Os cães podem “ver” com o nariz

Desde farejar doenças ou drogas até estar interessado no lixo, sabemos que o olfato dos cães é muito poderoso. No entanto, um grupo de investigadores ficou surpreendido ao ver a extensão dos fios olfativos no cérebro dos cães.

Uma equipa liderada por Erica Andrews, investigadora da Universidade de Cornell, acaba de mapear as vias olfativas do cérebro dos cães domésticos, através de exames de difusão por ressonância magnética.

De acordo com a Science Alert, esta técnica utiliza diferenças no fluxo de moléculas, tais como água, para criar um mapa complexo de estruturas de tecidos.

Com os dados do estudo publicado em Julho no The Journal Of Neuroscience, a equipa construiu mapas 3D das vias nervosas do cérebro de cães, e identificou  matéria branca a ligar regiões cerebrais olfativas — uma enorme “auto-estrada de informação”, anteriormente desconhecida, entre os sistemas olfativos e visual dos cães.

“Nunca vimos esta ligação entre o nariz e o lobo occipital, funcionalmente o córtex visual em cães, em qualquer espécie”, explica o investigador de neuro-imagens da Universidade de Cornell, Pip Johnson.

“Foi realmente consistente. E em termos de tamanho, estes traços foram realmente dramáticos em comparação com o que é descrito no sistema olfativo humano, mais parecido com o que se vê nos nossos sistemas visuais“.

Isto é provavelmente o que permite por exemplo aos nossos animais caninos, mesmo cegos, brincar ao “busca”.

“Isto é fabuloso”, explica ao Science News a veterinária Eileen Jenkin, que não fazia parte do estudo. “Tem havido muitas pessoas que teorizaram que esta ligação existia, com base no comportamento de cães treinados e cães de deteção, mas ninguém conseguiu prová-lo”.

O nariz de um cão em si está incrivelmente equipado, com mais de 220 milhões de células que detetam odores, em comparação com os nossos cerca de 50 milhões de recetores olfativos.

Só com este órgão olfativo, os cães podem formar consciência espacial, ler comunicações químicas, sentir o nosso humor, e seguir todo o tipo de coisas, incluindo fontes de calor fracas. Por isso, todas estas ligações extra somam-se.

“Quando entramos numa sala, usamos principalmente a nossa visão para descobrir onde está a porta, quem está na sala, onde está a mesa… mas nos cães, o estudo mostra que o olfato está realmente integrado com a visão em termos de como aprendem sobre o seu ambiente e se orientam nele”, explicam os autores.

Nos 23 cães examinados, os investigadores identificaram também vias de informação de matéria cerebral branca ligando fortemente o bolbo olfativo com quatro regiões cerebrais também.

Assim como as ligações à visão, as ligações entre o bolbo olfativo e o tronco cerebral através do trato corticospinal foram também uma descoberta inesperada.

“Estas descobertas sugerem que o sistema olfativo desempenha um papel proeminente, se não mesmo dominante, na cognição canina e tem ligações na maioria das principais vias de processamento, o que o torna uma rede vital a considerar ao estudar as cognições caninas”, conclui a equipa.

Andrews e colegas pretendem agora mapear o sistema olfativo de gatos e cavalos a seguir. Ambos têm também poderes olfativos surpreendentes, mas os cavalos são herbívoros, pelo que provavelmente usam o seu olfato de forma muito diferente.

Os dados preliminares indicam que as vias cerebrais olfativas dos gatos podem mesmo ser ainda mais extensas do que as dos cães.

  Inês Costa Macedo, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.