Mais de 40 países apelam à descarbonização do setor da aviação. Um momento “histórico”

O documento assinala que muitos países, instituições internacionais e associações de transportes aéreos já apoiam esse princípio.

De acordo com a LUSA, o objetivo principal é convencerem outros países a assumirem um compromisso idêntico.

Mais de 40 países, dezenas de organizações e empresas defenderam medidas para um setor aéreo que deixe de contribuir para o aquecimento global em 2050, na “Declaração de Toulouse”, lançada esta sexta-feira, no âmbito da presidência francesa da União Europeia.

Os signatários do documento “apelam a todos os parceiros a nível mundial para trabalharem em conjunto“, tendo em vista a 41.ª assembleia da Organização da Aviação Civil Internacional (OAC), convocada para finais de setembro.

O texto foi assinado por 42 países, incluindo os 27 da União Europeia (UE), mas também Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, Marrocos e a Geórgia.

Dezenas de organizações e empresas, incluindo aeroportos, companhias aéreas, fabricantes de aeronaves e empresas de energia, também rubricaram a declaração, indicou o ministro delegado dos Transportes francês, Jean-Baptiste Djebbari, saudando um momento “histórico”.

Reunidos em Toulouse, sede da Airbus, os signatários querem que, na OACI, os países adotem “um objetivo ambicioso a longo prazo para a aviação civil internacional, ou seja, emissões líquidas zero de carbono até 2050“.

O documento assinala que muitos países, instituições internacionais e associações de transportes aéreos já apoiam esse princípio, mas o objetivo é convencer outros países a assumirem um compromisso idêntico, tendo Djebbari mencionado Brasil, Índia, África do Sul ou os países do Oriente Médio.

Para alcançar a neutralidade de carbono em 28 anos, os signatários apoiam medidas como “a melhoria da tecnologia das aeronaves, melhoria das operações, o uso de combustíveis de aviação sustentáveis” e incentivos financeiros e apoio à inovação ambiental e climática no setor, entre outras.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.