Livatino é o primeiro juiz a ser beatificado. Foi morto pela máfia italiana

STRINGER / ANSA / AFP

A Igreja Católica beatificou este domingo o juiz italiano Rosario Livatino, assassinado em 1990 pela máfia em Agrigento, na Sicília, Itália.

Rosario Livatino, que hoje teria 69 anos, foi assassinado em 21 de setembro de 1990 pela Cosa Nostra e a Igreja Católica beatificou-o como um exemplo de legalidade e de integridade.

O Papa Francisco, depois de rezar a oração Regina Coelli, lembrou Livatino como um “mártir da justiça e da fé, no seu serviço à comunidade como um juiz íntegro, que nunca se deixou corromper e que julgava não para condenar, mas para redimir”. “Que ele seja para todos, e especialmente para os juízes, um estímulo para serem defensores da legalidade e da liberdade”, acrescentou Francisco.

A pandemia impediu uma beatificação com a presença de multidões e apenas 200 pessoas puderam estar presentes na catedral de Agrigento, na Sicília, para a cerimónia em que foi mostrada como uma relíquia a camisa manchada de sangue do juiz, uma das provas nos julgamentos em Caltanissetta, contra os autores do homicídio.

O “jovem juiz”, como era conhecido em Itália desde a sua morte, aos 26 anos, é o primeiro magistrado na história da Igreja a ser beatificado, tendo sido declarado “mártir do ódio à fé”, o que lhe permite ser beatificado sem ter de ter um milagre aprovado por sua intercessão.

Católico fervoroso, tentou durante a sua vida recuperar mafiosos. Alguns delinquentes explicaram que quando entravam no seu escritório, o juiz levantava-se, apertava-lhes as mãos e que uma vez foi à morgue para rezar ao lado do cadáver de um mafioso assassinado.

“Que Deus esteja comigo e me ajude a respeitar o juramento, e a comportar-me como a educação que os meus pais me deram exige”, escreveu Rosario Livatino no seu caderno no primeiro dia em que acedeu à magistratura em Agrigento.

Em 21 de setembro de 1990, como fazia todas as manhãs, estava a caminho do tribunal desde Canicattì, onde vivia com os seus pais, e quando atravessava o viaduto da estrada estatal 640, uma mota aproximou-se dele e um Fiat Punto atravessou-se no caminho. Após os primeiros tiros, tentou escapar, mas um dos assassinos atingiu-o com sete disparos.

Os autores do homicídio e os que ordenaram a sua morte foram condenados, graças a testemunhos como o do comerciante Pietro Nava, que mais tarde teve de mudar de nome e de vida, tal como a sua família.

Um dos assassinos, Gaetano Puzzangaro, arrependeu-se na prisão, e foi seu um dos testemunhos recolhidos com vista à beatificação. Segundo o próprio, as últimas palavras de Livatino foram: “Rapaz, o que é que eu te fiz?”.

Os mafiosos consideravam o juiz inacessível, irredutível nas tentativas de corrupção, precisamente porque era um católico praticante e inicialmente tencionavam matá-lo em frente à igreja onde ia rezar.

As suas investigações sobre a guerra entre máfias, de que resultaram centenas de mortos, entre a chamada Stidda e a Cosa Nostra, custaram-lhe a vida, uma vez que as duas se juntaram para o matar.

// Lusa

 

PARTILHAR

RESPONDER

A polícia holandesa achava que tinha em mãos o mafioso mais procurado da Europa. Afinal, era só um fã de F1

Um homem de Liverpool de 54 anos pensava que o grande evento da sua viagem aos Países Baixos seria assistir ao Grande Prémio de Fórmula 1, mas acabou detido numa prisão de alta segurança por …

Cobertura global de corais caiu para metade desde 1950, revela relatório

A cobertura global de recifes de coral caiu para metade desde 1950, cenário originado pelo aquecimento global, pesca excessiva, poluição e destruição de habitats naturais, revelou uma análise divulgada esta sexta-feira. Desde a Grande Barreira de …

O sonho de Christo concretizou-se, 60 anos depois. O Arco do Triunfo foi embrulhado como um presente

Já desde o início dos anos 60 que Christo imaginava como seria cobrir o Arco do Triunfo em tecido. A sua visão foi finalmente concretizada e pode ser visitada entre 18 de Setembro e 3 …

Holanda. Ministra da Defesa renuncia devido à crise de evacuação do Afeganistão

Após a ministra das Relações Externas holandesa, Sigrid Kaag, renunciar devido ao desastre da evacuação do Afeganistão, esta sexta-feira foi a vez da ministra da Defesa, Ank Bijleveld. Segundo relatou o Guardian, acredita-se que os ministros …

Tribunal da África do Sul recusa anular pena de prisão do ex-Presidente Jacob Zuma

O mais alto tribunal da África do Sul rejeitou o pedido do ex-Presidente Jacob Zuma para anular a sua sentença de 15 meses de prisão por não comparecer a uma sessão de inquérito por corrupção. Em …

EUA. Advogado planeou o próprio assassinato para o filho receber seguro. Foi detido por fraude

Um influente advogado norte-americano, cuja esposa e um dos filhos foram assassinados, foi acusado de fraude contra uma empresa de seguros e falso testemunho por organizar o seu próprio assassinato. Segundo avançou a agência France-Presse, …

Norberto Mourão conquista bronze nos Mundiais de canoagem adaptada

Norberto Mourão já tinha conquistado o bronze nos Jogos Paralímpicos de Tóquio e junta agora mais uma medalha à colecção, desta vez nos Mundiais de canoagem adaptada. O atleta de canoagem adaptada Norberto Mourão conquistou hoje …

Caso George Floyd. Polícia condenado a 22 anos de prisão pode ver a sentença revertida

A intervenção do Supremo Tribunal do Minnesota num outro caso de violência policial para reduzir a pena de um agente pode abrir um precedente para que haja alterações na sentença de Derek Chauvin. Segundo avança a …

Futebol português contra Campeonato do Mundo de dois em dois anos

O futebol português está contra a intenção da FIFA de aumentar a periodicidade do Campeonato do Mundo, passando de quatro para de dois em dois anos, refere um comunicado conjunto divulgado hoje. O documento, assinado pela …

Governo quer proibir empresas de recorrer ao 'outsourcing' após despedimento coletivo

O Governo quer proibir as empresas que façam despedimentos coletivos de recorrerem ao 'outsourcing' (contratação externa) durante os 12 meses seguintes, disse hoje a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. No final …