Marcelo quer pagar funeral de vítima de Pedrógão (e o Governo não se sente “humilhado”)

Paulo Cunha / Lusa

Atitude do Presidente da República não “humilha” nem desautoriza o Governo

O Presidente da República não partiu sem antes ligar a Ana Catarina Costa, que lhe tinha enviado uma carta na qual conta a forma como a tragédia de Pedrógão Grande afetou a sua vida, quando a irmã lhe morreu, deixando a seu cargo o sobrinho de sete anos.

Dois dias após o envio por email desta carta ao Presidente da República, Ana Catarina recebeu o telefonema de uma técnica da Segurança Social de Leiria informando-a de que se a seguradora não a ressarcir do custo do funeral de Sara, o Estado vai encarregar-se da despesa.

No sábado, o telefone de Cati voltou a tocar. Do outro lado da linha estava o Presidente da República. Quis saber como ela estava e prontificou-se a resolver as despesas do funeral de Sarita, se a Segurança Social não o fizesse.

Segundo o Expresso, Marcelo Rebelo de Sousa foi claro na mensagem que deixou à irmã de Sara que morreu no incêndio de Pedrógão Grande e que deixou um filho de sete anos à responsabilidade da irmã, Cati, como é conhecida: “Pediu para lhe ligar para o seu número pessoal, se a situação do pagamento do funeral não tivesse resolução imediata.”

O interesse do Presidente fez-se sentir na sexta-feira, cerca de meia hora depois de a carta ter sido divulgada. Cati assume que ficou atrapalhada e que se sentiu revoltada: “Este telefonema nunca deveria ter partido inicialmente dele…”

Ana Catarina Costa foi entretanto contactada através de um telefonema da assessora do Presidente para os Assuntos Sociais e Comunidades.  Na quarta-feira, quando regressar, Marcelo fará novo telefonema, querendo saber o que terá acontecido entretanto.

Em entrevista à SIC, o ministro do Planeamento e das Infraestruturas garantiu que a atitude do Presidente da República não “humilha” nem desautoriza o Governo, que “está a fazer tudo o que pode”, segundo Pedro Marques.

(dr)

Sara Costa, uma das 64 vítimas dos incêndios de Pedrógão

A carta na íntegra

Ao Excelentíssimo Presidente da República Portuguesa, Professor Marcelo Rebelo De Sousa;
Ao Excelentíssimo Senhor Primeiro Ministro da República Portuguesa, Dr. António Costa;
Ao Excelentíssimo Provedor da Justiça, Professor José de Faria Costa;
Aos Excelentíssimos Ministra da Administração Interna, Doutora Constança Urbano de Sousa, e Ministro do Trabalho e Solidariedade Social, Dr. José António Vieira da Silva.
Aos Exmos. Senhores Presidentes / Demais cargos dirigentes da União das Misericórdias: Manuel Augusto Lopes de Lemos, José Albino da Silva Peneda, Francisco Rodrigues de Araújo, Licínio Pina, Paulo Gravato, Rui Filipe Rato, Carla Nunes Pereira, Joaquim dos Santos Guardado

Venho, por este meio, na qualidade de irmã da Sara Elisa Dinis Costa (mãe do menor de 7 anos, X), falecida no incêndio de Pedrógão Grande, questionar onde é que estão as ajudas tão apregoadas.

Agradou-me o facto de ter recebido uma mensagem do Excelentíssimo Presidente da República, o Professor Marcelo Rebelo de Sousa, no funeral, mas por outro lado choca-me não ter sido contactada por ninguém com responsabilidades mandatado para o auxílio das vítimas. Também gostaria de saber qual o destino das doações recentemente efetuadas à “causa” das vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande.

Uma vida não tem preço e associado a esse facto há imensos custos inerentes a uma vida que se perde, bem como às vidas que ficam (não me estou somente a referir ao trauma com que o meu sobrinho, filho da minha falecida irmã, ficou, desde o conhecimento da morte da sua mãe mas também o trauma com que quer eu quer o meu marido ficámos).

Fui eu que tive de me mexer para que ele tivesse tido apoio — fui eu que fui ao meu médico nos HUC, na cirurgia Cardiotorácica de Coimbra, pedir apoio psicológico, fui eu que arranjei um psicólogo para o meu sobrinho, ligando para o 112, e sou eu que estou ainda a gerir o seu trauma, uma vez que as consultas do psicólogo são caras. Temos uma maneira de não pagar tanto, mas que nos sobrecarrega a nível emocional… E entretanto, daqui a uns dias, faz precisamente um mês desde que a tragédia aconteceu e temos de nos levantar todos os dias.

Também não entendo como ainda ninguém se propôs a pagar os funerais das vítimas, que foi o primeiro custo direto que se teve desta fatídica tragédia, uma vez que as doações em género efetuadas, graças à extrema solidariedade do povo português, serviram, e acredito que continuam a servir),  perfeitamente para cobrir os custos mais urgentes.

Vou contar um pouco acerca da situação da minha família:

O filho da minha irmã, está connosco há cerca de 2 anos e meio, uma vez que a minha irmã não tinha condições psicológicas para tomar conta dele, tal como acontece com o seu pai. A minha irmã era estudante e nunca trabalhou “en continuum” (sem descontos para a Segurança Social) e o seu pai, divorciado da sua mãe, tem problemas de dependências e possui trabalhos ocasionais

Desde o acordo de promoção e proteção que temos arcado com todas as custas da subsistência, educação, saúde e lazer, e aquando da solicitação do apadrinhamento civil do menor por mim e pelo meu marido estava, nesse contrato, o acordo de ambos os pais procederem ao pagamento de 75€/mês, para despesas dele. O apadrinhamento civil ainda não se encontra homologado pelo tribunal.

Já nos foi apresentada a conta do funeral e, sendo um gasto extraordinário e não expectável, não temos como o pagar e a única ajuda seriam os 200 e poucos euros da Segurança Social.

Não sou uma pessoa rica, apesar de os meus pais nos terem deixado bens, bens esses que não conseguimos vender ou tirar rendimento deles (alguns destruídos e danificados pelo fogo) e que são dispendiosos de manter.

Encontro-me atualmente desempregada, sendo que os únicos rendimentos da minha família são os do trabalho do meu marido e do meu subsídio de desemprego desde junho do presente ano (embora ainda não tenha recebido qualquer prestação de desemprego). Possuo uma incapacidade devido a problemas cardíacos e de AVC (de 61%), que não comprometem um normal ritmo de trabalho, desde que não haja trabalhos extraordinários ou em que se necessite de fazer deslocamentos que acresçam ao horário de trabalho (o que não acontece nas obras, trabalho que efetuei durante cerca de 10 anos).

Todos os que nos conhecem (nomeadamente todos os da aldeia de Vila Facaia, da Vila de Castanheira de Pera e bancos) sabem que gostamos de cumprir com as nossas obrigações e felizmente conseguimos pagar praticamente todas as dívidas que o meu pai deixou aquando da sua morte (em 2013), e pretendemos também fazê-lo com as dívidas da minha irmã, pelo que não gostamos de ficar a dever nada a ninguém — estamos a dever o nosso apartamento ao banco, sendo essa a nossa única dívida. Possuímos somente uma pequena poupança, fruto do nosso árduo trabalho, e que já está destinada.

Felizmente o meu marido aufere mais que 1,5xIAS, mas, devido a tal facto, o X não irá ter direito ao subsídio de orfandade e muito menos ao subsídio de morte (uma vez que a mãe não fez descontos).

Por fim, pretendo dizer que as dívidas que as Santas Casas da Misericórdia espalhadas pelo país têm é real e o seu conhecimento é de âmbito nacional, pelo que solicito uma descrição pormenorizada da canalização dos fundos que está a ser executada, bem como de todos os orçamentos escolhidos, face aos solicitados.

Como cidadã inconformada por esta morte, e como vítima desta tragédia, tenho direito em saber pormenores da canalização destas verbas, uma vez que tenho a cargo um menor que sofre todos os dias a perda da sua mãe.

E que estuda (e gasta inúmeros bens escolares);
E que lê imenso (porque já sabe ler desde os seus 4 anos);
E toma banho todos os dias;
E que pertence a um clube de xadrez (do qual é campeão do 1º e 2º anos do ensino básico), pago (e cujo valor não entra no IRS);
E que gasta luz e aquecimento, quando necessário, e cuja roupa é lavada todos os dias;
E que tem AECS (pagas, e cujo valor não entra no IRS);
E que come (ainda que gostássemos que comesse mais);
E que vai à piscina 2 vezes por semana, porque é importante para o seu desenvolvimento global e harmonioso, bem como para a sua destreza física;
E que usa roupas (muitas, porque os seus 7 anos não são estáticos e, como se trata de uma criança extremamente saudável, rasga umas calças a cada 15 dias);
E que rompe em média umas sapatilhas por mês (em meses bons, pois ainda prefere a trotinete — em que pode travar com os pés – à bicicleta de rodinhas);
E que vai a festas de anos (por ser um miúdo popular, vai ‘a todas’ e deve contribuir com um presente);
E que precisa de ter atividades lúdicas e educacionais — muitas, porque se trata de uma criança deveras inteligente que necessita de resposta às suas perguntas e precisa que a sua inteligência seja estimulada;
E que usa óculos (possui 8 graus de hipermetropia num olho e 7 graus da mesma incapacidade no outro, o que constitui óculos muito grossos – tentamos diminuir ao máximo o seu peso, tornando-se extremamente caros) que têm de ser mudados uma vez por ano (e tem de ter dois, porque dada a sua atividade e extrema ‘reguilice’ tem uns para brincar e outros para estudar);
E que precisa ser deslocado, de carro, de autocarro, de comboio;
E que rasga os joelhos (quando as calças estão rasgadas ou se usa calções) ou parte a cabeça ou apanha gastroenterites (e espero que se fique por aqui…).

Agradeço uma resposta célere a este e-mail, pois possuo uma dívida de mais de €1300 para pagar, pelo funeral, fora gastos com psicólogos, transportes e burocracia para tratar de diversos assuntos que este fatídico incêndio provocou.

Agradeço igualmente que me seja informado quem irá pagar a mensalidade que a minha irmã, mãe do X, iria ficar responsável de fazer, após a homologação do apadrinhamento civil, pois a lei não prevê tal pagamento.

Não pretendo que o X sofra mais ou que seja estigmatizado pela morte da mãe. Ele está ainda a processar esta morte terrível, ainda dorme comigo e com o meu marido e chora todas as manhãs e todas as noites, quer antes de dormir, quer com pesadelos.

Mais informo que criámos uma conta para o meu sobrinho, para que nós tenhamos possibilidade de o dotar de todas as ferramentas para que ele possa crescer. Almejamos que tenha, no futuro, a possibilidade de desenvolver a sua inteligência num curso superior, ou algo mais, pois acreditamos que ele tem todo o potencial para desenvolver a sua genialidade.

Esta sua conta foi aberta com 175,50€ que o X tinha num porquinho mealheiro, de algumas ofertas que lhe foram dando entretanto (aniversários, ofertas de familiares e de um casal muito sensato e com bastantes conhecimentos, que o X gosta muito, e a quem faz muitas perguntas) e que, com esforço, conseguimos não mexer.

A consulta dos movimentos desta conta (com as devidas justificações de levantamentos ) estará à disposição para os beneméritos que aqui depositem o seu contributo.

Grata pela atenção dispensada ao presente e-mail,
Atenciosamente,
Ana Costa

Também cidadãos anónimos, tocados pela situação de Ana Catarina e do sobrinho, tentaram entrar em contacto com Cati com o intuito de ajudar. Ana Catarina Costa continua a andar para a frente, envolvida, agora, com a possibilidade de se criar uma associação das vítimas da tragédia.

ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Independentemente da situação, que é grave, o o ministro do Planeamento e das Infraestruturas NUNCA diz “que a atitude do Presidente da República não “humilha” nem desautoriza o Governo”! É verdade que anda com rodeios e nunca chega a dizer muito, excepto que se está a resolver os problemas em geral. Mas nunca diz aquilo que dizem que ele disse! Vejam a reportagem de novo e não leiam entre as linhas. O trabalho de jornalismo não é interpretar aquilo que alguém diz, mas sim, reportar os factos!
    Nota: De maneira alguma, quero desculpar a falta de celeridade do Governo/Estado neste assunto. É muito trabalho e complicado chegar a toda a gente, solucionando os seus problemas. Mas têm de ser solucionados! E o mais rápidamente possível. Se é muito trabalho, demitam-se e que venha alguém capaz de os resolver!
    Quanto ao Marcelo. A dar uma de bonzinho… A mim não engana. Mas, imaginemos que enganava. Não acho bem a continuada interferência no Governo. O outro só ajudava (o PSD/CDS) mas este está a exagerar um pouco. Quase parece que quer governar ele… Devia fazer o trabalho dele e; todas as criticas deveriam ser privadas e não na praça pública. Mas… Como esteve mais de dez anos a fazer campanha, agora está estes cinco anos de mandato é campanha para as próximas… Este não perde uma oportunidade..

    • Eh pá… deixe de defender o indefensável nomeadamente este ministro que também não anda lá a fazer nada… para além de estar a planear muito provavelmente o saque do novo aeroporto… afinal fazia parte do governo do outro… e o primeiro-ministro também… Terão outras preocupações em mente que não governar o país?

  2. Mas uma coisa é certa !!! Onde está o dinheirinho para ajudar estas pessoas ???
    Quando é que chega ajuda às mãos deles ???
    Como é que vivem, após esta catástrofe, que em parte foi culpa das autoridades e do des(governo) que temos. Bem como grande falta de responsabilidade dos políticos governantes.
    Se fosse para desviarem aos milhões dos contribuintes e de todo o povo, já onde estaria o dinheiro ???
    Até que aprecio o gesto do Presidente Marcelo, pelo menos demonstra que se tem preocupado, não vamos também agora para aqui dizer, que ele só fala, por falar e anda a fazer psico.
    Vamos ser também um pouco mais coerentes e humanos.
    Resumindo e como diz a Ana Costa :: Onde está o dinheirinho !!! Isso é que tem interesse e pode ajudar estas pessoas que tanto perderam e sofreram.

  3. A culpa é do Passos Coelho… Cortou, cortou, que este Governo não tem meios para organizar a distribuição. Para quê a pressa se as eleições autárquicas ainda vão ser a 1 de outubro? Em setembro, depois das férias e antes de eleições, aparece tudo… Infelizmente não poderão dar a vida às 64 pessoas que morreram. Por isto deviam cobrir-se de vergonha, se a tivessem.

  4. Este Presidente da República é tanto ou mais responsável…que este Governo e afins que nos desgoverna!
    De facto ele está a “segurar” um Governo de um partido que foi derrotado nas últimas eleições legislativas!
    Um governo que um mês antes desta tragédia substituiu mais de 80% dos elementos da Proteção Civil… por Boys do partido!
    O resultado está visível…e não há maneira de acabar os incêndios que lavram por este país fora!
    O facto de Marcelo aceitar isso…está a pactuar com a incompetência que neste momento está a devastar o país!
    Daí que “Cego é aquele que não quer ver…” .

RESPONDER

Donald Tusk vai presidir o Partido Popular Europeu

O presidente do Conselho da União Europeia (UE) é o único candidato à presidência do Partido Popular Europeu (PPE) e vai suceder no cargo ao francês Joseph Daul. Esta será a primeira vez que um europeu …

EUA. Casal vegan vai ser julgado por homicídio depois da morte do filho de 18 meses

Um casal americano, que segue uma alimentação vegan, vai ser julgado por homicídio depois da morte do filho de 18 meses, por malnutrição. Ambos vão permanecer detidos até à data do julgamento, em dezembro. Segundo noticiou …

Carrinha com 52 migrantes entra em Ceuta após derrubar barreiras fronteiriças

Uma carrinha com 52 migrantes rompeu, esta madrugada, as barreiras fronteiriças entre Marrocos e Espanha para entrar no enclave espanhol de Ceuta, incidente que a Guarda Civil espanhola já está a investigar. A carrinha lançou-se a toda …

Chef que renunciou à estrela Michelin espera sair do Guia em 2020

O chef Henrique Leis, que em julho renunciou à estrela Michelin que o seu restaurante detinha há 19 anos, afirma que o seu "compromisso com a Michelin acabou" e espera não ver renovada a distinção …

Morreu a fadista Argentina Santos

A fadista portuguesa morreu, esta segunda-feira, aos 95 anos de idade. As exéquias realizam-se, a partir das 17h00, na Basílica da Estrela, em Lisboa. A fadista Argentina Santos, que esta segunda-feira morreu aos 95 anos, despediu-se …

Governo apresenta queixa no Ministério Público contra 21 pedreiras

O ministro do Ambiente e da Ação Climática anunciou que 21 pedreiras, de um universo de 185, estão em incumprimento por falta de vedações, exigidas pelo levantamento do Governo, tendo sido apresentada queixa ao Ministério …

Adeus EDP Universal. Vem aí a SU Eletricidade, mas os preços não mudam

A EDP Serviço Universal vai deixar de existir a partir de 15 de Janeiro de 2020. Em seu lugar vai nascer a SU Eletricidade, a nova marca do universo EDP que vai abranger os clientes …

Mais de 41 mil idosos vivem sozinhos ou isolados em Portugal

A Guarda Nacional Republicana (GNR) sinalizou 41.868 idosos a viverem sozinhos ou isolados em todo o país em outubro no âmbito da operação "Censos Sénior", anunciou esta segunda-feira a guarda. Em comunicado, a GNR adiantou ter …

Vai nascer um Pavilhão de Gelo em Lisboa (com apoio do Governo e de fundos públicos)

O secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Rebelo, está certo de que, ainda nesta legislatura, vai nascer um Pavilhão do Gelo para a prática de desportos em Lisboa, com apoio de …

Sudão. Crimes contra a humanidade em ataques que mataram 120 manifestantes

Os ataques que em junho mataram pelo menos 120 manifestantes no Sudão podem configurar crimes contra a humanidade, revelou um relatório divulgado pela organização Human Rights Watch (HRW), que pede justiça para as vítimas e …