria dos homens em idade de lutar estava com o grupo de guerra que tinha sido emboscado, o massacre consistia em mulheres, crianças e homens idosos. Descobertas arqueológicas confirmam isto, pois os 28 corpos consistem principalmente de mulheres, crianças e homens mais velhos. “Havia apenas um homem com idade para lutar”, disse Knecht.

Cerca de 60 mil artefactos bem preservados contam como era a vida em Agaligmiut antes do massacre. Os artefactos incluem bonecas, figuras, máscaras de dança de madeira e cestas de relva.

O permafrost manteve os artefactos excecionalmente preservados. “É incrível, muitas destas coisas poderiam ser usadas hoje. Às vezes, encontramos a madeira ainda brilhante e nem escurecida pela idade”, disse Knecht.

Máscaras de dança de madeira são alguns dos artefactos mais interessantes. “Muitas vezes descrevem uma pessoa a transformar-se num animal ou um animal a transformar-se numa pessoa”, disse Knecht. As figuras e bonecas foram usadas para uma variedade de propósitos, incluindo rituais religiosos e como brinquedos.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Desaparecem oito mulheres por dia no Peru, mais três do que antes da pandemia

O número de mulheres desaparecidas no Peru, um fenómeno endémico no país, subiu de cinco por dia, em média, para oito, desde a quarentena decretada para travar a pandemia de covid-19, indicou o provedor de …

EUA já gastaram quase tanto com a covid-19 como com a II Guerra Mundial

Até ao momento, os Estados Unidos da América gastaram quase tanto com a pandemia de covid-19 como gastaram com a II Guerra Mundial. A Segunda Guerra Mundial travou-se entre 1939 e 1945 e deixou milhões de …

Sporting recusou proposta de 32 milhões por Joelson Fernandes

O Sporting CP rejeitou uma proposta de 32 milhões de euros do Arsenal por Joelson Fernandes. Os 'leões' pedem 45 milhões pelo jovem extremo de 17 anos. Continua o leilão pela promessa sportinguista Joelson Fernandes. Depois …

CIA tentou desenvolver um "drone-pássaro" nuclear para espiar a União Soviética na Guerra Fria

Durante a Guerra Fria, a CIA tentou desenvolver um drone nuclear do tamanho de um pássaro para espiar a União Soviética e outros países do bloco comunista. Porém, o projeto nunca foi concluído. De acordo com …

Para combater o desperdício, China acaba com os banquetes tradicionais

Conhecidos pela gastronomia e pelo bom apetite, os chineses terão de adotar a austeridade, invertendo a tradição, que exige que sejam servidos à mesa tantos pratos quantos forem os convidados e mais um. A nova regra …

Com apenas 4 dólares é possível dormir na última Blockbuster. E ainda participa na festa pijama

Já sente saudades de sair de casa para ir alugar um filme e comprar umas pipocas? A última loja da icónica Blockbuster está agora disponível no Airbnb. A antiga loja da cadeia americana pode ser …

Espanha com quase mais 3.000 novos casos. É o maior aumento desde maio

Espanha registou o maior número de infeções de covid-19 desde o final de maio, com 2.935 novos casos nas últimas 24 horas, anunciou o Ministério da Saúde, ressalvando que o balanço inclui dados de Madrid …

Escolas devem reabrir normalmente. Governo preparado para decisões diferentes

As escolas devem reabrir em situação de normalidade e só uma evolução negativa da pandemia levará a decisões contrárias, de maior ou menor alcance, que o Governo disse esta quinta-feira estar preparado para tomar. Na conferência …

Família de ativista saudita teme que esteja a ser torturada na prisão

Familiares de uma importante ativista dos direitos das mulheres da Arábia Saudita, detida desde maio de 2018, temem que esteja a ser torturada na prisão, uma vez que não dá notícias há vários meses. Loujain al-Hathloul, …

Governo disponível para retomar reuniões no Infarmed (mas nega falta de informação)

O Governo manifestou esta quinta-feira “abertura para retomar as reuniões” no Infarmed sobre o ponto de situação da epidemia de covid-19, mas rejeitou falhas na informação ao parlamento e aos partidos. Na conferência de imprensa do …