Marcelo insiste para que se acelere a auditoria ao Novo Banco

António Cotrim / Lusa

O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, reforçou esta segunda-feira o apelo para que se acelere a “auditoria e todo o tipo de investigação e apuramento da realidade relativamente ao Novo Banco”.

À margem de uma visita a Armação de Pera, no concelho de Silves, no Algarve, o chefe de Estado revelou esta segunda-feira partilhar “a posição sensata” tomada pelo Governo, esperando “que se concretize o mais rápido possível”, já que “é muito importante para o esclarecimento dos portugueses”.

“Como disse várias vezes, indiretamente, os portugueses estão envolvidos pela garantia do Estado ao fundo de resolução”, realçou o Presidente, numa referência aos custos que poderão vir a a suportados pelo Estado português.

Questionado sobre as eventuais consequências, Marcelo defendeu que não é possível saber “antes de apurar como facto” resulta daquilo que é “o esclarecimento sobre o Novo Banco”.

Em causa a notícia do jornal Público que revela que o Novo Banco vendeu em outubro uma seguradora com desconto de quase 70% a fundos geridos pela Apax, operação que gerou uma perda de 268,2 milhões e foi compensada com verba do Fundo de Resolução.

Segundo o jornal, o negócio foi fechado com um magnata condenado por corrupção nos Estados Unidos. Esta polémica surge depois de, no mês passado, o jornal Público ter igualmente denunciado a venda de imóveis com prejuízo a um fundo anónimo.

Novo Banco já respondeu

O Novo Banco já reagiu à notícia avançada pelo jornal Público, garantindo que o comprador da seguradora GNB “teve a idoneidade verificada pelo regulador de seguros” e que a venda foi feita com acordo com Fundo de Resolução.

A operação “gerou uma perda para a instituição financeira de 268,2 milhões de euros” e serviu para o presidente do Novo Banco, António Ramalho, “justificar novo pedido de injeção de dinheiros públicos”, explica.

Na nota esta segunda-feira enviada às redações, o Novo Banco esclarece que “concretizou a venda da totalidade do capital social da GNB – Companhia de Seguros de Vida, S.A. (“GNB Vida”) à GBIG Portugal, S.A., uma sociedade totalmente detida por fundos geridos pela APAX PARTNERS, LLP, no dia 14 de outubro de 2019, cumprindo o compromisso do Acordo Portugal/Comissão Europeia que obrigava a venda até 2019”.

“O valor de venda ascendeu a um preço fixo inicial de 123 milhões de euros, acrescido de uma componente variável de até 125 milhões de euros indexada a objetivos de distribuição constantes do contrato entre o NOVO BANCO e a GNB Vida para distribuição de produtos de seguros vida em Portugal por um período de 20 anos”, acrescenta.

Com este contrato, “que tem por base uma parceria de longo prazo com incentivos partilhados”, o Novo Banco “garante a distribuição de produtos de seguros vida da GNB Vida em Portugal na rede comercial do banco, assim como promove a inovação financeira e a melhoria do cross selling dos produtos de seguros vida”, dia ainda a entidade bancária.

O Novo Banco considera ainda que “o preço final da transação foi o melhor e resultou de um processo organizado de venda, competitivo e transparente, com o acordo do Fundo de Resolução, em que o comprador obteve idoneidade por parte da ASF”.

Na nota, o Novo Banco diz ainda que “a campanha continuada do [jornal] Público será analisada juridicamente”.

Nascido na resolução do BES (em 3 de Agosto de 2014), 75% do Novo Banco foi vendido em outubro de 2017 ao fundo de investimento norte-americano Lone Star, mantendo o Fundo de Resolução bancário 25%, numa solução acordada entre Banco de Portugal e Governo.

Nos últimos meses, os termos do contrato têm sido muito contestados (desde logo o mecanismo de capital contingente que prevê que até 2026 o Fundo de Resolução compense o Novo Banco até 3.890 milhões de euros por perdas num conjunto de ativos, dos quais o banco já foi buscar 2.976 milhões de euros) e têm sido noticiados negócios suspeitos, motivando duras críticas de todos os quadrantes políticos.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. O nosso Marcelo Nacional, bem pode dizer que insiste como a maior parte dos Portugueses que querem a verdade apurada, mas não manda em nada !…como se diz “de boas vontades estão os cemitérios cheios” .

  2. O que tem mesmo que ser analisado juridicamente é a investigação do jornal Público!!! Os seus jornalistas pôem-se a inventar calúnias sobre pessoas tão honestas como são os dirigentes do NB!!! Quem é que acredita numa palavra que seja proferida por estes malfadados dirigentes, sr. Presidente? É o representante de todos os lesados, os portugueses, que tem o dever de os informar do que realmente se passa com esta instituição bancária, em vez de assobiar para o lado. Esta é uma situação que interessa mesmo a todos os portugueses, não é o banho na praia. O sr. Presidente acreditará que a auditoria irá esclarecer algumas dúvidas ou incriminar alguém?

RESPONDER

UEFA investiga incidentes discriminatórios no Hungria-Portugal

A UEFA anunciou ter aberto um inquérito para apurar “eventuais incidentes discriminatórios” nos jogos da Hungria, no Euro 2020 de futebol, com Portugal (0-3) e França (1-1), disputados na Arena Puskás, em Budapeste. De acordo com …

Financiamento da TAP travado em Bruxelas

O plano de reestruturação da TAP, que prevê injetar na empresa até 3,72 mil milhões de euros até 2024, continua à espera de uma resposta de Bruxelas. O Governo esperava obter luz verde de Bruxelas em …

Jogos Olímpicos vão poder ter até 10 mil japoneses nas bancadas

As autoridades japonesas decidiram permitir que até 10 mil espetadores possam assistir aos eventos dos Jogos Olímpicos Tóquio 2020 nas bancadas, mesmo reservando o direito de reverter a decisão. Segundo o anúncio dos organizadores, as autoridades …

Arqueólogos descobriram que viveram pessoas no "Stonehenge alemão"

Arqueólogos descobriram que viveram pessoas no "Stonehenge alemão", um local arqueológico conhecido pelas evidências de rituais e sacrifícios humanos. De acordo com o site Live Science, uma equipa de arqueólogos encontrou cerca de 130 casas no …

Preços das casas não subiam tanto há mais de dois anos

Os preços da habitação registaram uma subida de 2,5% em relação ao mês anterior. Não subiam tanto há mais de dois anos. O preço de venda das casas em Portugal Continental registou um aumento de 2,5% …

Tragédia de Pedrógão pode "repetir-se em vários locais deste país"

Após quatro anos do grande incêndio que vitimou 66 pessoas, a região de Pedrógão Grande está de novo em ponto de combustão. A 17 de junho de 2017 o incêndio de Pedrógão Grande matou 66 …

"Apocalipse dos insetos". Novos dados associam queda de população a barragens

A população de insetos está em declínio, naquilo a que chamam de "Apocalipse dos insetos". Um novo estudo associa este problema às barragens. Os insetos são o grupo de animais mais numeroso do planeta. Existem cerca …

PS com o pior resultado desde março de 2020. Direita rejubila

Na nova sondagem da Intercampus, realizada para o Jornal de Negócios e o CM/CMTV, todos sobem nas intenções de voto menos o PS. A mais recente sondagem da Intercampus, realizada para o Jornal de Negócios e …

Nova tabela de preços da ADSE adiada para setembro

A nova tabela de preços da ADSE sofreu mais um adiamento e só entrará em vigor em setembro, revelou a ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão. A nova tabela de preços …

Vacinação da faixa etária 20-29 começa a "meio de julho"

No habitual espaço de comentário na SIC, este domingo à noite, Luís Marques Mendes anunciou que a vacinação dos jovens entre os 20 e os 29 anos vai, afinal, começar a "meio de julho". A vacinação …