Guerra dos EUA contra o terrorismo causou mais de 37 milhões de deslocados em 20 anos

Pelo menos 37 milhões de pessoas foram deslocadas devido à guerra dos Estados Unidos (EUA) contra o terrorismo, lançada pelo governo do ex-Presidente George W. Bush há quase 20 anos, de acordo com um novo relatório sobre os custos desses conflitos, desenvolvido pela Brown University.

O relatório, divulgado na terça-feira, afirma ser o primeiro do género a mostrar a realidade sobre o número de pessoas deslocadas devido aos conflitos travados pelos EUA na chamada “guerra ao terrorismo”, noticiou o Business Insider.

“As guerras dos EUA pós-11 de setembro deslocaram à força pelo menos 37 milhões de pessoas no Afeganistão, Iraque, Paquistão, Iémen, Somália, Filipinas, Líbia e Síria. Isso excede os deslocados relacionados com todas as outras guerras desde 1900, exceto na Segunda Guerra”, revelou o relatório.

Milhões de outras pessoas foram deslocadas em conflitos menores que envolveram as forças dos EUA, como aconteceu em Burkina Faso, nos Camarões, na República Centro-Africana, no Chade, na República Democrática do Congo, no Mali, no Níger, na Arábia Saudita e na Tunísia, de acordo com o relatório.

Ainda segundo o relatório, mais de 25 milhões dos deslocados voltaram para casa. O retorno, contudo, “não apaga o trauma do deslocamento nem significa que os deslocados voltaram para as suas casas originais ou para uma vida segura”.

A situação dos deslocados causou “danos incalculáveis ​​a indivíduos, famílias, vilas, cidades, regiões e países inteiros, a nível físico, social, emocional e económico”, frisou o relatório.

Esta análise foi publicada poucos dias antes do 19.º aniversário dos ataques terroristas de 11 de setembro, que promoveram mudanças no mundo e continuam a ter um impacto na abordagem dos EUA nas relações externas. No geral, a guerra contra o terrorismo é amplamente vista como um fracasso massivo que custou aos EUA uma enorme quantidade de dinheiro, recursos e vidas, sublinhou Business Insider.

De acordo com o projeto Cost of War, da Brown University, o governo federal norte-americano já gastou mais de 6,4 biliões de dólares no guerra contra o terrorismo, que já vitimou mais de 800 mil pessoas. Os EUA mantêm tropas no Afeganistão, que invadiram em 2001, e o governo Trump está envolvido em negociações de paz com o Talibã.

Ainda segundo o Business Insider, grande parte dos historiadores concorda que a invasão do Iraque pelos EUA em 2003 potenciou o surgimento do Estado Islâmico, levando a um conflito novo no Iraque e na Síria, assim como ataques terroristas em todo o mundo.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Não é preciso ir tão longe. Fiquemos pelos 8 anos de mandato de Obama, vencedor do Nobel da paz, responsável por grande parte destes milhões com as guerras que assinou. Trump pelo contrário, tem retirado tropas de todo o lado, e ainda não desencadeou nenhuma guerra, só tratados de paz e sentar à mesa com a Coreia do norte. Um feito notável. Merecia muito mais o Nobel do que Obama

RESPONDER

Curados da covid-19 continuam com sintomas meses depois de terem contraído o vírus

Um estudo da Universidade de Oxford indica que 64% dos pacientes hospitalizados com o novo coronavírus apresenta falta de ar 2 a 3 meses depois de serem infetados. E quase 40% tem sintomas de depressão. Já …

Portugal vai estar no Mundial sub-20 (sem jogar o apuramento)

Todas as fases do Europeu sub-19 foram canceladas e a seleção portuguesa foi uma das eleitas para participar no Mundial do próximo ano. Portugal já sabe que vai estar na fase final do Mundial sub-20 (se …

Novos implantes cardíacos podem salvar 10 mil vidas por ano

O chamado envelope antibiótico envolve o implante cardíaco e previne infeções no paciente. Por ano, morrem cerca de 10 mil pessoas devido a infeções geradas pelo implante. O pacemaker é um pequeno aparelho que é colocado …

Banda dá concerto com músicos e público envoltos em bolhas de plástico para evitar contágio

A banda norte-americana Flaming Lips utilizou bolhas insufláveis ​​de tamanho humano num concerto em Oklahoma, uma solução para proteger os músicos e o público do novo coronavírus, enquanto tenta encontrar uma forma segura para atuar …

EUA. Especialista diz que as próximas semanas "vão ser as mais negras de toda a pandemia"

Um especialista em doenças infecciosas disse que no caso dos Estados Unidos, as próximas seis a 12 semanas vão ser as mais negras de toda a pandemia de covid-19. Michael Osterholm, diretor do Centro de Investigação …

Chelsea inscreve... Petr Cech

Antigo guarda-redes poderá voltar aos relvados nesta época, embora seja pouco provável, para já. Petr Čech entrou em campo pela última vez em maio de 2019, há quase um ano e meio. Já tinha anunciado a …

Disparos de satélites e naves do Star Trek? Relatório revela como seria uma guerra no Espaço

A criação da Força Espacial dos Estados Unidos evocou todos os tipos de noções fantasiosas sobre o combate no Espaço. Assim, um novo relatório explica o que é física e praticamente possível quando se trata …

Japão prepara-se para lançar água tratada de Fukushima no mar

O Japão vai libertar mais de um milhão de toneladas de água tratada da usina nuclear de Fukushima no mar, numa operação que levará cerca de 30 anos para ficar concluída. Ambientalistas e pescadores locais …

Turismo de mergulho? Submarino da "frota perdida" de Hitler aguarda o seu destino no fundo do Mar Negro

Coberto por “redes fantasmas” deixadas por pescadores, os destroços de um submarino U-20 enviado para o Mar Negro pela Alemanha nazi tornou-se recentemente tema de um documentário produzido na Turquia. Localizado a uma profundidade de 20 …

Novo estudo diz que Remdesivir não tem "impacto significativo" nos doentes com covid-19

Ao contrário do que se pensava, o medicamento antiviral remdesivir não reduz as mortes entre os pacientes com covid-19, sobretudo quando comparado com o tratamento padrão, de acordo com os resultados de um estudo internacional. Em …