Identificada região do cérebro que codifica confiança na tomada de decisões

Liz Henry / Flickr

-

Uma equipa de investigadores da Fundação Champalimaud identificou, numa experiência com ratinhos, a região do cérebro responsável pela codificação do sentimento de confiança que condiciona o tempo de espera na tomada de uma decisão.

Ao desativarem com um composto químico a atividade dessa zona cerebral, o córtex orbitofrontal, que desempenha um papel importante na avaliação dos resultados das decisões e na aprendizagem, os cientistas verificaram que os ratinhos esperavam simplesmente pela recompensa – beber água.

“A sua decisão não foi afetada, mas tinham dificuldade em variar o seu tempo de espera” para tomar essa decisão, disse à Lusa um dos investigadores, Gil Costa, estudante de doutoramento a trabalhar para o Programa Neurociências da Fundação Champalimaud.

Na experiência, os ratinhos tiveram uma dificuldade para chegar à água: cheirar dois odores, um mais parecido com limão, outro com lima.

Perante cheiros semelhantes, os roedores demoravam mais ou menos tempo a esperar pela água, o que, no entender dos investigadores, reflete o grau de confiança na decisão, de que lhe trará ou não bons resultados, neste caso o acesso ou não à água.

“Sabemos esperar por um autocarro se estamos confiantes de que vai chegar” à paragem, comparou Gil Costa.

Além de terem identificado a região do cérebro responsável pela codificação do sentimento de confiança, o córtex orbitofrontal, a equipa de cientistas definiu uma fórmula matemática para o tempo ótimo de espera para cada grau de confiança.

“O modo como se tomam decisões mais certas ou erradas pode estar relacionado com a forma como geramos no cérebro estimativas de confiança, uma das variáveis usadas para percebermos melhor o mundo que nos rodeia”, assinalou Gil Costa.

O próximo passo da investigação, desenvolvida pela Fundação Champalimaud em colaboração com o Cold Spring Harbour Laboratory, em Nova Iorque, nos Estados Unidos, será estudar outras possíveis áreas do cérebro relacionadas com as estimativas de confiança e descobrir de onde vem o grau de incerteza que leva a cometer erros.

“Por que é que os animais altamente treinados continuam a fazer erros? Pensamos que não sabem muito bem escolher”, disse o investigador, associando esse comportamento a “níveis de incerteza”.

A equipa pretende continuar a fazer, em laboratório, comparações entre os comportamentos dos animais e dos humanos e testar se o valor de uma recompensa – dar mais ou menos água no caso dos ratinhos – altera o grau de confiança e o tempo de espera para tomar uma decisão.

“Vão esperar mais, menos” pela recompensa?, questionou Gil Costa.

As conclusões do estudo foram publicadas esta quinta-feira na revista Neuron.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

As montanhas geladas de Plutão são fruto de um processo único (e inverso ao da Terra)

As montanhas descobertas em Plutão durante o "flyby" da nave New Horizons pelo planeta anão em 2015 estão cobertas por um manto de metano gelado, criando depósitos brilhantes impressionantemente parecidos aos das cadeias de montanhas …

"DeepNude". Inteligência Artificial "tirou a roupa" a mulheres nas redes sociais

A empresa de informação Sensity alertou que mais de 100 mil imagens foram carregadas para um canal de Telegram onde um bot "tirou a roupa" de mulheres. A empresa de segurança Sensity revelou recentemente que existe …

Poluição atmosférica "custa" a cada citadino europeu 1.276 euros por ano

A poluição atmosférica "custa" 1.276 euros por ano a cada cidadão europeu residente em cidades, de acordo com um estudo da Aliança Europeia de Saúde Pública (EPHA) divulgado esta quarta-feira. O estudo chegou ao valor médio …

"Emergência arqueológica". O degelo dos Alpes está a "libertar" artefactos escondidos há milhares de anos

As alterações climáticas podem estar a ajudar os arqueólogos a encontrar artefactos escondidos nos glaciares do Alpes há milhares de anos. O derretimento dos glaciares dos Alpes está a "liberta" objetos que permaneceram congelados no tempo …

Thermite RS3 é o primeiro robô de combate a incêndios dos EUA (e está pronto a entrar ao serviço)

O Corpo de Bombeiros de Los Angeles, nos Estados Unidos, deu as boas-vindas ao mais recente membro da equipa: um bombeiro robótico. O Thermite RS3 é um rover de controlo remoto capaz de bombear milhares de …

Inventor dinamarquês que matou jornalista no seu submarino escapou da prisão (mas já foi apanhado)

O inventor dinamarquês Peter Madsen, condenado a prisão perpétua por torturar e assassinar a jornalista sueca Kim Wall, fugiu da prisão esta terça-feira.  As autoridades dinamarquesas capturaram-no minutos depois. Peter Madsen, o dinamarquês condenado a prisão …

Molécula descoberta por menina de 14 anos pode levar a uma cura para a covid-19

A jovem norte-americana de 14 anos, Anika Chebrolu, descobriu uma molécula que pode levar a uma potencial cura para a covid-19. Enquanto cientistas dos quatro cantos do mundo trabalham no desenvolvimento de uma vacina para a …

Cerca de 1.300 reclusos fogem de prisão no Congo após ataque do Estado Islâmico

Cerca de 1.300 reclusos escaparam de uma prisão na República Democrática do Congo na manhã de terça-feira, após um ataque reivindicado pelo Estado Islâmico, informou a Organização das Nações Unidas (ONU). Embora as autoridades locais tenham …

Amesterdão vai usar flores para impedir que os ciclistas estacionem bicicletas nas pontes

A cidade conhecida pelo uso de bicicletas, vai agora tomar uma medida em relação ao estacionamento destas nas pontes. Tudo para proteger as vistas para os seus famosos canais. Amesterdão orgulha-se de ser uma das cidades …

Morreu voluntário envolvido no ensaio da vacina de Oxford. Tinha 28 anos e era médico recém-formado

As autoridades de saúde brasileiras divulgaram esta quarta-feira a morte de um voluntário dos testes da vacina contra a covid-19, desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca e pela Universidade de Oxford. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), …