Governo admite reduzir indemnizações

Rodrigo Gatinho / portugal.gov.pt

Pedro Mota Soares

Pedro Mota Soares

O Governo admitiu hoje querer reduzir as indemnizações por despedimento sem justa causa, mas lembrou que a medida já constava do memorando de entendimento anterior e explica que pretende dinamizar o mercado laboral.

Em comunicado hoje divulgado, o Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social adianta que o Governo quer “estudar com os parceiros sociais as melhores opções de políticas, por forma a dinamizar o mercado laboral“.

A reacção do Ministério liderado Pedro Mota Soares surge na sequência de notícias hoje divulgadas pela TSF sobre a intenção do Governo de negociar com os parceiros sociais uma proposta de redução das indemnizações por despedimento sem justa causa.

Segundo a rádio, que teve acesso à versão final do memorando a negociar na última avaliação com a troika, o objectivo do Governo é a reanimação da contratação colectiva e diminuir o valor das indemnizações por despedimento sem justa causa, aproximando-o das compensações pagas por despedimentos dentro da lei.

De acordo com o Ministério, a prioridade é “desbloquear a contratação colectiva”, já que o Governo “não está satisfeito com os actuais números de contratos colectivos e portarias de extensão”.

Este objectivo “implica rever os critérios de representatividade das associações subscritoras dos contratos colectivos, que foram determinados pela troika e que levaram a uma diminuição dos novos contratos colectivos”, acrescenta o Governo.

Segundo refere na mesma nota, a revisão dos critérios visa dar “destaque à representatividade das pequenas e médias empresas, o que permitirá o aumento da contratação colectiva”.

Em Novembro passado, o Governo tinha-se comprometido a analisar formas de desincentivar os trabalhadores de recorrer aos tribunais nos casos de despedimento sem justa causa e admitiu que iria discutir o assunto com a troika até à décima avaliação.

A medida faz parte do relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI) relativo à oitava e nona avaliação do programa de ajustamento português, embora esse documento não refira qualquer forma de “desincentivo”

Contactados pela Lusa, os dirigentes dos sindicatos garantiram que irão rejeitar esta proposta do Governo.

O líder da CGTP, Arménio Carlos, considerou que diminuir o valor das indemnizações por despedimento sem justa causa é inconstitucional e defendeu que a medida visa facilitar os despedimentos e baixar os salários.

Por seu lado, o secretário-geral da Federação Sindical da Administração Pública (FESAP), que também é dirigente da UGT, acusou o Governo de estar a provocar um recuo civilizacional.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Na Saúde, Warren torna-se alvo de ataques. Mas o foco é "derrotar Trump"

O maior debate televisivo para umas eleições primárias na história dos EUA juntou 12 candidatos num só palco. Foi o primeiro debate para o qual o ex-vice-Presidente Joe Biden não partiu com vantagem, tendo a …

Trump sugere que os mexicanos são uma ameaça terrorista maior do que o Daesh

O Presidente Donald Trump sugeriu que os mexicanos são uma ameaça muito maior do que o Daesh. Respondendo uma vez mais às críticas sobre ter retirado as tropas dos Estados Unidos (EUA) junto à fronteira …

Grécia. Incêndio em campo de refugiados deixa 600 pessoas sem alojamento

Um incêndio no campo de identificação e registo de migrantes de Vathy, na ilha grega de Samos, deixou 600 refugiados sem alojamento, alertou na terça-feira a organização não-governamental (ONG) Médicos Sem Fronteiras (MSF). "Em Vathy, seis …

Lista candidata à Ordem dos Enfermeiros excluída por ter poucos homens

Uma das listas candidatas às eleições para a Ordem dos Enfermeiros foi excluída por ter poucos homens. A comissão eleitoral nomeada explica que a lista não respeita a lei da paridade, aprovada pela Assembleia da …

“É a desilusão”. PSD queria novos ministros na Saúde, Educação e Justiça

  O PSD defendeu esta quarta-feira que "não há um novo Governo", mas "uma remodelação com alargamento", com um executivo aumentado e "mais partidário", considerando "uma desilusão" a continuidade em pastas como Saúde, Educação e Justiça. "Não …

Dobradinha poderá render 1,6 milhões de euros a Bruno Lage

Caso consiga alcançar a dobradinha, isto é, vencer o campeonato e a Taça de Portugal, o treinador do Benfica, Bruno Lage, receberá em prémios cerca de 1,6 milhões de euros brutos, avança a imprensa desportiva. A …

Lisboa aumenta seis vezes IMI de prédios devolutos nos centros

A Câmara de Lisboa vai aumentar, em 2020, seis vezes a taxa do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) para os prédios devolutos nas zonas de maior pressão urbanística, anunciou esta quarta-feira o vereador das Finanças, …

Polícia entrou na federação de futebol da Bulgária e deteve cinco pessoas

Já depois de Borislav Mihailov se ter demitido da presidência da federação da Bulgária, uma unidade da estrutura policial que luta contra o crime organizado no país entrou esta terça-feira na sede da federação, em …

Família holandesa vivia há 9 anos numa cave à espera “do fim dos tempos”

A policia holandesa encontrou uma família de seis pessoas na cave de uma quinta no nordeste do país, onde viviam em isolamento há nove anos e, segundo a imprensa, esperavam “o fim dos tempos”. A polícia …

Kim Jong-un subiu montanha sagrada a cavalo (e deixou a Coreia à espera de um grande anúncio)

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, foi ao monte Paektu, a montanha considerada sagrada pelos norte-coreanos, dar um passeio a cavalo. As imagens foram divulgadas pela agência estatal KCNA, tendo surgido especulações de que virá aí …