Ex-procuradoras julgadas por passarem informações a evadido da prisão

AbigailGeiger / Flickr

-

O julgamento de duas ex-magistradas suspeitas de passarem informações e dados pessoais de juízes e altos quadros da Polícia Judiciária a um evadido da prisão, que se fez passar por funcionário da Interpol, começa na quinta-feira, em Lisboa.

As arguidas, que exerceram funções como procuradoras adjuntas no Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa, entre 2004 e 2011, foram expulsas do Ministério Público. Estão acusadas pelo Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) de violação do sigilo profissional, falsificação de documento, acesso indevido, abuso de poder e favorecimento pessoal.

Segundo o despacho de acusação do TRL, a que a agência Lusa teve acesso, as duas ex-procuradoras “envolveram-se intimamente” com o arguido Lorosa de Matos, que se encontrava foragido à justiça, desde 2003, ano em que se evadiu após uma saída precária da prisão de Pinheiro da Cruz, quando cumpria nove anos de prisão por burla, falsificação e extorsão.

Uma das ex-magistradas conheceu o arguido através da internet no final de 2004, e iniciou um “relacionamento íntimo” com Lorosa de Matos, após uma primeira deslocação ao Reino Unido para se encontrar com o próprio, que se apresentou como “funcionário da Interpol destacado naquele país”.

Nos anos seguintes, a segunda ex-procuradora iniciou também uma relação amorosa com o arguido, que conheceu via internet, através do contacto fornecido pela outra arguida.

Segundo o TRL, entre 2005 e 2010, as duas ex-magistradas passaram informações e dados pessoais a Lorosa de Matos e a um quarto arguido, com quem uma das arguidas também viria a envolver-se intimamente.

“As arguidas acederam e transmitiram o resultado de pesquisas efetuadas nas bases de dados informáticos disponíveis na plataforma informática do DIAP/TIC (Tribunal de Instrução Criminal) de Lisboa, designadamente ao arguido Lorosa de Matos, no exercício das funções e enquanto magistradas do Ministério Público”, sustenta o despacho de acusação.

O TRL acrescenta que o comportamento das ex-procuradoras ajudou o arguido – detido em novembro de 2010, encontrando-se atualmente preso – a fugir à justiça.

“As arguidas sabiam a verdadeira identidade de Lorosa de Matos, conheciam a sua situação de evadido e que era procurado pela justiça para cumprir pena de prisão. Com a informação que recolheram e partilharam com o arguido, permitiram ao mesmo a obtenção de documentos de identificação forjados, continuando assim a furtar-se à ação da justiça”, acrescenta a acusação.

As arguidas efetuaram mais de cem pesquisas e acederam a dados pessoais de magistrados judiciais e de altos quadros da Polícia Judiciária (PJ). Em novembro de 2006 uma das arguidas efetuou pesquisas do inspetor chefe da PJ, responsável pela detenção do arguido Lorosa de Matos, em 1998, e do seu irmão, inspetor Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

Acederam ainda aos dados pessoais, nomeadamente, de José Cabral, juiz conselheiro do Supremo Tribunal de Justiça que, em 2006, foi Diretor Nacional da PJ. António Caniço e Almeida Rodrigues – atual diretor nacional da PJ – que, em 2006, eram diretores adjuntos da Diretoria Nacional da PJ, também foram alvo das pesquisas.

“Com a prática dos ilícitos criminais, as arguidas revelaram absoluta indignidade no exercício do respetivo cargo de magistradas do Ministério Público”, salienta o despacho de acusação.

A primeira sessão do julgamento está agendada para as 09:30 na 4.ª Vara Criminal de Lisboa, no Campus da Justiça.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Picasso roubado há 6 anos na Holanda terá sido encontrado sob uma árvore na Roménia

Procuradores romenos estão a investigar se um quadro que apareceu este sábado na Roménia é o mesmo que há seis anos foi roubado de um museu da Holanda, noticiou a agência de notícias Associated Press. A …

O colossal drone solar da Boeing vai voar em 2019

A Aurora Flight Sciences, subsidiária da Boeing, vai lançar em 2019 o seu drone solar Odysseus, que terá a capacidade voar durante meses de forma autónoma e o objectivo de dar acesso Internet a todo …

Justiça brasileira proíbe TV de divulgar inquérito sobre morte de Marielle Franco

A decisão judicial de proibir a emissão de reportagens sobre a investigação do assassinato da vereadora carioca responde a um pedido da polícia do Rio de Janeiro e do Ministério Público. A emissora afirma que …

Relatório revela 71 locais com elevado risco de inundações em Portugal

Portugal tem 71 zonas com elevado risco de inundação, de acordo com um relatório da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) que analisou fenómenos extremos ocorridos, fazendo previsões para o futuro. O relatório "Avaliação Preliminar do Risco …

Cinco pessoas mortas por intoxicação de CO em Vila Real

Cinco pessoas da mesma família morreram este domingo, devido a uma intoxicação, no concelho de Sabrosa, distrito de Vila Real, adiantou à agência Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Vila Real. A …

O discurso de ódio já está em Portugal

O diretor da Amnistia Internacional Portugal, Pedro Neto, alertou, em entrevista à agência Lusa, para a presença do discurso de ódio em Portugal, apontando o combate à discriminação como o maior desafio atual dos direitos …

Menino francês suicida-se após castigo por usar telemóvel na escola

Um menino de 11 anos suicidou-se na cidade de Beausoleil, perto do Mónaco, no sul da França, depois de ter recebido um castigo no colégio por ter usado o telemóvel na sala de aula. A criança, …

X-59: A nova aeronave supersónica experimental da NASA entrou em produção

A Lockheed Martin iniciou a produção do avião supersónico experimental X-59, um contrato, encomendado pela NASA, no valor estimado de cerca de 230 milhões de euros. O X-59 surgiu como a solução da empresa norte-americana para …

Hitler abraçou uma menina judia. 85 anos depois, a foto foi a leilão

Uma foto de 1933 mostra o ditador nazi ao lado de uma menina de seis anos de idade cuja avó era judia. A imagem, com uma dedicatória assinada por Hitler, foi arrematada em leilão por …

A Ciência determinou o pior ano da história da Humanidade

A Ciência determinou: 536 d.C foi o pior ano para a Humanidade. Esta é a conclusão de um estudo levado a cabo por uma equipa de cientistas da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos. Se alguém …