Em gesto inédito, Igreja Católica portuguesa procede a “estudo” para encontrar casos de abusos sexuais cometidos pelo clero

D. José Ornelas garantiu que a comissão terá total independência para averiguar as denúncias que cheguem através dos novos canais disponibilizados.

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) anunciou hoje a criação de um estudo a nível nacional que terá como objetivo recolher testemunhos de vítimas de abusos sexuais praticados por membros do clero. Para já, ainda não é conhecido o intervalo temporal em que a iniciativa irá decorrer ou quem serão os seus responsáveis, mas ao jornal Público, D. José Ornelas, presidente de CEP, garantiu que esta “gozará de real independência“, já que a Igreja “não tem medo, bem pelo contrário” das denúncias que possam surgir.

“Não vai ser a Conferência Episcopal a controlar essa comissão, que vai ter credibilidade e independência“, garantiu o responsável. Sobre o modo de funcionamento da iniciativa, D. José Ornelas revelou que “nenhum campo foi excluído“, estando a comissão atualmente numa fase de constituição.

No âmbito da Assembleia plenária da CEP, que decorre desde segunda-feira, foi ainda anunciado que as 21 comissões diocesanas criadas há cerca de um ano pela Igreja Católica para o acolhimento das queixas e proteção das vítimas passaram a contar com canais diretos de denúncias através de um site que foi criado especialmente para o efeito.

Daqui em diante, as comissões — iniciativa que acompanha as disposições do Papa Francisco, no sentido de que todas as dioceses criassem “um ou mais sistemas estáveis e facilmente acessíveis ao público — poderão ser contactadas por telefone, correio ou email.

Ao longo da semana, D. José Ornelas já havia garantido que a Igreja fará tudo “para apurar a verdade histórica” dos abusos sexuais no seio da Igreja Católica portuguesa. “Faremos tudo para proteger as vítimas, apurar a verdade histórica e impedir estas situações dramáticas que destroem pessoas e contradizem o ser e a missão da Igreja”, disse.

Portugal segue assim um caminho já percorrido por França, Irlanda, Alemanha, Polónia, Austrália ou Estados Unidos, todos países onde já foram levadas a cabo investigações para determinar a profundidade das teias de abusos sexuais praticados por membros do clero.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.