Prender grandes mamíferos em jardins zoológicos e aquários danifica os seus cérebros

Grandes mamíferos de cativeiro em jardins zoológicos e tanques sofrem danos graves no cérebro, sugerem cientistas. Muitos deles desenvolvem comportamentos anormais.

Hanako, uma fêmea de elefante asiático, viveu num pequeno recinto de cimento no Inokashira Park Zoo, no Japão, durante mais de 60 anos, geralmente acorrentada, sem estimulação. Na selva, os elefantes vivem em manadas, com fortes laços familiares. Hanako esteve solitária durante a última década da sua vida.

Kiska, uma jovem orca fêmea, foi capturada em 1978 na costa da Islândia e levada para o Marineland Canada, um aquário e parque de diversões. Orcas são animais sociais que vivem em grupos familiares com até 40 membros, mas Kiska vive sozinha num pequeno tanque desde 2011. Cada uma das suas cinco crias morreu. Para combater o stress e o tédio, ela nada em círculos lentos e intermináveis.

Infelizmente, estas são condições comuns para muitos grandes mamíferos em cativeiro na indústria do “entretenimento”. Em décadas de estudo do cérebro de humano, elefantes africanos, baleias jubarte e outros grandes mamíferos, uma equipa de cientistas observou a grande sensibilidade do órgão ao meio ambiente, incluindo sérios impactos na sua estrutura e função por viver em cativeiro.

Elephants in Japan & Ontario Captive Animal Watch

Hanako (E) e Kiska (D)

Saúde afetada e alterações de comportamento

É fácil observar as consequências psicológicas e de saúde gerais da vida em cativeiro para estes animais. Muitos elefantes em cativeiro sofrem de artrite, obesidade ou problemas de pele. Tanto os elefantes quanto as orcas costumam ter graves problemas dentários. Orcas em cativeiro são atormentadas por pneumonia, doenças renais, doenças gastrointestinais e infeções.

Muitos animais tentam lidar com o cativeiro adotando comportamentos anormais. Alguns desenvolvem “estereotipias”, que são hábitos repetitivos e sem propósito, como balançar constantemente a cabeça, balançar sem parar ou mastigar as barras da gaiola. Os elefantes esfregam ou partem as suas presas.

Estudos neurocientíficos indicam que viver num ambiente cativo empobrecido e stressante danifica fisicamente o cérebro. Essas mudanças foram documentadas em muitas espécies, incluindo roedores, coelhos, gatos e humanos.

Embora os investigadores tenham estudado diretamente alguns cérebros de animais, a maior parte do que sabemos vem da observação do comportamento animal, da análise dos níveis de hormonas do stresse no sangue e da aplicação do conhecimento obtido em meio século de estudos em neurociência. A investigação de laboratório também sugere que os mamíferos num jardim zoológico ou aquário têm a função cerebral comprometida.

Subsistir em aposentos confinados e estéreis sem estimulação intelectual ou contacto social apropriado parece reduzir o córtex cerebral – a parte do cérebro envolvida no movimento voluntário e nas funções cognitivas superiores, incluindo memória, planeamento e tomada de decisões.

Existem outras consequências. Os capilares encolhem, privando o cérebro do sangue rico em oxigénio de que precisa para sobreviver. Os neurónios ficam mais pequenos e os seus dendritos tornam-se menos complexos, prejudicando a comunicação dentro do cérebro. Como resultado, os neurónios corticais em animais em cativeiro processam informações com menos eficiência do que aqueles que vivem em ambientes enriquecidos e mais naturais.

A saúde do cérebro também é afetada por viver em pequenos espaços que não permitem os exercícios necessários. A atividade física aumenta o fluxo de sangue para o cérebro, que requer grandes quantidades de oxigénio. O exercício aumenta a produção de novas conexões e melhora as habilidades cognitivas.

Nos seus hábitos nativos, estes animais devem mover-se para sobreviver, cobrindo grandes distâncias para procurar comida ou um companheiro. Os elefantes normalmente viajam de 25 a 195 quilómetros por dia. Num jardim zoológico, eles têm uma média de cinco quilómetros por dia.

Uma orca livre estudada no Canadá nadou até 250 quilómetros por dia; enquanto isso, uma orca num tanque nada, em média, 10.000 vezes menos.

 

PARTILHAR

RESPONDER

"Emergência arqueológica". O degelo dos Alpes está a "libertar" artefactos escondidos há milhares de anos

As alterações climáticas podem estar a ajudar os arqueólogos a encontrar artefactos escondidos nos glaciares do Alpes há milhares de anos. O derretimento dos glaciares dos Alpes está a "liberta" objetos que permaneceram congelados no tempo …

Thermite RS3 é o primeiro robô de combate a incêndios dos EUA (e está pronto a entrar ao serviço)

O Corpo de Bombeiros de Los Angeles, nos Estados Unidos, deu as boas-vindas ao mais recente membro da equipa: um bombeiro robótico. O Thermite RS3 é um rover de controlo remoto capaz de bombear milhares de …

Inventor dinamarquês que matou jornalista no seu submarino escapou da prisão (mas já foi apanhado)

O inventor dinamarquês Peter Madsen, condenado a prisão perpétua por torturar e assassinar a jornalista sueca Kim Wall, fugiu da prisão esta terça-feira.  As autoridades dinamarquesas capturaram-no minutos depois. Peter Madsen, o dinamarquês condenado a prisão …

Molécula descoberta por menina de 14 anos pode levar a uma cura para a covid-19

A jovem norte-americana de 14 anos, Anika Chebrolu, descobriu uma molécula que pode levar a uma potencial cura para a covid-19. Enquanto cientistas dos quatro cantos do mundo trabalham no desenvolvimento de uma vacina para a …

Cerca de 1.300 reclusos fogem de prisão no Congo após ataque do Estado Islâmico

Cerca de 1.300 reclusos escaparam de uma prisão na República Democrática do Congo na manhã de terça-feira, após um ataque reivindicado pelo Estado Islâmico, informou a Organização das Nações Unidas (ONU). Embora as autoridades locais tenham …

Amesterdão vai usar flores para impedir que os ciclistas estacionem bicicletas nas pontes

A cidade conhecida pelo uso de bicicletas, vai agora tomar uma medida em relação ao estacionamento destas nas pontes. Tudo para proteger as vistas para os seus famosos canais. Amesterdão orgulha-se de ser uma das cidades …

Morreu voluntário envolvido no ensaio da vacina de Oxford. Tinha 28 anos e era médico recém-formado

As autoridades de saúde brasileiras divulgaram esta quarta-feira a morte de um voluntário dos testes da vacina contra a covid-19, desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca e pela Universidade de Oxford. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), …

Milo, o "comunicador de ação" que permite conversar em grupo durante atividades ao ar livre

Chegou o Milo, o novo aparelho que vai revolucionar as aventuras em grupo. Este pequeno dispositivo permite-lhe conversar com o seu grupo à distancia sem precisar de levar o smartphone para o meio da montanha, …

Roubar aos ricos para dar aos pobres. Misterioso grupo de hackers desviou dinheiro para doar à caridade

Um misterioso grupo de hackers, conhecidos como hackers Darkside, doou dinheiro a duas instituições de caridade - mas esse dinheiro foi roubado pelo mesmo grupo a grandes corporações através de um ataque de ransomware. Quase podia …

Desatualizados e com erros. IA vai vasculhar milhares de documentos da Casa Branca

O Escritório de Administração e Orçamento da Casa Branca (OMB) disse que as agências federais vão usar inteligência artificial (IA) para eliminar requisitos desatualizados, obsoletos e inconsistentes em dezenas de milhares de páginas de regulamentos …