Manifestações no Iraque causaram 157 mortos, a maioria em Bagdad

Murtaja Lateef / EPA

O balanço da semana de contestação antigovernamental que agitou Bagdad e o sul do Iraque é de 157 mortos, quase todos manifestantes e a grande maioria da capital, indica um relatório oficial divulgado hoje.

O relatório revela que 70% dos mortos foram atingidos por balas reais “na cabeça e no peito” e as autoridades anunciaram ter demitido vários comandantes das diferentes forças de segurança em sete das 18 províncias do país, afetadas pela contestação.

O balanço oficial é de 149 civis e de oito membros das forças de seguranças mortos de 01 a 06 de outubro em Bagdad e nas províncias do sul.

Entre os mortos, 107 civis e quatro membros das forças de segurança foram registados na capital iraquiana, onde os confrontos se concentraram inicialmente na emblemática praça Tahrir, antes de se estenderem ao turbulento bastião xiita de Sadr City.

O movimento de contestação denunciava a corrupção e pedia empregos, serviços públicos operacionais e a saída do governo.

As autoridades ordenaram a formação de uma “Alta Comissão de Inquérito” para esclarecer os acontecimentos e não reconheceram até agora um “uso excessivo” da força pelos seus homens, a não ser em incidentes limitados.

No seu relatório, a Alta Comissão atribui a responsabilidade de algumas mortes às forças de segurança, mas evoca igualmente “atiradores”, sem os identificar.

As autoridades acusam, desde o início do movimento, “atiradores não identificados” colocados nos telhados, acima dos manifestantes e da polícia.

A comissão anuncia ainda a demissão de comandantes do exército, da polícia, das forças antiterroristas e antimotim, das brigadas de luta contra o crime, do serviço de informações e da segurança nacional, nomeando-os.

Todos os comandantes estavam colocados nas províncias de Bagdad e de Diwaniya, Missane, Babylone, Wassit, Najaf e Zi Qar, a sul da capital.

A sua demissão terá de ser confirmada pelo primeiro-ministro, Adel Abdel Mahdi.

O chefe de governo continua sob pressão da rua, onde se apela ao recomeço das manifestações na sexta-feira, dia do primeiro aniversário da entrada em funções do executivo.

Para os defensores dos direitos humanos e iraquianos que conseguem exprimir-se nas redes sociais, as forças de segurança são responsáveis pela morte dos manifestantes, quer tenham disparado, quer não os tenham conseguido defender dos atiradores furtivos.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

A Rússia criou a arma mais mortífera da história. Foi há 72 anos

Comummente conhecida por AK-47, a espingarda Kalashnikov foi responsável por milhões de mortes durante a nossa História, sendo uma das armas mais populares do mundo e a mais fabricada pela indústria de armamento. Segundo o The Conversation, …

Luxemburgo 0-2 Portugal | Campeão marca presença no Euro

Portugal venceu o Luxemburgo por 2-0 e apurou-se para a fase final do Euro2020 – a 11ª presença consecutiva da turma das “quinas” em fases finais de grandes competições. Num encontro mal jogado, em parte pelas …

Hologramas e outras tecnologias podem ajudar a combater incêndios florestais

Portugal continua a ser assombrado pela destruição sem precedentes dos incêndios florestais. Agora é a hora de aproveitar as nossas ferramentas tecnológicas e encontrar maneiras inovadoras de ajudar a aliviar o problema e também evitar …

Pombos estão a perder dedos ou patas por causa da poluição

Basta passar algum tempo na praça de uma cidade para ver que alguns pombos têm patas feridas ou dedos em falta. Embora possamos pensar que isto é causado por algum vírus ou pelos eventuais desentendimentos …

Descoberto no Japão fóssil de pássaro com 120 milhões de anos

O fóssil de um pássaro do Cretáceo recentemente descoberto no Japão pode levar os cientistas a repensarem alguns detalhes sobre a evolução do voo. Há cerca de 120 milhões de anos, um pássaro com o tamanho …

Irão corta acesso à Internet após protestos contra a subida do preço da gasolina

O Irão cortou o acesso à internet no sábado, após os protestos contra o aumento do preço da gasolina, que provocaram fortes confrontos entre manifestantes e forças de segurança. O Irão cortou o acesso à internet …

A maior parte das Testemunhas de Jeová não apresenta queixa em caso de abuso sexual. Mas uma nova lei pode alterar essa realidade

Em casos de abuso sexual dentro organização religiosa Testemunhas de Jeová, a maior parte das vítimas não acusa os agressores por receio de serem excluídas, revelou um artigo da Vice. Agora, uma nova lei norte-americana, …

Hong Kong. Agente atingido por flecha e operação policial reforçada com canhão de água

Um polícia foi atingido numa perna por uma flecha lançada por manifestantes antigovernamentais e pró-democracia, informaram as forças de segurança, que reforçaram a operação no local com um canhão de água. Um polícia foi atingido …

Príncipe André nega ter abusado sexualmente de jovem de 17 anos

O príncipe André, filho de Isabel I, é acusado de ter abusado sexualmente de Virginia Giuffre, uma jovem que na altura tinha 17 anos. O caso remonta ao dia 10 de março de 2001 e, este …

FC Porto tira pão da boca ao Sporting ao desviar central brasileiro

Os 'dragões' podem estar perto de chegar a acordo para a transferência de Gustavo Henrique. O central do Santos estava em negociações com o Sporting, mas uma forte investida do FC Porto, pode ter mudado …