Insegurança alimentar grave aumenta em todo o mundo — e “as perspetivas para o futuro não são boas”

A insegurança alimentar atingia quase 200 milhões de pessoas em todo o mundo em 2021, mais quase 40 milhões do que no ano anterior, devido a conflitos e crises climáticas e económicas, avançou a ONU.

De acordo com um relatório publicado esta quarta-feira pelas Nações Unidas, no ano passado, 193 milhões de pessoas em 53 países estavam em situação de insegurança alimentar aguda, ou seja, precisavam de assistência urgente para sobreviver.

A classificação engloba os níveis entre 3 e 5 da escala internacional de segurança alimentar: “crise”, “emergência” e “desastre”.

O número de pessoas nesta situação tem aumentado todos os anos desde 2016, quando este relatório passou a ser publicado anualmente pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), o Programa Alimentar Mundial e a União Europeia.

Como sublinha a ONU no documento, o relatório de 2021 não leva em conta a guerra na Ucrânia, que teve início em 24 de fevereiro deste ano e promete agravar as fragilidades de países altamente dependentes das exportações russas e ucranianas de cereais e fertilizantes, como por exemplo a Somália.

As projeções para 2022, que nesta fase incluem apenas 42 dos 53 países em causa, estimam que entre 179 e 181,1 milhões de pessoas poderão sofrer de insegurança alimentar aguda.

“A guerra já mostrou a natureza interligada e a fragilidade dos sistemas alimentares”, sublinha a FAO, avisando que “as perspetivas para o futuro não são boas”.

“Se não se fizer alguma coisa para apoiar as áreas rurais, a magnitude dos danos ligados à fome e à deterioração dos padrões de vida serão dramáticos. É necessário uma ação humanitária urgente em grande escala”, refere a organização.

O aumento registado em 2021 de pessoas que não sabem se vão ter alimentos no seu futuro próximo decorre de uma “combinação tóxica de conflitos, eventos climáticos extremos e choques económicos”, explica a FAO no relatório.

Os conflitos são a causa das dificuldades de sobrevivência alimentar para 139 milhões de pessoas, principalmente em países que passam por crises políticas e humanitárias como a República Democrática do Congo (RDC), a Etiópia, o Afeganistão ou o Iémen, os mais afetados.

As dificuldades económicas ligadas à pandemia de covid-19 foram, em 2021, menos graves do que em 2020, mas constituíram a principal causa de fome aguda para 30,2 milhões de pessoas em todo o mundo.

A ONU ressalva, no entanto, que os números também aumentaram porque a organização ampliou a cobertura geográfica do seu estudo, passando a incluir novos Estados como a RDCongo.

De acordo com a FAO, seriam necessários cerca de 1,4 mil milhões de euros de ajuda financeira imediata para aproveitar a época de plantio de sementes que decorre com vista a aumentar a produção em regiões de risco.

O tema vai estar em debate numa reunião que a FAO convocou para hoje para discutir possíveis ações de combate à insegurança alimentar no mundo.

  // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.