Lei contra desinformação em eleições é quase impossível de cumprir

Enric Fontcuberta / EPA

A ERC alerta que é praticamente impossível garantir que se cumpra a lei que define os princípios que regem a cobertura jornalística em período eleitoral e a propaganda eleitoral através de meios comerciais.

Os constrangimentos legislativos levantados num estudo sobre “A Desinformação – Contexto Europeu e Nacional”, entregue no Parlamento, começam logo por uma questão evidente no texto aprovado em 2015 pelos deputados: a lei prevê a necessidade de ser revista um ano após a entrada em vigor, mas “quatro anos decorridos e não foi efetuada qualquer revisão, conforme se impõe”.

Os problemas não se ficam pela desatualização. De acordo com a TSF, a Entidade Reguladora para a Comunicação Social começa por destacar o “perigo que a desinformação representa em períodos eleitorais”, para logo de seguida criticar a legislação em vigor para a cobertura jornalística destes períodos.

“Abarcando matérias que ora recaem no âmbito de competências da ERC, ora na esfera de competências da Comissão Nacional de Eleições, ora nas competências da Direção-Geral do Consumidor, a lei torna impossível, ou muito difícil, garantir o seu cumprimento“.

Além das competências cruzadas, “acresce o facto de se manterem em vigor, em alguns dos diplomas eleitorais, normas que são suscetíveis de criar conflitos positivos de competências entre a CNE e a ERC”.

O estudo acaba por admitir que esta lei “em nada contribui para combater o potencial de disseminação da desinformação, ainda que através de órgãos de comunicação social”, sublinhando que “qualquer intervenção por parte da ERC ao abrigo deste diploma terá sempre uma natureza meramente opinativa, já que não dispõe de instrumentos coercivos de correção das condutas que violem os princípios nele consagrados”.

Aliás, o diploma apenas prevê “uma única contraordenação, por publicidade comercial ilícita, sem se referir qual a entidade que deverá instruir o processo, aplicar a coima e recolher a respetiva receita, o que obsta necessariamente à sua aplicação”.

Quando se fala sobre a utilização da Internet e das redes sociais pelos órgãos de comunicação social, mas cidadãos, partidos ou candidatos, o estudo diz que “não resulta claro nem do artigo nem do diploma qual a entidade competente para a fiscalização”.

A lei que define a forma como deve ser feita a cobertura jornalística em período eleitoral foi aprovada em julho de 2015, tentando “uniformizar os direitos e deveres dos órgãos de comunicação social”, impondo princípios de “igualdade de oportunidades e de tratamento das diversas candidaturas” e impondo as habituais “regras jornalísticas”.

A mesma lei também define a forma como devem decorrer os debates, os tempos de antena e proíbe “a propaganda política feita direta ou indiretamente através dos meios de publicidade comercial”.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Bloco apoia travão ao desconfinamento na região de Lisboa

O Bloco de Esquerda apoiou o adiamento do levantamento de restrições impostas pela pandemia na região de Lisboa e Vale do Tejo, destacando que é importante aumentar a vigilância nas empresas de construção e trabalho …

Descoberto "cemitério" de mamutes nos arredores da Cidade do México

Investigadores descobriram um "cemitério" com cerca de 60 mamutes nos arredores da Cidade do México, avança o Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH) do país. De acordo com o site Live Science, a descoberta aconteceu, …

David Luiz confirma rumores. Regresso "vai acontecer se o presidente permitir e os adeptos quiserem"

David Luiz confirmou este sábado os rumores que davam conta que o Benfica e o jogador estavam a negociar um eventual regresso do brasileiro à Luz. Em entrevista ao desportivo Record, David Luiz confirmou a …

Cães treinados para proteger animais selvagens salvam 45 rinocerontes

Há inúmeras razões que explicam o motivo pelo qual os cães são conhecidos como o melhor amigo do Homem. Além de leais e inteligentes, dão sempre o corpo às balas, mesmo nos piores momentos. Quarenta e …

Fez-se história. Foguetão da SpaceX lançado com sucesso rumo à EEI

O primeiro foguetão concebido e construído por uma empresa privada, a SpaceX, de Elon Musk, levando a bordo dois astronautas foi lançado este sábado na presença do Presidente do Estados Unidos, Donald Trump. O lançamento decorreu …

"A Rússia não permitirá a privatização da Lua", avisa Roscosmos

A Rússia não permitirá a privatização da Lua, independentemente de quem avance a iniciativa, avisou o chefe da agência espacial russa (Roscosmos), Dmitri Rogozin, em entrevista ao jornal Komsomólskaya Pravda. "Não permitiremos que ninguém privatize a …

Plataforma flutuante extrai energia das ondas, do vento e do Sol

A empresa alemã Sinn Power criou uma plataforma marítima flutuante capaz de gerar energia renovável a partir de ondas, vento e energia solar. A plataforma híbrida combina turbinas eólicas, painéis solares e coletores de energia das …

Balneários proibidos e 3 metros de distância. As regras da DGS para a prática de exercício físico

A Direção-Geral da Saúde (DGS) recomenda uma distância mínima de três metros entre pessoas que pratiquem exercício físico, no âmbito das medidas de prevenção da pandemia de covid-19. A orientação, intitulada “Procedimentos de Prevenção e Controlo …

Astronautas da NASA já se preparam para voo histórico a bordo do foguetão da Space X

Dois astronautas da NASA já estão a equipar-se para o lançamento histórico de um foguetão concebido e construído pela empresa SpaceX, de Elon Musk, apesar de as previsões meteorológicas indicarem mais tempestades. Com o voo já …

Há dez anos, Portugal adotou a lei que permitiu o casamento entre pessoas do mesmo sexo

Portugal adotou há 10 anos a lei que permitiu o casamento entre pessoas do mesmo sexo, após um debate fraturante que remeteu para mais tarde a adoção de crianças por estes casais, possível apenas desde …