“Até me arrombaram o cofre!” FBI faz buscas na casa de Donald Trump e apreende documentos

3

gageskidmore / Flickr

Donald Trump, ex-Presidente dos Estados Unidos

Em causa está o desaparecimento de registos oficiais da Casa Branca quando Donald Trump era Presidente, incluindo documentos confidenciais. Trump diz ser vítima de uma perseguição política.

O FBI apreendeu documentos recolhidos durante buscas ao resort Mar-a-Lago de Donald Trump, em Palm Beach, na Flórida. Pelas nove da manhã desta segunda-feira, os investigadores federais apareceram na propriedade com um mandado de busca no âmbito da investigação sobre a possível destruição ilegal de registos da Casa Branca quando Trump saiu da presidência.

Já há algum tempo que o Departamento de Justiça está a investigar o ex-chefe de Estado por suspeitar que seja responsável pelo desaparecimento de 15 caixas com registos presidenciais, onde se incluem vários documentos confidenciais. As buscas foram lideradas por Christopher Wray, que foi nomeado por Trump.

Caso seja declarado culpado, Trump pode ser multado, impedido de se voltar a candidatar a cargos políticos ou até preso. Desde a sua saída da Casa Branca que o ex-Presidente tem passado muito tempo na casa na Flórida, tendo-a tornado o palco de muitas reuniões políticas.

Esta rusga vem numa altura onde Donald Trump já deu várias indicações de que quer voltar a concorrer à Presidência dos Estados Unidos em 2024, faltando apenas o anúncio oficial da candidatura. Uma fonte próxima do FBI revela ao The Guardian que já desde Abril que está a ser ponderada a abertura de uma investigação criminal.

Trump foi também o alvo de graves acusações nas audiências da comissão parlamentar que está a investigar o ataque ao Capitólio, tendo várias testemunhas culpado pessoalmente o ex-Presidente.

O ex-chefe de Estado não foi acusado formalmente pelo Departamento de Justiça e há receios de que essa acusação não surja pelo menos antes das eleições intercalares, devido a um recente memorando do procurador-geral, Merrick Garland.

Trump não estava em casa aquando das buscas, mas já reagiu à situação. “A minha linda casa, Mar-A-Lago em Palm Beach, na Flórida, está actualmente sob cerco, a ser invadida e ocupada por uma grande grupo de agentes do FBI. Até arrombaram o meu cofre!”, disse num comunicado, onde comparou a investigação ao caso “Watergate” e acusou os “Democratas de Esquerda Radical” de serem os culpados por quererem “desesperadamente” que não se recandidate em 2024.

“Depois de trabalhar e cooperar com as agências governamentais relevantes, esta rusga sem aviso prévio à minha casa não era necessária nem apropriada. Um tal assalto só poderia ter lugar em estados falhados do terceiro mundo“, atirou.

“Este abuso de poder tem de parar”

A investigação está também a ganhar contornos políticos. Do lado dos Democratas, o congressista Eric Swalwell aplaudiu a rusga. “Estamos a testemunhar a diferença entre um sistema honesto e um corrupto. Em 2020 Donald Trump deixou-nos perigosamente perto de uma América permanentemente corrupta. A regra da lei está a tomar forma. E a responsabilização vem aí“, escreveu no Twitter.

Já o também congressista Ted Lieu lembrou que “ninguém está acima da lei“. O Projecto Lincoln, composto por Republicanos anti-Trump, considera que a rusga é o “primeiro passo” para se responsabilizar Trump “pela orquestração e conspiração para se manter no poder que resultou no ataque de 6 de Janeiro”.

As reacções dos Republicanos foram bastante diferentes. Eric Trump, filho do ex-Presidente, considera que as buscas mostram que o pai está “a viver num país de terceiro mundo” e Donald Trump Jr acusa Joe Biden de estar a ordenar uma caça aos adversários políticos, dizendo que os EUA são uma “república das bananas”.

Ronna McDaniel, presidente do Comité Nacional Republicano, descreve as buscas como “escandalosas”. “Este abuso de poder tem de parar e a única forma de fazermos isso é eleger Republicanos em Novembro”.

O líder da minoria Republicana na Câmara dos Representantes, Kevin McCarthy, acusa o Departamento de Justiça de ter chegado a um “estado intolerável de instrumentalização política” e até deixou avisos a Merrick Garland de que os Republicanos vão pedir uma investigação ao Departamento caso recuperem a Câmara em Novembro.

O congressista Ronny Jackson ecoou as palavras de Trump em relação aos media: “Esta noite o FBI oficialmente tornou-se o inimigo do povo!”.

O ex-Secretário de Estado de Donald Trump, Mike Pompeo, acredita que “executar um mandado contra um ex-Presidente é perigoso”. “A aparente instrumentalização política do Departamento de Justiça e do FBI é vergonhosa. O procurador-geral tem de explicar por que é que 250 anos de tradições foram atropeladas com esta rusga”, remata.

  Adriana Peixoto, ZAP //

3 Comments

  1. A “xuxalada” Democrata tudo faz para que Trump não concorra às presidenciais. O medo deles numa derrota, é enorme. Aos Democratas interessa guardar o poder com unhas e dentes, como é tradição universal das esquerdas.

  2. Que chatice , arrombaram-lhe o cofre !.. Que mauzinhos , a obrigar o Ti Trump a investir noutro ! .. como se costuma dizer “quem não deve não teme” , tivesse colaborado !

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.