Maduro já tomou posse: “Eu sou um Presidente democrata profundo”

Hugoshi / wikimedia

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, foi esta quinta-feira empossado para um novo mandato de seis anos e no juramento disse que vai continuar a construir o socialismo do século XXI.

Nicolás Maduro tomou posse para mais um mandato de seis anos como Presidente da República Bolivariana da Venezuela, numa cerimónia realizada no Supremo Tribunal de Justiça na capital Caracas.

“Não podemos falhar e não falharemos. Juro pela minha vida e pela minha pátria.” Foi assim que Maduro terminou o seu discurso, uma oratória que resume os vários minutos em que nada escapou às críticas, especialmente ao “imperialismo norte-americano”. “Às vezes, é difícil suportar tanta campanha, tanta mentira”, referiu.

A Assembleia Nacional da Venezuela, na qual a oposição detém a maioria, declarou inconstitucional o novo mandato. A declaração teve por base um projeto de acordo para uma solução política à crise venezuelana e os parlamentares pedem a realização de eleições presidenciais em condições democráticas e com o apoio internacional. Por esta razão, a cerimónia realizou-se no Supremo Tribunal de Justiça.

Maduro começou por explicar que traz consigo “a mesma faixa presidencial que o comandante Hugo Chávez” porque defende a mesma causa, juntamente com a chave do sarcófago onde estão os restos mortais de Simón Bolívar e a ata da independência da Venezuela. “Não me pertence a mim. Esta faixa e esta força pertencem ao povo soberano da Venezuela.”

O líder venezuelano falou também numa “campanha de manipulação” contra o país, lembrando as acusações de “ditadura” de que tem sido alvo nos últimos anos.

Além disso, garantiu: “A Venezuela é um país profundamente democrático. Eu sou um presidente de verdade, democrata profundo”. Prova disso, explicou, são as 25 eleições que se realizaram nos últimos 19 anos, das quais “as forças bolivarianas, chavistas e socialistas ganharam 23”.

Os Estados Unidos, que negaram reconhecer a legitimidade do governo de Maduro, foram um dos temas centrais das acusações. O presidente garante que “a escola da Venezuela não foi nem é a escola das ditaduras, nem do imperialismo”.

Não me formei nas escolas da América, formei-me nos bairros de Caracas”, reforçou, deixando recado a “uma direita que infetou o seu fascismo na democracia latina”, como “é exemplo o Brasil e Jair Bolsonaro”.

Maduro deu também o exemplo das “sanções, perseguições, bloqueio económico e campanha mediática” feita pelos norte-americanos, garantindo que os “tempos coloniais” acabaram e que “o mundo é muito maior do que o império dos EUA e as suas ameaças”. “Já não é um mundo unipolar, hegemónico. Façam o que fizerem, há um mundo de pé. A Venezuela calhou de estar na primeira linha da batalha.

Maduro atirou também duras críticas à divisão da América Latina e do Caribe, considerando que existe “intolerância ideológica” e que querem “impor novamente a ideologia intervencionista que caracterizou o século XX” na região. Para resolver os problemas, sugeriu uma cimeira com os vários países latinos, “para discutir todos os temas, cara a cara”.

Por fim, Nicolás Maduro terminou com a garantia de que quer “corrigir muitos erros” cometidos pela Venezuela – “para consolidar a independência do país” –, fazendo ainda um apelo à Europa, que considerou estas eleições como “não democráticas”, para que não regresse ao “velho colonialismo e racismo”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Afinal comer um ovo por dia é mau outra vez

Afinal, comer um ovo por dia não é assim tão bom para a saúde como estudos recentes sugeriam. O maior consumo de ovos e colesterol pode aumentar o risco de doenças cardíacas e de morte …

Na Colômbia, há um "arco-íris líquido" que é descrito como a 8ª maravilha do mundo

Escondido nos confins da Serra da Macarena, na Colômbia, está o rio Caño Cristales. De dezembro a maio, o curso de água é como outro qualquer, apesar de estar rodeado de um dos ecossistemas mais …

Com uma nova interface neural, a telepatia já é possível

Uma equipa internacional de cientistas deu um passo adiante no desenvolvimento de interfaces neuronais para propor uma interface que envolve a transferência de informação entre as pessoas diretamente. As interfaces cérebro-computador podem melhorar as habilidades individuais …

Bombeiros profissionais ameaçam deixar de prestar serviço voluntário nas corporações

Os bombeiros voluntários das associações humanitárias admitem deixar de prestar serviço voluntário nas corporações, caso a Liga dos Bombeiros Portugueses continue por concluir o acordo coletivo de trabalho, que está em negociação há mais de …

Baleia encontrada morta nas Filipinas com 40 quilos de plástico no estômago

Uma baleia foi encontrada morta na sexta-feira, na costa sudeste das Filipinas, com 40 quilos de plástico no estômago, informou a imprensa local. O cetáceo, uma baleia-bicuda-de-cuvier, apareceu na sexta-feira à beira-mar no município de Mabini, …

Macron convoca reforços após novos confrontos de coletes amarelos

A nova manifestação de "coletes amarelos", no sábado, registou distúrbios violentos na capital francesa. Como resposta, o presidente francês Emmanuel Macron convocou um reforço das forças de segurança. O dia de sábado marcou mais um protesto …

Pedidos de nacionalidade portuguesa aumentaram 50% em dois anos

Nos últimos dois anos, o número de pedidos de nacionalidade portuguesa aumentou cerca de 50%, avança o jornal Público esta segunda-feira. Se em 2016 foram 117.629 os cidadãos estrangeiros que pediram a nacionalidade portuguesa, em 2018 …

Não há democracia na Coreia do Norte? "É uma opinião", diz Jerónimo

Jerónimo de Sousa evitou classificar o regime de Kim Jong-un em termos "de ser ou não ser" uma democracia. A Coreia do Norte é ou não uma democracia? "É uma opinião", respondeu Jerónimo de Sousa. Numa …

Afinal, o esparguete à bolonhesa não existe

Quando se trata de refeições italianas clássicas, a maioria das pessoas pensa em pratos simples como uma pizza Margherita, lasanha e esparguete à bolonhesa. Contudo, segundo Virginio Merola, presidente de Bolonha, em Itália, o esparguete à bolonhesa …

Javalis tomaram o lugar dos coelhos. "Muitos animais estão doentes"

Para já, não há perigo de saúde pública, mas os javalis carregam doenças que podem passar a outros animais. Se antes se matavam mil coelhos, abatem-se agora 10 javalis. Jacinto Amaro, presidente da Fencaça - Federação …