Prender grandes mamíferos em jardins zoológicos e aquários danifica os seus cérebros

Grandes mamíferos de cativeiro em jardins zoológicos e tanques sofrem danos graves no cérebro, sugerem cientistas. Muitos deles desenvolvem comportamentos anormais.

Hanako, uma fêmea de elefante asiático, viveu num pequeno recinto de cimento no Inokashira Park Zoo, no Japão, durante mais de 60 anos, geralmente acorrentada, sem estimulação. Na selva, os elefantes vivem em manadas, com fortes laços familiares. Hanako esteve solitária durante a última década da sua vida.

Kiska, uma jovem orca fêmea, foi capturada em 1978 na costa da Islândia e levada para o Marineland Canada, um aquário e parque de diversões. Orcas são animais sociais que vivem em grupos familiares com até 40 membros, mas Kiska vive sozinha num pequeno tanque desde 2011. Cada uma das suas cinco crias morreu. Para combater o stress e o tédio, ela nada em círculos lentos e intermináveis.

Infelizmente, estas são condições comuns para muitos grandes mamíferos em cativeiro na indústria do “entretenimento”. Em décadas de estudo do cérebro de humano, elefantes africanos, baleias jubarte e outros grandes mamíferos, uma equipa de cientistas observou a grande sensibilidade do órgão ao meio ambiente, incluindo sérios impactos na sua estrutura e função por viver em cativeiro.

Elephants in Japan & Ontario Captive Animal Watch

Hanako (E) e Kiska (D)

Saúde afetada e alterações de comportamento

É fácil observar as consequências psicológicas e de saúde gerais da vida em cativeiro para estes animais. Muitos elefantes em cativeiro sofrem de artrite, obesidade ou problemas de pele. Tanto os elefantes quanto as orcas costumam ter graves problemas dentários. Orcas em cativeiro são atormentadas por pneumonia, doenças renais, doenças gastrointestinais e infeções.

Muitos animais tentam lidar com o cativeiro adotando comportamentos anormais. Alguns desenvolvem “estereotipias”, que são hábitos repetitivos e sem propósito, como balançar constantemente a cabeça, balançar sem parar ou mastigar as barras da gaiola. Os elefantes esfregam ou partem as suas presas.

Estudos neurocientíficos indicam que viver num ambiente cativo empobrecido e stressante danifica fisicamente o cérebro. Essas mudanças foram documentadas em muitas espécies, incluindo roedores, coelhos, gatos e humanos.

Embora os investigadores tenham estudado diretamente alguns cérebros de animais, a maior parte do que sabemos vem da observação do comportamento animal, da análise dos níveis de hormonas do stresse no sangue e da aplicação do conhecimento obtido em meio século de estudos em neurociência. A investigação de laboratório também sugere que os mamíferos num jardim zoológico ou aquário têm a função cerebral comprometida.

Subsistir em aposentos confinados e estéreis sem estimulação intelectual ou contacto social apropriado parece reduzir o córtex cerebral – a parte do cérebro envolvida no movimento voluntário e nas funções cognitivas superiores, incluindo memória, planeamento e tomada de decisões.

Existem outras consequências. Os capilares encolhem, privando o cérebro do sangue rico em oxigénio de que precisa para sobreviver. Os neurónios ficam mais pequenos e os seus dendritos tornam-se menos complexos, prejudicando a comunicação dentro do cérebro. Como resultado, os neurónios corticais em animais em cativeiro processam informações com menos eficiência do que aqueles que vivem em ambientes enriquecidos e mais naturais.

A saúde do cérebro também é afetada por viver em pequenos espaços que não permitem os exercícios necessários. A atividade física aumenta o fluxo de sangue para o cérebro, que requer grandes quantidades de oxigénio. O exercício aumenta a produção de novas conexões e melhora as habilidades cognitivas.

Nos seus hábitos nativos, estes animais devem mover-se para sobreviver, cobrindo grandes distâncias para procurar comida ou um companheiro. Os elefantes normalmente viajam de 25 a 195 quilómetros por dia. Num jardim zoológico, eles têm uma média de cinco quilómetros por dia.

Uma orca livre estudada no Canadá nadou até 250 quilómetros por dia; enquanto isso, uma orca num tanque nada, em média, 10.000 vezes menos.

 

PARTILHAR

RESPONDER

Número de nascimentos em janeiro e fevereiro foi o mais baixo desde que há registos

Janeiro e fevereiro de 2021 tiveram os números mensais de nascimentos mais baixos desde que há registos, revelou o Instituto Nacional de Estatística (INE). Em janeiro nasceram com vida 5912 crianças (menos 19,3% que em janeiro …

China pousa pela primeira vez uma nave em Marte

A China anunciou este sábado que pousou com sucesso a sua primeira nave espacial na superfície de Marte, avançou a agência estatal Xinhua citando a Administração Espacial Nacional da China. Ao pousar na planície Utopia, no …

Garrafas de água, sumo e latas de cerveja podem vir a ter uma taxa até 15 cêntimos

O preço de embalagens de água, sumos ou cerveja vai passar, em 2023, a vir acompanhado de uma taxa de depósito. O valor da tara deve variar entre os 5 e os 15 cêntimos. Como noticia …

Banco Montepio passa de lucros a prejuízos de 15,9 milhões no primeiro trimestre

O Banco Montepio registou prejuízos de 15,9 milhões de euros no primeiro trimestre deste ano em comparação com lucros de 5,4 milhões no mesmo período do ano passado, foi divulgado esta sexta-feira ao mercado. De acordo …

Aviso da PSP a negar festejos em Alvalade andou “perdido” na CML. Medina sacode responsabilidades

O Sindicato dos Oficiais da PSP garante que município foi “redundantemente alertado” para entendimento de que devia ser recusada colocação de ecrãs gigantes junto a Alvalade. Contudo, a autarquia diz não ter informado os promotores …

Metrópole no Camboja medieval. Estudo mostra quantas pessoas viveram no Império de Angkor

Um novo estudo arqueológico mostra quantas pessoas viveram no antigo Império de Angkor ao longo do tempo. A população era comparável à da Roma antiga. Quão grandes eram as antigas cidades? No seu auge, há cerca …

Prazo para limpar terrenos termina hoje. Proprietários voltam a arriscar coimas

O prazo para a limpeza de terrenos florestais termina hoje, após ter sido prorrogado devido à pandemia e às condições climatéricas, pelo que os proprietários em incumprimento ficam sujeitos a contraordenações, com coimas entre 280 …

Entre indiretas a Rui Moreira e farpas a Costa, Rio acusa PS de ter desistido de ganhar o Porto

O Presidente do PSD participou na apresentação da candidatura de Vladimiro Feliz, que considera "competente" e "trabalhador" à Câmara do Porto. Por outro lado, Rio usou a ocasião para acusar o PS de ir a …

Cientistas descobrem o segredo das pessoas que vivem mais de 105 anos

Uma equipa de investigadores descobriu que os idosos que vivem mais de 105 anos tendem a possuir uma base genética única que torna os seus corpos mais eficazes na reparação de ADN. Esta é a primeira …

Quem já teve covid-19 pode agendar vacina em junho. No verão, vacinados podem vir a deixar máscara

Os doentes recuperados há mais de seis meses de infeção por SARS-CoV-2 vão poder marcar a sua vacinação através do portal de auto-agendamento a partir da primeira semana de junho, confirmou fonte da task force …