/

Governo australiano volta a cancelar visto de Djokovic. Tenista poderá ser deportado

9

Jonathan Nackstrand / AELTC

Perante a decisão das autoridades australianas de proceder ao cancelamento do visto (passível de recurso), o tenista sérvio está impedido de entrar no país — e lá competir — durante três anos.

É mais um capítulo de uma novela que começou há semanas: o Governo australiano cancelou novamente o visto de Novak Djokovic, quando faltam apenas três dias para o início do Open daquele país. Depois de os tribunais ordenarem a libertação do tenista, que se encontrava detido num hotel após o primeiro cancelamento por parte das autoridades, o ministro da Imigração australiano, Alex Hawke, ficava com a última palavra na matéria, tendo optado por reforçar as regras apertadas do país no que respeita à entrada de cidadãos não vacinados — como é o caso do sérvio. O governante explicou que a decisão tinha por base “motivações de saúde e ordem pública”

Perante esta decisão, um cenário altamente provável é o da deportação do sérvio e a consequente impossibilidade de participar no torneio — que lhe poderia garantir a marca de primeiro tenista a conquistar 21 Grand Slams na carreira, estando atualmente empatado com Rafael Nadal e Roger Federer. Para além das consequências imediatas, Novak Djokovic fica ainda impedido — caso a deportação se confirme — de entrar na Austrália por três anos. Desta forma, também veria hipotecada a competição nas próximas edições do Open da Austrália, o qual já venceu por nove vezes, três das quais nos últimos três anos.

Na sua declaração, Alex Hawke fez questão de vincar que a conceção de autorização ao sérvio para permanecer no país aconteceu apenas por “razões de equidade processual”, tendo, para a sua tomada de decisão, “considerado cuidadosamente toda a informação providenciada” por Djokovic, a sua equipa e a as autoridades fronteiriças australianas. “O nosso Governo está muito comprometido com a proteção das fronteiras australianas, sobretudo em relação à pandemia da covid-19″, destacou.

Também Scott Morrison, primeiro-ministro australiano, abordou a questão e fez questão de sublinhar os “muitos sacrifícios” que os australianos fizeram durante a pandemia, pelo que os seus cidadãos “esperam, e bem, que os resultados desses sacrifícios sejam protegidos“. “O que o ministro fez hoje é tomar decisões sobre o assunto”. Morrison esclareceu ainda que não abordará novamente o assunto “devido aos expectáveis trâmites legais que o processo deverá seguir”.

Numa reação imediata, a equipa de advogados do tenista já fez saber que irá recorrer da decisão, tendo sido ouvida em tribunal esta manhã — noite na Austrália. Durante a audição, os representantes de de Djokovic esclareceram que o desportista não se encontra detido e que este está disponível para prestar mais declarações, o qual deverá acontecer amanhã. O depoimento do tenista — assim como o de Alex Hawke — será considerado para a decisão final dos juízes, que só deverá acontecer no domingo, poucas horas antes da primeira partida que o sérvio deveria disputar em solo australiano.

No momento em que a decisão do ministro australiano foi conhecida, Andy Murray, um dos tenistas que mais veemente tem condenado as escolhas de Djokovic, jogava em Sidney, tendo sido confrontado pelos jornalistas com as recentes notícias. Desta feita, preferiu não dar continuidade às críticas. “Não vou ficar aqui a atacá-lo enquanto ele está mal. Disse-o no outro dia e volto a repetir, esta situação não é boa para ninguém”. Ao longo das últimas semanas, mais tenistas do circuito se mostraram contra as atitudes do sérvio, como Rafael Nadal e Stefanos Tsitsipas. O grego, atual número quatro do ranking, acusou Dojokovic de “jogar segundo as próprias regras”.

“Tem estado a jogar segundo as próprias regras. Ninguém pensou ‘posso ir à Austrália sem me vacinar e sem ter de seguir os protocolos‘. Para o Novak funcionou de outra maneira e é preciso muito atrevimento para o fazer. Colocou em risco a sua participação num grande Slam, acho que muitos jogadores não fariam isso“, disse a um órgão de comunicação social indiano.

“Há duas maneiras de ver as coisas: uma é que quase todos os jogadores se vacinaram e fizeram o que tinham de fazer para vir à Austrália. Mas parece que nem todos estão a seguir as regras da Tennis Australia. Uma pequena minoria decidiu seguir o seu próprio caminho. Fazem com que pareçamos que tontos“, lamentou.

 

  Ana Rita Moutinho //

9 Comments

      • Engraçado como os auto intitulados liberais são os mais fascistas.

        Vou me rir e apoiar, quando o tipo de tirania a quem vocês estão a dar vós e poder, lentamente começar a vos tirar a vossas liberdades.
        Ou acham que vai ficar por aqui? quem ganha poder procura mais, se estudassem um pouco de historia iam perceber.

        mas vocês são ignorantes e ou orgulhosos demais para visualizar onde estamos a ir..

        Quando os “negacionistas” disseram que iriamos precisar de múltiplas vacinas, e mandatos de obrigatoriedade, vocês também disseram que era só teorias (da conspiração) era só achatar a curva.

        Este espaço é um vácuo para malucos de esquerda liberal (com tiques de fascista)

        • Ehehehe… os “filmes” que essa mente iluminada faz…
          “Engraçado como os auto intitulados liberais são os mais fascistas.”
          É… os malandros do governo da Austrália são mesmo uns “malucos de esquerda liberal (com tiques de fascista)” do pior!…
          O “poder corrompe” e, mais alguns meses e a Austrália estará transformada numa Coreia do Norte… é que nem o facto da Austrália estar no top ten dos países mais democráticos do mundo, os safa!…

          Também é engraçado responderes ao meu comentário, não comentando NADA do que eu escrevi…
          O sérvio pensava que estava na Servia (onde faz o que lhe apetece) mas, correu mal…

          É “voz” e não “vós”.

  1. Os Nazis também tinham regras.. os Judeus não podiam ter posses. Assim como o governo racista do apartheid.. os negros não podiam entrar em X locais.

    A incapacidade das pessoas verem o paralelo é chocante

    Se o tenista já fez testes a provar que não está infetado (e pode fazer mais), já esteve de quarentena, porque a psicose da vacina?
    Mesmo que estivesse vacinado poderia adquirir e transmitir o vírus (que por esta altura já é tão ou menos mortal que a gripe?

    Este fundamentalismo estupido só ajuda a revelar os ignorantes do mundo e aqueles que ajudam e ajudaram no passado a dar poder a tiranos, mas na mente destes são os virtuosos..

    • “Os Nazis também tinham regras.. os Judeus não podiam ter posses. Assim como o governo racista do apartheid.. os negros não podiam entrar em X locais.”
      “A incapacidade das pessoas verem o paralelo é chocante”
      Exato; entre a Austrália em 2022 e o regime nazi ou o apartheid há mesmo um paralelo evidente… as “pessoas” passam tempo a mais nos “Facebook’s das Internet’s” e depois deixam de conseguir ver o óbvio!…
      Felizmente existem os “Migueis Iluminados” para alertar a malta…

      Agora a sério:
      Se ele não está vacinado nem cumpre as regras para as exceções , qual é a tua dúvida?!!

  2. A palavra “conceção” está mal aplicada, é concessão (permissão, etc.).

    Conceção (A.O.) ou concepção significa criação, produção, etc. o que não é o caso no texto.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.