“Acabou a festa”. Itália fecha portos a navio de migrantes

(dr)

A Itália fechou todos os seus portos aos cerca de 310 migrantes resgatados no Mediterrâneo pela ONG espanhola Proactiva Open Arms, declarou este sábado o ministro do Interior italiano, Matteo Salvini.

“Para os traficantes de seres humanos e para os que os ajudam, a festa acabou“, anunciou no Twitter o ministro do Interior italiano, Matteo Salvini. Malta foi o primeiro país a recusar os refugiados.

https://twitter.com/matteosalvinimi/status/1076433233951293440

A ONG afirma que havia, entre os migrantes, uma mulher e o seu filho, nascido numa praia da Líbia, que foram levados para Malta de helicóptero. O resgate ocorreu na sexta-feira, segundo anunciou o fundador da ONG, Oscar Camps.

“24 horas depois da nossa chegada ao Mediterrâneo, a Open Arms acaba de resgatar duas embarcações em risco de naufrágio. Mais de 200 pessoas, incluindo homens, mulheres grávidas, crianças e bebés”, revelou Oscar Camps no Twitter.

Mais tarde, a ON anunciou o resgate de uma terceira embarcação com 29 mulheres, cinco crianças e 56 homens a bordo.

Depois de ter anunciado que os portos italianos estavam fechados, Salvini publicou uma foto do seu pequeno almoço, com uma mensagem. “Espero não ofender nenhum jornalista ou professor de esquerda, comentou Salvini.

Também no Twitter, Oscar Camps respondeu à mensagem de Salvini. “Como tudo na vida, as suas mensagens um dia terão um fim. Mas daqui a algumas décadas, os seus descendentes vão ter vergonha do que fez e disse“.

A organização espanhola publicou entretanto um vídeo onde mostra alguns dos migrantes socorridos. “Se vocês pudessem sentir o frio que eles passam, seria mais fácil compreender a urgência. Nenhum porto para desembarcar, Malta recusa-se a dar-nos comida. Isto não é um Natal”, afirma a ONG.

Os barcos humanitários operam nesta região apesar da dura oposição de Matteo Salvini, que os acusa de favorecer os traficantes de pessoas.

A ONG alemã Sea-Eye anunciou também na sexta-feira à noite a partida de Algeciras, no sul da Espanha, de uma nova embarcação, o Professor Albrecht-Penck, em direcção à costa líbia. Uma parte dos 18 membros de sua tripulação é composta por antigos voluntários do Aquarius, navio que, nos últimos meses, desencadeou uma crise diplomática entre os Estados europeus e encerrou definitivamente as suas atividades no início de dezembro.

ZAP // RFI

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. Tem alguma lógica porque esta solução de aceitar refugiados não resolve o problema. A questão reside na origem. É aí que a Europa deve atuar, gastando os mesmos milhões na promoção social desses povos.

  2. Se houvessem mais dirigentes europeus como o Matteo Salvinni o problema dos migrantes já tinha sido resolvido, nas origens respectivas. E o negócio dos traficantes de seres humanos já tinha acabado. Mas infelizmente não existem políticos honestos.

  3. É preciso ter coragem para acabar com este escândalo! Os países “emissores” nunca foram responsabilizados, ninguém fala deles e dos seus dirigentes enquanto que os europeus com os seus descontos e impostos cada vez mais pesados vão sustentando esta cambada toda, pois nem todos fogem dos “milhões” guerras onde passam o tempo, nem sequer gente de boa-fé! Esta invasão tem de ter um fim. Até há umas décadas justificadamente ou injustificadamente, pois nem todos os casos são idênticos, exigiam independências muitas vezes com motivações racistas à mistura e de outras tretas do tipo para no fim de contas, se virarem maciçamente para a Europa onde estão os anteriores colonizadores ocupantes e tretas do tipo para que estes paguem a parasitismo e muitas vezes marginalidade em que por cá de dedicam. Dizem que fogem do inferno e trazem-no com eles.

  4. eu tenho pena, mas ás vezes penso, então mas eles é que quiseram arriscar e pagaram boas quantias tipo como dizem 10mil ou mais para irem para a morte, então porque é que temos culpa, temos é coração e eles aproveitam-se disso, porque não se organizam como nós e são auto sustentaveis, sei lá …

  5. Finalmente leio comentários que demonstram para mim que existe algum conhecimento por parte… infelizmente apenas “algum”, porque o resto, parece andar ceguinho influenciados por politicas de interesses. Bom Natal a todos mesmo que apenas agora 😉

  6. Sempre fui de opinião que esta história de aceitar refugiados não traz nada de bom para quem os acolhe, e o que se tem visto é mais do que prova disso mesmo. Abusos, crimes, atentados e outras barbaridades perpetradas por refugiados, não é que já não houvesse “problemas” na Europa mas com a chegada deles só aumentaram. Se queriam impedir a vinda dos refugiados e não deixar que eles morressem à mingua no mar é bem simples. Podia-se acolhê-los em navios, alimentá-los e cuidar o melhor possível e ir deixá-los o mais próximo possível do país de origem nos barcos que eles vieram ou em barcos insufláveis. Se fizessem isso duvido que voltassem a tentar. É triste mas nós já temos problemas bastantes por cá, não precisamos de mais e se fossemos ver de forma crítica duvido que eles fizessem por nós o mesmo que estamos fazendo por eles ainda mais pondo em risco a nossa segurança e tendo custos acrescidos por isso. Não os vejo gratos por nada, pelo contrário, muitos exigem mais e melhores condições. Trazer os problemas dos outros para dentro de casa não só não resolve os problemas deles como só agrava os nossos próprios problemas. Se querem ajudar que intervenham no conflito e deem condições para que eles possam prosperar na sua terra natal. Quero ver onde vão “enfiar” tantos milhões e como os vão sustentar, se isto não parar a Europa estará em pouco tempo à beira de uma crise humanitária que se associada a uma previsível crise económica irá por certo trazer um cenário muito muito feio. Quero ver o que vão fazer quando não tiverem comida pra dar aos refugiados, acham que eles se vão deixar morrer à fome?… vão fazer o que for preciso pra sobreviver, quer seja roubar ou matar, é a lei da sobrevivência. Alguns deles já matam sem terem motivo ou necessidade, se houver necessidade vai ser uma festa.
    Ajudar não implica necessariamente prejudicar-nos a nós mesmos ou colocar os nossos em perigo, extremismo é moda em tudo, as pessoas perderam a capacidade de raciocinar e vivem no 8 ou no 80, “se é pra ajudar bora ajudar nem que pra isso traga criminosos pra dentro de “casa””, perderam o instinto de auto-preservação ou ficaram burros sei lá! Tenho todo gosto em ajudar desde o momento que isso não ponha em risco a segurança das pessoas que prezo.

  7. Sempre fui de opinião que esta história de aceitar refugiados não traz nada de bom para quem os acolhe, e o que se tem visto é mais do que prova disso mesmo. Abusos, crimes, atentados e outras barbaridades perpetradas por refugiados, não é que já não houvesse “problemas” na Europa mas com a chegada deles só aumentaram. Se queriam impedir a vinda dos refugiados e não deixar que eles morressem à mingua no mar é bem simples. Podia-se acolhê-los em navios, alimentá-los e cuidar o melhor possível e ir deixá-los o mais próximo possível do país de origem nos barcos que eles vieram ou em barcos insufláveis. Se fizessem isso duvido que voltassem a tentar. É triste mas nós já temos problemas bastantes por cá, não precisamos de mais e se fossemos ver de forma crítica duvido que eles fizessem por nós o mesmo que estamos fazendo por eles ainda mais pondo em risco a nossa segurança e tendo custos acrescidos por isso. Não os vejo gratos por nada, pelo contrário, muitos exigem mais e melhores condições. Trazer os problemas dos outros para dentro de casa não só não resolve os problemas deles como só agrava os nossos próprios problemas. Se querem ajudar que intervenham no conflito e deem condições para que eles possam prosperar na sua terra natal. Quero ver onde vão “enfiar” tantos milhões e como os vão sustentar, se isto não parar a Europa estará em pouco tempo à beira de uma crise humanitária que se associada a uma previsível crise económica irá por certo trazer um cenário muito muito feio. Quero ver o que vão fazer quando não tiverem comida pra dar aos refugiados, acham que eles se vão deixar morrer à fome?… vão fazer o que for preciso pra sobreviver, quer seja roubar ou matar, é a lei da sobrevivência. Alguns deles já matam sem terem motivo ou necessidade, se houver necessidade vai ser uma festa.
    Ajudar não implica necessariamente prejudicar-nos a nós mesmos ou colocar os nossos em perigo, extremismo é moda em tudo, as pessoas perderam a capacidade de raciocinar e vivem no 8 ou no 80, “se é pra ajudar bora ajudar nem que pra isso traga criminosos pra dentro de “casa””, perderam o instinto de auto-preservação ou ficaram burros sei lá! Tenho todo gosto em ajudar desde o momento que isso não ponha em risco a segurança das pessoas que prezo…

RESPONDER

Entre cursos de água e "kahns", a Alemanha ainda alberga uma minoria étnica de língua eslava

As nações europeias nasceram e desvaneceram ao longo do tempo, mas há uma minoria étnica de língua eslava que permanece dentro da Alemanha. Lehde é uma pacata vila, com cerca 150 habitantes, de ilhas pantanosas interligadas …

Itália 3-0 Suíça | Squadra Azzurra volta a ganhar e a encantar

A Itália tornou-se hoje a primeira seleção a garantir o apuramento para os oitavos de final do Euro2020 de futebol, ao vencer a Suíça por 3-0, em encontro da segunda jornada do Grupo A, disputado …

Sony apresenta o seu primeiro drone, o Airpeak S1

Há algum tempo que a Sony planeava lançar um drone, agora, é oficial. A empresa de tecnologia apresentou um drone chamado Airpeak S1 que será, muito provavelmente, o primeiro de muitos. A Sony anunciou oficialmente o …

Candidaturas a astronauta da Agência Espacial Europeia encerram na sexta-feira

Os candidatos têm de ter, pelo menos, um mestrado e experiência profissional, serem fluentes em inglês e ter mais de 1,30 metros.  O prazo para apresentação de candidaturas a vagas para novos astronautas da Agência Espacial …

Dois meses no escuro. Valentina Miozzo passou a quarentena sozinha no Ártico

A pandemia de covid-19 foi um duro golpe de solidão forçada para a maioria das pessoas, mas para a italiana Valentina Miozzo foi a oportunidade perfeita para usufruir de alguns momentos a sós. A meio da …

Pedras misteriosas provocam "corrida aos diamantes" na África do Sul

Uma verdadeira "febre de diamantes" assolou a vila de KwaHlathi, na província de KwaZulu-Natal, litoral da África do Sul. Centenas de pessoas, com utensílios caseiros a servir de engenhos de mineração, ocuparam um terreno à …

Designer cria um "terceiro olho" para quem vive agarrado ao telemóvel

Um designer industrial sul-coreano criou, recentemente, um “terceiro olho” para ajudar aqueles que, mesmo em andamento, não conseguem tirar os olhos do telemóvel. O designer industrial Minwook Paeng criou recentemente o The Third Eye ('terceiro olho' …

Depois de Ronaldo e da Coca Cola, Pogba imitou-o com a Heineken (e a UEFA podia castigar Portugal e França)

Após Cristiano Ronaldo ter removido duas garrafas de Coca Cola da mesa onde se sentou para uma conferência de imprensa no Euro 2020, foi a vez do francês Paul Pogba ter feito o mesmo com …

Adeptos portugueses proibidos de entrar na "fan zone" de Budapeste

Momento confuso numa zona da capital da Hungria, na véspera do jogo com Portugal, na estreia no Europeu 2020. A Hungria não escapou ao coronavírus mas, entre os países que recebem jogos do Europeu 2020, é …

Mulher recebe quatro certificados de imunidade - e nenhum é válido

O governo da Hungria está a emitir cartões que garantem que determinada pessoa, na teoria, é imune ao coronavírus. Mas nem tudo corre bem. A vida nas ruas da Hungria é diferente do que se vive …