Astrónomos descobrem que alguns planetas encolhem quando são bombardeados com a luz das suas estrelas

Robin Dienel, cortesia do Instituto Carnegie para Ciência

Uma equipa de astrónomos descobriu que uma classe intrigante de planetas do tamanho de Neptuno encolhe ao longo de milhares de milhões de anos.

Após séculos de estudo dos planetas no nosso Sistema Solar, os astrónomos questionam-se sobre a forma como os planetas se formam e evoluem para se tornarem aqueles que os observamos hoje.

Uma das descobertas mais surpreendentes da última década foi a descoberta de um novo ramo da “árvore genealógica” planetária, separando planetas ligeiramente maiores do que a Terra (superterras) daqueles um pouco mais pequenos que Neptuno (sub-Netuno).

No entanto, ainda não se sabe como estes planetas de tamanhos diferentes se formaram, uma vez que as observações são apenas uma única imagem de uma vida de milhares de milhões de anos para cada sistema planetário individual. Como os astrónomos não conseguem observar os planetas evoluindo em tempo real, analisam as populações de planetas para inferir como se formam e evoluem.

Uusando observações das missões da NASA Kepler e da ESA Gaia, Travis Berger, do Instituto de Astronomia da Universidade do Havai, e a sua equipa descobriram outra peça do quebra-cabeça de formação e evolução de planetas: conforme os planetas são bombardeados com luz intensa das suas estrelas hospedeiras, perdem a sua atmosfera gradualmente ao longo de milhares de milhões de anos.

A equipa usou os dados de Gaia nos tamanhos das estrelas para rever as estimativas dos tamanhos dos planetas e combinou-as com dados de cores estelares para determinar as idades das estrelas hospedeiras do planeta. Depois, compararam os efeitos da idade estelar em mais de 2.600 planetas detetados pelo Kepler.

Alguns planetas, especialmente aqueles que recebem mais de 150 vezes a luz que a Terra recebe do Sol, perdem a sua atmosfera ao longo de mil milhões de anos, uma vez que são inundados com calor e luz da estrela hospedeira.

“A perda de atmosferas planetárias em escalas de tempo de milhares de milhões de anos mostra que estes planetas perdem massa mesmo na velhice”, explicou Berger, em comunicado. “Uma das nossas principais descobertas é que os tamanhos dos planetas diminuem em escalas de tempo mais longas do que se pensava.”

“Embora os astrónomos tenham predito há muito tempo que os planetas deveriam diminuir de tamanho à medida que envelhecem, não sabíamos se isto poderia ocorrer em escalas de tempo de milhares de milhões de anos. Sabemos agora”, diz Berger. “O facto de vermos os tamanhos dos planetas mudarem em escalas de tempo de milhares de milhões de anos sugere que há um caminho evolutivo, onde planetas do tamanho de sub-Neptuno altamente iluminados passam a tornar-se planetas do tamanho das super-Terras.

Este estudo foi publicado em agosto na revista científica The Astronomical Journal.

Maria Campos Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Deco avança para tribunal contra Apple por manipulação de desempenho dos iPhones 6

A Deco Proteste anunciou esta segunda-feira que avançou com uma ação judicial contra a Apple, acusando-a de práticas enganosas por ter manipulado os iPhones 6, 6 Plus, 6S e 6S Plus para se tornarem obsoletos …

Crónica ZAP - Nota Artística por Nuno Miguel Teixeira

Nota artística: pouco Festival no FC Porto-Sporting

https://soundcloud.com/nuno-teixeira-264830877/fc-porto-0-0-sporting-o-musical Está bem: Futebol Clube do Porto contra Sporting Clube de Portugal. Segundo classificado recebe o líder. Jogo que pode praticamente definir o novo campeão nacional de futebol. O encontro é naquele estádio junto ao centro …

Índia e Paquistão comprometem-se a respeitar cessar-fogo em Caxemira

Na quinta-feira, o Paquistão e a Índia alcançaram um acordo para fazer cumprir o cessar-fogo na região de Caxemira, reivindicada pelos dois países. A fronteira entre ambos é palco frequente de ataques que deixam soldados …

Governo quer rever norma da dádiva de sangue que exclui homossexuais

O Governo determinou, esta segunda-feira, a constituição de um grupo de trabalho para rever a norma que exclui dadores "por comportamento sexual". De acordo com o SAPO24, o Ministério da Saúde determinou a constituição de um …

Governador de Nova Iorque volta a ser acusado de assédio sexual

O governador de Nova Iorque, Andrew Cuomo, foi acusado por outra ex-assessora de assédio sexual, que foi sua assistente executiva e conselheira de políticas de saúde até novembro do ano passado. Segundo noticiou no sábado o New …

Francisco Assis alerta Governo para riscos das raspadinhas

O presidente do Conselho Económico e Social (CES), Francisco Assis, vai promover um estudo sobre o impacto social do vício da raspadinha e informar o Governo, na esperança de que este repondere o lançamento da …

Mais de 75% dos refugiados sírios podem sofrer de stress pós-traumático

Mais de três quartos dos refugiados sírios podem estar a sofrer de distúrbios mentais, como transtorno de stress pós-traumático (TEPT), dez anos após o início da guerra civil no país. De acordo com um artigo do …

AVC foi a principal causa das 112.334 mortes em 2019

As doenças circulatórias foram as principais causas das 112.334 mortes verificadas em Portugal em 2019, divulgou esta segunda-feira o Instituto Nacional de Estatística, assinalando que a mais mortífera foi o acidente vascular cerebral (AVC). Em 2019, …

Iémen irá enfrentar a pior fome já vista nas últimas décadas. Guterres implora por generosidade

De acordo com a ONU, a situação humanitária no Iémen é muito grave e o país irá enfrentar a pior fome à qual o mundo já assistiu. Esta situação pode ser revertida se os seus …

"Um erro histórico". Tratado assinado em Portugal incentiva aquecimento global

Um tratado assinado em Lisboa concede um grande poder às empresas de energia para processar os Estados caso se sintam prejudicadas por políticas climáticas. O Tratado da Carta da Energia (TCE) é um acordo internacional assinado …