Lei contra desinformação em eleições é quase impossível de cumprir

Enric Fontcuberta / EPA

A ERC alerta que é praticamente impossível garantir que se cumpra a lei que define os princípios que regem a cobertura jornalística em período eleitoral e a propaganda eleitoral através de meios comerciais.

Os constrangimentos legislativos levantados num estudo sobre “A Desinformação – Contexto Europeu e Nacional”, entregue no Parlamento, começam logo por uma questão evidente no texto aprovado em 2015 pelos deputados: a lei prevê a necessidade de ser revista um ano após a entrada em vigor, mas “quatro anos decorridos e não foi efetuada qualquer revisão, conforme se impõe”.

Os problemas não se ficam pela desatualização. De acordo com a TSF, a Entidade Reguladora para a Comunicação Social começa por destacar o “perigo que a desinformação representa em períodos eleitorais”, para logo de seguida criticar a legislação em vigor para a cobertura jornalística destes períodos.

“Abarcando matérias que ora recaem no âmbito de competências da ERC, ora na esfera de competências da Comissão Nacional de Eleições, ora nas competências da Direção-Geral do Consumidor, a lei torna impossível, ou muito difícil, garantir o seu cumprimento“.

Além das competências cruzadas, “acresce o facto de se manterem em vigor, em alguns dos diplomas eleitorais, normas que são suscetíveis de criar conflitos positivos de competências entre a CNE e a ERC”.

O estudo acaba por admitir que esta lei “em nada contribui para combater o potencial de disseminação da desinformação, ainda que através de órgãos de comunicação social”, sublinhando que “qualquer intervenção por parte da ERC ao abrigo deste diploma terá sempre uma natureza meramente opinativa, já que não dispõe de instrumentos coercivos de correção das condutas que violem os princípios nele consagrados”.

Aliás, o diploma apenas prevê “uma única contraordenação, por publicidade comercial ilícita, sem se referir qual a entidade que deverá instruir o processo, aplicar a coima e recolher a respetiva receita, o que obsta necessariamente à sua aplicação”.

Quando se fala sobre a utilização da Internet e das redes sociais pelos órgãos de comunicação social, mas cidadãos, partidos ou candidatos, o estudo diz que “não resulta claro nem do artigo nem do diploma qual a entidade competente para a fiscalização”.

A lei que define a forma como deve ser feita a cobertura jornalística em período eleitoral foi aprovada em julho de 2015, tentando “uniformizar os direitos e deveres dos órgãos de comunicação social”, impondo princípios de “igualdade de oportunidades e de tratamento das diversas candidaturas” e impondo as habituais “regras jornalísticas”.

A mesma lei também define a forma como devem decorrer os debates, os tempos de antena e proíbe “a propaganda política feita direta ou indiretamente através dos meios de publicidade comercial”.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Supremo Tribunal recusa recurso de George Pell. Cardeal continua a cumprir pena de prisão por abuso de menores

O Supremo Tribunal do estado australiano de Victoria decidiu recusar o recurso que foi interposto pelos advogados do cardeal australiano George Pell contra a sua condenação a seis anos de prisão por pedofilia. De acordo com …

Já sabemos como era o rosto de Hilda, uma das druidas mais antigas da Escócia

Uma estudante da Universidade de Dundee, na Escócia, revelou o rosto de um dos druidas mais antigos do país através de uma reconstrução 3D super detalhada. Hilda foi uma mulher druida que viveu durante a Idade …

Refugiados vindos da Turquia já chegaram a Portugal

Um grupo de 16 refugiados chegou na tarde desta terça-feira a Portugal proveniente de Istambul, na Turquia, ao abrigo do Programa Voluntário de Reinstalação do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), anunciou …

Militares na reserva e reforma fazem queixa-crime contra Gomes Cravinho

O ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, foi alvo de uma queixa-crime junto da Procuradoria-Geral da República (PGR) pela alegada prática do crime de ofensa a organismo serviço ou pessoa coletiva. A notícia é avançada pelo …

SEF recorre ao Ministério Público por suspeita de venda de vagas de atendimento

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) apresentou uma participação ao Ministério Público, por indícios de crime de auxílio à imigração ilegal, devido à alegada venda de vagas de atendimento em portais de anúncios classificados. A …

Cientistas desmascaram teoria comum sobre canhotos

Desde sempre houve muitas alegações sobre o que significa ser canhoto e se muda o tipo de pessoa que alguém é — mas a verdade é quase um enigma. Mitos sobre a lateralidade aparecem ano após …

Arranca a greve na Ryanair. Empresa não descarta atrasos ou mudanças de voos

Os tripulantes da Ryanair começam esta quarta-feira uma greve de cinco dias, até domingo, convocada pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) e que conta com serviços mínimos decretados pelo Governo. Nesta …

O navio Open Arms já atracou em Lampedusa

O navio Open Arms chegou ao porto da ilha de Lampedusa por volta da meia-noite, hora italiana, depois do procurador de Agrigento, Luigi Patronaggio, ter ordenado a apreensão do navio e o desembarque imediato dos …

Fernando Haddad condenado a quatro anos e meio de prisão

O ex-prefeito de São Paulo e antigo candidato às Presidenciais brasileiras foi condenado a quatro anos e seis meses de prisão, em regime semiaberto, por recursos financeiros não declarados durante a eleição municipal de 2012. Fernando …

Reunião com motoristas termina sem acordo. Há troca de acusações e uma nova greve à vista

Falhou esta terça-feira o acordo para iniciar um processo de mediação entre Antram, que representa as empresas, e o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP). A Antram acusou, esta terça-feira, o Sindicato dos Motoristas …