Kristalina Georgieva exige maior inclusão de mulheres nos mercados de trabalho

EU2016NL / Flickr

Kristalina Georgieva

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional exigiu esta terça-feira, nos Encontros Anuais, uma maior inclusão de mulheres nos mercados de trabalho, dizendo que quando um país ignora “parte das suas capacidades” enfraquece o desempenho económico.

Kristalina Georgieva fez esta terça-feira a sua primeira intervenção nos Encontros Anuais do FMI e Banco Mundial, em Washington, nos Estados Unidos, num diálogo dedicado ao tema “Mulheres, Trabalho e Liderança”.

Nesta ocasião, reiterou que as sociedades não podem atingir objetivos de desenvolvimento sustentável sem incluir a totalidade das mulheres na força de trabalho, a começar pela educação e acesso igual ao financiamento e recursos. “É simples, se ignorar parte das suas capacidades, vai ficar aquém no desempenho económico”, avisou a diretora-geral, que assumiu funções no dia 1 de outubro.

A economista lamentou que atualmente mais de 1,7 mil milhões de mulheres em todo o mundo tenham restrições legais sobre os trabalhos que têm autorização para desempenhar.

Num estudo publicado pelo FMI, para “Reduzir e redistribuir trabalho não remunerado”, os especialistas chegam à conclusão de que se o trabalho não remunerado fosse contado nas estatísticas económicas, o Produto Interno Bruto mundial iria aumentar em 35% a 40%.

Neste tipo de trabalho não remunerado incluem-se as tarefas domésticas, os cuidados às crianças ou idosos, limpezas, cozinha e também a agricultura de subsistência.

A diretora-geral do FMI considerou que um dos melhores serviços das instituições mundiais é estar a “divulgar argumentos baseados em evidência racional” de como a paridade de género é positiva.

Segundo a chefe do FMI, todas as pessoas podem beneficiar da inclusão de mulheres nos locais de trabalho, sendo elas consideradas menos corruptas, com mais modéstia e mais dirigidas para o bem comum do que para o egoísmo, assim como estão mais dispostas a pôr mais esforço para a conclusão de um objetivo.

Kristalina Georgieva incitou as mulheres a nunca aceitarem salários menores do que os dos colegas homens, já que também passou pela mesma experiência, de ter salário menor durante longos anos, porque não sabia que tinha de negociar.

A economista búlgara, antiga diretora executiva do Banco Mundial, recordou que trabalhou mais horas de trabalho e se esforçou mais do que muitos colegas homens para chegar ao mesmo estatuto. “Por trabalhar mais e mais duro, tornei-me melhor do que eles”, opinou.

Segundo algumas pesquisas, as mulheres fazem uma média diária de mais 2,7 horas do que os homens de trabalho não pago, indicou a economista.

“O mais surpreendente” para a diretora do FMI é que as estatísticas diferem muito de país para país, como no Paquistão, onde as mulheres fazem 1000% mais trabalho não pago do que os homens. Na Noruega, as mulheres trabalham e não são pagas em mais 20% do que homens.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Sony apresenta o seu primeiro drone, o Airpeak S1

Há algum tempo que a Sony planeava lançar um drone, agora, é oficial. A empresa de tecnologia apresentou um drone chamado Airpeak S1 que será, muito provavelmente, o primeiro de muitos. A Sony anunciou oficialmente o …

Candidaturas a astronauta da Agência Espacial Europeia encerram na sexta-feira

Os candidatos têm de ter, pelo menos, um mestrado e experiência profissional, serem fluentes em inglês e ter mais de 1,30 metros.  O prazo para apresentação de candidaturas a vagas para novos astronautas da Agência Espacial …

Dois meses no escuro. Valentina Miozzo passou a quarentena sozinha no Ártico

A pandemia de covid-19 foi um duro golpe de solidão forçada para a maioria das pessoas, mas para a italiana Valentina Miozzo foi a oportunidade perfeita para usufruir de alguns momentos a sós. A meio da …

Pedras misteriosas provocam "corrida aos diamantes" na África do Sul

Uma verdadeira "febre de diamantes" assolou a vila de KwaHlathi, na província de KwaZulu-Natal, litoral da África do Sul. Centenas de pessoas, com utensílios caseiros a servir de engenhos de mineração, ocuparam um terreno à …

Designer cria um "terceiro olho" para quem vive agarrado ao telemóvel

Um designer industrial sul-coreano criou, recentemente, um “terceiro olho” para ajudar aqueles que, mesmo em andamento, não conseguem tirar os olhos do telemóvel. O designer industrial Minwook Paeng criou recentemente o The Third Eye ('terceiro olho' …

Depois de Ronaldo e da Coca Cola, Pogba imitou-o com a Heineken (e a UEFA podia castigar Portugal e França)

Após Cristiano Ronaldo ter removido duas garrafas de Coca Cola da mesa onde se sentou para uma conferência de imprensa no Euro 2020, foi a vez do francês Paul Pogba ter feito o mesmo com …

Adeptos portugueses proibidos de entrar na "fan zone" de Budapeste

Momento confuso numa zona da capital da Hungria, na véspera do jogo com Portugal, na estreia no Europeu 2020. A Hungria não escapou ao coronavírus mas, entre os países que recebem jogos do Europeu 2020, é …

Mulher recebe quatro certificados de imunidade - e nenhum é válido

O governo da Hungria está a emitir cartões que garantem que determinada pessoa, na teoria, é imune ao coronavírus. Mas nem tudo corre bem. A vida nas ruas da Hungria é diferente do que se vive …

Novo vídeo mostra morcegos vivos em laboratório de Wuhan (e adensa o mistério sobre a origem da pandemia)

Para já, é possível afirmar que o consenso científico aponta para a origem zoonótica do novo coronavírus, que confirma a versão chinesa de que o patógeno passou de morcegos para um animal e desse para …

Canal 11 anuncia jogos que não transmite (e avisou 5 minutos antes)

Sucedem-se os casos de jogos de futebol que, apesar de estarem inseridos na programação oficial do canal, não são transmitidos, ou são transmitidos noutro dia. Último caso aconteceu em Varzim. O Canal 11 revolucionou a transmissão …