Prender grandes mamíferos em jardins zoológicos e aquários danifica os seus cérebros

Grandes mamíferos de cativeiro em jardins zoológicos e tanques sofrem danos graves no cérebro, sugerem cientistas. Muitos deles desenvolvem comportamentos anormais.

Hanako, uma fêmea de elefante asiático, viveu num pequeno recinto de cimento no Inokashira Park Zoo, no Japão, durante mais de 60 anos, geralmente acorrentada, sem estimulação. Na selva, os elefantes vivem em manadas, com fortes laços familiares. Hanako esteve solitária durante a última década da sua vida.

Kiska, uma jovem orca fêmea, foi capturada em 1978 na costa da Islândia e levada para o Marineland Canada, um aquário e parque de diversões. Orcas são animais sociais que vivem em grupos familiares com até 40 membros, mas Kiska vive sozinha num pequeno tanque desde 2011. Cada uma das suas cinco crias morreu. Para combater o stress e o tédio, ela nada em círculos lentos e intermináveis.

Infelizmente, estas são condições comuns para muitos grandes mamíferos em cativeiro na indústria do “entretenimento”. Em décadas de estudo do cérebro de humano, elefantes africanos, baleias jubarte e outros grandes mamíferos, uma equipa de cientistas observou a grande sensibilidade do órgão ao meio ambiente, incluindo sérios impactos na sua estrutura e função por viver em cativeiro.

Elephants in Japan & Ontario Captive Animal Watch

Hanako (E) e Kiska (D)

Saúde afetada e alterações de comportamento

É fácil observar as consequências psicológicas e de saúde gerais da vida em cativeiro para estes animais. Muitos elefantes em cativeiro sofrem de artrite, obesidade ou problemas de pele. Tanto os elefantes quanto as orcas costumam ter graves problemas dentários. Orcas em cativeiro são atormentadas por pneumonia, doenças renais, doenças gastrointestinais e infeções.

Muitos animais tentam lidar com o cativeiro adotando comportamentos anormais. Alguns desenvolvem “estereotipias”, que são hábitos repetitivos e sem propósito, como balançar constantemente a cabeça, balançar sem parar ou mastigar as barras da gaiola. Os elefantes esfregam ou partem as suas presas.

Estudos neurocientíficos indicam que viver num ambiente cativo empobrecido e stressante danifica fisicamente o cérebro. Essas mudanças foram documentadas em muitas espécies, incluindo roedores, coelhos, gatos e humanos.

Embora os investigadores tenham estudado diretamente alguns cérebros de animais, a maior parte do que sabemos vem da observação do comportamento animal, da análise dos níveis de hormonas do stresse no sangue e da aplicação do conhecimento obtido em meio século de estudos em neurociência. A investigação de laboratório também sugere que os mamíferos num jardim zoológico ou aquário têm a função cerebral comprometida.

Subsistir em aposentos confinados e estéreis sem estimulação intelectual ou contacto social apropriado parece reduzir o córtex cerebral – a parte do cérebro envolvida no movimento voluntário e nas funções cognitivas superiores, incluindo memória, planeamento e tomada de decisões.

Existem outras consequências. Os capilares encolhem, privando o cérebro do sangue rico em oxigénio de que precisa para sobreviver. Os neurónios ficam mais pequenos e os seus dendritos tornam-se menos complexos, prejudicando a comunicação dentro do cérebro. Como resultado, os neurónios corticais em animais em cativeiro processam informações com menos eficiência do que aqueles que vivem em ambientes enriquecidos e mais naturais.

A saúde do cérebro também é afetada por viver em pequenos espaços que não permitem os exercícios necessários. A atividade física aumenta o fluxo de sangue para o cérebro, que requer grandes quantidades de oxigénio. O exercício aumenta a produção de novas conexões e melhora as habilidades cognitivas.

Nos seus hábitos nativos, estes animais devem mover-se para sobreviver, cobrindo grandes distâncias para procurar comida ou um companheiro. Os elefantes normalmente viajam de 25 a 195 quilómetros por dia. Num jardim zoológico, eles têm uma média de cinco quilómetros por dia.

Uma orca livre estudada no Canadá nadou até 250 quilómetros por dia; enquanto isso, uma orca num tanque nada, em média, 10.000 vezes menos.

  ZAP // The Conversation

 

PARTILHAR

RESPONDER

O Supremo dos EUA mudou as suas regras para que as juízas não fossem constantemente interrompidas

Revelação foi feita por Sonia Sotomayor, uma das três mulheres que compõe o coletivo de nove juízes e a primeira latina a chegar ao cargo. O facto de serem constantemente interrompidas em reuniões ou outros …

A candidata a primeira-ministra da Hungria, Klára Dobrev.

Num futuro sem Orbán, a oposição escolhe entre um novo conservador ou uma liberal divisiva

Os opositores de Viktor Orbán estão na dúvida quanto ao candidato para enfrentar o atual primeiro-ministro nas próxima eleições. Esta indecisão pode custar-lhes o assalto ao cargo. Viktor Orbán é um nome recorrente na política húngara. …

Nuno Melo, do CDS/PP

Nuno Melo ataca líder do CDS por anunciar sentido de voto sem consultar deputados

O candidato à liderança do CDS-PP criticou, este sábado, o atual líder do partido por ter comunicado publicamente a intenção de votar contra a proposta de Orçamento do Estado sem se ter reunido com os …

Vaticano tem três celas e um só prisioneiro. Uma onda de julgamentos pode mudar isso

Dez pessoas vão ser julgadas no Vaticano por crimes relacionados com a venda de um edifício em Londres. Visto como limitado e sombrio, o sistema judicial da cidade-estado está a mudar. Carlo Capella é o único prisioneiro …

Alexandra Leitão diz que "não há trabalhadores a mais na Administração Pública"

A ministra da Modernização do Estado assegura que não há trabalhadores a mais na Administração Pública e assume toda a abertura do Governo para negociar, "com humildade e responsabilidade", medidas adicionais às inscritas no OE2022. Em …

Start-up israelita quer fazer roupa a partir de algas

A Algaeing, criada em 2016, é uma empresa que converte as algas numa fórmula líquida, que depois pode ser usada como corante ou transformada num tecido. A indústria da moda é uma das responsáveis pelas emissões …

O antigo Presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton

Bill Clinton já teve alta hospitalar e deve regressar a Nova Iorque

O ex-Presidente dos Estados Unidos deixou, neste domingo de manhã, o hospital da Califórnia onde foi internado com uma infeção, informou o chefe da equipa de médicos que o tratou. "O Presidente Clinton teve alta do …

Acordo escrito. Bloco diz que Governo "conhece bem" os pontos negociais

O Bloco de Esquerda anunciou, este domingo, que vai enviar ao Governo propostas de articulado de nove pontos negociais colocados em cima da mesa no início de setembro, aos quais declara não ter obtido resposta …

Mais de 1,6 milhões de portugueses vivem com menos de 540 euros por mês

Mais de 1,6 milhões de portugueses vivem abaixo do limiar da pobreza, ou seja, com menos de 540 euros por mês, uma realidade que afeta famílias numerosas, mas também quem vive sozinho, idosos, crianças, estudantes …

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira

"Subida do salário mínimo é para manter", diz Siza Vieira

O ministro da Economia destaca que a trajetória do aumento do salário mínimo nacional "é para manter", assegurando que a meta é que este suba até aos 750 euros em 2023. Em entrevista ao semanário Expresso, …