Nova interface neural pode durar até seis anos dentro do cérebro

Uma equipa de cientistas demonstrou a capacidade de implantar uma interface neural, flexível e ultrafina, no cérebro, com uma vida útil de seis anos. Esta conquista é um passo importante para a criação de interfaces neurais de alta resolução que podem persistir no corpo humano por toda a vida.

Para muitos futuristas, o destino da humanidade consiste em fundir as nossas mentes com as máquinas. No entanto, antes disso, precisamos de arranjar uma forma de conectar fisicamente os seres humanos com a tecnologia. Apesar de haver vários obstáculos na criação de uma interface neural confiável, um dos maiores é a durabilidade.

Existem formas de ler os sinais cerebrais usando abordagens externas como o eletroencefalograma (EEG), mas grande parte dos especialistas concorda que, para capturar em detalhe a atividade cerebral, precisamos de dar o passo seguinte: implantar dispositivos de gravação.

Como este processo envolve procedimentos médicos invasivo, seria uma mais-valia que estes dispositivos tivessem uma grande durabilidade. Contudo, até agora, os investigadores só conseguiram desenvolver dispositivos confiáveis por curtos períodos de tempo.

De acordo com o Singularity Hub, uma grupo de cientistas fez um grande avanço ao criar uma interface neural ultrafina e flexível, com milhares de elétrodos, capaz de sobreviver dentro do cérebro humano durante seis anos. Além de húmido, o nosso cérebro é altamente corrosivo e implacável para a maioria dos materiais artificiais.

Em comunicado, Jonathan Viventi, engenheiro biomédico da Universidade Duke, nos Estados Unidos, explicou que “tentar fazer com que estes sensores funcionem dentro do cérebro é como atirar um smartphone dobrável e flexível ao oceano e esperar que funcione nos 70 anos seguintes”.

Os investigadores usaram uma camada de dióxido de silício com menos de um micrometro de espessura para fornecer um compartimento muito mais confiável. O material degradou a uma taxa de apenas 0,46 nanómetros por dia. Além disso, o material é biocompatível, o que faz com que seja muito improvável que o material se dissolva e cause danos ao cérebro.

Apesar de não serem condutivos, os elétrodos conseguem detetar a atividade neural através de um sensor capacitivo, explica a equipa da universidade norte-americana num artigo científico publicado no dia 8 de abril no Science Translational Medicine.

Para testar a durabilidade, os cientistas implantaram a interface neural de 64 elétrodos no cérebro de um rato, e concluíram que o dispositivo manteve a sua confiabilidade durante mais de um ano. Além disso, observaram que a abordagem era escalável.

Até agora, os cientistas só investigaram interfaces que ficam na superfície do cérebro, mas garantem queno futuro, será possível que esta abordagem funcione com elétrodos penetrantes, colocados profundamente dentro do tecido cerebral.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

PayPal resiste à pandemia. Volume de pagamentos cresce 30% no segundo trimestre

O volume de pagamentos através do PayPal cresceu 30% no segundo trimestre. A empresa parece resistir à pandemia de covid-19, que abalou o setor das viagens, cujos pagamentos estão muitas vezes associados a meios eletrónicos. …

Quatro pessoas morreram nos Estados Unidos depois de beberem desinfetante para as mãos

Quatro pessoas morreram nos Estados Unidos depois de ingerirem desinfetante para as mãos à base de álcool, revelou um relatório do Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) do país esta quarta-feira publicado. De …

Jim Hackett deixa a Ford após três anos de liderança

Ao fim de três anos como CEO da Ford, Jim Hackett será substituído por Jim Farley. Um mandato que fica marcado por problemas financeiros, de produção e pela morte dos três volumes e utilitários. O mandato …

Covid-19: Portugal tem mais 186 casos e quatro pessoas morreram desde sexta-feira

Portugal regista hoje mais quatro mortos e 186 novos casos de infeção por covid-19 em relação a sexta-feira, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde. De acordo com o relatório da DGS sobre a situação …

Versão americana da Eurovisão chega em 2021

O Festival Eurovisão da Canção — o maior espetáculo de entretenimento televisivo do mundo — vai chegar aos Estados Unidos no final do próximo ano. A novidade foi divulgada, esta sexta-feira (7), em comunicado oficial. A …

Contratações na TVI após apoios financeiros "suscitam preocupação"

O professor universitário e ex-ministro Miguel Poiares Maduro manifestou "preocupação" relativamente às contratações na TVI, da Media Capital, grupo que beneficia do apoio do Estado, através da compra antecipada de publicidade institucional. Em entrevista à Lusa, …

Invocando Sá Carneiro, Miguel Albuquerque também defende diálogo entre PSD e Chega

O Presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, defendeu que o PSD deve dialogar com vários partidos, incluindo o Chega de André Ventura. Depois de Rui Rio admitir em entrevista à RTP que poderá vir …

Sobe para 18 o número de mortos no acidente de avião na Índia

As autoridades indianas atualizara para 18 o número de mortes no acidente com o avião da Air India Express, que voava do Dubai para Kozhikode, no sul da Índia, e que se partiu em dois …

Luz verde para reabertura de centros de dia. DGS sugere dois metros de distância entre idosos

Os centros de dia vão poder reabrir a partir de 15 de agosto, mas de forma faseada e condicionados a uma avaliação prévia da Segurança Social e entidade de saúde local sempre que funcionem juntamente …

Vacina russa para a covid-19 preocupa cientistas. País pode estar a saltar etapas

Países de todo o mundo continuam na corrida por uma vacina contra a covid-19. A Rússia diz estar prestes a anunciar a vacina, deixando preocupada a comunidade científica, ao passo que Itália avança para os …