Expedição foi às Honduras à procura da Cidade Perdida do Deus Macaco

Mais de meio milénio depois do colapso da civilização maia, os membros de uma sociedade centro-americana vizinha, de repente, recolheram os seus pertences mais sagrados, enterraram-nos no centro da cidade e desapareceram.

“Há uma grande questão sobre quem eram essas pessoas”, explica o arqueólogo americano Douglas Preston, que visitou os remanescentes desta cidade, ao Business Insider. “O que aconteceu com essa civilização, por que abandonaram tão repentinamente a cidade?”

Preston fez parte de uma missão de pesquisa lançada há dois anos para explorar as ruínas do que se diz ser uma civilização perdida, e relatou a sua recente viagem pela selva hondurenha no novo livro “The Lost City of the Monkey God: A True Story” – que os críticos disseram ser “um daqueles livros de não ficção mais estranhos que a própria ficção”.

Mistério histórico

Alguns dizem que as ruínas correspondem a uma antiga e lendária “Cidade Branca” – uma cidade de extrema riqueza que desapareceu há 600 anos.

Desde os anos 1900, os rumores desta cidade esquecida circulavam entre os exploradores, aviadores e turistas animados pela perspectiva de descobrir tesouros escondidos. Mas ninguém sabia muito sobre as pessoas que lá viveram.

Mesmo depois de algumas partes de uma aldeia abandonada – incluindo vestígios de praças e pirâmides – terem sido descobertos em 2012, durante a primeira expedição na região, antropólogos e arqueólogos continuaram perplexos.

Segundo Douglas Preston, o principal arqueólogo hondurenho da expedição afirmou que não se sabia nada sobre a civilização perdida.

No entanto, algumas teorias intrigantes surgiram.

Nesta última exploração, os pesquisadores encontraram um esconderijo de quase 500 objectos de pedra esculpidos dentro de um lugar que Preston descreveu como “um túmulo não para uma pessoa, mas para uma civilização”.

A lenda e o raiva dos arqueólogos

As ruínas de mil anos de idade – cuja linha do tempo coincide com a “Cidade Branca” – foram enterradas na floresta, num vale redondo rodeado por penhascos íngremes. Desde que uma equipa  de investigadores as descobriu, em 2012, já foram revisitadas por várias equipas de pesquisa.

Quando a descoberta foi anunciada, vários meios retrataram-na como um antigo mistério que tinha finalmente sido resolvido. A revista National Geographic, por exemplo, fez uma reportagem exclusiva que anunciava que uma “cidade perdida” tinha sido descoberta na selva hondurenha.

Porém, havia um problema, discutido numa carta pública assinada pelos investigadores, que condenavam estas afirmações: as ruínas não eram a “cidade perdida” dos tempos antigos e, além disso, elas podiam nem sequer estar propriamente “perdidas”.

David Yoder / National Geographic

Efígie de um jaguar, uma das peças de pedra encontradas na região

Efígie de um jaguar, uma das peças de pedra encontradas na região

Os investigadores dissidentes – incluindo Chris Begley, arqueólogo da Universidade da Transilvânia, com 20 anos de experiência na região – dizem que a reportagem apresentada pela “National Geographic” exagerou os resultados e ignorou os povos indígenas da região.

A revista respondeu à carta apontando uma declaração da equipa de investigadores, que diz que a reportagem nunca afirmou ter descoberto “a cidade perdida”, mas apenas “uma cidade perdida” na região.

As pessoas que desapareceram

Apesar da controvérsia, as equipas de investigadores e repórteres que visitaram o local em 2012 e 2015 voltaram impressionadas com o que viram.

Preston e vários outros arqueólogos afirmam que puseram os pés num território que tinha estado intocado durante meio milénio – e que as pistas que os seus habitantes deixaram para trás apontam para um fim trágico.

“É difícil acreditar que no século XXI uma cidade perdida ainda pudesse ser descoberta, mas foi exactamente isso o que aconteceu”, conta o autor.

Quem povoou a área no centro da selva hondurenha de Mosquitia não deixou muitos indícios. A equipa que visitou a região em 2012 datou os restos que descobriu como tendo origem entre 1000 a.C. e 1400 a.C..

Isso significa que os habitantes da região viveram depois da era dos maias, cuja civilização se estendeu do sudeste do México através da Guatemala e Belize e nas partes ocidentais de Honduras e El Salvador.

Eles cresceram perto dos maias. Basearam-se nas suas pirâmides e distribuíram as suas cidades de uma forma um tanto parecida com a maia, mas não exactamente igual”, explica. “Mas o caso é muito misterioso, há muitas coisas que não sabemos”.

O que os investigadores sabem é que quem viveu lá desapareceu de repente. Além de restos das suas pirâmides e praças, deixaram para trás uma série de peças complexas, em pedra, incluindo o que se pensa ser parte de um assento cerimonial com uma efígie de um “jaguar”. Até agora, os pesquisadores identificaram quase 500 peças de pedra.

“Na base de uma pirâmide descobrimos uma enorme quantidade de belas esculturas de pedra”, conta Preston. “Parece que as pessoas trouxeram os seus objectos, depositaram-nos ali cuidadosamente e, em seguida, abandonaram a cidade”.

Vários arqueólogos e antropólogos que estavam na equipa de pesquisa de Preston acreditam que a população foi abatida por alguma epidemia, talvez de alguma das doenças trazidas por europeus, como a varíola ou o sarampo.

Porém, é improvável que os europeus tenham tido acesso a esta civilização – pelo menos pessoalmente. As doenças provavelmente teriam atingido as populações indígenas através do comércio. À medida que as mercadorias trocavam de mãos, os vírus também passavam e os indígenas não tinham qualquer defesa contra alguns deles.

PARTILHAR

RESPONDER

Cinco anos depois, Volkswagen nega reembolso a 125 mil portugueses lesados

A marca alemã Volkswagen respondeu à Deco Proteste, cinco anos após o caso "dieselgate", informando que não irá indemnizar mais consumidores, tendo em vista os processos judiciais em curso. Segundo noticiou esta sexta-feira a Madremedia, em …

Novo recorde em cinco meses. Mais 780 casos por covid-19 em Portugal

Portugal regista mais seis mortos e 780 casos de infeção por covid-19 esta sexta-feira, de acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde (DGS). Os números revelados no boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde …

"Podemos chegar a 1.000 novos casos por dia". Costa pede cautela

No final da reunião de emergência com o gabinete de crise para o acompanhamento da evolução da covid-19 em Portugal, Costa deixou conselhos e pediu cautela. A reunião, convocada na quinta-feira por António Costa, surgiu …

13 de Outubro em Fátima "sim, mas sem peregrinos". Delegada de Saúde espera que a Igreja se "porte bem"

A delegada de Saúde Pública do Médio Tejo defende que as cerimónias religiosas do 13 de Outubro no Santuário de Fátima decorram "sem peregrinos", esperando que a Igreja se porte "tão bem" como aquando do …

Espanha acusa hackers chineses de roubarem informações de vacina contra coronavírus

O Centro Nacional de Inteligência (CNI) espanhol argumenta que hackers chineses terão, alegadamente, acedido a informações confidenciais sobre o desenvolvimento de uma vacina contra o novo coronavírus. A diretora do CNI, Paz Esteban, alerta para um aumento …

Tribunal de Loures. António Joaquim vai manter-se em liberdade

O Tribunal de Loures decidiu esta sexta-feira manter a medida de coação de termo de identidade e residência a António Joaquim, condenado pelo Tribunal da Relação pelo homicídio do triatleta Luís Grilo, após um pedido …

Mesmo com o aumento de infetados, diminuir a quarentena para 10 dias é uma hipótese

A DGS deverá decidir em breve se o período de quarentena pode ser reduzido de 14 dias para apenas 10 dias, mas não para todos os casos. Para ficar menos tempo isolado é necessário cumprir …

Porfírio Silva vê “papel positivo” na candidatura de Ana Gomes, mas critica farpas a Costa

O dirigente socialista Porfírio Silva considera que a candidatura presidencial de Ana Gomes pode ser positiva se não cair na "armadilha" de se centrar no ataque a António Costa e se não "atropelar" o Estado …

Operação Lex. Três juízes acusados de corrupção. Luís Filipe Vieira vai ser julgado por um crime

Os juízes Rui Rangel, Fátima Galante e Vaz das Neves e o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, estão entre os 17 acusados da Operação Lex. Em causa estão crimes de corrupção, abuso de poder, …

Em tempos difíceis, Von der Leyen diz que “sempre vi em Portugal um forte aliado"

Numa entrevista, Ursula von der Leyen disse que Portugal terá “a tarefa de liderar” com a recuperação da pandemia quando chegar à presidência do Conselho da UE em 2021. E promete uma proposta “mais humana …