FMI admite que dívida da Grécia é insustentável sem extensão de prazos e novas reformas

Julien Warnand / EPA

Christine Lagarde, Jeroen Dijsselbloem

Christine Lagarde, Jeroen Dijsselbloem

O FMI afirmou que a dinâmica da dívida pública grega é insustentável e defendeu uma extensão das maturidades dos empréstimos europeus em conjunto com novas reformas para inverter essa tendência ou, se isso falhar, um corte da dívida.

Em cima de uma já muito elevada dívida, as novas necessidades de financiamento tornam a dinâmica da dívida pública insustentável“, afirma o Fundo Monetário Internacional (FMI), numa análise à sustentabilidade da dívida da Grécia que data de 26 de junho (dia do anúncio do referendo), divulgada apenas esta quinta-feira.

Para a instituição liderada por Christine Lagarde, “para garantir que a dívida é sustentável, as políticas gregas vão ter de voltar ao caminho definido, mas também, pelo menos, as maturidades dos empréstimos europeus terão de ser estendidas significativamente”, enquanto os novos financiamentos europeus, previstos para assegurar as necessidades de financiamento nos próximos anos, “terão de ser garantidos com base em termos concessionais semelhantes”.

No entanto, alerta o FMI, se o “pacote de reformas em consideração for ainda mais enfraquecido – em particular através de uma redução das metas de excedentes orçamentais primários ou de reformas estruturais menos robustas – vão ser necessários cortes [haircut] na dívida“.

A instituição sediada em Washington lembra que numa análise realizada em maio do ano passado, a dívida pública da Grécia “estava a regressar ao caminho da sustentabilidade, embora permanecesse altamente vulnerável a choques”.

“No final do verão de 2014, com as taxas de juro a descer, parecia que não seria necessário um alívio da dívida ao abrigo do acordo de novembro de 2012. Mas várias alterações nas políticas desde então – além de um excedente orçamental primário e um esforço reformista mais fraco – estão a criar novas necessidades de financiamento”, explica o FMI.

Estas necessidades, aponta a entidade no relatório, podem significar 50 mil milhões entre outubro de 2015 até ao final de 2018, requerendo “novo dinheiro europeu” de pelo menos 36 mil milhões durante esse período de três anos.

O relatório do Fundo foi divulgado numa altura em que os credores internacionais da Grécia decidiram adiar as negociações com o Governo grego para depois do resultado do referendo de domingo.

Os responsáveis pela análise lembram que depois da conclusão do documento, as autoridades gregas encerraram o setor bancário, impuseram um controlo de capitais (na segunda-feira) e não pagaram o reembolso de cerca de 1.500 milhões de euros devido até terça-feira passada, como previsto.

“Estes desenvolvimentos devem ter um impacto significativo e adverso na economia e nas finanças gregas que ainda não foi refletido nesta análise”, salvaguardam.

/Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Mais 300 000 000€ de dívida e já foram perdoados 70 000 000€ … É demasiado para procederem como o têem feito. Derrocada gigantesca nestes 5 meses. Cada dia que passa o caudal do endividamento é colossal…
    Nós corrigimos e ao fim de 3 anos reentramos nos mercados…
    2ª Feira os bancos gregos podem não abrir sequer.

RESPONDER

Estão a chegar poemas às caixas de correio. A ideia é combater a solidão

“Palavras Vizinhas” é um projeto que pretende contribuir para o combate à solidão e desenvolvimento do sentido de comunidade, através da poesia. Os envelopes sem remetente nem destinatário trazem poemas manuscritos lá dentro. Tudo começou quando …

Ministra da Cultura francesa promete reabertura de Notre-Dame em 2024

A catedral de Notre-Dame, em Paris, vai reabrir em 2024, prometeu, esta quarta-feira, a ministra da Cultura francesa, na véspera de se completarem dois anos desde que um incêndio devastou o mundialmente famoso monumento. A promessa …

“É urgente“. Ex-ministros da educação querem abertura das escolas no verão

Os antigos ministros da educação, Maria de Lurdes Rodrigues e Marçal Grilo, defendem a abertura de escolas no verão para responder às dificuldades causadas pela pandemia. Maria de Lurdes Rodrigues e Marçal Grilo concordam que “é …

"Tirámos Trump de lá". Funcionário da CNN admite que canal quis ajudar Biden a vencer eleições

Um funcionário da CNN falou abertamente com um jornalista disfarçado sobre as motivações políticas que a emissora teve durante a eleição presidencial de 2020. A investigação foi divulgada pela Fox News, que relatou que o funcionário …

Cem mil famílias vão receber 1.300 euros para melhorar conforto térmico de casa

Cerca de 100 mil famílias carenciadas vão receber vouchers no valor de 1.300 euros para melhorar a eficiência energética das suas casas. Parte do dinheiro da “bazuca europeia” vai destinar-se a melhorar a eficiência energética. O …

Juventude Popular defende que corrupção deve prescrever apenas ao fim de 20 anos

A Juventude Popular (JP) preparou um conjunto de "propostas contra a corrupção" e defende que crimes como corrupção ativa e passiva devem prescrever ao fim de 20 anos. A Juventude Popular (JP) defende que crimes como …

EUA abrem "a cada 10 horas" uma nova investigação contra a China

O Departamento Federal de Investigação (FBI) dos Estados Unidos tem mais de duas mil investigações abertas relacionadas com o governo chinês e abre uma nova “a cada 10 horas”, disse o diretor da instituição ao …

São Miguel em Alto Risco a partir das 00h00 de sexta-feira

A ilha de São Miguel, nos Açores, entra oficialmente em situação de Alto Risco de contágio a partir da meia noite desta sexta-feira. A ilha de São Miguel, nos Açores, vai passar para o nível de …

Grupo de enfermeiros recorreu de queixa arquivada contra bastonária

O grupo de enfermeiros que tinha feito uma participação disciplinar contra a bastonária por causa de comentários nas redes sociais que consideram violadores dos deveres deontológicos, recorreu do arquivamento da queixa para o Tribunal Administrativo …

Myanmar. Junta militar retém familiares de soldados para impedir fugas

Um capitão, que desertou do exército birmanês para se juntar ao movimento de oposição ao golpe militar de fevereiro, acusou a junta militar de reter familiares de soldados para impedir deserções. Lin Htet Aung, que desertou …