Astrónomos descobrem que alguns planetas encolhem quando são bombardeados com a luz das suas estrelas

Robin Dienel, cortesia do Instituto Carnegie para Ciência

Uma equipa de astrónomos descobriu que uma classe intrigante de planetas do tamanho de Neptuno encolhe ao longo de milhares de milhões de anos.

Após séculos de estudo dos planetas no nosso Sistema Solar, os astrónomos questionam-se sobre a forma como os planetas se formam e evoluem para se tornarem aqueles que os observamos hoje.

Uma das descobertas mais surpreendentes da última década foi a descoberta de um novo ramo da “árvore genealógica” planetária, separando planetas ligeiramente maiores do que a Terra (superterras) daqueles um pouco mais pequenos que Neptuno (sub-Netuno).

No entanto, ainda não se sabe como estes planetas de tamanhos diferentes se formaram, uma vez que as observações são apenas uma única imagem de uma vida de milhares de milhões de anos para cada sistema planetário individual. Como os astrónomos não conseguem observar os planetas evoluindo em tempo real, analisam as populações de planetas para inferir como se formam e evoluem.

Uusando observações das missões da NASA Kepler e da ESA Gaia, Travis Berger, do Instituto de Astronomia da Universidade do Havai, e a sua equipa descobriram outra peça do quebra-cabeça de formação e evolução de planetas: conforme os planetas são bombardeados com luz intensa das suas estrelas hospedeiras, perdem a sua atmosfera gradualmente ao longo de milhares de milhões de anos.

A equipa usou os dados de Gaia nos tamanhos das estrelas para rever as estimativas dos tamanhos dos planetas e combinou-as com dados de cores estelares para determinar as idades das estrelas hospedeiras do planeta. Depois, compararam os efeitos da idade estelar em mais de 2.600 planetas detetados pelo Kepler.

Alguns planetas, especialmente aqueles que recebem mais de 150 vezes a luz que a Terra recebe do Sol, perdem a sua atmosfera ao longo de mil milhões de anos, uma vez que são inundados com calor e luz da estrela hospedeira.

“A perda de atmosferas planetárias em escalas de tempo de milhares de milhões de anos mostra que estes planetas perdem massa mesmo na velhice”, explicou Berger, em comunicado. “Uma das nossas principais descobertas é que os tamanhos dos planetas diminuem em escalas de tempo mais longas do que se pensava.”

“Embora os astrónomos tenham predito há muito tempo que os planetas deveriam diminuir de tamanho à medida que envelhecem, não sabíamos se isto poderia ocorrer em escalas de tempo de milhares de milhões de anos. Sabemos agora”, diz Berger. “O facto de vermos os tamanhos dos planetas mudarem em escalas de tempo de milhares de milhões de anos sugere que há um caminho evolutivo, onde planetas do tamanho de sub-Neptuno altamente iluminados passam a tornar-se planetas do tamanho das super-Terras.

Este estudo foi publicado em agosto na revista científica The Astronomical Journal.

Maria Campos Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Sporting 2-1 Santa Clara | Super-Coates volta a ser herói

Arrancado a ferros… à campeão? O Sporting esteve a poucos segundos de registar o terceiro empate em casa, perante um Santa Clara que não foi em nada inferior aos “leões” e até conseguiu ser superior em …

Os gatos demonstram ser menos leais do que os cães (mas pode haver uma razão)

Ainda existe um estereótipo sobre a diferença entre cães e gatos. Normalmente as pessoas associam os cães a animais amorosos e leais, enquanto os gatos são tidos como distantes e indiferentes. Um novo estudo pode …

O mistério do "lago dos esqueletos" na Índia intriga cientistas há décadas

O Roopkund, localizado na parte indiana dos Himalaias, é um lago glacial com centenas de ossos humanos. E ninguém sabe como foram lá parar. Em 1942, um guarda florestal revelou ao mundo a existência deste lago …

A fronteira mais importante da China é imaginária: a Linha Hu

A Linha Hu, também conhecida como linha Heihe-Tengchong, é uma linha imaginária que divida a China em duas partes com áreas quase iguais. Estende-se da cidade de Heihe até Tengchong. Desenhada pela primeira vez em 1935, …

Algumas pessoas moram em aeroportos durante meses (ou até mesmo anos)

Aeroportos não servem de casa apenas para os sem-abrigo. Há pessoas que, involuntariamente ou não, ficam lá durante meses e, em alguns casos, até mesmo anos. Em janeiro, as autoridades de Chicago prenderam um homem de …

Senado da Carolina do Sul aprova fuzilamento como método de execução

Com esta decisão, a Carolina do Sul poderá converter-se no quarto estado do país a incorporar este método de execução de pena de morte, depois do Utah, Oklahoma e Mississípi. De acordo com a agência noticiosa …

"Oxigénio tornou-se ouro". Criminosos lucram com a sua escassez no México

A pandemia de covid-19 deixou a Cidade do México a atravessar uma grande escassez de oxigénio médico. Criminosos estão a aproveitar para lucrar com a situação. A capital mexicana registou um pico de infeções e hospitalizações …

Meteorito do tamanho de um damasco caiu em França (e os astrónomos precisam de ajuda para encontrá-lo)

Os entusiastas do Espaço estão a ser instados a procurar um meteorito do tamanho de um damasco que caiu no fim de semana passado no sudoeste de França.  O meteorito, com peso estimado em 150 gramas, …

Professora pediu a alunos para fingir que eram escravos e escreverem carta para África

Uma professora de uma escola secundária no Mississippi, nos Estados Unidos, está a ser alvo de críticas devido a uma fotografia de um trabalho de casa divulgada nas redes sociais. Foi pedido aos alunos do 8.º …

Obra de Churchill que pertencia a Angelina Jolie vendida por valor recorde

O quadro pintado pelo antigo primeiro-ministro britânico foi vendido por 8,3 milhões de libras. A pintura foi um presente de Winston Churchill para o presidente dos Estados Unidos, Franklin D. Roosevelt, e agora foi leiloada …