Hiperatividade está mal diagnosticada em Portugal

O médico especialista em desenvolvimento infantil João Gomes Pedro alerta que a hiperatividade está mal diagnosticada em Portugal, havendo muitas crianças que tomam medicação sem necessidade enquanto outras deviam tomar e não o fazem.

Quando completa 50 anos de carreira, o pediatra fala à Lusa das suas preocupações atuais e aponta como um dos grandes desafios da pediatria moderna os problemas comportamentais e relacionais das crianças e dos adolescentes.

“Hoje talvez estejamos na linha de fronteira de passar do modelo patológico para o modelo relacional e isto faz a diferença na pediatria, na educação, na psicologia, em toda e qualquer atividade formativa”, afirma.

Para Gomes Pedro, que aprendeu e começou a prática clínica centrada no diagnóstico das doenças, hoje é fundamental estabelecer precocemente uma relação entre o pediatra, os pais e o bebé, preparando-os para as várias fases do desenvolvimento expectáveis e acompanhando-os nos problemas que daí possam advir.

É o que se passa com a Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção (PHDA): “Estas doenças e expressões aparecem porque o pessoal de saúde está mais sensível, mais atento às perturbações de comportamento do que há uns anos atrás”.

Gomes Pedro adverte, no entanto, que esse olhar, o começar a olhar para o comportamento, leva, como risco na intervenção dos profissionais, a considerarem quase matematicamente: “o menino está muito ativo, está hiperativo”. Segundo o pediatra, “é muito frequente os pais chegarem com uma criança com três anos e a dizer “ela deve ter hiperatividade e precisa de ser tratada”.

O especialista refere que, perante queixas de que as crianças estão muito ativas, pensa-se logo que “é uma síndroma de Attention deficit hyperactivity disease“, e sublinha que “os médicos que não estejam ainda bem formados, bem alicerçados no que é o comportamento normal do que é um sinal de risco no comportamento, receitam o metilfenidato” (fármaco para tratamento da PHDA), que nem sempre é a solução.

Isto comporta o “risco de se usar sistematicamente substâncias farmacológicas quando não há hiperatividade nenhuma“, pois “a atividade que vemos, por exemplo, num gabinete, é própria de uma criança com três, quatro ou cinco anos, que gosta de explorar e que, mais do que normal, é desejável”, sublinha.

“É que é ‘hiperativa’ toda a criança pequena, nomeadamente a criança que entra para o jardim-de-infância”, e é preciso ter isso bem presente e “não hiperdiagnosticar síndromas de défice de atenção que obrigam imediatamente a medicar”, refere.

O que acontece é que as pessoas estão mais despertas, o que comporta outros riscos: a hiperatividade e o défice de atenção hoje está, por um lado, sobrediagnosticado, e por outro, mal diagnosticado, o que significa que há crianças que tomam o metilfenidato sem precisarem e outras que precisariam e não o tomam.

“Há crianças hiperdiagnosticadas e outras crianças hipodiagnosticadas”, sublinhou, acrescentando que “a moral da história” é que é preciso garantir que não se deixa de diagnosticar uma hiperatividade e défice de atenção, que é facilmente corrigida farmacologicamente, mas que também não se começa a usar drogas quando não é necessário.

Não é que a medicação tenha muitos riscos, salienta, mas “um princípio fundamental na medicina é tratar quando é preciso e hoje a implicação de tratar não é só medicamentosa, mas é o acompanhar“.

A grande questão é que não existem ainda meios para garantir um diagnóstico exato da PHDA.

“Não há propriamente um meio tão concreto como fazer uma análise para ver se há uma infeção, uma apendicite. A gente vê que há uma alteração dos glóbulos brancos, que mesmo que não se palpe conveniente uma barriga para fazer o diagnóstico, há uma análise concreta que nos diz ‘há infeção nesta criança'”.

No domínio do comportamento, no chamado modelo relacional, isso não é tão fácil, pois embora haja testes, como o Connors e outros, que dão pistas para que se possa estar perante uma PHDA, é preciso que o pediatra – “deve ser ele a tomar conta destas crianças – tenha experiência e tenha competência para distinguir entre essa perturbação e uma atividade normal”.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

A consciência pode ser o resultado de física básica

Porque é que a minha consciência está aqui? Porque é que algumas coisas são conscientes e outras aparentemente não? Estas questões são todas aspetos do velho "problema mente-corpo". Em 1996, no livro "The Counscious Mind: In …

Carlos César é o "primeiro apoiante do Governo e do primeiro-ministro"

O líder parlamentar socialista rejeitou esta sexta-feira que a sua proposta para reduzir o IVA da tauromaquia represente uma desautorização do executivo, acentuando que é por convicção e posição institucional o primeiro apoiante do …

NASA acaba de divulgar novos dados sobre o misterioso Oumuamua

A NASA acaba de revelar novas informações sobre Oumuamua, o primeiro asteróide não oriundo do Sistema Solar já detetado. De acordo com uma nova publicação, o corpo interestelar é um "objeto relativamente pequeno e reflexivo.  Oumuamua, …

Espanha está a envenenar o Rio Tejo (é uma "indecência ecológica")

É um "cocktail de desastre" que está a sufocar o rio Tejo. Análises efectuadas à água do rio, desde a nascente em Espanha, até à foz em Portugal, revelam uma situação preocupante, e do outro …

Portuguesa que escondeu filha na mala do carro condenada a 5 anos de prisão

A mulher portuguesa que escondeu a filha na mala do carro, durante os seus primeiros 23 meses de vida, foi condenada a 5 anos de prisão, com 3 anos de pena suspensa, por ter causado …

Ex-primeiro-ministro da Macedónia fugiu do país num carro diplomático húngaro

O ex-primeiro-ministro macedónio Nikola Gruevski, condenado no seu país a dois anos de prisão por corrupção, passou pela Albânia em direção ao Montenegro no passado domingo num carro diplomático húngaro. A Hungria já garantiu não …

Governo avança com mais medidas para incentivar regresso de emigrantes

O Governo vai avançar com medidas “de caráter multidimensional” para apoiar o regresso de portugueses que emigraram e queiram regressar ao país, avançou esta quinta-feira o secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro. À margem …

Sete em cada dez quedas de idosos acontecem em casa (mas é possível evitá-las)

A expressão “lar, doce lar” parece perder algum sentido quando o último relatório da Organização Mundial de Saúde sobre quedas comprova que estas são a principal causa de morte acidental dos idosos e acontecem, maioritariamente, …

Armas, carros, fatos. 90 milhões de euros para equipar polícias

Os polícias vão receber, em 2019, armas, carros, coletes balísticos e fatos de proteção, bem como obras em instalações, no valor de 90,9 milhões de euros. Esta sexta-feira, em Cascais, o ministro da Administração Interna entrega …

Zero oferece galinha ao Governo para reciclar resíduos orgânicos

A associação ambientalista Zero vai oferecer ao Governo a galinha Balbina, um animal reciclador, chamando a atenção para a necessidade de investir em soluções para que cada cidadão possa reciclar os resíduos orgânicos em casa. “A …