Lua de Saturno “sangra” água e calor após colisão cósmica

NASA / JPL-Caltech

Encélado é o sexto maior satélite natural de Saturno

Encélado é o sexto maior satélite natural de Saturno

O polo sul de Encélado a sangrar calor e água, possivelmente devido a uma gigante colisão cósmica que ocorreu há 100 milhões de anos e provocou várias fissuras no sexto maior satélite natural de Saturno.

A região próxima do polo sul de Encélado é um dos mistérios mais intrigantes do sistema solar. A cavidade está a lançar para o espaço um líquido vindo de um oceano interno, além de uma enorme quantidade de calor. A emissão desse calor é 10 gigawatts maior do que era esperado. No entanto, as restantes zonas da lua são frias e relativamente homogéneo.

“Não temos uma boa explicação para esta atividade tão concentrada”, disse John Spencer, do Southwest Research Institute no estado norte-americano do Colorado.

Na maioria das luas congeladas, a principal fonte de calor é a força de maré: os planetas e astros são esticados pela gravidade dos seus “pais e vizinhos”, o que gera calor interno.

“Se Encélado fosse aquecida por forças de marés, o norte e o sul da lua deveriam parecer iguais. Então, o facto de o sul de Encélado ter estas regiões repletas de jatos de água e calor, é enigmático”, disse Angela Stickle, da Universidade Johns Hopkins, em Maryland.

A especialista e o seu colega James Roberts criaram simulações em computador para verificar se este enigma poderia ser explicado por um impacto gigante, e descobriram que a estranha aparência da lua pode ter surgido devido a uma enorme explosão, que causou várias fissuras no gelo que cobre a superfície do corpo celeste.

Esse tipo de colisão deixaria o polo sul de Encélado mais quente e enfraquecido, explicaram os cientistas ao Lunar and Planetary Science Conference, que se realizou na semana passada, no Texas.

Mundo coberto de cicatrizes

“Um impacto poderia prover as condições necessárias para formar um terreno como o que observamos em Encélado”, afirmou Stickle, sublinhando que, para provocar estes danos, a explosão deve ter sido poderosa o suficiente para atravessar os 20 quilómetros de gelo que cobrem os oceanos ocultos da lua de Saturno.

De acordo com os especialistas, não é possível observar uma cratera porque a superfície do satélite natural voltou a congelar rapidamente. Apenas uma hora depois do impacto, o líquido exposto já teria congelado cerca de 10 centímetros, dando início à reconstrução do escudo de gelo que envolve Encélado.

Mas, apesar de a lua de Saturno ter conseguido curar-se facilmente, a enorme explosão “deixou cicatrizes”.

Um impacto desta magnitude depositaria energia sob a superfície gelada da lua, aquecendo e enfraquecendo o gelo em torno do local da colisão – e também causaria uma onda de choque e atividade sísmica que poderia rachar o escudo gelado.

Além disso, o asteroide nem sequer precisaria de cair no pólo sul, porque a força iria interferir na gravidade: a lua iria girar e a cratera iria movimentar-se gradualmente para uma região polar.

“O impacto poderia ter acontecido em qualquer lugar, porque a lua Encélado giraria até que o local da colisão terminasse em qualquer um dos pólos que estivesse mais perto”, disse Francis Nimmo, da Universidade da Califórnia em Santa Cruz.

ZAP // Ciberia

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Apesar de um mero preciosismo e de ser um erro comum, o nome da universidade mencionada é “Johns Hopkins” e não “John Hopkins”.

RESPONDER

BCE arrasou propostas, mas Centeno diz que "são detalhes"

O Banco Central Europeu arrasou as propostas de Centeno para a reforma da supervisão financeira. O ministro das Finanças responde que "são detalhes" e garante que independência do Banco de Portugal não está em causa. Na …

Orlando Figueira exige 15 milhões a Proença de Carvalho e Carlos Silva

O procurador Orlando Figueira avançou com uma ação cível contra o advogado Proença de Carvalho e o banqueiro Carlos Silva. Pede uma indemnização de 15 milhões de euros. O procurador do Ministério Público que foi condenado …

Caixa Geral de Depósitos deu 125 milhões a Isabel dos Santos

O banco público emprestou a Isabel dos Santos, em dezembro de 2009, 125 milhões de euros para que a empresária pudesse comprar ações da ZON. Parte dessas ações era da própria Caixa Geral de Depósitos. No …

O Pentágono admitiu (finalmente) que investiga OVNIs

Numa declaração sem precedentes e que alguns consideram "bombástica", o Departamento de Defesa dos EUA admitiu que investiga OVNIs (Objectos Voadores Não Identificados). Uma posição oficial que reforça a importância militar de estudar este tipo …

Em 2010, Berardo já não tinha dinheiro para pagar a dívida

Em 2010, o Banco de Portugal (BdP) não encontrou provas de que o grupo Berardo tivesse capacidade financeira para pagar a dívida à Caixa Geral de Depósitos (CGD). Em 2010, a Fundação Berardo e a Metalgest …

A polícia vai deixar de lhe pedir para soprar ao balão

A partir de 2022, a polícia vai deixar de pedir aos condutores para "soprar no balão". A União Europeia prepara-se para implementar novos sistemas de segurança obrigatórios nos novos modelos de automóveis.  Os veículos vão passar …

MH370. Investigador diz que foi usado um avião chamariz durante "desaparecimento forjado"

Andre Milne acredita que foi usada uma aeronave chamariz para enganar e causar a impressão de que os Estados Unidos foram responsáveis pelo sequestro do voo MH370 da Malaysia Airlines. O investigador voluntário Andre Milne afirma …

Grandes devedores levam Ferro Rodrigues a convocar reunião

Na próxima terça-feira, dia 28 de maio, a mesa da Assembleia da República vai ter uma reunião para discutir o acesso à lista dos grandes devedores dos bancos. O presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro …

Arqueólogos descobrem o que estava no cardápio dos camponeses medievais

Há 30 anos, arqueólogos escavaram uma das primeiras aldeias medievais na Inglaterra e descobriram os restos de 73 recipientes usados na altura. Mas encontraram algo mais: os restos minúsculos da sua última refeição. Investigadores da Universidade …

Falta de pessoal cria "graves problemas" à ADSE

O Conselho Geral e de Supervisão da ADSE alerta que a falta de recursos humanos no instituto que gere o sistema de assistência na doença da função pública coloca "graves problemas de gestão". No parecer aprovado …