Hiperatividade está mal diagnosticada em Portugal

O médico especialista em desenvolvimento infantil João Gomes Pedro alerta que a hiperatividade está mal diagnosticada em Portugal, havendo muitas crianças que tomam medicação sem necessidade enquanto outras deviam tomar e não o fazem.

Quando completa 50 anos de carreira, o pediatra fala à Lusa das suas preocupações atuais e aponta como um dos grandes desafios da pediatria moderna os problemas comportamentais e relacionais das crianças e dos adolescentes.

“Hoje talvez estejamos na linha de fronteira de passar do modelo patológico para o modelo relacional e isto faz a diferença na pediatria, na educação, na psicologia, em toda e qualquer atividade formativa”, afirma.

Para Gomes Pedro, que aprendeu e começou a prática clínica centrada no diagnóstico das doenças, hoje é fundamental estabelecer precocemente uma relação entre o pediatra, os pais e o bebé, preparando-os para as várias fases do desenvolvimento expectáveis e acompanhando-os nos problemas que daí possam advir.

É o que se passa com a Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção (PHDA): “Estas doenças e expressões aparecem porque o pessoal de saúde está mais sensível, mais atento às perturbações de comportamento do que há uns anos atrás”.

Gomes Pedro adverte, no entanto, que esse olhar, o começar a olhar para o comportamento, leva, como risco na intervenção dos profissionais, a considerarem quase matematicamente: “o menino está muito ativo, está hiperativo”. Segundo o pediatra, “é muito frequente os pais chegarem com uma criança com três anos e a dizer “ela deve ter hiperatividade e precisa de ser tratada”.

O especialista refere que, perante queixas de que as crianças estão muito ativas, pensa-se logo que “é uma síndroma de Attention deficit hyperactivity disease“, e sublinha que “os médicos que não estejam ainda bem formados, bem alicerçados no que é o comportamento normal do que é um sinal de risco no comportamento, receitam o metilfenidato” (fármaco para tratamento da PHDA), que nem sempre é a solução.

Isto comporta o “risco de se usar sistematicamente substâncias farmacológicas quando não há hiperatividade nenhuma“, pois “a atividade que vemos, por exemplo, num gabinete, é própria de uma criança com três, quatro ou cinco anos, que gosta de explorar e que, mais do que normal, é desejável”, sublinha.

“É que é ‘hiperativa’ toda a criança pequena, nomeadamente a criança que entra para o jardim-de-infância”, e é preciso ter isso bem presente e “não hiperdiagnosticar síndromas de défice de atenção que obrigam imediatamente a medicar”, refere.

O que acontece é que as pessoas estão mais despertas, o que comporta outros riscos: a hiperatividade e o défice de atenção hoje está, por um lado, sobrediagnosticado, e por outro, mal diagnosticado, o que significa que há crianças que tomam o metilfenidato sem precisarem e outras que precisariam e não o tomam.

“Há crianças hiperdiagnosticadas e outras crianças hipodiagnosticadas”, sublinhou, acrescentando que “a moral da história” é que é preciso garantir que não se deixa de diagnosticar uma hiperatividade e défice de atenção, que é facilmente corrigida farmacologicamente, mas que também não se começa a usar drogas quando não é necessário.

Não é que a medicação tenha muitos riscos, salienta, mas “um princípio fundamental na medicina é tratar quando é preciso e hoje a implicação de tratar não é só medicamentosa, mas é o acompanhar“.

A grande questão é que não existem ainda meios para garantir um diagnóstico exato da PHDA.

“Não há propriamente um meio tão concreto como fazer uma análise para ver se há uma infeção, uma apendicite. A gente vê que há uma alteração dos glóbulos brancos, que mesmo que não se palpe conveniente uma barriga para fazer o diagnóstico, há uma análise concreta que nos diz ‘há infeção nesta criança'”.

No domínio do comportamento, no chamado modelo relacional, isso não é tão fácil, pois embora haja testes, como o Connors e outros, que dão pistas para que se possa estar perante uma PHDA, é preciso que o pediatra – “deve ser ele a tomar conta destas crianças – tenha experiência e tenha competência para distinguir entre essa perturbação e uma atividade normal”.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Os raios caem duas vezes no mesmo lugar (e já se sabe porquê)

Um grupo de cientistas descobriu que cargas negativas dentro de uma nuvem não são descarregadas num único feixe, mas uma parte delas é armazenada e circulada através de canais, causando descargas repetidas no solo. Isto …

TESS caçou o seu primeiro planeta do tamanho da Terra

O satélite TESS (Transiting Exoplanet Survey Satellite) da NASA descobriu o seu primeiro exoplaneta do tamanho da Terra. Com o nome HD 21749c, é o mundo mais pequeno para lá do nosso Sistema Solar já …

Cientistas russos propõem combater lixo espacial com um "laço"

Um equipa de cientistas russos propõe capturar e remover os detritos espaciais que orbitam a Terra através de um módulo especial que seria ligado através de um cabo aos níveis superiores dos foguetes - seria …

Dia 768k. Problemas nos routers podem causar pequeno "apagão" da internet em maio

A certa altura no próximo mês de maio, a internet irá sofrer um pequeno "apagão" que impedirá o acesso de milhares de pessoas. O evento, conhecido como Dia 768k, já é esperado há algum tempo …

Empresa italiana quer os passageiros (quase) de pé no avião

A Aviointeriors Group, uma empresa italiana de interiores de aeronaves, quer convencer as principais transportadoras aéreas a ultrapassar receios legais e embarcar na ideia de viajar quase de pé nos aviões. A ideia passa por pequenos …

Tesla lança táxis sem condutor já no próximo ano

Elon Musk anunciou que a fabricante de automóveis elétricos vai lançar um serviço de táxis-robô nos Estados Unidos já em 2020. Esta segunda-feira, Elon Musk comprometeu-se com mais um objetivo com data marcada: a Tesla vai …

Bruxelas autoriza Governo a baixar IVA da luz de 23 para 6%

O Comité de IVA da Comissão Europeia decidiu desde 12 de abril que Portugal tem o sim de Bruxelas para baixar a taxa de IVA que diz respeito ao termo fixo (potência contratada) na fatura …

Moro apontou "dificuldade institucional" na Operação Marquês. Sócrates atirou-se ao "ativista político disfarçado de juiz”

O ministro da Justiça e Segurança Pública do Brasil, Sérgio Moro, disse esta segunda-feira que há uma "dificuldade institucional" em Portugal em fazer avançar o processo contra o antigo primeiro-ministro José Sócrates, tal como acontece …

Luanda já não é uma das cidades mais caras do mundo

A capital angolana já não é das cidades mais caras do mundo, avança o Jornal de Angola esta segunda-feira. No topo das cidades mais caras do mundo estão três destinos: Paris, Singapura e Hong Kong …

O novo presidente da Ucrânia tem 3 problemas para resolver (e um teste para passar)

Volodymyr Zelensky, o novo presidente da Ucrânia, tem três problemas para resolver: acabar com a guerra, baixar o preço do gás e lutar contra a corrupção. Estes são os três desejos mais repetidos pelos ucranianos esta …