Há 350 anos, um massacre lendário pode ter começado por causa de um jogo de dardos

(dr) University of Aberdeen

Arqueólogos descobriram um massacre de 350 anos no Alaska, que ocorreu durante uma guerra, que pode ter começado com um jogo de dardos.

A descoberta revela as maneiras horríveis como as pessoas numa cidade foram executadas e confirma parte de uma lenda que foi transmitida ao longo dos séculos pelo povo Yup’ik. Uma escavação recente na cidade de Agaligmiut – hoje frequentemente chamada Nunalleq – descobriu os restos de 28 pessoas que morreram durante o massacre e 60 mil artefactos bem preservados.

Agaligmiut tinha um grande complexo interconectado que foi projetado para tornar a defesa mais fácil, disseram Rick Knecht e Charlotta Hillerdal, ambos professores de arqueologia da Universidade de Aberdeen, na Escócia, que lideram a equipa que está a escavar o local. “Descobrimos que havia sido queimado e o topo estava cheio de pontas de flechas”, disse Knecht ao Live Science.

Algumas das 28 pessoas encontradas “foram amarradas com corda de relva e executadas”, disse Knecht, acrescentando que “estavam viradas para baixo e algumas delas tinham buracos na parte de trás dos crânios do que parece uma lança ou uma seta”.

Não é certo quando o massacre ocorreu, embora Knecht tenha dito que o complexo foi construído em algum momento entre 1590 e 1630. Foi destruído por um ataque e incêndio em algum momento entre 1652 e 1677.

O massacre ocorreu durante o que os historiadores chamaram de “guerras do arco e flecha”, uma série de conflitos no Alaska durante o século XVII. De acordo com uma lenda do Yup’ik, o conflito começou durante um jogo de dardos quando um menino acidentalmente acertou no olho de outro com um dardo.

O pai do menino magoado arrancou os dois olhos do menino que causou a lesão, conta a história. Depois, um parente do menino que tinha ambos os olhos arrancados retaliou, o conflito intensificou-se quando outros membros da família dos dois meninos se envolveram. O ataque de dardo terá resultado numa série de guerras.

“Há uma série de histórias diferentes”, disse Knecht, acrescentando que “o que sabemos é que as guerras de arco e flecha foram durante um período de tempo chamado a pequena era do gelo”. O clima mais frio pode ter causado uma escassez de alimentos que poderia ter desencadeado o conflito.

Massacre em Agaligmiut

Histórias passadas ao longo dos séculos contam como o povo de Agaligmiut, liderado por um homem chamado Pillugtuq, montou um grupo de guerra e foi atacar outra aldeia que passou por vários nomes, incluindo Pengurmiut e Qinarmiut. As pessoas da outra aldeia tiveram aviso prévio do grupo de guerra e emboscaram os combatentes, matando ou dispersando todos os guerreiros.

Há várias histórias sobre a emboscada. Numa, as mulheres da outra aldeia vestiram-se para parecer homens e participaram na emboscada, usando arcos e flechas para atacar o grupo de guerra. Outra história diz que, pouco antes de o grupo de guerra deixar Agaligmiut, um xamã avisou Pillugtuq que Agaligmiut seria reduzido a cinzas, um aviso que Pillugtuq ignorou.

Depois da emboscada, guerreiros da outra aldeia seguiram para Agaligmiut, mataram os habitantes e queimaram Agaligmiut. Como a maioria dos homens em idade de lutar estava com o grupo de guerra que tinha sido emboscado, o massacre consistia em mulheres, crianças e homens idosos. Descobertas arqueológicas confirmam isto, pois os 28 corpos consistem principalmente de mulheres, crianças e homens mais velhos. “Havia apenas um homem com idade para lutar”, disse Knecht.

Cerca de 60 mil artefactos bem preservados contam como era a vida em Agaligmiut antes do massacre. Os artefactos incluem bonecas, figuras, máscaras de dança de madeira e cestas de relva.

O permafrost manteve os artefactos excecionalmente preservados. “É incrível, muitas destas coisas poderiam ser usadas hoje. Às vezes, encontramos a madeira ainda brilhante e nem escurecida pela idade”, disse Knecht.

Máscaras de dança de madeira são alguns dos artefactos mais interessantes. “Muitas vezes descrevem uma pessoa a transformar-se num animal ou um animal a transformar-se numa pessoa”, disse Knecht. As figuras e bonecas foram usadas para uma variedade de propósitos, incluindo rituais religiosos e como brinquedos.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Preço da luz vai descer 18 cêntimos no mercado regulado

Os preços da eletricidade no mercado regulado vão voltar a descer em 2020, segundo a proposta avançada esta terça-feira pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE). Esta terça-feira, a ERSE propôs uma atualização em baixa de …

Portugal teve perdas fiscais de 900 milhões de euros por menor tributação do gasóleo

A tributação ao gasóleo é mais baixa do que os impostos à gasolina. A diferença entre os dois combustíveis leva a perdas de 900 milhões de euros ao Estado. Quem abastece um carro a gasóleo na …

Dulce Neto é a primeira mulher a presidir um Supremo Tribunal português

A juíza conselheira toma posse, esta quarta-feira, como presidente do Supremo Tribunal Administrativo (STA), tornando-se na primeira mulher a ocupar o lugar cimeiro de um supremo tribunal em Portugal. Dulce Neto, de 58 anos, foi eleita …

Défice zero e mais crescimento. Previsões de Centeno para o OE2020 são de "elevado risco"

O Governo faz uma revisão das metas para 2020 no esboço do Orçamento de Estado para o próximo ano que enviou à Comissão Europeia, prevendo um aumento do crescimento económico e um saldo orçamental equilibrado, …

Conselho nacional do PSD pode ser atirado para novembro. Apoios a Rio e Montenegro equilibrados

Rui Rio mantém o silêncio sobre uma recandidatura a líder do PSD, o que está a ser visto como um condicionamento do partido, tendo também nas suas mãos o calendário interno. O conselho nacional para …

Varandas quer vender já em janeiro (e há três nomes em cima da mesa)

O Sporting deverá vender um jogador já no próximo mercado de transferências em janeiro. O dinheiro será destinado a renovações e a trazer um novo reforço para o ataque. Frederico Varandas continua a sua saga para …

Médicos, enfermeiros e professores lamentam recondução de ministros

Médicos, enfermeiros e professores lamentaram a recondução de ministros na pasta da Saúde, Educação e das Finanças, reagindo assim à constituição do novo Governo entregue em Belém pelo primeiro-ministro indigitado, António Costa. O secretário-geral do …

"Batalha campal" na Catalunha: 40 mil pessoas nas ruas, 50 detidos e mais de 100 feridos

Pelo menos 51 pessoas foram detidas e 70 polícias ficaram feridos desde o início dos atos de violência que começaram na segunda-feira na região espanhola da Catalunha após a sentença que condenou políticos separatistas catalães …

Kristalina Georgieva exige maior inclusão de mulheres nos mercados de trabalho

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional exigiu esta terça-feira, nos Encontros Anuais, uma maior inclusão de mulheres nos mercados de trabalho, dizendo que quando um país ignora "parte das suas capacidades" enfraquece o desempenho económico. Kristalina …

Cientistas nazis criaram um pesticida alternativo ao DDT (que até era melhor)

Cientistas nazis criaram uma alternativa ao inseticida DDT, que alegadamente seria menos tóxica para os mamíferos e de ação mais rápida. A sua produção viria a terminar abruptamente por intervenção das forças Aliadas. O DDT é …