Teerão: “Insultos genocidas de Trump não acabarão com o Irão”

Michael Buholzer / swiss-image.ch / World Economic Forum

Mohammad Javad Zarif, Ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão

O ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Mohammad Javad Zarif, disse na segunda-feira que as “provocações genocidas” do presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, não “acabarão com o Irão”, enquanto as tensões entre os dois países aumentam.

“Os iranianos permaneceram de pé durante milénios, enquanto os seus agressores partiram todos. O #TerrorismoEconomico e o sarcasmo genocida não acabarão com o Irão”, escreveu o chefe da diplomacia iraniano no Twitter, citado pelo Raw Story. “Nunca ameace um iraniano. Tente o respeito – funciona!”, acrescentou.

A resposta do diplomata surgiu depois de Donald Trump ter sugerido, no domingo, que a república islâmica seria destruída se atacasse os interesses dos EUA. “Se o Irão quiser lutar, será o seu fim. Nunca mais ameacem os EUA”, indicou o Presidente norte-americano, também no Twitter.

A relação entre Washington e Teerão agravou há um ano, quando o Presidente norte-americano abandonou o acordo nuclear de 2015 com o Irão, impondo ao país duras sanções. As autoridades iranianas repetidamente classificaram essas sanções como “terrorismo económico”, afirmando que as mesmas impediram o fluxo de bens essenciais.

A tensão agravou nas últimas semanas, depois de os EUA anunciarem um reforço da sua presença militar no Médio Oriente para enfrentar presumíveis “ameaças” iranianas. Também na semana passada, o governo de Donald Trump ordenou a saída de funcionários diplomáticos não essenciais do Iraque.

Há poucos dias, os rebeldes Huthis do Iémen, apoiados pelo Irão, reivindicaram a sabotagem de quatro petroleiros num porto dos Emirados Árabes Unidos e de um ataque com ‘drones’ a um oleoduto saudita.

No domingo, um foguete foi disparado contra a Zona Verde da capital iraquiana, Bagdade, que abriga escritórios do governo e embaixadas, incluindo a missão dos EUA. Não ficou claro quem estava por trás do ataque.

De acordo com o Raw Story, a media norte-americana tem noticiado que o assessor de segurança nacional de Donald Trump, John Bolton, está a pressionar por uma guerra contra o Irão, mas outros membros da administração estão a resistir.

Na sua publicação no Twitter, Mohammad Javad Zarif afirmou que o Presidente norte-americano está a ser “instigado pela B Team”, um termo que usa para se referir a John Bolton, bem como ao primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, e aos príncipes da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos.

Antes da publicação de Donald Trump, o ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano minimizou a perspetiva de uma nova guerra. Contudo, Teerão ameaçou retirar-se gradualmente do acordo nuclear de 2015 se os parceiros que ainda fazem – Grã-Bretanha, China, França, Alemanha e Rússia – não ajudarem a contornar as sanções dos EUA.

No sábado, a Arábia Saudita apelou a negociações regionais de emergência para discutir as crescentes tensões no Golfo. O ministro de Estado para Assuntos Exteriores, Adel al-Jubeir, disse que o país não quer entrar em guerra com o Irão, mas, caso isso aconteça, irá defender-se.

A Arábia Saudita “não quer uma guerra, não está à procura de uma guerra e fará tudo para evitar isso”, disse. “No entanto, se o outro lado escolher a guerra, o reino responderá com força e determinação para se defender a si e aos seus interesses”, acrescentou.

Trump desmente diálogo

O presidente norte-americano, Donald Trump, disse que os Estados Unidos não procuram um diálogo com o Irão, acrescentando que Teerão deverá dar o primeiro passo se quiser negociar com Washington.

“Os media fake news publicaram, como de costume, uma informação falsa, de que os Estados Unidos estão a tentar uma negociação com o Irão”, escreveu Trump na rede social Twitter, acrescentando que o Irão “ligará quando estiver pronto”.

As relações entre Washington e Teerão sofreram um novo atrito há 10 dias, após o anúncio de um fortalecimento da presença militar dos EUA no Médio Oriente para lidar com as supostas “ameaças” do Irão. Trump disse na semana passada que, após esse reforço, “o Irão logo desejará discutir”, acrescentando: “Eu gostaria que eles me ligassem“. O ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Mohammad Javad Zarif, rejeitou o pedido.

As trocas de palavras tomaram um rumo mais violento durante o fim de semana, com o presidente norte-americano a dizer: “Se o Irão quiser lutar, será o fim oficial do Irão, não haverá mais ameaças contra os Estados Unidos”.

Historicamente, as más relações entre o Irão e os Estados Unidos deterioraram-se significativamente desde que Trump decidiu, em maio de 2018, denunciar unilateralmente o acordo nuclear internacional alcançado em Viena, capital austríaca, em 2015.

TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Ponte colapsa em Toulouse. Há pelo menos um morto

Uma ponte colapsou, esta segunda-feira de manhã em Toulouse, em França, provocando a morte de pelo menos uma pessoa. A ponte suspensa sobre o rio Tarn, na cidade de Mirepoix-sur-Tarn, caiu esta manhã. Um carro e …

ADN revelou quem teve casos extraconjungais nos últimos 500 anos

Os cientistas revelaram que membros da sociedade tinham mais probabilidade de ter filhos fora do casamento ao estudar o ADN de pessoas da Europa ocidental nos últimos 500 anos. A densidade populacional do local onde uma …

O Ártico pode ficar sem gelo no verão de 2044

As mudanças climáticas provocadas pelo Homem estão muito perto de tornar o Ártico livre de gelo, já a partir do verão de 2044. Um artigo científico, publicado recentemente na Nature Climate Change por investigadores da Universidade …

Estamos sozinhos no Universo? Cientistas detalham que exoplanetas poderiam albergar vida

Através da modelagem climática, uma equipa de cientistas da Universidade de Northwestern, nos Estados Unidos, apontou que tipo de planetas têm maior probabilidade de serem habitáveis. A descoberta pode ajudar os astrónomos a selecionar áreas …

Viagens ao Espaço têm um novo perigo desconhecido para os astronautas

Há um perigo inerente às longas viagens espaciais dos astronautas desconhecido até aos dias de hoje. Um novo estudo aponta que os cosmonautas podem ver o seu fluxo sanguíneo revertido na parte superior do corpo. A …

Macrocilix maia, a misteriosa traça que tem moscas a comer fezes nas suas asas

Macrocilix maia é uma espécie de traça que se destaca pela forma como se camufla dos seus predadores. Nas suas asas vê-se duas moscas a comer excrementos de pássaro. A natureza nunca falha em surpreender-nos e …

Há provas que ligam misteriosa doença que paralisa crianças a vírus raro

Pela primeira vez, foram encontradas provas da associação do Enterovírus D68, um vírus raro até há algum tempo, à Mielite Flácida Aguda, uma doença semelhante à poliomielite que tem afectado centenas de crianças, provocando a …

Antigos egípcios podem ter encurralado milhões de pássaros só para os mumificar

Novas evidências de ADN sugerem que os antigos Egípcios capturavam pássaros selvagens para sacrifícios ritualísticos (e para os poderem mumificar depois). As catacumbas egípcias contêm milhares de pássaros mumificados, especificamente íbis-sagrados (Threskiornis aethiopicus), empilhados uns sobre …

Estudo mostra que sondagens tendenciosas enviesam eleições políticas

Através de experiências práticas, uma investigação recente sugere que as sondagens tendenciosas podem influenciar e enviesar as eleições políticas, até mesmo nas grandes democracias. Enquanto uma eleição se aproxima no Reino Unido e uma votação presidencial …

A Rússia criou a arma mais mortífera da história. Foi há 72 anos

Comummente conhecida por AK-47, a espingarda Kalashnikov foi responsável por milhões de mortes durante a nossa História, sendo uma das armas mais populares do mundo e a mais fabricada pela indústria de armamento. Segundo o The Conversation, …