Irão critica Trump e diz que “não é o momento de construir muros”

World Economic Forum / Flickr

Hassan Rohani, presidente iraniano

Hassan Rohani, presidente iraniano

O presidente iraniano, Hassan Rouhani, criticou hoje o seu homólogo norte-americano, Donald Trump, dizendo que “agora não é o momento de construir muros entre as nações”.

“Eles esqueceram-se de que o Muro de Berlim caiu há muitos anos atrás. Mesmo que existam muros entre as nações, eles devem ser removidos”, disse Rouhani, numa convenção de turismo, em Teerão.

As declarações do presidente iraniano seguem-se à decisão de Trump de construção de um muro ao longo da fronteira EUA-México e impor o controlo rígido dos viajantes de sete países muçulmanos, entre eles o Irão.

Hassan Rouhani não comentou diretamente a proibição de vistos dos EUA, mas recordou que o Irão “abriu as suas portas” aos turistas estrangeiros desde a assinatura de um acordo nuclear com as potências mundiais, em 2015.

Numa altura em que mais de um milhão de iranianos vivem nos Estados Unidos, muitas famílias estão profundamente preocupadas com as implicações da proibição de vistos de Donald Trump, que também afeta cidadãos do Iraque, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iémen.

Não serão emitidos vistos para migrantes ou visitantes desses países durante pelo menos 90 dias, restrição que pode ser estendida se os países em questão não fornecerem amplas informações sobre os indivíduos que procuram entrar nos Estados Unidos.

Teerão e Washington não têm laços diplomáticos desde que estudantes e militantes islâmicos invadiram a embaixada dos EUA em Teerão em 1980, após uma revolução islâmica que derrubou o Xá Mohammad Reza Pahlavi, e mantiveram 52 norte-americanos reféns durante 444 dias.

Irão reage a decisão “insultuosa” e proíbe entrada de norte-americanos

O Irão vai proibir a entrada de norte-americanos, reagindo à decisão “insultuosa” do Presidente dos EUA de restringir chegadas com origem em território iraniano e mais seis Estados muçulmanos, disse hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros.

O Irão optou responder à letra “depois da decisão insultuosa dos EUA respeitante aos cidadãos iranianos”, disse o ministro Mohamad Javad Zarif numa intervenção transmitida pela televisão pública.

Na sexta-feira, Donald Trump assinou uma ordem para suspender a chegada de refugiados e impor controlos aos passageiros vindos do Irão, Iraque, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iémen.

O ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano considerou a decisão “ilegal, ilógica e contrária às regras internacionais”, e acrescentou que a sua decisão vai manter-se enquanto a medida dos EUA estiver em vigor.

O governante ordenou aos serviços diplomáticos iranianos que ajudem os cidadãos do Irão que foram “impedidos de regressar às suas casas e aos seus locais de trabalho e de estudo” nos EUA.

Os agentes de viagens em Teerão disseram que as companhias aéreas estrangeiras começaram a vedar o acesso dos iranianos aos voos para os EUA.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

PSD pondera propor fim dos debates quinzenais e torná-los mensais

O PSD está a ponderar apresentar uma proposta para acabar com os debates quinzenais com o primeiro-ministro e torná-los mensais. A proposta passa também pela substituição de um desses "duelos" atuais por um debate temático …

Segunda vítima mortal nos protestos de Hong Kong. Xi Jinping condena manifestações

O quarto dia consecutivo de protestos ficou marcado pela morte de um homem de 70 anos. Esta é a segunda vítima mortal desde o início das manifestações em Hong Kong. De acordo com a imprensa internacional, …

Governo prepara dois novos escalões de IRS para a classe média

O primeiro-ministro afirmou esta quinta-feira que o objetivo do Governo no próximo Orçamento é dar “um primeiro passo” para conferir uma maior progressividade no IRS e diminuir o peso deste imposto sobre os vencimentos da …

Dois procuradores do caso Tancos vão sair do DCIAP

Os procuradores Vítor Magalhães e João Valente, da equipa que investigou o caso Tancos, vão sair do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) no âmbito do movimento de magistrados do Ministério Público (MP), …

Cerca de 40% dos hospitais têm ruturas diárias de medicamentos

Os preços "excessivamente baixos dos medicamentos genéricos" são a causa mais importante identificada pelos hospitais para as ruturas de fornecimento. Quase 40% dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) indicam ter diariamente ruturas no fornecimento …

Secretário de Estado: despenalizações como a que absolveu o Benfica vão terminar. "Será inapelável"

João Paulo Rebelo assegurou que a entrada em vigor da lei de combate à violência no desporto evitará situações como a que levou à recente anulação do castigo imposto ao Benfica. O secretário de Estado da …

Morales quis dialogar. Presidente interina da Bolívia mandou-o calar-se

O ex-Presidente Evo Morales ofereceu-se para regressar à Bolívia para "ajudar a pacificar o país, não para ser candidato", mas Jeanine Añez, que assumiu a presidência interina do país, respondeu que Morales não pode participar …

Cientistas reconstruiram a cara mutilada de uma guerreira Viking

Um esqueleto encontrado num cemitério Viking em Solør, na Noruega, tinha sido identificado como sendo de uma mulher há vários anos, mas os especialistas não tinham a certeza se tinha sido verdadeiramente uma guerreira. Agora, a …

Banco de Portugal vai pagar ao Estado valor recorde em dividendos em 2020

O Banco de Portugal deverá pagar ao Estado cerca de 550 milhões de euros em dividendos em 2020. Este é o montante que está em cima da mesa, mas ainda é prematuro calcular o valor. A remuneração …

Governo aprova salário mínimo de 635 euros para 2020

O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira o aumento do salário mínimo para 635 euros a partir de janeiro de 2020, medida que o Governo estima que poderá abranger 720 mil trabalhadores, foi anunciado. Em conferência …