Vídeos de suicídios, abortos ou abusos sexuais. Ex-moderadora do YouTube descreve pesadelo (e processa plataforma)

Uma ex-moderadora do YouTube apresentou uma queixa contra a plataforma na segunda-feira, acusando-a de não proteger os funcionários que são sujeitos a uma análise e remoção de vídeos violentos publicados na página.

O processo contra o YouTube descreve que a ex-trabalhadora da empresa foi obrigada a assistir a assassinatos, abortos, abusos sexuais de crianças, mutilações de animais e até suicídios.

De acordo com o processo, a ex-moderadora, conhecida como “Jane Doe”, trabalhou para o YouTube através da empresa Collabera, entre 2018 a 2019, e conta que teve pesadelos, ataques de pânico e até incapacidade de comparecer em sítios com muita gente, devido ao conteúdo violento a que assistia enquanto estava a colaborar com a empresa.

A maior parte dos moderadores de conteúdo permanecem na função por menos de um ano, e a empresa está sempre “com falta de pessoal”, por isso os trabalhadores acabam por ficar horas extras, excedendo assim o limite de visualizações diárias recomendadas. Apesar das exigências do cargo que executavam, os moderadores do YouTube tinham pouca margem para erro, esclarece o processo.

No documento judicial pode ainda ler-se que os “treinadores do bem-estar” do YouTube não tinham orientação médica, alegando que os trabalhadores tiveram que pagar pelo o seu próprio tratamento quando procuraram ajuda profissional.

Tendo em conta o que diz na queixa apresentada, a empresa espera que cada moderador analise entre 100 e 300 peças de conteúdo de vídeo por dia, com uma “taxa de erro” de dois a cinco por cento. O processo surge precisamente num momento em que os moderadores de empresas de media social têm vindo a falar cada vez mais sobre o preço que o trabalho tem na sua saúde mental.

O YouTube tem milhares de moderadores de conteúdo e muitos trabalham para empresas terceirizadas, como é o caso da Collabera, Vaco e Accenture. Joseph Saveri Law Firm, uma empresa com sede em San Francisco, que representa os moderadores, entrou com um processo semelhante contra o Facebook em maio, o que resultou num acordo de 52 milhões de dólares (cerca de 44 milhões de euros).

O Google, empresa que controla o YouTube, enfrenta uma pressão cada vez maior para controlar o conteúdo que apresenta violência e desinformação – especialmente numa altura em que se aproximam as eleições de 2020 nos EUA.

Segundo a BBC News, nem o YouTube nem o Collabera se quiseram pronunciar sobre o assunto.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Mas como é que o YouTube vai proteger os moderadores? Teriam que ter outros moderadores a visualizar o conteúdo primeiro e a agirem como um primeiro filtro, por forma a que determinado conteúdo não chegasse a estes moderadores… Infelizmente, o trabalho de moderadores de conteúdo é o que é, e não é para todos. E processar o YouTube porquê exactamente, quando estes moderadores nem trabalham para o YouTube? Quanto muito, podem processar a empresa para quem trabalham.

RESPONDER

Milhões de pessoas em risco de tráfico e escravidão devido à crise climática, revela relatório

Milhões de pessoas forçadas a deixar as suas casas por causa da seca severa e ciclones correm o risco da escravidão moderna e de tráfico humano nas próximas décadas, alertou um novo relatório publicado esta …

Mercado teme corrida ao imobiliário com o fim dos vistos gold

A partir de janeiro, segundo as novas regras aplicáveis aos vistos gold, vão deixar de estar abrangidos os investimentos em imobiliário com destino a habitação em Lisboa, no Porto e no litoral. O regime que visa …

Desempregados inscritos no IEFP caem 10% em agosto

O número de desempregados inscritos no Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) voltou a cair, pelo quinto mês consecutivo. Agosto fechou com 368.404 desempregados inscritos nos serviços públicos de emprego De acordo com os dados …

Agora que a catedral de Notre-Dame está estabilizada, pode dar-se início à reconstrução

Dois anos e meio após o incêndio que devastou a catedral de Notre-Dame, o edifício encontra-se seguro para iniciar o processo de reconstrução, que se espera estar concluído em 2024. Os trabalhos de segurança e consolidação …

Agente de viagens burlou Cristiano Ronaldo em 200 mil euros

Cristiano Ronaldo foi burlado, ao longo de mais de três anos, pela funcionária de uma agência de viagens a quem confiou os seus cartões de crédito e códigos. Jorge Mendes, Gestifute, Nani e Manuel Fernandes …

França diz-se "enganada" pela Austrália após suspensão de contrato de submarinos

Na semana passada, Estados Unidos, Austrália e Reino Unido anunciaram um acordo de defesa que inclui o desenvolvimento de submarinos nucleares na Austrália. O embaixador francês na Austrália, Jean-Pierre Thebault, disse esta segunda-feira que a França …

Sete mortos e 306 infetados nas últimas 24 horas

Portugal registou, esta segunda-feira, 306 novos casos e sete mortes na sequência da infeção por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde, Portugal …

Rússia Unida anuncia vitória nas legislativas

O partido do Kremlin, Rússia Unida, reivindicou no domingo a vitória nas eleições legislativas russas, mas a sua maioria constitucional na Duma, a câmara baixa do parlamento, está ainda por apurar, após a contagem de …

Cientistas estão a dar vida ao holodeck, um holograma que você pode tocar

Os cientistas estão cada vez mais perto de tornar o holodeck uma realidade. Investigadores estão a criar um holograma que você pode tocar. A série Star Trek: The Next Generation apresentou a milhões de pessoas a …

A partir de novembro, EUA passam a permitir entrada de estrangeiros totalmente vacinados

A partir do início de novembro, os Estados Unidos passam a permitir a entrada de viajantes da União Europeia (UE) e do Reino Unido, desde que estejam totalmente vacinados. Os Estados Unidos vão reduzir as restrições …