Macron quer lei para acelerar deportação de imigrantes ilegais em 2018

Christophe Petit Tesson / EPA

O presidente francês, Emmanuel Macron

O presidente de França, Emmanuel Macron, anunciou na terça-feira que encomendou um projeto de lei sobre imigração que espera colocar em vigor no primeiro semestre de 2018 e que deverá ajudar a acelerar as deportações de pessoas em situação irregular.

“O modelo francês deve se aproximar do modelo alemão”, ressaltou Macron num discurso perante os delegados do Governo sobre o programa de reformas que terão que aplicar. A consequência é que “temos centenas milhares de imigrantes em situação irregular” que “vivem em terra de ninguém”, o que é também “uma forma de inumanidade”, acrescentou.

Segundo os números do Ministério do Interior publicados na terça-feira pelo jornal “Le Figaro”, das 91 mil pessoas detidas no ano passado em França por não terem documentação em dia, houve 24.707 expulsões efetivas, das quais 11.746 se formalizaram de forma voluntária ou com ajuda para o retorno e 12.961 foram à força.

O presidente francês ressaltou que “a imigração zero não é possível”, em primeiro lugar porque uma parte dos estrangeiros que vivem no país são pessoas que se casam com residentes em França, estudantes ou requerentes de asilo.

França é o país de imigração mais antigo da Europa“, destacou Macron antes de lembrar que descartou o estabelecimento de cotas, que só poderiam ser aplicadas à imigração de profissionais e que não se ajustam à realidade dos fluxos que se dão na Europa.

Mas também disse que quer “uma resposta forte e coerente“, que inclua uma política de desenvolvimento na África e o envio de missões a Nigéria e Chade para tramitar desde lá as solicitações de asilo, bem como para “conter o fluxo” dos que tentam cruzar clandestinamente o Mediterrâneo.

Macron adiantou que vai nomear um embaixador que trabalhará com os países de origem e de passagem para facilitar as expulsões.

O presidente de França também prometeu um aumento das vagas de alojamento para refugiados (5 mil suplementares em 2018), e em paralelo uma “luta completa” contra as redes de traficantes.

Sobre os requerentes de asilo, exigiu uma mudança “profunda” no tratamento administrativo, para reduzir os prazos de revisão de solicitações, que agora podem chegar a 18 meses, até “uma média de seis meses“, incluindo os recursos possíveis.

Macron advertiu que ao fim do estado de emergência previsto para novembro – está em vigor em França desde os atentados jihadistas de novembro de 2015 – incluirá disposições para manter os controlos das fronteiras francesas, em particular com a Itália, agora a principal porta de entrada de imigrantes irregulares na Europa.

// EFE

PARTILHAR

RESPONDER

Suspeito de terrorismo ouvido em tribunal (com o juiz a recusar ver os seus vídeos por não ter Internet)

O arguido Rómulo Costa, um dos oito portugueses acusados por financiamento ao terrorismo e recrutamento, adesão e apoio ao Estado Islâmico, foi interrogado, esta sexta-feira, na fase de instrução do processo que vai decorrer no …

FC Porto recorre do castigo de um jogo à porta fechada

O FC Porto vai recorrer do castigo de um jogo à porta fechada, aplicado pelo Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) por ofensa a um agente desportivo. "O FC Porto vai recorrer …

Moita Flores investigado por corrupção. Antigo PJ fala em "coincidência" com empréstimo aos filhos

Francisco Moita Flores, antigo inspector da Polícia Judiciária e ex-presidente da Câmara de Santarém, está a ser investigado por suspeitas de corrupção. Há transferências de dinheiro de uma construtora para empresas a que esteve ligado …

SOS Animal vai constituir-se assistente no processo contra João Moura

A SOS Animal anunciou, esta sexta-feira, que se vai constituir assistente no processo criminal contra o cavaleiro tauromáquico detido, na quarta-feira, por suspeitas de maus-tratos a cães em Monforte, no distrito de Portalegre. Em comunicado, a SOS …

SMS de Rangel revelam teia de corrupção na Relação de Lisboa. Juiz Vaz das Neves tem empresa contra a lei

O ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa, Luís Vaz das Neves, que foi constituído arguido na Operação Lex, tem uma empresa que se dedica à arbitragem extrajudicial de conflitos, o que constitui uma violação …

Presidente da PwC esteve em Lisboa para controlar danos do Luanda Leaks

O presidente mundial da PricewaterhouseCoopers (PwC) esteve em Lisboa, há duas semanas, para controlar os danos provocados pelo caso Luanda Leaks. Bob Moritz, presidente mundial da PricewaterhouseCoopers (PwC), esteve em Lisboa, há duas semanas, para perceber até …

CM Lisboa vai negociar avenças em parques para moradores da envolvente da Baixa

O presidente da Câmara de Lisboa afirmou, esta sexta-feira, que a autarquia irá tentar acordar com os operadores dos parques de estacionamento da envolvente da Zona de Emissões Reduzidas da Baixa-Chiado a criação de "avenças …

Caso Marega. PGR tinha brigada anti-racismo no jogo de Guimarães

A equipa do Ministério Público estava de serviço, no jogo entre V. Guimarães e FC Porto, quando o jogador maliano decidiu abandonar o campo na sequência de cânticos racistas. De acordo com o semanário Expresso, a …

Cientistas descobriram o que comiam os primeiros australianos

Uma equipa de arqueólogos e anciões aborígines encontraram sobras carbonizadas de há 65 mil anos, que estão a mostrar o que comiam as primeiras pessoas a viver na Austrália. Os investigadores e anciões aborígines locais recuperaram recentemente …

Estivadores avançam para greve total no Porto de Lisboa

Os estivadores do porto de Lisboa decidiram, esta sexta-feira, convocar uma greve total, de 9 a 30 de março, face à decisão das empresas de estiva de pedirem a insolvência da A-ETPL, Associação – Empresa …