Guerra entre Líbano e Israel cada vez mais próxima

2

ATEF SAFADI/EPA

Avião de combate a incêndios extingue um incêndio na zona de Safad, no norte de Israel, causado por rockets disparados do Líbano a 12 de junho de 2024.

Cerca de 150 mil pessoas foram obrigadas a abandonar a região fronteiriça entre os dois países. No entanto, algumas ainda recusam sair do sul do Líbano, apesar dos confrontos e da ameaça de guerra total.

Os confrontos entre o Hezbollah e as forças de Israel parecem ter intensificado nas últimas semanas.

No início de junho, organizações de defesa dos direitos humanos denunciaram que Israel lançou munições de fósforo branco sobre cidades libanesas, violando as leis humanitárias internacionais. Esta semana, o Hezbollah lançou mais de 160 foguetes para o território israelita em retaliação pelo assassinato de dois dos seus comandantes.

Desde 7 de outubro de 2023, os ataques no sul de Israel por militantes do grupo extremista Hamas resultaram em mais de 1.200 mortos, e a situação na fronteira com o Líbano tem sido bastante tensa.

O Hezbollah, a poderosa organização que tem um papel dominante na vida política e social do Líbano, é aliado do Hamas e vê o Estado de Israel como inimigo.

Após duas guerras inconclusivas, em 1996 e 2006, as forças israelitas e o grupo libanês passaram a realizar ataques de retaliação entre os seus territórios, resultando num elevado número de mortos. Teme-se uma guerra total no Líbano.

Desde 7 de outubro, esses ataques têm aumentado dos dois lados da fronteira, em tamanho e alcance, elevando as preocupações de que os confrontos possam evoluir para uma guerra total no Líbano.

Vários políticos extremistas em Israel defendem que o país deveria atacar o Hezbollah. Uma sondagem divulgada este mês indica que a maioria dos israelitas vê como positiva a ideia de iniciar uma guerra com os extremistas no Líbano.

“Os ataques de 7 de outubro aumentaram dramaticamente a insegurança em Israel”, afirma uma análise divulgada em março pelo Centro para Estudos Estratégicos e Internacionais, com sede em Washington.

Se o Hamas, menos armado e treinado do que o Hezbollah, conseguiu matar brutalmente mais de 1.100 israelitas, o que conseguiria o ainda mais poderoso Hezbollah?”

Ainda não está claro se um conflito mais amplo realmente ocorrerá. Os atuais esforços diplomáticos internacionais dedicam-se a evitar que isso aconteça, com a maioria dos especialistas a argumentar que seria imprudente se Israel abrisse outra frente de batalha, enquanto ainda mantém suas operações em Gaza. Além disso, o Hezbollah é um adversário mais poderoso e muito melhor armado do que o Hamas.

Quanto ao Líbano, está atolado numa crise económica e política há anos. Mesmo que a população tenha simpatia pelos palestinianos, dos quais 37.000 foram mortos nos últimos oito meses na guerra em Gaza [segundo dados divulgados pelo próprio Hamas], é pouco provável que os libaneses – no meio da inflação, desemprego e incertezas políticas – apoiassem que o Hezbollah levasse o país a uma guerra.

Autoridades libanesas dizem que já ocorreram mais de 375 mortes no Líbano desde outubro de 2023, incluindo 88 civis, devido a ataques israelitas. Telavive, por sua vez, contabiliza 18 soldados e dez civis mortos pelo Hezbollah.

Milhares de deslocados

Dezenas de milhares de civis – cerca de 100.000 libaneses e mais de 60.000 israelitas – que vivem dos dois lados da fronteira tiveram de deixar as suas casas devido aos combates.

Os que deixaram o sul do Líbano estão relutantes em retornar, exceto em casos de total necessidade. Alguns voltaram em momentos de aparente calma para verificar as suas propriedades, ou, por exemplo, para assistir a funerais. No entanto, a maioria das lojas e mercados estava fechada, fazendo com que seja mais difícil encontrar suprimentos.

ZAP // DW

2 Comments

  1. Enquanto não travarem os prepotentes colonizadores e opressores da Palestina, a que chamam de israel, nunca haverá paz naquela região do mundo, para mais por serem altamente financiados pelos belicistas EUA, e terem a capacidade para matarem mais de 30 000 pessoas por cada “israelita” que morrer… Eles são os verdadeiros genocidas… preenchem integralmente a definição!

  2. Israel continua a ser atacado a partir do Líbano, o que vai provocar uma nova guerra.
    Já faltou mais, depois os libaneses vão queixar-se!

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.