A maior erupção subaquática já registada deu à luz um enorme vulcão

Em 2018, a maior erupção subaquática alguma vez registada deu à luz um “bebé” gigante: um enorme vulcão do tamanho de um arranha-céus.

Os cientistas descobriram um vulcão de 820 metros de altura no Oceano Índico ocidental, ao largo de Madagáscar, após uma vaga de terramotos.

Depois de recolherem dados geológicos, incluindo informações de um levantamento subaquático na região, os investigadores perceberam que havia um novo vulcão submarino cerca de 1,5 vezes a altura do One World Trade Center, em Nova Iorque.

O novo “bebé” nasce do mais profundo reservatório de magma vulcânico conhecido pelos cientistas. “O reservatório – a fonte do magma – é muito profundo”, cerca de 55 quilómetros no subsolo, disse a investigadora Nathalie Feuillet, do Instituto de Física da Terra de Paris (IPGP), ao Live Sicence.

“Esta é a primeira vez em vulcanologia que podemos ver um reservatório tão profundo na base da litosfera”, o revestimento exterior da Terra que inclui o manto superior e a crosta.

Entre maio de 2018 e maio de 2021, mais de 11 mil terramotos abalaram Mayotte, uma pequena ilha e território francês entre Madagáscar e Moçambique. O sismo mais forte foi de magnitude 5,9, mas também houve estranhos zumbidos sísmicos, ou terramotos de muito baixa frequência, que tiveram origem no subsolo profundo.

Estes pequenos abalos estão associados à atividade vulcânica.

Em maio de 2019, Feuillet e a sua equipa fizeram uma viagem a bordo do navio de investigação Marion Dufresne e puseram em prática um protocolo para analisar os sinais sísmicos registados pelos sismómetros do fundo do mar. Os cientistas conseguiram localizar com precisão, em menos de duas semanas, os quase 800 maiores sismos.

“Descobrimos que estes terramotos estavam, na sua maioria, localizados numa área bastante próxima da ilha (a 10 quilómetros da costa leste da ilha), mas eram profundos (entre 20 e 50 quilómetros de profundidade)”, descreveu Feuillet.

A sonda multifeixe do navio, que envia ondas sonoras para mapear o fundo do mar e a coluna de água, encontrou algo “muito grande” a cerca de 50 quilómetros a leste de Mayotte.

Era um vulcão subaquático com a forma de um edifício em pirâmide, com cerca de 5 quilómetros cúbicos. Este vulcão era completamente novo, não havendo qualquer registo no levantamento do Serviço Hidrográfico e Oceanográfico Naval de França em 2014.

De acordo com o documento, a área era “quase plana a cerca de 3.300 metros abaixo do nível do mar”. A partir de maio de 2019, o cume do vulcão subiu para 2.580 metros abaixo do nível do mar.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O volume de material que o vulcão produziu é 30 a 1.000 vezes maior do que outras erupções de águas profundas.

Os cientistas explicam que o movimento tectónico das placas levou a lava na astenosfera – a camada superior fundida do manto diretamente abaixo da litosfera rígida – a mover-se para cima. O magma fluiu de forma ascendente em diques geológicos, o que poderia explicar os sismos e a subsequente erupção.

A equipa continua a monitorizar a região. “Ainda está em erupção”, disse Feuillet. “A última prova de lava no fundo do mar foi em janeiro de 2021.”

O artigo científico foi publicado na Nature Geoscience.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.