Guerra dos EUA contra o terrorismo causou mais de 37 milhões de deslocados em 20 anos

Pelo menos 37 milhões de pessoas foram deslocadas devido à guerra dos Estados Unidos (EUA) contra o terrorismo, lançada pelo governo do ex-Presidente George W. Bush há quase 20 anos, de acordo com um novo relatório sobre os custos desses conflitos, desenvolvido pela Brown University.

O relatório, divulgado na terça-feira, afirma ser o primeiro do género a mostrar a realidade sobre o número de pessoas deslocadas devido aos conflitos travados pelos EUA na chamada “guerra ao terrorismo”, noticiou o Business Insider.

“As guerras dos EUA pós-11 de setembro deslocaram à força pelo menos 37 milhões de pessoas no Afeganistão, Iraque, Paquistão, Iémen, Somália, Filipinas, Líbia e Síria. Isso excede os deslocados relacionados com todas as outras guerras desde 1900, exceto na Segunda Guerra”, revelou o relatório.

Milhões de outras pessoas foram deslocadas em conflitos menores que envolveram as forças dos EUA, como aconteceu em Burkina Faso, nos Camarões, na República Centro-Africana, no Chade, na República Democrática do Congo, no Mali, no Níger, na Arábia Saudita e na Tunísia, de acordo com o relatório.

Ainda segundo o relatório, mais de 25 milhões dos deslocados voltaram para casa. O retorno, contudo, “não apaga o trauma do deslocamento nem significa que os deslocados voltaram para as suas casas originais ou para uma vida segura”.

A situação dos deslocados causou “danos incalculáveis ​​a indivíduos, famílias, vilas, cidades, regiões e países inteiros, a nível físico, social, emocional e económico”, frisou o relatório.

Esta análise foi publicada poucos dias antes do 19.º aniversário dos ataques terroristas de 11 de setembro, que promoveram mudanças no mundo e continuam a ter um impacto na abordagem dos EUA nas relações externas. No geral, a guerra contra o terrorismo é amplamente vista como um fracasso massivo que custou aos EUA uma enorme quantidade de dinheiro, recursos e vidas, sublinhou Business Insider.

De acordo com o projeto Cost of War, da Brown University, o governo federal norte-americano já gastou mais de 6,4 biliões de dólares no guerra contra o terrorismo, que já vitimou mais de 800 mil pessoas. Os EUA mantêm tropas no Afeganistão, que invadiram em 2001, e o governo Trump está envolvido em negociações de paz com o Talibã.

Ainda segundo o Business Insider, grande parte dos historiadores concorda que a invasão do Iraque pelos EUA em 2003 potenciou o surgimento do Estado Islâmico, levando a um conflito novo no Iraque e na Síria, assim como ataques terroristas em todo o mundo.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Não é preciso ir tão longe. Fiquemos pelos 8 anos de mandato de Obama, vencedor do Nobel da paz, responsável por grande parte destes milhões com as guerras que assinou. Trump pelo contrário, tem retirado tropas de todo o lado, e ainda não desencadeou nenhuma guerra, só tratados de paz e sentar à mesa com a Coreia do norte. Um feito notável. Merecia muito mais o Nobel do que Obama

RESPONDER

Cientistas criam verniz para superfícies que mata bactérias em poucos minutos

Uma equipa multidisciplinar de cientistas desenvolveu um verniz para superfícies que mata bactérias, mesmo as mais resistentes, em apenas 15 minutos, anunciou a Universidade de Coimbra (UC). Trata-se de “uma solução segura e eficaz para prevenir …

Num país marcado pelo racismo, Jane Bolin fez história tornando-se a primeira juíza negra dos EUA

A 22 de julho de 1939, Jane Bolin fez história ao prestar juramento como juíza na cidade de Nova Iorque. A jovem ocupou o cargo durante 40 anos e só saiu de cena quando atingiu …

A petrolífera Exxon está a culpá-lo pelas alterações climáticas

Nos últimos anos, as empresas petrolíferas têm-se afastado do discurso de negação das alterações climáticas. Gigantes globais de energia como a Total, a Exxon, a Shell e a BP reconhecem abertamente que a mudança climática …

"Muita fraternidade”. Portugal enviou vacinas para Cabo Verde

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta segunda-feira que os indicadores da pandemia de covid-19 em Portugal permanecem "muito estáveis" e que a última grande abertura no plano de desconfinamento não teve …

Mais de metade dos alunos LGBTQI sofre bullying na escola, diz relatório

Mais de metade dos alunos LGBTQI sofre 'bullying' na escola, alertou esta segunda-feira a UNESCO, por ocasião do Dia Internacional Contra a Homofobia, Bifobia e Transfobia. A Organização Internacional de Jovens e Estudantes LGBTQI (IGLYO) e …

Telescópio vai "caçar" a luz de 30 milhões de galáxias para mapear Universo e "revelar" energia escura

Um instrumento de um telescópio nos Estados Unidos vai capturar nos próximos cinco anos a luz de quase 30 milhões de galáxias e outros objetos cósmicos, permitindo aos cientistas mapearem o Universo e desvendarem os …

Portugal ficou acima da média europeia quanto ao teletrabalho

Dados do Eurostat sobre o teletrabalho durante a pandemia revelaram que Portugal registou uma média ligeiramente superior (13,9%) à da União Europeia (12,3%) entre as pessoas com idade dos 15 e os 64 anos. Em anos …

"Idiotas". Bolsonaro critica pessoas que mantêm isolamento social na pandemia

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, criticou os brasileiros que seguem as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e mantêm isolamento social na pandemia, a quem chamou de 'idiotas', em conversa com os seus …

SEF com 18 casos de exploração de imigrantes na agricultura na região Oeste

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) tem em investigação 18 casos associados a auxílio à imigração ilegal, angariação de mão-de-obra ilegal e tráfico de pessoas em explorações agrícolas da região Oeste desde 2017. Questionado pela …

Carlos Costa compara venda do Novo Banco a cabaz de fruta "parcialmente apodrecida"

O ex-governador do Banco de Portugal (BdP), Carlos Costa, considerou que o processo de venda do Novo Banco, em 2017, foi como alienar "um cabaz de fruta que está parcialmente apodrecida". "A questão é sempre a …