Macron ameaça cortar apoios ao Líbano se não houver reformas

Thibault Camus / POOL / EPA

O Presidente francês, Emmanuel Macron, de visita a Beirute, depois das explosões que destruíram parte da capital libanesa

Emmanuel Macron pôs o Líbano entre a espada e a parede: ou há reformas num espaço de três meses ou o Presidente francês corta os apoios ao país.

O Presidente francês, Emmanuel Macron, apelou à instalação de um “governo de missão”, no “mais breve espaço de tempo possível”, quando chegou ao Líbano, na noite de segunda-feira, horas depois da designação de um primeiro-ministro libanês.

“Vi que se tinha iniciado nas últimas horas um processo que permitiu fazer emergir uma figura como primeiro-ministro. Não me pertence nem aprovar nem comentar (…), mas assegurar-me que vai mesmo ser constituído um governo de missão, o mais depressa possível, para realizar reformas”, declarou Macron, à sua chegada ao aeroporto de Beirute.

“A minha posição é sempre a mesma, a de exigência sem ingerência”, acrescentou.

De acordo com o Público, Macron avisou os políticos do país que se não fizerem reformas e mudarem de curso num prazo máximo de três meses, vão enfrentar sanções.

O objetivo da visita do Presidente francês, a segunda desde a explosão trágica a 4 de agosto, é o de tentar ajudar a tirar o país do marasmo, mas também celebrar o primeiro centenário do Grande Líbano, proclamado nas fronteiras atuais pelo general francês Henri Gouraud, a 1 de setembro de 1920.

“Vamos ter amanhã (terça-feira) a ocasião, não apenas para comemorar, mas de procurar obter todas as lições e projetar-nos para o futuro”, declarou Macron.

Em entrevista ao POLITICO, Macron reconhece que está a fazer uma “aposta arriscada” ao trabalhar para evitar um colapso político no Líbano, mas está limitado naquilo que pode alcançar. “É a última oportunidade para este sistema”, disse o Presidente francês.

Acompanhado pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Jean-Yves Le Drian, e das Solidariedades e da Saúde, Olivier Véran, Emmanuel Macron foi acolhido pelo seu homólogo libanês, Michel Aoun.

Apenas algumas horas antes da chegada de Macron, foi nomeado um novo primeiro-ministro, o atual embaixador na Alemanha, Moustapha Adib, que se comprometeu com a aplicação imediata das reformas reclamadas pela comunidade internacional.

“A hora é de ação”, declarou o novo primeiro-ministro, comprometendo-se a formar em “tempo recorde” uma equipa de “peritos”, que vai realizar “rapidamente as reformas (…), como ponto de partida para um acordo com o Fundo Monetário Internacional”.

Adib foi escolhido no domingo pelos pesos pesados da comunidade sunita, de onde deve provir o chefe do governo, com a presidência a ir, segundo a Constituição para um cristão maronita e a presidência do parlamento para um muçulmano xiita. Esta escolha foi rapidamente criticada pelo movimento de contestação popular.

“Não há confiança para os que continuam a agarrar-se aos seus cargos e palácios, enquanto enterramos as nossas vítimas e curamos as nossas feridas”, segundo a opinião, expressa na rede social Twitter, de Jad Chaaban, um professor universitário, em referência à explosão no porto de Beirute, que provocou 188 mortos e mais de 6.500 feridos.

“A biografia de Moustapha Adib mostra bem que é um homem do sistema e que deve a sua nomeação aos partidos tradicionais”, comentou Nadim Houry, diretor da Iniciativa Árabe de Reforma, um centro de investigação.

Protestos contra cooperação de Macron

Uma manifestação de centenas de libaneses em Beirute contra a “cooperação” do Presidente francês com os seus dirigentes considerados “corruptos” degenerou hoje em confrontos com a polícia, com pelo menos 22 feridos, indicou uma ONG.

A concentração iniciou-se de forma pacífica antes de os manifestantes lançarem pedras em direção às forças policiais, que responderam com gás lacrimogéneo. De acordo com a Cruz Vermelha libanesa, uma organização não governamental (ONG), registaram-se 22 feridos, um deles hospitalizado.

Os manifestantes criticavam o Presidente francês, que no mesmo momento se reunia na capital libanesa com responsáveis políticos que desde há meses são contestados nas ruas pela população.

“Deveria vir escutar-nos, ajudar-nos a concretizar as nossas aspirações, e não sentar-se ao lado dos corruptos e criminosos que mataram o seu povo”, disse um dos participantes, citado pela agência noticiosa AFP.

Os manifestantes, mobilizados após um apelo de uma coligação de coletivos do movimento de contestação, ergueram bandeiras libanesas e ecoaram palavras de ordem contra uma classe dirigente “corrompida” e um “sistema confessional clientelista”, apelando à construção de um “novo Líbano” assente num Estado laico e moderno.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

WeChat censura mensagem enviada por primeiro-ministro australiano à comunidade chinesa

Uma rede social chinesa apagou na quinta-feira uma mensagem conciliatória enviada pelo primeiro-ministro australiano à comunidade chinesa na Austrália, numa altura de crescentes tensões entre Pequim e Camberra. A aplicação WeChat, semelhante ao WhatsApp, e desenvolvida …

Apenas 27,2% da população quer tomar a vacina contra a covid-19 assim que for possível

Dados da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP), recolhidos em novembro, revelaram que a persiste a desconfiança face à nova vacina contra a covid-19 que chega a Portugal em janeiro, com apenas 27,2% da população …

Covid-19. Portugal com mais 79 mortos e 4.935 novos casos de infeção

Portugal contabiliza esta sexta-feira mais 79 mortos relacionados com a covid-19 e 4.935 novos casos de infeção com o novo coronavírus, segundo o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Desde o início da …

Confinamento ao fim de semana é pouco eficaz, diz estudo

Um novo estudo avaliou as medidas aplicadas em Portugal contra a covid-19, e chegou à conclusão que o impacto da inibição de circulação entre concelhos não é assim tão eficaz. Pelo contrário, optar pelo ensino …

Ação liderada por Ana Gomes reclama indemnização de 400 milhões à Mastercard

Uma associação de defesa de consumidores liderada por Ana Gomes, candidata à Presidência da República, entregou no Tribunal da Concorrência uma ação popular que visa indemnizar todos os consumidores portugueses por práticas lesivas da Mastercard, …

Prémio para profissionais de saúde. Dias de isolamento e doença também contam para receber compensação

O prémio de desempenho para profissionais de saúde do Serviço Nacional de Saúde (SNS) que trabalharam no combate à covid-19 na primeira vaga da pandemia foi publicado esta sexta-feira em Diário da República. "O diploma vem …

Injeção no Novo Banco sem Retificativo? Especialistas levantam dúvidas

O Governo diz conseguir fazer a injeção no Novo Banco sem recurso a um Orçamento Retificativo no próximo ano, mas especialistas em finanças públicas consultados pelo ECO duvidam. Tanto António Costa como João Leão dizem que …

Tudo pronto para Marcelo anunciar recandidatura. Mas recolha de assinaturas está a ser dificultada

Marcelo Rebelo de Sousa já tem o discurso escrito e o local escolhido, mas é improvável que o anúncio da recandidatura avance esta semana. De acordo com o Público, Marcelo Rebelo de Sousa está preparado para …

Biden vai pedir aos norte-americanos 100 dias com máscara (e convida Fauci para a sua equipa)

O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou esta quinta-feira que vai pedir aos americanos para usarem máscaras faciais durante 100 dias para ajudar a reduzir a disseminação de covid-19 no país. "Vou pedir às …

PSD ataca o Congresso, PCP as Festas Nicolinas. Tudo pelo cumprimento das regras anticovid

Esta quinta-feira, o PSD e o PCP trocaram farpas sobre o cumprimento das regras impostas pela pandemia no Congresso dos comunistas e nas Festas Nicolinas de Guimarães. João Oliveira, líder parlamentar do PCP, defendeu a opção …