Teerão: “Insultos genocidas de Trump não acabarão com o Irão”

Michael Buholzer / swiss-image.ch / World Economic Forum

Mohammad Javad Zarif, Ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão

O ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Mohammad Javad Zarif, disse na segunda-feira que as “provocações genocidas” do presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, não “acabarão com o Irão”, enquanto as tensões entre os dois países aumentam.

“Os iranianos permaneceram de pé durante milénios, enquanto os seus agressores partiram todos. O #TerrorismoEconomico e o sarcasmo genocida não acabarão com o Irão”, escreveu o chefe da diplomacia iraniano no Twitter, citado pelo Raw Story. “Nunca ameace um iraniano. Tente o respeito – funciona!”, acrescentou.

A resposta do diplomata surgiu depois de Donald Trump ter sugerido, no domingo, que a república islâmica seria destruída se atacasse os interesses dos EUA. “Se o Irão quiser lutar, será o seu fim. Nunca mais ameacem os EUA”, indicou o Presidente norte-americano, também no Twitter.

A relação entre Washington e Teerão agravou há um ano, quando o Presidente norte-americano abandonou o acordo nuclear de 2015 com o Irão, impondo ao país duras sanções. As autoridades iranianas repetidamente classificaram essas sanções como “terrorismo económico”, afirmando que as mesmas impediram o fluxo de bens essenciais.

A tensão agravou nas últimas semanas, depois de os EUA anunciarem um reforço da sua presença militar no Médio Oriente para enfrentar presumíveis “ameaças” iranianas. Também na semana passada, o governo de Donald Trump ordenou a saída de funcionários diplomáticos não essenciais do Iraque.

Há poucos dias, os rebeldes Huthis do Iémen, apoiados pelo Irão, reivindicaram a sabotagem de quatro petroleiros num porto dos Emirados Árabes Unidos e de um ataque com ‘drones’ a um oleoduto saudita.

No domingo, um foguete foi disparado contra a Zona Verde da capital iraquiana, Bagdade, que abriga escritórios do governo e embaixadas, incluindo a missão dos EUA. Não ficou claro quem estava por trás do ataque.

De acordo com o Raw Story, a media norte-americana tem noticiado que o assessor de segurança nacional de Donald Trump, John Bolton, está a pressionar por uma guerra contra o Irão, mas outros membros da administração estão a resistir.

Na sua publicação no Twitter, Mohammad Javad Zarif afirmou que o Presidente norte-americano está a ser “instigado pela B Team”, um termo que usa para se referir a John Bolton, bem como ao primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, e aos príncipes da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos.

Antes da publicação de Donald Trump, o ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano minimizou a perspetiva de uma nova guerra. Contudo, Teerão ameaçou retirar-se gradualmente do acordo nuclear de 2015 se os parceiros que ainda fazem – Grã-Bretanha, China, França, Alemanha e Rússia – não ajudarem a contornar as sanções dos EUA.

No sábado, a Arábia Saudita apelou a negociações regionais de emergência para discutir as crescentes tensões no Golfo. O ministro de Estado para Assuntos Exteriores, Adel al-Jubeir, disse que o país não quer entrar em guerra com o Irão, mas, caso isso aconteça, irá defender-se.

A Arábia Saudita “não quer uma guerra, não está à procura de uma guerra e fará tudo para evitar isso”, disse. “No entanto, se o outro lado escolher a guerra, o reino responderá com força e determinação para se defender a si e aos seus interesses”, acrescentou.

Trump desmente diálogo

O presidente norte-americano, Donald Trump, disse que os Estados Unidos não procuram um diálogo com o Irão, acrescentando que Teerão deverá dar o primeiro passo se quiser negociar com Washington.

“Os media fake news publicaram, como de costume, uma informação falsa, de que os Estados Unidos estão a tentar uma negociação com o Irão”, escreveu Trump na rede social Twitter, acrescentando que o Irão “ligará quando estiver pronto”.

As relações entre Washington e Teerão sofreram um novo atrito há 10 dias, após o anúncio de um fortalecimento da presença militar dos EUA no Médio Oriente para lidar com as supostas “ameaças” do Irão. Trump disse na semana passada que, após esse reforço, “o Irão logo desejará discutir”, acrescentando: “Eu gostaria que eles me ligassem“. O ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Mohammad Javad Zarif, rejeitou o pedido.

As trocas de palavras tomaram um rumo mais violento durante o fim de semana, com o presidente norte-americano a dizer: “Se o Irão quiser lutar, será o fim oficial do Irão, não haverá mais ameaças contra os Estados Unidos”.

Historicamente, as más relações entre o Irão e os Estados Unidos deterioraram-se significativamente desde que Trump decidiu, em maio de 2018, denunciar unilateralmente o acordo nuclear internacional alcançado em Viena, capital austríaca, em 2015.

TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Biden revelou impostos de 2019 antes do debate. Pagou mais 200 mil dólares do que Trump

O candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, divulgou na terça-feira a sua declaração de impostos de 2019, horas antes do seu primeiro debate televisivo contra o republicano Donald Trump, que se viu …

IGAI. Oito elementos do SEF com processos disciplinares pela morte de ucraniano

A Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) vai instaurar oito processos disciplinares a elementos do SEF na sequência do inquérito que apurou as circunstâncias da morte de um cidadão ucraniano no aeroporto de Lisboa. Além dos oito …

Disney vai despedir 28 mil trabalhadores nos EUA devido ao "impacto prolongado da covid-19"

A Disney anunciou que vai despedir cerca de 28 mil trabalhadores dos seus parques de diversão, cruzeiros e outros eventos nos Estados Unidos devido à crise financeira causada pela pandemia de covid-19. A covid-19 chegou e …

OE2021: IVA gasto em alguns setores vai poder ser recuperado nas compras seguintes

O IVA suportado pelos consumidores em serviços ou produtos dos setores mais afetadas pelo impacto da pandemia vai poder ser recuperado nas compras seguintes realizadas nos mesmos setores, disse o ministro Pedro Siza Vieira. Em causa …

Temeu-se uma explosão em Paris. Mas foi "apenas" um caça a quebrar a barreira do som

Um avião militar que ultrapassou a barreira do som provocou esta quarta-feira o receio de que tivesse ocorrido uma explosão em Paris, já que o barulho foi ouvido em grande parte da capital francesa e …

Maduro propõe neutralizar sanções norte-americanas com Lei Antibloqueio

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, entregou na terça-feira um projeto de Lei Antibloqueio à Assembleia Constituinte (AC, composta unicamente por simpatizantes do regime) para neutralizar os efeitos das sanções impostas pelos Estados Unidos (EUA) …

Subsídio aos pobres na pandemia "não pode ser para sempre"

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, disse esta terça-feira que os subsídios destinados aos mais pobres pelo Congresso no âmbito da luta contra a pandemia de covid-19 “infelizmente para os demagogos e comunistas, não pode …

Reembolso do IVA do turismo e restauração pode demorar um ano se vier no IRS

A partir de 2021 os contribuintes poderão receber parte do valor do IVA de consumos no setor do turismo e restauração, medida anunciada pelo Governo na segunda-feira e que, antecipou a Deloitte, pode ser concretizada …

Novo lay-off passa a ser acessível para empresas com perdas entre 25% e 40%

As empresas com quebras de faturação homólogas entre 25% e 40% vão poder recorrer ao apoio à retoma progressiva, instrumento que passa também permitir a redução até 100% do horário quando a quebra de faturação …

Associação das Forças Armadas considera diretiva para comunicação inclusiva uma "provocação"

O presidente do Conselho Nacional da Associação de Oficiais das Forças Armadas (AOFA) afirmou que a nova diretiva do Governo que implementa uma comunicação inclusiva em todos os documentos oficiais é uma provocação aos militares …