“Os mais pobres que votaram no Brexit são quem vai sofrer com ele”

Para Emma Duncan, editora de políticas sociais do Economist, a austeridade nas finanças locais britânicas foi um dos condutores ao Brexit. A responsável acredita que a saída da União Europeia (UE) penalizará mais quem votou a favor dela.

De acordo com um artigo do Diário de Notícias, publicado no domingo, nas ilhas britânicas, a palavra austeridade ainda não saiu do glossário político e social. Há já uma década que se sentem os cortes, sobretudo nas finanças dos governos locais, mas o governo faz depender do Brexit a margem para eliminar a política de redução de despesa.

Se tudo correr mal, a austeridade pode demorar longos anos a deixar o Reino Unido. E continuar a penalizar, principalmente, quem votou pelo corte dos laços com Bruxelas.

“Há tantas causas para o Brexit que poderíamos ficar a discuti-las uma noite inteira”, admitiu Emma Duncan. A editora de políticas sociais do jornal que, segundo o Diário de Notícias, é “a voz mais influente da imprensa britânica no mundo”, desfiou um cordão de efeitos, que arranca na resposta à crise financeira mundial.

“Tivemos um período prolongado – creio que mais longo que em Portugal, mas possivelmente não tão extremo – de austeridade, que baixou o nível dos serviços, em particular ao nível do governo local, e criou um crescente sentido de descontentamento incontrolável”, indicou.

Quando isso “se combinou com a quebra dos salários reais, que tivemos durante sete anos após a crise, criou um cenário económico realmente negro. Sobreposto a isso ainda, houve aumento da imigração do resto da Europa e de fora da Europa”, continuou.

Emma Duncan

O resultado? Emma Duncan explicou que “foi uma mistura muito tóxica, em que a população indígena que estava menos bem sentiu que os seus benefícios não estavam apenas a encolher mas estavam a ser levados por estrangeiros”.

“É algo em que as pessoas acabaram por acreditar, sobretudo em bolsas do país onde se registavam não tanto níveis de imigração elevados mas antes uma subida recente da imigração. Foram as áreas mais atingidas por esta mistura tóxica, e com maior probabilidade de votarem a favor do Brexit“, disse a jornalista britânica.

Os cortes pós-crise às finanças locais britânicas resultaram numa redução média da despesa de 10% nos anos imediatamente anteriores ao referendo sobre a saída do Reino Unido da UE.

Os ‘councils’ (equivalentes das autarquias portuguesas) mais pobres foram os que conheceram mais cortes – superiores a 30% e quase o dobro dos registados nas localidades mais ricas -, segundo dados do Institute of Fiscal Studies, que analisa os efeitos microeconómicos das contas públicas britânicas.

Outro ‘think tank’, o Centre for Cities, fez as contas em janeiro às localidades que mais perderam transferências de Londres no pós-crise. E a comparação com os resultados do referendo de junho de 2016 suporta a explicação de Emma Duncan.

Barnsley, uma pequena vila entre as cidades de Leeds e Sheffield, no centro do país, foi a que teve os maiores cortes pós-crise: 40%. E deu 68,3% dos seus votos pelo Brexit. Liverpool é exceção à regra: teve cortes de 32% e ainda escolheu ficar, com mais de 58% dos votos. Mas, Doncaster, não muito longe de Barnsley, teve o orçamento local reduzido em 31% e já deu 69% de votantes ao Brexit.

Tempos muito estranhos

A separação da UE está agora a seis meses de distância, sem que se saiba ao certo que pontes económicas serão mantidas. O PIB das ilhas do norte continua a crescer, mas o investimento já quebrou, e é possível que o Brexit desenrole uma espiral descendente capaz de reduzir salários e encolher mais os serviços prestados às populações.

A saída, afirmou Emma Duncan, terá “um impacto na segurança social, e, em particular, terá impacto na segurança social dos mais pobres no país”.

“A ironia dolorosa é que os mais pobres que votaram no Brexit são quem vai sofrer com ele”, defendeu a jornalista. “Temo que os sentimentos que conduziram ao Brexit em primeiro lugar e que encorajaram o crescimento dos países mais à direita serão exacerbados. Haverá mais disto como consequência deste terrível episódio”.

Mas arriscar previsões, hoje em dia, nas mais de 95 mil milhas quadradas sob a coroa de Isabel II e a direção de Theresa May, é tarefa sem candidatos, por muito que se perfilem lideranças substitutas nos debate mais acesos, lê-se no artigo do Diário de Notícias.

“O curioso neste ponto é que ninguém é capaz de prever o que se vai passar no dia seguinte. Fala-se com os políticos e pergunta-se-lhes pelo que vai acontecer amanhã ou na próxima semana – ninguém faz a mais pálida ideia. São tempos muito estranhos”.

Por exemplo, a Grã-Bretanha pode ou não participar nas eleições europeias no próximo mês – e para nada. “Vai ser uma extraordinária votação. Em quê? Não tenho a certeza”, concluiu a editora de políticas sociais.

TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Portugal volta a bater recorde de infeções: mais 4.224 casos nas últimas 24 horas

Portugal voltou a bater o recorde de infeções diárias esta quinta-feira. Nas últimas 24 horas, registaram-se mais 4.224 casos positivos em todo o país. Dia após dia, Portugal continua a bater recordes de infeções diárias. Nas …

Depois do novo confinamento, França estende uso obrigatório de máscara nas escolas às crianças de 6 anos

O uso de máscara na escola em França será estendido na próxima semana às crianças a partir dos seis anos, anunciou esta quinta-feira o primeiro-ministro francês, Jean Castex, um dia após o anúncio de novo …

"A lei não pode exigir esse tipo de heroísmo". Presidente polaco recua na oposição ao aborto

O Presidente da Polónia defendeu esta quinta-feira que as próprias mulheres deveriam ter o direito de abortar em caso de fetos com problemas congénitos, rompendo com a liderança conservadora, que apoiou uma proibição que levou …

Advogados ligados à PLMJ contestam interesse público de revelações de Rui Pinto

A invocação de interesse público dos documentos e das informações expostas por Rui Pinto na Internet foi contestada, esta quarta-feira, por advogados ligados à sociedade PLMJ, na 18.ª sessão do julgamento do processo "Football Leaks". Na …

Microempresas do turismo do Norte com maior adesão a apoios

As microempresas de turismo do Norte foram as que mais dinheiro receberam da linha de apoio à tesouraria criada em resposta ao impacto da pandemia nesse setor, ficando com 29,3% (15,3 milhões de euros) do …

Migrantes marroquinos "desesperados e assustados" em greve de fome. Entre eles está uma mulher grávida

Seis dos migrantes marroquinos que chegaram ilegalmente em setembro estiveram em greve de fome, entre os quais uma grávida. Dizem não serem autorizados a falar com as famílias há mais de 40 dias. O protesto é …

TAP precisa de mais de 100 milhões por mês até final de 2020

O Plano de Tesouraria da TAP para 2020 revela que a empresa precisa, em média, mais de 100 milhões de euros por mês até ao final do ano para suprir as necessidades de liquidez. De acordo …

Fafe declara estado de emergência municipal devido à "rapidez" da propagação da covid-19

O concelho de Fafe está em estado de emergência municipal devido à “evolução grande” do número de infetados com o novo coronavírus e à “rapidez” da propagação, anunciou o presidente da Câmara. Em vídeo publicado nas …

Ameaça iminente. FBI alerta que hackers vão atacar sistema de saúde dos Estados Unidos

O Departamento Federal de Investigação (FBI) e duas agências federais anunciaram que cibercriminosos estão a desencadear um grande ataque de resgate contra o sistema de saúde dos Estados Unidos. Num alerta conjunto, o FBI e duas …

Multidão para ver ondas gigantes na Nazaré. Câmara corta acesso ao Farol

A Câmara e a Capitania da Nazaré decidiram cortar o acesso pedonal à estrada do Farol, para conter a excessiva concentração de público que assiste às ondas gigantes e garantir condições de segurança, informou o …