Espécies alienígenas invasoras são as responsáveis pelas recentes extinções globais

A Terra está no meio de uma sexta extinção em massa, mas nem toda a culpa pode ser diretamente atribuída à mudança climática.

Plantas e animais que foram introduzidos artificialmente por humanos em novas regiões estão a causar estragos na fauna nativa.

De facto, um novo estudo, publicado na revista Frontiers in Ecology e the Environment, mostra evidências de que estas espécies alienígenas invasoras são mais responsáveis pelas extinções globais do que qualquer outro fator.

Uma espécie pode fazer com que outra fique extinta quando um desequilíbrio nas suas populações leva a acumular recursos locais, deixando a outra sem comida ou sem habitat.

Uma equipa internacional de investigadores escreveu que 25% das extinções de plantas e 33% das extinções dos animais envolvem espécies não-nativas. Em comparação, os animais nativos são responsáveis por menos de 5% das extinções de plantas e 3% das extinções de animais.

Anteriormente, os cientistas argumentavam que não importava se uma espécie é nativa ou não-nativa: o que um organismo faz é mais importante do que de onde vem. Mas, de acordo com os autores do novo estudo, este argumento pode estar totalmente errado.

“Os impactos das espécies nativas na condução das extinções são muito menos difundidos em comparação com os das espécies exóticas”, escrevem os autores. A equipa, liderada por Tim Blackburn, professor de biologia de invasão da University College London, baseou estas conclusão em dados da versão 2017 da Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas.

Em muitos casos, espécies não-nativas são introduzidas por seres humanos, seja por acidente ou de forma propositada – muitas vezes para controlar uma população nativa.
O sucesso das espécies invasoras colocam-nas em concorrência com espécies nativas.

Por vezes, a mudança climática e a degradação do habitat podem direcionar uma espécie existente para uma região vizinha. Estes casos não têm o mesmo impacto que as espécies introduzidas por seres humanos em regiões distantes do seu ambiente nativo. Os primeiros são muito menos destrutivos do que os segundos.

“Espécies nativas em surtos – mesmo aquelas que expandem o seu alcance em território adjacente – são menos propensas do que as espécies exóticas a encontrar nativos residentes que carecem de experiência evolutiva com eles”, escreveram os autores.

Em contraste, o transporte a longa distância introduz espécies que evoluíram com necessidades biológicas totalmente diferentes e, portanto, têm maior probabilidade de sobrecarregar os locais.

Mesmo nos raros casos em que espécies nativas causam extinções, a interferência humana ainda é a causa-raiz. Por exemplo, os humanos caçavam as lontras do mar, que normalmente mantêm as populações de ouriços-do-mar roxos sob controlo. Sem as lontras, a população de ouriços-do-mar explodiu e comeu enormes quantidades de alga marinha, não deixando nada para as vacas-marinhas de Steller, que acabaram extintas.

No entanto, a forma mais prejudicial de interferência humana observada no novo artigo é a introdução de novas espécies. Quando o dano se torna percetível, geralmente, é tarde demais para ser revertido.

ZAP ZAP // Inverse

PARTILHAR

RESPONDER

A fronteira mais importante da China é imaginária: a Linha Hu

A Linha Hu, também conhecida como linha Heihe-Tengchong, é uma linha imaginária que divida a China em duas partes com áreas quase iguais. Estende-se da cidade de Heihe até Tengchong. Desenhada pela primeira vez em 1935, …

Algumas pessoas moram em aeroportos durante meses (ou até mesmo anos)

Aeroportos não servem de casa apenas para os sem-abrigo. Há pessoas que, involuntariamente ou não, ficam lá durante meses e, em alguns casos, até mesmo anos. Em janeiro, as autoridades de Chicago prenderam um homem de …

Senado da Carolina do Sul aprova fuzilamento como método de execução

Com esta decisão, a Carolina do Sul poderá converter-se no quarto estado do país a incorporar este método de execução de pena de morte, depois do Utah, Oklahoma e Mississípi. De acordo com a agência noticiosa …

"Oxigénio tornou-se ouro". Criminosos lucram com a sua escassez no México

A pandemia de covid-19 deixou a Cidade do México a atravessar uma grande escassez de oxigénio médico. Criminosos estão a aproveitar para lucrar com a situação. A capital mexicana registou um pico de infeções e hospitalizações …

Meteorito do tamanho de um damasco caiu em França (e os astrónomos precisam de ajuda para encontrá-lo)

Os entusiastas do Espaço estão a ser instados a procurar um meteorito do tamanho de um damasco que caiu no fim de semana passado no sudoeste de França.  O meteorito, com peso estimado em 150 gramas, …

Professora pediu a alunos para fingir que eram escravos e escreverem carta para África

Uma professora de uma escola secundária no Mississippi, nos Estados Unidos, está a ser alvo de críticas devido a uma fotografia de um trabalho de casa divulgada nas redes sociais. Foi pedido aos alunos do 8.º …

Obra de Churchill que pertencia a Angelina Jolie vendida por valor recorde

O quadro pintado pelo antigo primeiro-ministro britânico foi vendido por 8,3 milhões de libras. A pintura foi um presente de Winston Churchill para o presidente dos Estados Unidos, Franklin D. Roosevelt, e agora foi leiloada …

Milhares fugiram, mas Sakae Kato ficou. O homem que salva gatos abandonados em Fukushima há 10 anos

Durante a última década, um homem em Fukushima, no Japão, tem salvado todos os gatos na área abandonada de onde milhares de pessoas fugiram durante o desastre da central nuclear - e ainda continua a …

Governador de Nova Iorque "reescreveu relatório" para esconder mortes em lares

  Assistentes do governador de Nova Iorque, Andrew Cuomo, terão reescrito um relatório das autoridades de saúde locais, no verão de 2020, que apontava para um número de mortes por covid-19 nos lares de idosos muito …

"Europa vai andar para trás". Pandemia faz "descarrilar conquistas de igualdade"

Empregos perdidos, horários de trabalho reduzidos e violência doméstica crescente provam que o impacto da pandemia foi mais forte nas mulheres e fez “descarrilar as conquistas de igualdade”, alerta o Instituto Europeu para a Igualdade …