Kristalina Georgieva exige maior inclusão de mulheres nos mercados de trabalho

EU2016NL / Flickr

Kristalina Georgieva

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional exigiu esta terça-feira, nos Encontros Anuais, uma maior inclusão de mulheres nos mercados de trabalho, dizendo que quando um país ignora “parte das suas capacidades” enfraquece o desempenho económico.

Kristalina Georgieva fez esta terça-feira a sua primeira intervenção nos Encontros Anuais do FMI e Banco Mundial, em Washington, nos Estados Unidos, num diálogo dedicado ao tema “Mulheres, Trabalho e Liderança”.

Nesta ocasião, reiterou que as sociedades não podem atingir objetivos de desenvolvimento sustentável sem incluir a totalidade das mulheres na força de trabalho, a começar pela educação e acesso igual ao financiamento e recursos. “É simples, se ignorar parte das suas capacidades, vai ficar aquém no desempenho económico”, avisou a diretora-geral, que assumiu funções no dia 1 de outubro.

A economista lamentou que atualmente mais de 1,7 mil milhões de mulheres em todo o mundo tenham restrições legais sobre os trabalhos que têm autorização para desempenhar.

Num estudo publicado pelo FMI, para “Reduzir e redistribuir trabalho não remunerado”, os especialistas chegam à conclusão de que se o trabalho não remunerado fosse contado nas estatísticas económicas, o Produto Interno Bruto mundial iria aumentar em 35% a 40%.

Neste tipo de trabalho não remunerado incluem-se as tarefas domésticas, os cuidados às crianças ou idosos, limpezas, cozinha e também a agricultura de subsistência.

A diretora-geral do FMI considerou que um dos melhores serviços das instituições mundiais é estar a “divulgar argumentos baseados em evidência racional” de como a paridade de género é positiva.

Segundo a chefe do FMI, todas as pessoas podem beneficiar da inclusão de mulheres nos locais de trabalho, sendo elas consideradas menos corruptas, com mais modéstia e mais dirigidas para o bem comum do que para o egoísmo, assim como estão mais dispostas a pôr mais esforço para a conclusão de um objetivo.

Kristalina Georgieva incitou as mulheres a nunca aceitarem salários menores do que os dos colegas homens, já que também passou pela mesma experiência, de ter salário menor durante longos anos, porque não sabia que tinha de negociar.

A economista búlgara, antiga diretora executiva do Banco Mundial, recordou que trabalhou mais horas de trabalho e se esforçou mais do que muitos colegas homens para chegar ao mesmo estatuto. “Por trabalhar mais e mais duro, tornei-me melhor do que eles”, opinou.

Segundo algumas pesquisas, as mulheres fazem uma média diária de mais 2,7 horas do que os homens de trabalho não pago, indicou a economista.

“O mais surpreendente” para a diretora do FMI é que as estatísticas diferem muito de país para país, como no Paquistão, onde as mulheres fazem 1000% mais trabalho não pago do que os homens. Na Noruega, as mulheres trabalham e não são pagas em mais 20% do que homens.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Montijo: ANA pede mais tempo para analisar medidas de mitigação ambiental

A ANA – Aeroportos de Portugal pediu à Agência Portuguesa do Ambiente (APA) uma prorrogação do prazo para analisar as medidas de mitigação propostas pela entidade na Declaração de Impacte Ambiental (DIA) do futuro aeroporto …

Sérgio Conceição ultrapassa número de jogos de José Mourinho

No jogo deste domingo, que o FC Porto acabou por vencer o Boavista com um golo solitário de Alex Telles, Sérgio Conceição cumpriu o seu 128.º jogo como treinador dos dragões - mais uma partida …

Governo australiano acusado de censurar livro sobre história de Timor-Leste

O Ministério dos Negócios Estrangeiros australiano está alegadamente a tentar censurar partes do primeiro de dois volumes da história de operações militares em Timor-Leste, o dedicado à Força Internacional para Timor-Leste (Interfet), segundo revelou a imprensa …

Norte-americanos acordaram com mensagens de texto estranhas nos seus telemóveis

Na passada quinta-feira, uma grande parte da população norte-americana recebeu mensagens estranhas e inexplicáveis, muitas das quais desconfortáveis e até preocupantes. Stephanie Bovee, uma norte-americana de 28 anos de Portland, no oeste dos Estados Unidos, acordou …

Pai que fugiu por 15 países com os dois filhos no ano passado encontrado pela PSP

O pai mudou 15 vezes de país com as crianças desde o verão passado sempre sem o consentimento da mãe e sem que a mãe tivesse qualquer notícia do paradeiro dos filhos, revela a PSP. A …

Daesh está a tentar criar um novo Estado islâmico nas Filipinas

Há dois anos que a bandeira negra do Daesh deixou de esvoaçar no topo de um edifício da cidade de Marawi, em Mindanau, no sul das Filipinas, e o Presidente, Rodrigo Duterte, declarou tê-lo derrotado. …

Operação Marquês. Ex-secretário de Estado de Passos Coelho chamado como testemunha

O juiz de instrução da Operação Marquês, Ivo Rosa, decidiu chamar o ex-secretário de Estado das Infraestruturas, Transportes e Comunicações Silva Monteiro como testemunha, avança a SIC Notícias. Segundo apurou a estação televisiva, o ex-governante …

Apple e Goldman Sachs acusados de terem criado cartão de crédito sexista

A Apple e o Goldman Sachs estão a ser acusados de terem lançado um cartão de crédito que discrimina os utilizadores em função do género. Um dos últimos a juntar ao rol de críticas ao Apple …

Grimaldo joga consecutivamente há 68 jornadas (só é ultrapassado por um guarda-redes)

Alejandro Grimaldo está há 68 jornadas a jogar consecutivamente a titular na lateral esquerda do Benfica - são dois anos sem descanso. Os números são avançados pelo desportivo A Bola, que dá conta que o lateral-esquerdo …

"Prática comercial enganosa". NOS obrigada a retirar campanha publicitária sobre 5G

A Associação da Auto Regulação Publicitária (ARP) deu razão a uma queixa da Meo e mandou a NOS retirar uma campanha de publicidade sobre um tarifário móvel 5G por considerar que constitui "uma prática comercial …