Identificada região do cérebro que codifica confiança na tomada de decisões

Liz Henry / Flickr

-

Uma equipa de investigadores da Fundação Champalimaud identificou, numa experiência com ratinhos, a região do cérebro responsável pela codificação do sentimento de confiança que condiciona o tempo de espera na tomada de uma decisão.

Ao desativarem com um composto químico a atividade dessa zona cerebral, o córtex orbitofrontal, que desempenha um papel importante na avaliação dos resultados das decisões e na aprendizagem, os cientistas verificaram que os ratinhos esperavam simplesmente pela recompensa – beber água.

“A sua decisão não foi afetada, mas tinham dificuldade em variar o seu tempo de espera” para tomar essa decisão, disse à Lusa um dos investigadores, Gil Costa, estudante de doutoramento a trabalhar para o Programa Neurociências da Fundação Champalimaud.

Na experiência, os ratinhos tiveram uma dificuldade para chegar à água: cheirar dois odores, um mais parecido com limão, outro com lima.

Perante cheiros semelhantes, os roedores demoravam mais ou menos tempo a esperar pela água, o que, no entender dos investigadores, reflete o grau de confiança na decisão, de que lhe trará ou não bons resultados, neste caso o acesso ou não à água.

“Sabemos esperar por um autocarro se estamos confiantes de que vai chegar” à paragem, comparou Gil Costa.

Além de terem identificado a região do cérebro responsável pela codificação do sentimento de confiança, o córtex orbitofrontal, a equipa de cientistas definiu uma fórmula matemática para o tempo ótimo de espera para cada grau de confiança.

“O modo como se tomam decisões mais certas ou erradas pode estar relacionado com a forma como geramos no cérebro estimativas de confiança, uma das variáveis usadas para percebermos melhor o mundo que nos rodeia”, assinalou Gil Costa.

O próximo passo da investigação, desenvolvida pela Fundação Champalimaud em colaboração com o Cold Spring Harbour Laboratory, em Nova Iorque, nos Estados Unidos, será estudar outras possíveis áreas do cérebro relacionadas com as estimativas de confiança e descobrir de onde vem o grau de incerteza que leva a cometer erros.

“Por que é que os animais altamente treinados continuam a fazer erros? Pensamos que não sabem muito bem escolher”, disse o investigador, associando esse comportamento a “níveis de incerteza”.

A equipa pretende continuar a fazer, em laboratório, comparações entre os comportamentos dos animais e dos humanos e testar se o valor de uma recompensa – dar mais ou menos água no caso dos ratinhos – altera o grau de confiança e o tempo de espera para tomar uma decisão.

“Vão esperar mais, menos” pela recompensa?, questionou Gil Costa.

As conclusões do estudo foram publicadas esta quinta-feira na revista Neuron.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Maior expedição científica de sempre ao Ártico parte hoje da Noruega

A maior expedição científica de sempre ao Ártico parte hoje para estudar durante um ano os efeitos visíveis das alterações climáticas no Pólo Norte. O quebra-gelo Polarstern, do instituto Alfred-Wegener, de Bremerhaven, na Alemanha, partirá do …

Asteróide "sorrateiro" pregou um susto à NASA e quase colidiu com a Terra em julho

Em finais de julho, um asteróide do tamanho de um campo de futebol pregou um susto à NASA quando passou a apenas 65.0175 quilómetros da Terra. Foi a maior rocha espacial a passar tão perto …

Vem aí o Dia 0. A Austrália vai ficar sem água (e pode não ser a única)

O Dia 0 está a chegar e a Austrália está prestes a ficar sem água. Os cientistas dizem que este é um aviso para todas as outras regiões em redor do mundo. Este dia vai marcar …

Mujahid é a misteriosa figura por detrás da propaganda talibã (mas pode nem ser real)

Zabihullah Mujahid pode não ser um nome reconhecido pelas pessoas, mas a verdade é que tudo aquilo que ele diz é escutado atentamente por todo o mundo. Mujahid é o porta-voz dos talibãs há 12 anos …

O rapper, a mulher adúltera, a caçadeira e a PIDE feminista. Polémica com videoclip de Valete

Numa altura em que continuam a contar-se as mulheres que morrem vítimas de violência doméstica, o último videoclip de Valete, um dos rappers mais reconhecidos do país, está a causar polémica. Há quem considere que faz …

Milhares de milhões de pássaros desapareceram dos EUA

Um quarto de todos os pássaros dos EUA desapareceram desde 1970, segundo uma pesquisa publicada esta quinta-feira na revista Science, que dá conta de uma perda de biodiversidade contabilizada em 30% da população total de …

Cruzeiro "exclusivamente para britânicos" levanta polémica

Uma brochura que prometia viagens de cruzeiro exclusivas para britânicos levou várias pessoas a queixarem-se da Saga, uma empresa especializada em serviços para clientes com mais de 50 anos. A empresa já remeteu as culpas …

Começou à "invasão" da Área 51. Já há detidos e até um festival

Pelo menos 75 pessoas já chegaram à Área 51, uma base militar secreta dos Estados Unidos, em resposta a um evento criado no Facebook. Milhão e meio de pessoas combinaram invadir esta sexta-feira esta zona misteriosa …

Guantánamo é a prisão mais cara do mundo: 13 milhões de dólares por prisioneiro

Guantánamo é a prisão mais cara do mundo. Para manter as instalações a funcionar, cada prisioneiro custa 13 milhões de dólares ao Estado norte-americano. A prisão de segurança máxima de ADX Florence, em Colorado, nos Estados …

Gabriela foi morta pelo ex-marido e os colegas convocaram uma vigília por ela

Gabriela Monteiro, de 46 anos, foi morta pelo seu ex-marido, junto ao Tribunal de Braga. O Theatro Circo, onde trabalhava há uma década, convocou uma vigília por ela. O homem esfaqueou a mulher no peito e pescoço …