Kristalina Georgieva exige maior inclusão de mulheres nos mercados de trabalho

EU2016NL / Flickr

Kristalina Georgieva

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional exigiu esta terça-feira, nos Encontros Anuais, uma maior inclusão de mulheres nos mercados de trabalho, dizendo que quando um país ignora “parte das suas capacidades” enfraquece o desempenho económico.

Kristalina Georgieva fez esta terça-feira a sua primeira intervenção nos Encontros Anuais do FMI e Banco Mundial, em Washington, nos Estados Unidos, num diálogo dedicado ao tema “Mulheres, Trabalho e Liderança”.

Nesta ocasião, reiterou que as sociedades não podem atingir objetivos de desenvolvimento sustentável sem incluir a totalidade das mulheres na força de trabalho, a começar pela educação e acesso igual ao financiamento e recursos. “É simples, se ignorar parte das suas capacidades, vai ficar aquém no desempenho económico”, avisou a diretora-geral, que assumiu funções no dia 1 de outubro.

A economista lamentou que atualmente mais de 1,7 mil milhões de mulheres em todo o mundo tenham restrições legais sobre os trabalhos que têm autorização para desempenhar.

Num estudo publicado pelo FMI, para “Reduzir e redistribuir trabalho não remunerado”, os especialistas chegam à conclusão de que se o trabalho não remunerado fosse contado nas estatísticas económicas, o Produto Interno Bruto mundial iria aumentar em 35% a 40%.

Neste tipo de trabalho não remunerado incluem-se as tarefas domésticas, os cuidados às crianças ou idosos, limpezas, cozinha e também a agricultura de subsistência.

A diretora-geral do FMI considerou que um dos melhores serviços das instituições mundiais é estar a “divulgar argumentos baseados em evidência racional” de como a paridade de género é positiva.

Segundo a chefe do FMI, todas as pessoas podem beneficiar da inclusão de mulheres nos locais de trabalho, sendo elas consideradas menos corruptas, com mais modéstia e mais dirigidas para o bem comum do que para o egoísmo, assim como estão mais dispostas a pôr mais esforço para a conclusão de um objetivo.

Kristalina Georgieva incitou as mulheres a nunca aceitarem salários menores do que os dos colegas homens, já que também passou pela mesma experiência, de ter salário menor durante longos anos, porque não sabia que tinha de negociar.

A economista búlgara, antiga diretora executiva do Banco Mundial, recordou que trabalhou mais horas de trabalho e se esforçou mais do que muitos colegas homens para chegar ao mesmo estatuto. “Por trabalhar mais e mais duro, tornei-me melhor do que eles”, opinou.

Segundo algumas pesquisas, as mulheres fazem uma média diária de mais 2,7 horas do que os homens de trabalho não pago, indicou a economista.

“O mais surpreendente” para a diretora do FMI é que as estatísticas diferem muito de país para país, como no Paquistão, onde as mulheres fazem 1000% mais trabalho não pago do que os homens. Na Noruega, as mulheres trabalham e não são pagas em mais 20% do que homens.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Uber investe 90 milhões em novo ‘hub’ e sede em Lisboa e espera contratar mais 200 pessoas

A Uber está a investir 90 milhões de euros num novo ‘hub’ e sede de operações em Lisboa, hoje inaugurados, criando mais de 400 empregos diretos e pretendendo contratar mais 200 pessoas até final do …

Máscara nos espaços fechados e eventual terceira dose em massa - as conclusões da reunião no Infarmed

Terminou há momentos a reunião do governo com especialistas no Infarmed sobre o balanço da evolução da pandemia e as recomendações das medidas que devem ser adoptadas nesta nova fase. A reunião começou com as …

"Cruzeiro espacial" da SpaceX com quatro civis já está em órbita

Voo espacial terá a duração de três dias e cada um do seus tripulantes (quatro civis) terá uma tarefa na missão. Ainda assim, viagem tem um objetivo nobre e social. Passo a passo, Elon Musk parece …

Líder do PAN faz queixa no Ministério Público depois de ser ameaçada de morte

A deputada mostrou no Twitter o tipo de insultos e ameaças que tem recebido e avisa que não se vai calar ou permitir que o desrespeito continue. Inês Sousa Real foi insultada e ameaçada nas redes …

Árbitro foi muito "benévolo" com o FC Porto

O golo de Taremi e a expulsão de Mbemba originaram protestos portugueses. Os espanhóis têm uma visão diferente. O Atlético de Madrid-FC Porto contou com duas boas equipas em campo e uma "que esteve menos bem", …

Buraco na camada de ozono ultrapassa o tamanho da Antártida

A dimensão do buraco na camada de ozono no hemisfério sul ultrapassou o tamanho da Antártida, continente com cerca de 14 milhões de quilómetros quadrados, anunciou hoje o serviço europeu Copernicus, de monitorização da atmosfera. “O …

Políticos e especialistas querem legalizar canábis (com impostos para prevenir o consumo)

Um grupo de 65 personalidades, entre especialistas médicos e ex-ministros, apela à legalização da canábis, considerando que é a melhor forma de prevenir o consumo desta droga, nomeadamente através dos impostos aplicados ao sector. Esta carta …

Mais 1062 casos e seis mortes por covid-19. Internamentos continuam em queda

Há actualmente 497 doentes internados, menos 30 pessoas do que no último balanço. Mais seis pessoas morreram de covid-19 nas últimas 24 horas. Nas últimas 24 horas, Portugal registou mais seis mortes e mais 1062 casos …

Crescimento sustentado da economia dá margem ao Governo nas negociações para OE

Governo tem a seu favor uma evolução positiva das receitas fiscais, o que lhe deverá permitir metas mais ambiciosas de redução do défice ou, em alternativa, assumir mais medidas com impacto negativo no orçamento. O crescimento …

Portugal contratou mais professores, mas salários baixaram

Em ano de pandemia, um relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) mostra as diferenças que existem nas carreiras dos professores na Europa e em Portugal. O reforço do número de professores no …