Maduro já tomou posse: “Eu sou um Presidente democrata profundo”

Hugoshi / wikimedia

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, foi esta quinta-feira empossado para um novo mandato de seis anos e no juramento disse que vai continuar a construir o socialismo do século XXI.

Nicolás Maduro tomou posse para mais um mandato de seis anos como Presidente da República Bolivariana da Venezuela, numa cerimónia realizada no Supremo Tribunal de Justiça na capital Caracas.

“Não podemos falhar e não falharemos. Juro pela minha vida e pela minha pátria.” Foi assim que Maduro terminou o seu discurso, uma oratória que resume os vários minutos em que nada escapou às críticas, especialmente ao “imperialismo norte-americano”. “Às vezes, é difícil suportar tanta campanha, tanta mentira”, referiu.

A Assembleia Nacional da Venezuela, na qual a oposição detém a maioria, declarou inconstitucional o novo mandato. A declaração teve por base um projeto de acordo para uma solução política à crise venezuelana e os parlamentares pedem a realização de eleições presidenciais em condições democráticas e com o apoio internacional. Por esta razão, a cerimónia realizou-se no Supremo Tribunal de Justiça.

Maduro começou por explicar que traz consigo “a mesma faixa presidencial que o comandante Hugo Chávez” porque defende a mesma causa, juntamente com a chave do sarcófago onde estão os restos mortais de Simón Bolívar e a ata da independência da Venezuela. “Não me pertence a mim. Esta faixa e esta força pertencem ao povo soberano da Venezuela.”

O líder venezuelano falou também numa “campanha de manipulação” contra o país, lembrando as acusações de “ditadura” de que tem sido alvo nos últimos anos.

Além disso, garantiu: “A Venezuela é um país profundamente democrático. Eu sou um presidente de verdade, democrata profundo”. Prova disso, explicou, são as 25 eleições que se realizaram nos últimos 19 anos, das quais “as forças bolivarianas, chavistas e socialistas ganharam 23”.

Os Estados Unidos, que negaram reconhecer a legitimidade do governo de Maduro, foram um dos temas centrais das acusações. O presidente garante que “a escola da Venezuela não foi nem é a escola das ditaduras, nem do imperialismo”.

Não me formei nas escolas da América, formei-me nos bairros de Caracas”, reforçou, deixando recado a “uma direita que infetou o seu fascismo na democracia latina”, como “é exemplo o Brasil e Jair Bolsonaro”.

Maduro deu também o exemplo das “sanções, perseguições, bloqueio económico e campanha mediática” feita pelos norte-americanos, garantindo que os “tempos coloniais” acabaram e que “o mundo é muito maior do que o império dos EUA e as suas ameaças”. “Já não é um mundo unipolar, hegemónico. Façam o que fizerem, há um mundo de pé. A Venezuela calhou de estar na primeira linha da batalha.

Maduro atirou também duras críticas à divisão da América Latina e do Caribe, considerando que existe “intolerância ideológica” e que querem “impor novamente a ideologia intervencionista que caracterizou o século XX” na região. Para resolver os problemas, sugeriu uma cimeira com os vários países latinos, “para discutir todos os temas, cara a cara”.

Por fim, Nicolás Maduro terminou com a garantia de que quer “corrigir muitos erros” cometidos pela Venezuela – “para consolidar a independência do país” –, fazendo ainda um apelo à Europa, que considerou estas eleições como “não democráticas”, para que não regresse ao “velho colonialismo e racismo”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Pandemia fez com que quase metade dos portugueses poupe menos

Quase metade dos portugueses (48%) afirma poupar menos devido ao impacto da pandemia, embora mais de um terço assuma que a crise sanitária está a ter um efeito positivo nos seus gastos, segundo um estudo …

"Ministra da Insensibilidade Social". CDS pede a demissão de Ana Mendes Godinho

O CDS criticou este sábado a reação da ministra a Solidariedade Social à morte de 18 idosos num lar em Reguengos de Monsaraz e considerou que Ana Mendes Godinho desvaloriza o impacto da pandemia nos …

Esgotos de dois milhões de portugueses monitorizados para prever segunda vaga de covid-19

Os esgotos de dois milhões de portugueses estão a ser monitorizados para detetar a eventual presença do vírus da covid-19 e prever uma nova vaga. O Jornal de Notícias avança este sábado que a análise está …

Covid-19. Mais 198 infetados e 3 mortes em Portugal

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 198 casos de infeção por covid-19 e três óbitos, de acordo com o boletim epidemiológico publicado pela Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico Direção-Geral da Saúde (DGS) desde …

Média já divulgaram publicidade institucional (mas Estado ainda não lhes pagou)

O Sindicato dos Jornalistas lamentou esta sexta-feira que o Governo não tenha disponibilizado os 15 milhões de euros relativos à compra antecipada de publicidade institucional, vincando que o executivo está em dívida com as empresas …

Autoridades admitem que extrema-direita vá vigiar manifestações antifascistas de domingo

A Frente Unitária Antifascista anunciou que vai organizar no próximo domingo duas manifestações - uma Lisboa (Praça Luís de Camões) e outra no Porto (Avenida dos Aliados). O mote é a luta contra o fascismo. Estas manifestações …

Marcelo não entende por que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido (e leu os relatórios de Reguengos)

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse, em declarações transmitidas pela RTP3, que não entende porque é que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido. Em declarações transmitidas pela RTP3 a partir de …

Estado só recuperou 21% dos créditos tóxicos do BPN

O Estado apenas recuperou 21% dos créditos tóxicos do Banco Português de Negócios, que derivaram da nacionalização da instituição bancária em 2008. Até final de 2019, o Estado só conseguiu recuperar 21% da carteira de créditos …

Novas matrículas "só" vão durar 45 anos (por causa das palavras obscenas)

O novo formato de matrículas entrou em vigor a 2 de março. As novas matrículas vão durar menos tempo do que poderiam porque não serão usadas combinações “que possam formar palavras ou siglas que se …

Novo lay-off conta apenas com 1% das adesões do simplificado

O sucedâneo do lay-off simplificado conta apenas com 1.268 adesões nas primeiras duas semanas. Este valor é apenas 1% do número de empresas que acederam ao primeiro apoio. Nas primeiras duas semanas desde a sua implementação, …