Identificada região do cérebro que codifica confiança na tomada de decisões

Liz Henry / Flickr

-

Uma equipa de investigadores da Fundação Champalimaud identificou, numa experiência com ratinhos, a região do cérebro responsável pela codificação do sentimento de confiança que condiciona o tempo de espera na tomada de uma decisão.

Ao desativarem com um composto químico a atividade dessa zona cerebral, o córtex orbitofrontal, que desempenha um papel importante na avaliação dos resultados das decisões e na aprendizagem, os cientistas verificaram que os ratinhos esperavam simplesmente pela recompensa – beber água.

“A sua decisão não foi afetada, mas tinham dificuldade em variar o seu tempo de espera” para tomar essa decisão, disse à Lusa um dos investigadores, Gil Costa, estudante de doutoramento a trabalhar para o Programa Neurociências da Fundação Champalimaud.

Na experiência, os ratinhos tiveram uma dificuldade para chegar à água: cheirar dois odores, um mais parecido com limão, outro com lima.

Perante cheiros semelhantes, os roedores demoravam mais ou menos tempo a esperar pela água, o que, no entender dos investigadores, reflete o grau de confiança na decisão, de que lhe trará ou não bons resultados, neste caso o acesso ou não à água.

“Sabemos esperar por um autocarro se estamos confiantes de que vai chegar” à paragem, comparou Gil Costa.

Além de terem identificado a região do cérebro responsável pela codificação do sentimento de confiança, o córtex orbitofrontal, a equipa de cientistas definiu uma fórmula matemática para o tempo ótimo de espera para cada grau de confiança.

“O modo como se tomam decisões mais certas ou erradas pode estar relacionado com a forma como geramos no cérebro estimativas de confiança, uma das variáveis usadas para percebermos melhor o mundo que nos rodeia”, assinalou Gil Costa.

O próximo passo da investigação, desenvolvida pela Fundação Champalimaud em colaboração com o Cold Spring Harbour Laboratory, em Nova Iorque, nos Estados Unidos, será estudar outras possíveis áreas do cérebro relacionadas com as estimativas de confiança e descobrir de onde vem o grau de incerteza que leva a cometer erros.

“Por que é que os animais altamente treinados continuam a fazer erros? Pensamos que não sabem muito bem escolher”, disse o investigador, associando esse comportamento a “níveis de incerteza”.

A equipa pretende continuar a fazer, em laboratório, comparações entre os comportamentos dos animais e dos humanos e testar se o valor de uma recompensa – dar mais ou menos água no caso dos ratinhos – altera o grau de confiança e o tempo de espera para tomar uma decisão.

“Vão esperar mais, menos” pela recompensa?, questionou Gil Costa.

As conclusões do estudo foram publicadas esta quinta-feira na revista Neuron.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"Evento raro". Nasceu uma baleia-branca no maior aquário do mundo (e o momento foi gravado)

Whisper, uma baleia-branca de 20 anos, deu à luz uma cria saudável em 17 de maio após uma gravidez de 15 meses, marcando a chegada do mais novo cetáceo do Georgia Aquarium, numa altura em …

Telemóveis são uma ferramenta poderosa contra a desigualdade de género em África

Ao dar às mulheres acesso a informação que, de outra forma, era quase impossível de obter, os telemóveis estão a salvar e a transformar vidas. De acordo com o site IFLScience, o estudo responsável por esta …

Desde março, morreram mais de 100 elefantes no Botsuana. Ninguém sabe porquê

As autoridades do Botsuana estão a investigar a morte de 110 elefantes na região do Delta do Okavango desde março, anunciou esta semana o Ministério do Meio Ambiente, Conservação de Recursos Naturais e Turismo daquele …

Um robô aprendeu a fazer uma omelete. E ficou melhor do que o esperado

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, treinou um robô a preparar uma omelete. Para os investigadores, avaliar se um robô cozinhou uma refeição com sucesso é uma fonte interessante de …

Covid-19 já matou mais no Reino Unido do que os bombardeamentos alemães da II Guerra

A pandemia de covid-19 já matou mais pessoas no Reino Unido do que os bombardeamentos alemães durante a II Guerra Mundial. O novo coronavírus oriundo da China já matou cerca de 50.000 pessoas em território …

Estudo mostra que os cães querem mesmo resgatar os seus donos do perigo

Um novo estudo mostra que os nossos amigos de quatro patas querem realmente salvar-nos em momentos de aflição, mas desde que saibam como o fazer. De acordo com o site Science Alert, os investigadores reuniram 60 cães …

Derek Chauvin foi detido, mas os precedentes mostram que o polícia pode sair impune

Derek Chauvin, o polícia responsável pela morte de George Floyd, foi detido e aguarda a sua primeira audiência. No entanto, há precedentes que sugerem que o agente pode sair impune. Derek Chauvin tem a sua primeira …

Cientistas encontram dois fragmentos do meteorito de Barcelona

Cientistas espanhóis encontraram dois pequenos fragmentos do chamado meteorito de Barcelona, que caiu, há mais de 300 anos, no dia de Natal. No dia 25 de dezembro de 1704, um meteorito rasgou os céus e caiu …

"Pressionaram-me para o denunciar". Higuita recorda amizade com Escobar

A relação de amizade entre René Higuita e Pablo Escobar levou a que o ex-futebolista fosse seguido pelas autoridades. A polícia chegou a pressioná-lo para denunciar Escobar. O antigo internacional colombiano René Higuita é provavelmente uma …

George Floyd. Portugal junta-se às manifestações mundiais contra o racismo

Cinco cidades portuguesas juntam-se hoje à campanha de solidariedade mundial contra o racismo, associando-se à luta pela dignidade humana na sequência da morte, a 25 de maio, do afro-americano George Floyd, sob custódia da polícia …