Falsa batalha inventada nas redes sociais engana Estado Islâmico e opositores no Iraque

(dr) Dabiq Magazine

Uma batalha falsa, inventada por um morador de Londres ao longo de uma série de tweets, enganou tanto apoiantes do grupo terrorista Estado Islâmico quanto os seus opositores, que defendem as milícias xiitas no Iraque.

As informações divulgadas davam conta de uma grande batalha entre os militantes do Estado Islâmico e combatentes xiitas e iraquianos. Logo depois da notícia ser divulgada, utilizadores do Twitter que apoiam as forças anti-EI disseram ter alcançado uma vitória histórica.

“Muita festa em Karbala após a libertação de Shichwa“, tweetou um utilizador.

“10 mil refugiados fogem de Shichwa para Karbala”, lia-se noutro tweet.

Até surgiram rumores de que os países vizinhos estariam a ser arrastados para a luta: “Desastre: Exército saudita deve mobilizar-se rapidamente na fronteira do Iraque”.

A questão é que a batalha de Shichwa nunca ocorreu – na verdade, Shichwa não é sequer um lugar real.

Esta autêntica obra de ficção foi criada por Ahmad al-Mahmoud, um iraquiano residente em Londres e gestor da conta de Twitter @IraqSurvey. A conta normalmente agrega notícias sérias sobre o que está a acontecer no país e tem quase 14 mil seguidores.

No entanto, um dia,  al-Mahmoud “ficou entediado” e tweetou que o Estado Islâmico tinha-se retirado de Shichwa, chegando mesmo a partilhar imagens de veículos de órgãos de comunicação, alteradas no Photoshop, sugerindo que a batalha estava a ser noticiada.

Antes que se apercebesse, tinha começado uma febre. “As pessoas começaram a acrescentar informações, construindo mapas como se estivéssemos no SimCity”, afirmou à BBC. Alguns publicaram notícias falsas sobre a luta e um chegou a publicar um mapa do campo de batalha.

Vingança

Logo os rumores começaram a espalhar-se para fora do Iraque, e os simpatizantes da Unidade de Mobilização Popular – as milícias anti-EI que lutam ao lado do governo iraquiano – começaram a gabar-se sobre a batalha.

Eis que os simpatizantes do Estado Islâmico começaram a falar em vingança, e os boatos passaram a causar medo nos utilizadores da Arábia Saudita.

Ao fim de dois dias, ao perceber que a brincadeira – considerada perigosa por muitos, por alimentar e explorar conflitos e medos de pessoas reais – tinha fugido ao seu controlo, Ahmad al-Mahmoud apressou-se a desmenti-la.

À BBC, al-Mahmoud nega que tenha sido irresponsável ao inventar uma batalha na sua conta – dedicada sobretudo a notícias reais. O próprio nome do lugar, Shichwa, é uma brincadeira: em árabe iraquiano significa “bexiga de queijo“, uma forma tradicional de fazer laticínios.

Mahmoud afirma que isso por si só deveria ter dado uma pista para toda a gente: “Não era algo sério. Qualquer iraquiano sabe o que é uma shichwa.

O iraquiano teceu críticas aos dois lados do conflito: não apoia o Estado Islâmico, mas tampouco defende as milícias xiitas e é muito crítico ao governo iraquiano. A batalha falsa foi essencialmente para fustigar as milícias e ver se usariam as notícias para reivindicar uma vitória. E, para este fim, a partida funcionou.

“Depois de algumas horas começamos a ver contas de Facebook xiitas a dizer que o Estado Islâmico tinha perdido a batalha e que isso tinha sido uma grande vitória”, conclui.

ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

"Em Casa d’Amália": RTP comemora cententário da fadista

A Fundação Amália Rodrigues junta-se à RTP para assinalar o centenário da fadista. O programa Em Casa d’Amália tem estreia marcada para a próxima sexta-feira (10) e reúne várias figuras da música portuguesa da atualidade. O …

Desapareceram 21 milhões de números de telefone na China. Mas o mistério foi resolvido

O porta-voz de uma das três maiores operadoras chinesas confirmou o desaparecimento dos utilizadores, mas deu uma explicação para este mistério. Nos últimos dias, surgiram vários relatos de notícias que davam conta de que, entre janeiro …

Mercadona doa 20 mil quilos de chocolate aos profissionais de saúde e aos mais carenciados

A Mercadona anunciou, esta quarta-feira, a doação de 20 mil quilos de chocolate ao Banco Alimentar Contra a Fome do Porto. O objetivo é proporcionar uma Páscoa mais doce aos mais carenciados e aos que …

"Paciente 1" em Itália recupera (e dá as boas-vindas a Giulia, a sua filha recém-nascida)

Giulia, a filha recém-nascida do "paciente 1" de Itália, veio para trazer alguma esperança ao país, em plena pandemia de covid-19. Mattia, de 38 anos, foi internado no dia 20 de fevereiro no hospital de Codogno, …

Investigadores transformaram o coronavírus em música (e já o podemos ouvir)

Uma equipa de investigadores do Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT) conseguiu transformar em som a estrutura da proteína spike, que permite que o novo coronavírus adira às células para infetá-las. Até agora, já pudemos ver …

Autoeuropa quer recorrer ao lay-off (e retomar produção a 20 de abril)

A administração da Autoeuropa quer promover um regresso gradual ao trabalho a partir de 20 de abril, pretendendo recorrer ao lay-off simplificado para os trabalhadores que não regressem ao trabalho nessa data. “O regresso ao trabalho …

Ex-mulher de astronauta acusada de mentir sobre o "primeiro crime espacial"

A ex-mulher da astronauta da NASA Anne McClain, Summer Worden, foi acusada formalmente de mentir sobre o "crime espacial" que McClain terá cometido. Em agosto de 2019, o jornal norte-americano The New York Times noticiou que …

Em Singapura, os parques de estacionamento são agora quintas urbanas

A pandemia de covid-19 está a obrigar alguns países a adaptarem-se. É o caso de Singapura, que está a transformar os parques de estacionamento em quintas urbanas para aumentar a produção alimentar. Só 1% do território …

O empresário mais odiado do mundo quer sair da prisão (para desenvolver um medicamento para a covid-19)

Martin Shkreli, o empresário mais odiado do mundo, quer sair brevemente da prisão para ajudar a desenvolver um tratamento para a covid-19. Num artigo publicado no site da empresa de Shkreli, Prospero Pharmaceuticals, juntamente com outros …

Ceferin acusado de ganância. "Manter a Liga dos Campeões foi um ato criminoso irresponsável"

O primeiro-ministro da Eslovénia, Janz Jansa, teceu duras críticas à forma como a UEFA e o seu presidente, Aleksander Ceferin, lidaram com a fase inicial da pandemia de covid-19. "Manter a Liga dos Campeões foi um …