Espécies alienígenas invasoras são as responsáveis pelas recentes extinções globais

A Terra está no meio de uma sexta extinção em massa, mas nem toda a culpa pode ser diretamente atribuída à mudança climática.

Plantas e animais que foram introduzidos artificialmente por humanos em novas regiões estão a causar estragos na fauna nativa.

De facto, um novo estudo, publicado na revista Frontiers in Ecology e the Environment, mostra evidências de que estas espécies alienígenas invasoras são mais responsáveis pelas extinções globais do que qualquer outro fator.

Uma espécie pode fazer com que outra fique extinta quando um desequilíbrio nas suas populações leva a acumular recursos locais, deixando a outra sem comida ou sem habitat.

Uma equipa internacional de investigadores escreveu que 25% das extinções de plantas e 33% das extinções dos animais envolvem espécies não-nativas. Em comparação, os animais nativos são responsáveis por menos de 5% das extinções de plantas e 3% das extinções de animais.

Anteriormente, os cientistas argumentavam que não importava se uma espécie é nativa ou não-nativa: o que um organismo faz é mais importante do que de onde vem. Mas, de acordo com os autores do novo estudo, este argumento pode estar totalmente errado.

“Os impactos das espécies nativas na condução das extinções são muito menos difundidos em comparação com os das espécies exóticas”, escrevem os autores. A equipa, liderada por Tim Blackburn, professor de biologia de invasão da University College London, baseou estas conclusão em dados da versão 2017 da Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas.

Em muitos casos, espécies não-nativas são introduzidas por seres humanos, seja por acidente ou de forma propositada – muitas vezes para controlar uma população nativa.
O sucesso das espécies invasoras colocam-nas em concorrência com espécies nativas.

Por vezes, a mudança climática e a degradação do habitat podem direcionar uma espécie existente para uma região vizinha. Estes casos não têm o mesmo impacto que as espécies introduzidas por seres humanos em regiões distantes do seu ambiente nativo. Os primeiros são muito menos destrutivos do que os segundos.

“Espécies nativas em surtos – mesmo aquelas que expandem o seu alcance em território adjacente – são menos propensas do que as espécies exóticas a encontrar nativos residentes que carecem de experiência evolutiva com eles”, escreveram os autores.

Em contraste, o transporte a longa distância introduz espécies que evoluíram com necessidades biológicas totalmente diferentes e, portanto, têm maior probabilidade de sobrecarregar os locais.

Mesmo nos raros casos em que espécies nativas causam extinções, a interferência humana ainda é a causa-raiz. Por exemplo, os humanos caçavam as lontras do mar, que normalmente mantêm as populações de ouriços-do-mar roxos sob controlo. Sem as lontras, a população de ouriços-do-mar explodiu e comeu enormes quantidades de alga marinha, não deixando nada para as vacas-marinhas de Steller, que acabaram extintas.

No entanto, a forma mais prejudicial de interferência humana observada no novo artigo é a introdução de novas espécies. Quando o dano se torna percetível, geralmente, é tarde demais para ser revertido.

ZAP // Inverse

PARTILHAR

RESPONDER

Alverca 2-0 Sporting | Leões desinspirados afastados da Taça pelo Alverca

O Alverca surpreendeu hoje o Sporting com uma vitória por 2-0, na terceira eliminatória da Taça de Portugal, tornando-se no primeiro grande «tomba-gigantes» da competição ao afastar o atual detentor do troféu. Alex Apolinário, aos 10 …

A Barbie também arrenda casa no Airbnb

A boneca mais famosa do mundo celebra 60 anos. Agora, a empresa que produz a Barbie, a Matel, tornou a boneca uma anfitriã no Airbnb e vai arrendar uma mansão à beira-mar em Malibu, na …

Os primeiros bebés podem nascer no Espaço daqui a 12 anos

A empresa SpaceBorn United pretende realizar missões espaciais entre 24 e 36 horas para que algumas mulheres dêem à luz em órbita dentro de 12 anos. A notícia é avançada pelo fundador e CEO da empresa, …

Japão importou cinco vírus mortais, incluindo Ebola, por causa de Tóquio 2020

Com os Jogos Olímpicos à porta, um laboratório japonês decidiu importar cinco vírus mortais, nomeadamente Ebola, para fazer frente a um eventual surto durante a competição que vai levar ao país mais de 600 mil …

Empresa anónima quer os direitos do seu rosto para construir robôs (e paga 115 mil euros)

Uma empresa privada anónima está a oferecer 115 mil euros pelos direitos de usar o seu rosto numa nova linha de robôs humanóides. A empresa quer usar a imagem para dar uma cara a um robô …

Empresa está a vender vinho (com flocos de ouro) para celebrar o Brexit

Quando o Reino Unido abandonar a União Europeia, uma saída programada para 31 de outubro, é provável que as pessoas celebrem com um vinho especial com flocos de ouro. Para aqueles que querem celebrar a saída …

Neandertais ocuparam ilhas do Mediterrâneo dezenas de milhares de anos antes do que se pensava

Cientistas descobriram provas de que a ilha de Naxos, na Grécia, já era habitada por neandertais há 200.000 anos, dezenas de milhares de anos antes do que se pensava até agora. Um estudo publicado esta quinta-feira …

Testes "bárbaros" em macacos levam ativistas a pedir encerramento de laboratório alemão

Durante meses, um ativista pelos direitos dos animais trabalhou no Laboratório de Farmacologia e Toxicologia (LPT, na sigla inglesa), em Hamburgo, na Alemanha, onde testemunhou situações de violência contra os animais utilizados em testes e …

Próxima cimeira do G7 vai ser num resort de Donald Trump

A próxima cimeira do G7 será realizada num dos clubes de golfe do Presidente norte-americano, Donald Trump, na Florida, e o clima não constará da agenda de trabalhos, disse esta quinta-feira o chefe de gabinete …

Russos e ucranianos estão em guerra por causa de sopa

A sopa de beterraba é russa ou ucraniana? Um tweet do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Federação Russa veio falar em prato nacional e a reação na Ucrânia não tardou a chegar. O tweet é de …