Jornalistas e académicos turcos estão a fugir de Erdogan em botes de refugiados

Tolga Bozoglu / EPA

O presidente da Turquia, Recep Erdogan

O presidente da Turquia, Recep Erdogan

A purga política que Recep Tayyip Erdogan, presidente da Turquia, impôs no país não tem fim à vista e há um crescente número de intelectuais, incluindo jornalistas e académicos, que estão a fugir para a Grécia em botes de refugiados.

Foi dessa forma que o ex-director da prestigiada revista política turca Nokta, Cevheri Güven, saiu da Turquia com a família, antes de ser condenado a 22 anos e 6 meses de prisão por causa de duas capas polémicas da publicação.

O editor da revista, Murat Çapan, também condenado à mesma pena de prisão, tentou igualmente, fugir da Turquia misturado com os refugiados, mas acabou preso.

Condenação por duas capas controversas

Murat Çapan foi detido, na quarta-feira à noite, quando tentava atravessar a fronteira, juntamente com um académico e dois professores que tinham perdido os seus empregos, após decretos presidenciais recentes, conforme relata Cevheri Güven ao El Confidencial.

“Conseguiram entrar na Grécia, mas foram devolvidos a território turco pela polícia grega”, explica o jornalista que fugiu da Turquia em Setembro do ano passado.

Os dois responsáveis da Nokta foram condenados por “incitar uma revolução armada contra o Governo turco”, depois de a revista ter publicado uma capa retratando Erdogan como responsável pela violência que tem marcado o país.

A imagem revela uma fotomontagem com uma folha de calendário na data de 2 de Novembro, o dia seguinte à vitória do partido de Erdogan nas eleições, assinalando que foi o início da “guerra civil na Turquia”.

https://twitter.com/PersecutionsTr/status/867452730587086849

Há ainda outra capa associada à condenação dos dois jornalistas que mostra Erdogan a tirar uma selfie em frente a um funeral militar.

Depois desta polémica imagem, a Nokta foi banida, em 2015, e o presidente Recep Erdogan acusou os responsáveis da revista de serem “desonestos”, sublinhando que haveriam de “pagar o preço”.

Os novos “refugiados turcos”

Cevheri Güven chegou a estar preso durante dois meses, após ter sido acusado, numa prisão repleta de “jornalistas, músicos, juízes, procuradores, polícias, oficiais do exército e académicos”, conforme relata num artigo no The Globe Post.

O jornalista conta que foi libertado, enquanto esperava pelo julgamento, e que os juízes que determinaram essa decisão foram demitidos e um até foi preso, tal como o seu advogado.

Ele acabou por decidir que tinha que deixar o país de forma ilegal, já temendo o pior dos cenários, ou seja, a condenação.

“Sabia que já não havia justiça para os jornalistas, que qualquer turco crítico para com Erdogan acabaria atrás das grades“, destaca no El Confidencial.

Cevheri Güven refere que procurou os traficantes de pessoas que ajudam os refugiados a sair da Turquia e diz que teve uma proposta de 20 mil euros para ir num bote com a mulher e os dois filhos. “O preço para os refugiados é mais baixo, mas quando sabem que és um fugitivo, as máfias sobem o preço”, explica.

Vendeu o carro e outros bens para financiar a fuga que foi concretizada num “pequeno bote de madeira”, onde viajava também uma arquitecta turca procurada pela polícia, refere.

Foi assim que chegou à Grécia, onde tem agora o estatuto de “refugiado turco”, como destaca, prevendo que, a curto prazo, milhares de outras pessoas vão vestir essa pele, fugindo do terror imposto por Erdogan.

Regime de Erdogan só tem lugar para os islamistas

Cevheri Güven diz que o país está “refém de um ditador” e acusa Erdogan de ter “destruído a democracia, empurrado a Turquia para longe do Ocidente, apoiado grupos jihadistas na Síria e obliterado cidades curdas com tanques”.

O presidente turco acredita que “é o líder do mundo islâmico e que é o escolhido”, pelo que, “considerando o poder turco, o perigo é suficientemente grave para não o ignorarmos”, alerta o jornalista no The Globe Post, reforçando que “não há lugar para ninguém no regime que Erdogan está a construir, excepto para os islamistas”.

Cevheri Güven continua a fazer o ofício de jornalista nos campos de refugiados, para publicar artigos na Internet, reforçando a sua intenção de continuar a lutar pela liberdade no seu país.

“A Turquia precisa, mais do que nunca, de jornalismo corajoso“, escreve no The Globe Post, frisando que é “imperativo” não permitir “que Erdogan silencie os média” com a detenção de jornalistas.

De acordo com dados da Plataforma turca para o Jornalismo Independente P24, há, neste momento, 165 profissionais dos média detidos na Turquia, conforme cita o El Confidencial.

SV, ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. A Turquia transformou-se num país onde quem for do contra melhor será fugir de lá antes que se manifeste e não aconselhável a qualquer um lá entrar mesmo que seja por visita pois está transformado num barril de pólvora e de suspeição onde todos desconfiam de todos.

RESPONDER

Imagens de satélite indicam que Irão começou construções em instalação nuclear

Imagens de satélite divulgadas esta quarta-feira mostram atividades na instalação nuclear iraniana de Natanz, um dia depois de inspetores da Agência Internacional de Energia Atómica confirmarem que o Irão iniciou a construção de uma central …

"Salvadores brancos". Organização vai acabar com as viagens de celebridades a África

A organização Comic Relief vai deixar de enviar celebridades como Ed Sheeran ou Stacey Dooley para fazerem filmes promocionais em países africanos após decidir que a abordagem reforça estereótipos ultrapassados sobre “salvadores brancos”. Além de acabar …

Tragédia no Canal da Mancha. Quatro migrantes morreram em alto mar após Governo rejeitar rota segura

De acordo com as autoridades francesas, quatro migrantes - incluindo duas crianças de cinco e oito anos - morreram ao tentar chegar ao Reino Unido de barco através do Canal da Mancha. O pequeno barco …

Detidos 21 suspeitos de desviarem fundos para financiar Puigdemont na Bélgica

A operação da polícia espanhola contra o alegado desvio de fundos públicos para financiar as despesas do ex-presidente regional catalão Carles Puigdemont fugido na Bélgica resultou hoje em 21 detidos ligados ao movimento independentista na …

Ativista detido depois de tentar retirar uma escultura indonésia do Museu do Louvre

Mwazulu Diyabanza foi detido na semana passada em Paris, depois de tentar retirar uma escultura indonésia do Louvre. O ativista congolês disse que a ação foi parte de um protesto para que os museus europeus …

Proteção Civil do Porto já pediu recolher obrigatório e recomenda novo estado de emergência

A Proteção Civil do distrito do Porto já avançou com o pedido ao Governo de recolher obrigatório para a região. Marco Martins sugere ainda o regresso ao estado de emergência. Marco Martins, responsável pela proteção Civil …

Exames nacionais de 2021 mantêm normas excecionais criadas no anterior ano letivo

Os professores vão voltar a contabilizar, na classificação dos próximos exames nacionais, apenas as respostas às perguntas obrigatórias e àquelas em que o aluno tenha melhor pontuação, à semelhança das normas excecionais aplicadas no ano …

PSD-Madeira critica preços "pornográficos" e "obscenos" nas viagens da TAP no Natal

O PSD-Madeira voltou nesta quarta-feira a criticar os preços praticados pela TAP nas viagens para a região, referindo que na época do Natal chegam a atingir 1.143 euros, e considerou os valores “pornográficos” e “obscenos”. “São …

Autarca de Roma revela que máfia italiana planeou um ataque contra si e a sua família

A presidente da Câmara de Roma, Virginia Raggi, revelou que grupos do crime organizado planearam matá-la e a sua família porque ela os estava a atacar em partes da capital italiana que dominam. Aos 37 anos, …

OE2021. "Quem vota contra quer outro modelo ou desistiu de melhorar o SNS", diz Temido

A ministra da Saúde, Marta Temido, sustentou esta quarta-feira que os partidos que vão votar contra o Orçamento do Estado para 2021 querem outro modelo de sistema de saúde ou desistiram de melhorar o SNS. Numa …