Não há CO2 que chegue: falta cerveja para o Mundial

A falta de CO₂ começa a causar problemas na Europa durante o Mundial da Rússia. A escassez de dióxido de carbono está a afetar o setor dos alimentos e das bebidas, especialmente as indústrias de carne e de cerveja.

Até a Coca-Cola decidiu interromper temporariamente a produção de bebidas na fábrica do Reino Unido. “É a situação mais grave no suprimento de dióxido de carbono europeu em décadas”, afirmou a revista especializada Gas World, que revelou o problema.

O dióxido de carbono tem vários usos na indústria de alimentos e bebidas. O CO₂ é responsável por gaseificar cervejas e cidras – muito populares no Reino Unido, atordoar animais antes do abate e funciona também como conservante, aumentando a vida útil de produtos embalados, como carne fresca.

O gás também é usado para criar gelo seco, outro produto importante na indústria alimentícia, para manter os produtos refrigerados durante a sua distribuição.

Fora do setor da alimentação, o CO₂ também é usado em determinados procedimentos médicos, na fabricação de dispositivos semicondutores e por empresas petrolíferas para melhorar a extração do produto.

Por que há escassez?

Uma das principais fontes de CO₂ é a produção de amoníaco, composto utilizado frequentemente na indústria de fertilizantes. No entanto, a indústria agrícola de fertilizantes na Europa costuma fechar no verão, afetando cinco das maiores empresas produtoras de dióxido de carbono líquido na Europa, segundo o Financial Times.

“Veio absolutamente na altura errada porque é o Mundial e o pico do verão“, disse um representante da produtora de cervejas Beavertown citado pelo Expresso.

“As pessoas querem ver futebol e beber uma cerveja. Estamos quase esgotados, mas nesta situação queremos sempre ter uma reserva, portanto se calhar ainda nos aguentamos mais uma semana.”

A Associação Britânica de Cervejas e Pubs, por sua vez, explicou: “As questões de fornecimento aqui no Reino Unido complicam-se ainda mais por uma combinação dos encerramentos planeados de fábricas com falhas inesperadas de equipamento, particularmente em relação a um dos dois maiores produtores de CO2 em grosso”.

Além disso, os preços baixos atuais do amoníaco dão aos produtores pouco incentivo para retomar a produção. A produção de amoníaco foi gravemente afetada nos últimos tempos, mas, este ano coincidiu com a realização do Mundial na Rússia, quando o consumo e procura são maiores.

Estabelecimentos afetados

A escassez de CO₂ afetou diretamente os produtores de bebidas na Europa, desde as empresa maiores até às mais pequenas. A maior rede de pubs da Grã-Bretanha, a Wetherspoon, disse ter em falta “temporária” duas das suas bebidas mais populares – a cerveja John Smith’s e a cidra Strongbow – ambas produzidas pela Heineken.

Segundo informações dos média britânicos, também a Coca-Cola disse ter suspendido, por um curto período, a produção de algumas das suas bebidas, assegurando que a pausa na produção não teria impacto no fornecimento.

A indústria alimentar do Reino Unido espera que o volume das mercadorias volte aos valores normais no início do mês de julho, queixando-se de falta de comunicação por parte dos fornecedores de dióxido de carbono.

ZAP // BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Director nacional da PJ defende "recompensa garantida" para Rui Pinto

O director nacional da Polícia Judiciária (PJ), Luís Neves, realça a colaboração de Rui Pinto como tendo sido essencial para apurar a "verdade material" no caso de pirataria informática que o envolve e defende, por …

Lufthansa aceita condições do resgate. Vai ceder aviões e perder "slots"

O Governo da Alemanha e a Comissão Europeia (CE) chegaram a um acordo sobre o resgate da Lufthansa e que poderá evitar a falência da companhia aérea, anunciaram, na sexta-feira, fontes próximas das negociações e …

Chipre vai pagar despesas das férias a turistas que ficarem infetados no país

O Chipre vai pagar o custo das férias aos turistas que testaram positivo depois de viajarem para o país. Entre as despesas está o alojamento, a alimentação e os medicamentos. O Chipre comprometeu-se a pagar todas …

Tribunais vão vender máscaras a um euro. "É uma margem de lucro de 45 por cento"

Os tribunais vão ter máscaras cirúrgicas à venda para advogados e testemunhas, de modo a garantir que podem entrar nas salas de audiência a partir de quarta-feira, dia em que a Justiça retoma as sessões …

Julgamento BES. Ministério Público acredita que provas da Suíça ainda podem ser utilizadas

O jornal Público escreve este sábado que os procuradores do Ministério Público (MP) acreditam ainda ser possível utilizar os elementos solicitados nas cartas rogatórias enviadas às autoridades suíças no julgamento do caso BES. O Ministério …

Salários mais baixos podem passar a ter lay-off pago a 100%

O Governo está a estudar a possibilidade de o regime de lay-off, desenhado especificamente para o contexto da pandemia de covid-19, passar a ser pago na sua totalidade (100%) para quem tem salários mais baixos. …

Bronca na Liga. Contestação adia 5 substituições e o Marítimo recusa assinar Plano de Retoma

Após dois dias intensos de reuniões, foi aprovado o Plano de Retoma do campeonato nacional para a disputa das últimas 10 jornadas da época 2019/2020. Mas apenas 17 clubes o assinaram. O Marítimo recusou fazê-lo, …

Igreja perdeu 50 milhões de euros com a pandemia (e há dioceses em lay-off)

Ao cabo de dois meses de paragem por causa da pandemia de covid-19, as missas regressam, neste sábado, mas com regras novas para evitar a propagação do coronavírus. Uma paragem que resultou num "prejuízo" de …

Reabertura de ATL adiada para 15 de junho. Creches arrancam segunda-feira (sem apoios para os pais)

As Atividades de Tempos Livres (ATL) não integradas em estabelecimentos escolares só poderão voltar a funcionar a partir de 15 de junho, duas semanas depois daquilo que estava inicialmente previsto. O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro, …

Governo britânico vai continuar a pagar 80% dos salários durante mais três meses

O Governo britânico vai continuar a pagar durante mais três meses 80% do salário de trabalhadores em lay-off devido à pandemia de covid-19, e reduzir gradualmente o valor até ao fim do sistema, em outubro. O …