Hong Kong. Condições dentro da universidade agravam-se e há já quem se entregue às autoridades

Jerome Favre / EPA

Enquanto os confrontos entre manifestantes barricados na Universidade Politécnica de Hong Kong e a polícia se intensificam, há já quem se entregue às autoridades. A falta de comida, medicamentos e agasalho são algumas das principais razões.

A chefe do Governo de Hong Kong, Carrie Lam, disse hoje que a única solução pacífica para o caos vivido na Universidade Politécnica é a rendição dos manifestantes que continuam escondidos nas instalações.

“Este objetivo só pode ser alcançado com a plena cooperação dos manifestantes”, afirmou Lam, em conferência de imprensa. A chefe do executivo sublinhou que os manifestantes devem “entregar as armas e sair pacificamente enquanto ouvem as instruções da polícia”.

Foram as primeiras palavras de Carrie Lam sobre o caos vivido na Universidade Politécnica desde domingo, naquele que já é o episódio mais violento desde o início dos protestos, em junho.

Lam estimou que cerca de 100 manifestantes estão ainda escondidos naquela universidade, uma das maiores do território, na área de Kowloon. Por outro lado, Lam indicou que 600 pessoas já deixaram o ‘campus’ universitário, incluindo 200 menores.

Dentro da Universidade Politécnica as condições são cada vez mais precárias, com falta de comida, medicamentos e agasalho para os manifestantes que se mantêm lá dentro.

“Vamos continuar a utilizar todos os meios para persuadirmos os restantes manifestantes a abandonarem o campus o mais brevemente possível, para que toda esta operação possa terminar de uma forma pacífica, estabelecendo as bases para a polícia pôr fim à violência em Hong Kong”, disse Carrie Lam, citada pelo South China Morning Post.

A polícia cercou nos últimos dias a Universidade Politécnica, tendo recorrido a balas de borracha, a granadas de gás lacrimogéneo e a canhões de água para conter a fuga dos manifestantes, que responderam com bombas incendiárias de fabrico caseiro, tijolos e flechas.

Muitos dos protestantes que se entregaram às autoridades estavam com hipotermia ou ferimentos resultantes dos confrontos com a polícia. As autoridades já admitiram a possibilidade de usarem balas reais caso a violência continua a escalar em Hong Kong. “Não vejo outra solução viável para além da rendição”, atirou o comandante Cheuk Hau-yip.

Apesar disso, houve mesmo manifestantes que conseguiram fugir do cerco feito pela polícia, fazendo rapel. Parece uma cena retirada de um filme, mas aconteceu na noite desta segunda-feira. A polícia ainda tentou evitar a fuga disparando vários projéteis, mas os manifestantes conseguiram escapar após serem recolhidos por motards que os esperavam do outro lado.

Lam assinalou que os menores de 18 anos não serão detidos no imediato, mas avisou que podem enfrentar acusações mais tarde.

Parlamento contra uso de máscaras

O Parlamento chinês disse hoje ser a única autoridade capaz de decidir sobre a mini Constituição de Hong Kong, depois do Supremo Tribunal do território ter declarado inconstitucional a proibição do uso de máscaras em protestos.

“A decisão do Supremo Tribunal de Hong Kong enfraquece seriamente a governação da chefe do Executivo e do Governo da RAE [Região Administrativa Especial]”, afirmou o porta-voz da Comissão de Assuntos Legislativos da Assembleia Nacional Popular (ANP) Jian Tiewei, citado pela imprensa oficial chinesa.

Jian Tiewei afirmou que apenas a ANP tem o poder de decidir se uma lei está ou não em conformidade com a Lei Básica de Hong Kong. “Nenhuma outra instituição tem o direito de fazer um julgamento ou tomar uma decisão”, sublinhou.

Na segunda-feira, o Supremo Tribunal da região administrativa especial chinesa declarou inconstitucional a “lei anti-máscara”, que entrou em vigor a 5 de outubro passado, medida decidida pelo Governo de Carrie Lam para tentar “acabar com a violência e restaurar a ordem”, devido à “situação de grande perigo público” que se vive no território há mais de cinco meses.

Na decisão, o Supremo Tribunal de Hong Kong afirmou que a proibição das máscaras é inconstitucional por impor mais restrições do que as necessárias aos direitos fundamentais da população.

De acordo com a imprensa, a China continua a apoiar a chefe do Executivo de Hong Kong e o trabalho das forças policiais.

“O Governo de Hong Kong está a tentar arduamente controlar a situação mas, se a situação se tornar incontrolável, o Governo central não ficará certamente de braços cruzados a assistir. Temos firmeza e poder suficientes para acabar com a instabilidade”, disse Liu Xiaoming, embaixador chinês no Reino Unido.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Quase 40% dos americanos com dificuldades financeiras. Doar sangue é a sua maior receita

A economia dos Estados Unidos (EUA), considerada uma das maiores do mundo, permitiu avanços sociais e tecnológicos inestimáveis. Contudo, atualmente, cerca de 40% dos norte-americanos afirmam ter dificuldade em pagar por comida, por habitação, por …

"Políticos devem ser colocados contra a parede". Greta pede desculpa

A ativista do clima Greta Thunberg pediu desculpa por ter dito que os políticos devem ser colocados “contra a parede”, após diversas pessoas terem considerado que a jovem estava a defender a violência. A sueca de …

Carnaval belga retirado da lista de Património Imaterial da UNESCO após queixas de antissemitismo

As festas da cidade de Aalst, na Bélgica, foram retirada da lista do Património Imaterial da Humanidade, depois de a UNESCO ter sancionado a presença de carros carnavalescos contendo imagens antissemitas. O presidente da Câmara …

Conselho de Ministros aprova proposta de OE2020 (e foram quase 10 horas de reunião)

O Conselho de Ministros aprovou hoje a proposta de Orçamento do Estado para 2020, dez horas depois de a reunião extraordinária ter começado, anunciou hoje o primeiro-ministro na sua página na rede social Twitter. "O Conselho …

Nova espécie de baleia mostra como este animal evoluiu para conseguir nadar

Cientistas descobriram uma nova espécie de baleia, que existiu há 35 milhões de anos, que pode dar novas pistas sobre como as baleias evoluíram para conseguir nadar. De acordo com a revista Newsweek, os investigadores analisaram …

Casal separado após sobreviver a Auschwitz reencontra-se 72 anos depois em Nova Iorque

Em 1944, David Wisnia e Helen "Zippi" Spitzer eram dois prisioneiros judeus e secretamente namorados que, miraculosamente, conseguiram sobreviver ao campo de concentração nazi Auschwitz, na Polónia. Porém, no final da guerra, foram separados depois de …

Benfica 4-0 Famalicão | Pizzi entrega saco cheio de Natal

O Benfica terminou o seu ano de Liga NOS com mais uma vitória, de novo por 4-0, tal como havia acontecido na anterior partida no Estádio da Luz, ante o Marítimo. Desta vez frente ao …

Morreu o ator Danny Aiello

Morreu esta quinta-feira, em Nova Jérsia, o ator Danny Aiello, que recordamos pelos seus muitos êxitos dos anos 80. Tinha 86 anos. "É com profunda dor que comunicamos que Danny Aiello, amado marido, pai, avô, ator …

Videojogo chinês incita jogadores a atacar os "traidores" em Hong Kong

Há um novo videojogo que está a ganhar popularidade na China. Chama-se "Fight the Traitors Together" e permite que os jogadores ataquem manifestantes de Hong Kong. No jogo, os jogadores podem bater nos manifestantes pró-democracia, sendo …

Mundial de Clubes proíbe demonstrações públicas de afeto

Começou na passada quarta-feira, dia 11 de dezembro, em Doha, capital do Catar, o Mundial de Clubes da FIFA, prova onde estão inseridos clubes como Flamengo e Liverpool. E esta até poderia ser mais uma …